o “Trem-Bala da Zona Leste”: 475-Canal Belém

Por Maurílio Mendes, “O Mensageiro”

Publicado em 3 de fevereiro de 2014

Continuando nossa viagem por Curitiba, hoje vamos falar mais um pouco da Zona Leste, “Onde o Sol Nasce”. rio-belem-z-leste-z-sul

Mais especificamente, eu percorri a pé o trajeto do ônibus que tomo pra ir ao Centro – 475-Canal Belém – e fui fotografando. Assim vamos comentando o que vejo nesse trajeto.

Aqui, de minha casa (que fica no vizinho bairro do Boqueirão) rumo ao Centro.

Num outro dia eu fui pro outro sentido, de onde moro até o ponto final do busão na periferia, na Vila Lorena, Uberaba.

canal-belem-zona-sul

Boqueirão e Vila Hauer – Zona Sul

Ali perto está a Foz do Rio. Veja o dia que cheguei até ela. E já que o tema é o Rio, produzi outra matéria mostrando o Belém ‘da Nascente até a Foz‘.

………..

O Rio Belém é a divisa das Zonas Leste e Sul.

Moro numa vila as margens dele, chamada justamente por isso de “Canal Belém”. 

canal-belem-zona-leste

Uberaba e Guabirotuba: Zona Leste

Na década de 70 Jaime Lerner fez grande intervenção na região.

Implantando “Eixo de Animação do Rio Belém”, onde construiu parquinhos, canchas de esportes, ciclovias, etc. Eis o marco do projeto.

Esses totens verticais de concreto são a marca registrada das obras lernistas em suas gestões nos anos 60 e 70.

'Eixo de Animação' anos 70 gestão LernerAinda há várias espalhadas pela cidade, esta aqui está localizada no Guabirotuba, em frente ao Horto Municipal, quase na Linha Verde, a antiga BR-116.

Agora veja a que está postada na Praça do Carmo, Boqueirão.

Há um outro totem perto de minha casa. As vezes o mato cresce tanto que nem dá pra lê-lo.

…….

'eixo de animação do Belém' Uberaba Z-L

‘Eixo de Animação do Belém’: Uberaba, Zona Leste

Então. Após essa primeira urbanização dos anos 70, a população local se mobilizou:

Com abaixo-assinados pra que houvesse uma linha de ônibus a ligar as vilas próximas ao rio ao Centro da cidade.

Assim, por volta de 1978, atendendo a pedidos, a prefeitura cria a linha convencional 475-Canal Belém, que na maior parte de seu trajeto margeia o rio.

Mas nem sempre, há um trecho que se afasta algumas quadras, pra atender a parte alta da Vila São Paulo (bairro do Uberaba).

Seja como for, não está exatamente na margem, mas ainda assim o ônibus está passando próximo ao rio que lhe nomeia e é sua razão de existir.

Comentamos as fotos, algumas já mostradas acima.

guerreiro ainda na ativa Uberaba Z-L

“Clássico dos Clássicos”, um 11-13  ainda na pista. “Trabalharemos o dobro”, eis o lema desse bichão, que nunca pede uma pausa.

Logo no topo, o “Trem-Bala da Zona Leste”, a linha Canal Belém.

A apelidei assim porque ela te leva ao Centro muito mais rápido que qualquer outra, incluindo os expressos e ligeirinhos.

A explicação é simples: por ir margeando o rio, ele quase não enfrenta cruzamentos.

No domingo, quando para em menos pontos, percorro os quase 10 km que separam minha casa do Centro em 20 minutos.

E mesmo nos dias de semana é rápido, a coisa só trava quando ele tem que enfrentar os congestionamentos já dentro da Zona Central. Mesmo assim compensa.

Rio Belém

Rio Belém, já registrado da Nascente (no bairro Cachoeira, Zona Norte) até a Foz nesse espaço de comunicação.

Pra fechar o tópico do busão: de sua gênese na década de 70 ao ano de 2010, a 475-Canal Belém pertenceu a Viação Marechal, que então tinha o Uberaba, aqui na Zona Leste, como sua base atuação, bem como o Pilarzinho na Zona Norte.

A partir daí essa linha passou pro Consórcio Pioneiro e é operada pela Viação Cidade Sorriso. Pois a Marechal integra o Consórcio Pontual.

O referido Riozão tão Amado, em toda sua Glória e Explendor.

…………….

Acima eu escrevi “aqui na Zona Leste”. Mas vocês sabem que eu vivo na Zona Sul. É que justamente o Rio Belém divide as Zonas Leste e Sul. Portanto quem reside nas vilas as margens dele é ‘híbrido’, um pouco oriental, um pouco austral.

É meu caso, moro na Zona Sul mas muitas vezes eu vou “da ponte pra lá” comprar pão, tomar a condução e realizar muitas outras atividades cotidianas.

Assim veem a “Avenida do Canal do Rio Belém” fotografada no Uberaba e mais pra frente na outra margem, na Vila Hauer, representando respectivamente a Z/L e a Z/S da cidade.

vila-sao-paulo-uberaba-z-lesteVila São Paulo, bairro Uberaba, Zona Leste. Nesse trecho a linha se afasta um pouco da margem do rio, pra atender melhor o interior da vila.

O Uberaba em geral, e a “Vila Sampa” em particular, até pouco tempo atrás eram regiões de periferia, moradia da classe trabalhadora.

Mas, o sabem, o mundo vem mudando, a periferia vem mudando, e a região vem se aburguesando rapidamente. Ainda assim, o velho e o novo convivem. Verão nesse ensaio imagens de sobrados de classe média ao lado de casas mais humildes. periferia antiga - Uberaba Z-L

O mesmo processo ocorre em outras partes da cidade, como Xaxim (Zona Sul) e já num estágio mais avançado, também no Ahú e Bom Retiro (entre as Zonas Central e Norte).

A “periferia antiga” de Curitiba, casas de madeira, muitas vezes com quintais enormes e sem muros, ou com muros baixinhos.

Já lhes disse muitas vezes e é notório, até o começo dos anos 90 toda a periferia de Curitiba era assim.

É o subúrbio do Sul do Brasil – e também do Norte. Se você for a Rio Branco-AC, Manaus-AM, Belém-PA, entre outras, irá se espantar como o ambiente se parece com a Vila São Paulo, Zona periferia antiga - Uberaba Z-L1Leste de Curitiba.

E também com as periferias de Ponta Grossa e Cascavel-PR, Criciúma-SC, Santa Maria e Porto Alegre-RS, etc.

Nesse quesito, o Sul e o Norte, cada um numa ponta dessa nação-continente, tem a mesma configuração, enquanto todo o meio – o Sudeste, Nordeste e maior parte do Centro-Oeste – é diferente. 

Os bairros pobres do Sul do Brasil são assim: casas de madeira em terrenos enormes e periferia nova Uberaba Z-Lpraticamente desprotegidos. Um dia, toda a periferia de Curitiba assim se apresentou. Não mais.

A mudança foi intensa nas últimas duas décadas.

Hoje o subúrbio da capital paranaense se parece muito mais com o de em São Paulo que com o de Ponta Grossa, Criciúma e Santa Maria. Mas um resquício permanece.

Eis a “nova periferia” de Curitiba: a renda aumentou, o casal prefere comprar pronto. Muros altos, alvenaria, financiamento bancário.

era um bosque - Uberaba Z-L

Condomínio de alto padrão no Uberaba

Antes, o espaço onde hoje há um conjunto de sobrados era um terreno só. Tivesse quantas casas tivesse, as vezes eram muitas, enfileiradas.

Mas compartilhavam a entrada e o quintal gigante. Todos se conheciam, muitas vezes eram parentes, e se ajudavam, era uma comunidade.

Agora cada um tem sua entrada, e não há quintal. Os vizinhos não se conhecem, no máximo sabem o primeiro nome. 

lixo multi-dimensional

Triste cena: lixo na beira do rio

Chegamos ao ponto alto do trajeto – topograficamente falando, sem implicações figuradas. Do topo da Vila São Paulo, Uberaba, Zona Leste, avistamos respectivamente:

O Boqueirão, Zona Sul.

Aqueles prédios que vê quase no centro da imagem estão na Avenida Marechal Floriano. 

São alias os primeiros espigões de toda Marechal depois que ela deixa o Centro – estão em fase final de obras, e quando prontos serão os primeiros prédios com elevador de todo Boqueirão.

A foto do meio mostra a linha de prédios do Centro da metrópole, após uma casa florida.

A direita: O Centro do vizinho município de São José dos Pinhais, que fica na Zona Leste da Grande Curitiba. Repare na Serra do Mar emoldurando ao fundo.

Boqueirão Z-S visto do uberaba Z-LCentro de Curitiba visto do Uberaba Z-LCentro de SJP visto do Uberaba Z-L

……….

U. S. V. S. Paulo - Uberaba Z-LO postinho de saúde da Vila São Paulo, Uberaba. Aqui o trajeto da linha Canal Belém retomou a margem do rio que o nomeia.

Há uma linha chamada “Vila São Paulo” também, mas ela passa mais pro interior do bairro, bem longe da orla do Belém.

Logo a frente do postinho é o ponto de parada do ‘Guerreiro Incansável’, o 11-13 Mercedão que já vimos acima. Agora segura essa:

Uberaba Z-LesteVimos o caminhão mais vendido da história do Brasil acima. Seguindo a sessão “retrô”, um glorioso Fusca, o carro mais vendido da história da humanidade.

E veja, esse aqui não é relíquia, fetiche de algum colecionador rico. Ao contrário, ainda é o meio de transporte de alguém mais humilde.

Pra fechar a Zona Leste, mais uma vila mais simples no Guabirotuba.

Uberaba Z-Leste1Vejam como partes da periferia de Curitiba hoje se parecem mais com a de São Paulo, com todos esses sobrados, que com a do Sul do Brasil.

Mas as casas de madeira permanecem. Assim, melhor dizendo: Curitiba é a ponte entre o Sul e o Sudeste, mescla características de ambos.

Ajudando a unir as regiões da Pátria Amada, fazendo com que o Brasil seja um só, em termos de Energia (alias Curitiba foi fundada exatamente pra trazer o atual Sul pro território luso, e depois brasileiro).passarela florida Z-Leste Z-Sul

Com a miríade de diferenças culturais que existem convivendo pacificamente dentro desse Universo.

……….

Cruzando essa florida passarela, estaremos de volta a Zona Sul, agora no bairro da Vila Hauer.

Vila Hauer - Zona SulE é ali, no Hauer, que observam essa vila que ainda é periferia, por hora não se aburguesou.

Volto a Z/L, e seguindo, chego a antiga BR-116, atualmente a ‘Linha Verde’, a direita.

Linha Verde ………

Atravessando-a, chegamos ao bairro do Prado Velho, já na Zona Central, com suas arborizadas alamedas – é um pleonasmo, “alameda” significa exatamente rua ladeada por árvores.

Logo estaremos na PUC. Veja o que vi por ali:

Prado Velho - Z-Leste-Centralagora-a-pucurubu vigia a PUC-PR

Primeiro as pacatas e verdes ruas do Prado Velho. O Portal da PUC-PR adornado por lindíssimas flores a seu redor. E logo ao lado um urubu tomou ponto de observação no alto da universidade.  aqui era o Prado Velho

Ele estava sobre o que um dia foram as arquibancadas do antigo Jóquei Clube do Paraná. E por isso a rua e o bairro são nomeados como são.

Muitas décadas atrás em meados do finado século 20 (quando a cidade era bem menor) era ali o hipódromo, próximo ao Centro.

Curitiba cresceu, e a Associação Hípica do Paraná mudou-se pra novo terreno, bem maior, no bairro do Tarumã, também Zona Leste mas longe dali de onde estamos.

aqui-era-o-joqueiA sede recém-inaugurada, evidente, era o “prado novo”. As imediações do antigo hipódromo desativado ficaram por analogia conhecidas como “o Prado Velho”.

Quando a PUC comprou a área pra fazer seu campus manteve a construção, transformando-a num museu. Aqui, vemos o fundo dela.

Se eu entrasse no terreno da universidade e clicasse pelo ângulo oposto, veriam os degraus preservados das antigas arquibancadas, onde um dia a elite curitibana se congregou pra apostar em corridas de cavalos. buso canal belem marcop amarelo ctba

…………

É isso galera. O busão 475-Canal Belém não termina nesse ponto, ainda segue até a praça Rui Barbosa, no Centrão.

Mas dali eu peguei outra linha, pois precisava ir a uma parte distinta da cidade.

Violeta Rio Belem Z-Leste Z-Sul

As flores do Canal Belém – e também do Jd. Social – estão nessa outra postagem.

Igualmente aqui perto de minha casa ele ainda segue bem mais pra frente de onde principiei esse registro fotográfico.

Portanto essa outra ponta do trajeto, a periférica, tampouco foi retratada.

Dessa vez, me limitei a mostrar o trecho intermediário, que é o que eu utilizo regularmente.

Outro dia eu re-começo de onde parei e fotografo e comento tanto o início quanto o fim do itinerário do 475, oficialmente “Canal Belém”, pros íntimos o “Trem-Bala da Leste”.

Deus proverá“

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s