Barcos e Prostíbulos: Batel e Bigorrilho (Zonas Oeste/Central)

buso ctba biartic verm neobus Bigorrilho Z/o canaleta corredor classe média alta elite árvore prédio

Belo fim-de-tarde no Bigorrilho, entre as Zonas Central e Oeste.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 28 de julho de 2010

A foto ao lado é de minha autoria, bem como mais algumas outras. Informo quais na legenda.

As demais foram puxadas da rede ou enviadas por colegas que participam desse canal de comunicação.

Continuemos a falar sobre os nomes dos bairros de Curitiba. Não apenas desses dois vizinhos e muito ricos entre o Centro e a parte ocidental da cidade, mas também outros.

Veja a população e localização dos 75 bairros.

Avenida Batel Z-Central

Avenida do Batel, Zona Central.

Vizinho ao Centro e bastante ligado a ele, vamos encontrar o bairro que tem a maior renda per capita de Curitiba, o Batel.

A origem do nome vem de palavra ‘Bateau’, barco em francês.

Quem não estudou essa língua ficou sabendo dessa tradução de forma trágica:

Na passagem pro ano de 1989 o ‘Bateau Mouche’ afundou no Rio de Janeiro, matando bastante gente.

1978

Favelas em Curitiba, 1978. O arquivo original era em pdf. Eu não sabia como transformar em jpg, fotografei e colei a tela. Como tanto meu equipamento quanto técnica são amadores não saiu perfeito, você percebe as emendas. Mas não dá nada, o importante é o mapa circular. Veem que a fonte é a página do Ippuc. Veja essa outra matéria, em que detalhei a história das ocupações irregulares em Curittiba, boa parte delas surgem antes de eleições.

Voltando ao bairro da elite curitibana na Zona Central da cidade:

Segundo se diz alguém estava indo a uma festa religiosa, e levava um barco em miniatura.

Que seria jogado em algum rio pra agradecer uma benção divina.

Era uma réplica bem feita, inclusive trazia no casco um nome em francês, “Bateau alguma coisa”.

Sabe-se lá o porque, após tanto esmero na confecção, o devoto deixou cair essa mini-embarcação na rua.

Onde ela ficou por uns dias.

Os populares passaram então a chamar o local por ‘região do Bateau’.

É sabido por nós que ‘bateau’ se pronuncia batô.

Mas na época quem viu o barquinho na rua era desprovido desse conhecimento, falando a palavra como a lia.

A seguir simplificou-se a grafia, mantendo-se então o nome do bairro como aportuguesação da palavra francesa que quer dizer ‘barco’:

A região do Bateau” (pronunciado não em francês, mas como se lê em português) virou “a região do Batel”, e logo simplesmente ‘Batel’.

2005

E aqui em 2005. Simplificando a legenda: ‘Assentamento’ é quando há invasão do terreno. ‘Loteamento irregular’ é quando o dono de uma chácara parcela sua propriedade em lotes bem menores, urbanos. Assim não houve invasão. Mas se for sem alvará e autorização da prefeitura, as ruas ficam estreitas e irregulares, a princípio não há equipamentos públicos como asfalto, ligações regulares de água e luz, etc, e as casas não têm escritura. Em azul e violeta a prefeitura estava implantando essa infra-estrutura, em bege e verde (na época) ainda não havia planos de fazê-lo.

………..

O vizinho Bigorrilho (na divisa entre as Zonas Oeste e Central) deve seu nome a um puteiro.

Era de propriedade de uma cafetina e prostituta, chamada popularmente de ‘bigorrilha’.

Essa palavra é uma ofensa, quer dizer pessoa incômoda, e um puteiro é exatamente isso, algo incômodo, que movimenta energias baixas.

E essa casa de luz vermelha incomodava os moradores do bairro, que por isso apelidaram a rameira de ‘bigorrilha’.

Com o tempo masculinizaram a palavra, ‘a dona Bigorrilha’, cafetina e prostituta, virou ‘o Bigorrilho’, como se ela fosse um Homem . . .

Também na Zona Oeste há um outro bairro em que o homenageado também mudou de sexo de forma póstuma.

O bairro da Augusta começou como colônia Dom Augusto, que era um neto varão de Dom Pedro.

Augusta e Bigorrilho têm em comum o fato que as pessoas que lhes deram origem tiveram seus sexos invertidos, e ambos são na Zona Oeste mas em pontas opostas dela:

O Bigorrilho faz divisa com o Centro, e poderia ser classificado também na Zona Central.

Parque Tanguá (Pilarzinho) Zona Norte

Vamos ver fotos diversas da cidade, não necessariamente dos bairros que estão sendo falados no texto. Aqui o Bosque do Tanguá, Pilarzinho, Zona Norte.

É densamente verticalizado (28 mil habitantes), têm uma das taxas mais altas de moradores por km quadrado.

Por ser de renda muito elevada é importantíssimo polo de empregos, muitos outras milhares de pessoas acorrem ao bairro no horário comercial.

Já a Augusta é na extremidade do município, fazendo divisa com Campo Largo.

Ainda tem a maior parte de sua área formada por propriedades rurais. Vivem na Augusta 6 mil curitibanos.

……

bom retiro

Próximas 2: Entardecer na Praça da Bandeira, Bom Retiro, vizinho ao Pilarzinho mas já na divisa das Zonas Norte e Central.

Voltando ao Bigorrilho: alguns insistem em chamar o bairro de Champagnat, denominação que não será utilizada por mim até que se torne oficial.

Já houve um projeto de mudar o nome do bairro, mas não passou na câmara.

Talvez porque ao invés de simplesmente propor a alteração de nome de Bigorrilho pra Champagnat eles ainda queriam redefinir os limites:

Pretendiam engolfar também uma área que pertence ao bairro das Mercês.

bom retiro1Realmente boa parte do que é conhecido por Champagnat está além do Bigorrilho.

A antiga sede da Tuiuti e a Praça 29 de Março, por exemplo, estão de fato nas Mercês.

Então os que defendem a mudança não queriam apenas alterar o nome de um bairro mantendo os limites atuais e sim redesenhar o mapa da cidade, alterando as delimitações de 2 bairros, Bigorrilho e Mercês. 

por-do-sol

Mais um pôr-do-sol, mas em outra parte da cidade: sobre os trilhos do trem no Capão da Imbuia, Zona Leste. Veja aqui a mesma cena, e na mesma estrada férrea, alguns km mais a frente, em Piraquara, igualmente Z/L mas já na região metropolitana.

Só que isso criou um complicador, que talvez tenha sido determinante pra derrocada da iniciativa.

A prefeitura não se opõe que um bairro troque de nome, se for o desejo de seus moradores.

Tanto que o antigo Capanema se tornou Jardim Botânico em 1992.

Mas a prefeitura veta qualquer iniciativa que vise re-desenhar os limites entre os bairros.

Outras cidades não têm problemas com isso.

Recentemente, uma parte do bairro São Cristóvão, no Rio de Janeiro, foi desmembrada, passando a se chamar Vasco da Gama, pra homenagear o clube de futebol.

Alegou-se que Flamengo e Botafogo já eram bairros. Só se esqueceu de mencionar que nesses dois casos foram os bairros que nomearam os clubes, e não o contrário.

vila audi-uberaba

Seguimos na Zona Leste, e perto dos trilhos do trem. Tomada aérea da antiga favela da Vila Audi, Uberaba, que foi invadida no território do Parque Nacional do Iguaçu.

Enfim, o fato é que o projeto foi aprovado, e agora existe o bairro Vasco da Gama na Zona Norte do Rio.

Em Porto Alegre-RS, o bairro Mário Quintana foi desmembrado do bairro Protásio Alves pra homenagear o poeta gaúcho.

Ambos os bairros surgiram no mesmo ano, 1998, e foram desmembrados de seus originais.

São Cristóvão e Protásio Alves ainda existem, embora menores.

uniao ferr-ubr

A mesma região depois de urbanizada. A prefeitura fez essa cohab, chamada justamente ‘Vila União Ferroviária‘ por conta de ser ao lado dos trilhos, pra urbanizar as Vilas Audi e União. Foi um projeto excelente que melhorou a vida de milhares de pessoas, e só podemos aplaudir. Infelizmente o ponto negativo é que o Parque Nacional do Iguaçu deixou de existir na Zona Leste, apenas a parte da Zona Sul continua preservada.

Foi o que tentaram fazer aqui, desmembrar uma parte do Bigorrilho e das Mercês.

Mas o que é permitido em outras cidade é interdito em Curitiba. Se a população estivesse de acordo, o Bigorrilho poderia virar Champagnat, mas é isso:

O nome pode mudar, o espaço físico que o bairro ocupa não pode. Não se pode alterar fronteiras de bairros e nem fundi-los.

Assim o Bigorrilho continua sendo uma homenagem a uma prostituta e não ao padre Marcelino Champagnat, como alguns gostariam.

Eu não defendo e nem me oponho a mudança, mas só a adotarei depois de oficial, como já falei.

O Jardim Botânico é o Jardim Botânico, eu não chamo pelo nome antigo, porque houve plebiscito que determinou a mudança.

No Bigorrilho, e também no vizinho Mossunguê (e partes do Campo Comprido e Cidade Industrial) não houve processo oficial de mudança.

Praca Rui Barbosa (Centro)

Praça Rui Barbosa (Centro)

Apenas na cabeça de alguns é que a região é chamada de ‘Champagnat’ e ‘Ecoville’.

Isso pra mim é ficção e sempre será grafado entre aspas.

…..

Já abordamos bem a divisa entre as Zonas Central e Oeste, a região do Batel, Bigorrilho e Mercês. Indo pra outras partes da cidade e continuando a falar sobre a origem dos nomes de bairros:

z/n letreiro eletrônico buso amarelo marcop ctba Bom Retiro

O ônibus Bom Retiro passa em frente ao terreno que um dia sediou o hospital que nomeia o bairro. Não mais. O local está vago e abrigará um empreendimento comercial de grande padrão, o que demolirá o lindo bosque que há ali. Foto batida pessoalmente por mim.

No caso da Boa Vista e Vista Alegre, nas Zonas Norte e Oeste, respectivamente, a origem é óbvia e é a mesma.

Situados em lugares altos, os bairros ofereciam excelentes visões panorâmicas do Centro, vistas ‘boas’ e ‘alegres’, na opinião dos que ali estavam.

Na Zona Central, a Água Verde (vizinha do Batel pelo lado oposto ao Bigorrilho) se deve a um rio de mesmo nome.

Que nasce nas proximidades do estádio do Atlético e deságua no Rio Belém, na região da Vila Capanema, no Prado Velho, também Z/C.

………..

cajuru cajurú micro marcop buso cristo rei ctba convencional amarelo z/l z/c chuva dezembro 2009

O ônibus Cajuru não passa no Cajuru, e sim no Capão da Imbuia. Mas até 1974 o Capão pertenceu ao Cajuru.

O Bom Retiro no começo da Zona Norte (alguns  diriam Zona Central) herdou a nomenclatura do hospital psiquiátrico Bom Retiro.

Que pertence a Federação Espírita do Paraná. Antigamente era do lado oposto da via, onde hoje há uma faculdade.

Quando fiz esse texto, em 2010, o Hospital Bom Retiro era na Rua Nilo Peçanha onde esteve por muitas décadas.

praça japão água verde batel z/c ctba elite água prédio cidade árvore

Praça do Japão, na divisa entre Batel e Água Verde, Z/C. Já fiz uma versão dessa cena com minhas próprias mãos.

No bairro do Bom Retiro, que  tem esse nome por causa dele, como estamos falando e é domínio público.

Depois disso, entretanto, ele foi transferido pra outro ponto da Zona Central, no bairro Jardim Botânico, entre a Fiep e o Hospital Erasto Gaertner. 

……

O Batel, como é sabido, é o bairro que faz divisa com o Centro a oeste.

8070 lona buso ctba frota pública volvo ciferal alvorada articulado chapa branca laranja propriedade povo cic cidade industrial letreiro saliente cima praça japão água verde batel z/c prédio elite árvore classe média alta ponto parado gente subindo embarcando passageiros

Antes dos tubos havia um ponto de ônibus exatamente na Pça. do Japão. Aqui vemos, no finzinho dos anos 80, o 8070 ‘sanfonado’ da Frota Pública da Urbs indo pro Terminal do CIC. Hoje não há mais esse expresso, só ligeirinho. Nessa outra postagem que também falo de Curitiba antigamente, há uma tomada ali perto, logo que o buso faz a curva rumo a República Argentina, dos anos 70, ainda em P&B, antes mesmo dos articulados.

Continuemos na Zona Central mas vamos cruzar todo o Centro rumo a ao bairro que o limita a leste, o Alto da XV: Seu antigo nome era Itupava.

Ainda há algumas placas antigas (daquelas verdes que eram pregadas diretamente na parede das casas) que trazem esse nome, por isso creio que ele tenha perdurado até 1974.

A XV de Novembro e a Itupava são duas ruas paralelas, que começam no Centro ou próximo dele, e cortam a cidade rumo a Leste.

No duelo entre essas duas ruas paralelas, primeiro a Itupava levou a melhor e era ela quem nomeava o bairro.

Depois a XV de Novembro virou o jogo, e tirou da Itupava essa primazia.

Atualização: 1 ano e pouco depois que fiz esse texto, fui pela 1ª vez a Guarapuava, no sul do Paraná (e Sul do Brasil).

Lá também há o bairro Alto da XV, e pelo mesmo motivo, a Rua XV começa no Centrão e vai cortando a cidade, pra isso subindo uma ladeira, configurando ‘o Alto da 15’.

Santo Inácio Bigorrilho Z/o ctba linha prédio elite classe média céu nuvens árvoresobrado

Santo Inácio, Zona Oeste. Os prédios do Bigorrilho ao fundo. Essa fui eu quem cliquei.

Por sua vez, outras cidades têm bairros chamados ‘Itupava’. Uma delas é   Blumenau-SC.

…………..

A prefeitura veta desmembramentos no limite dos bairros por iniciativa popular.

Mas há casos em que por sua iniciativa a própria prefeitura muda o mapa da cidade, criando novos bairros tomando terreno de outros mais antigos.

A Cidade Industrial e o Centro Cívico foram caso de bairros que surgiram no território que já era ocupado por outros bairros.

buso ctba lona anos 90 expresso viação curitiba monob 3 bigorrilho prédio árvore canaleta padre anchieta campina siqueira capão imbuia z/o z/l

Outra tomada da canaleta da Padre Anchieta, Bigorrilho. Um Expresso Monobloco na também extinta linha Campina do Siqueira/Capão da Imbuia. Finada Auto Viação Curitiba, encampada na ‘licitação’ de 2010. Veja a cena de outro Mono na mesma linha, mas em outro local, o buso passa sob uma Maria-Fumaça na famosa Ponte Preta. E também de distinta empresa, a Cristo Rei. Como a linha ligava as Zonas Oeste e Leste, ambas viações a cumpriam.

Mas foram frutos de políticas públicas oficiais, e não resultado da iniciativa de alguns de seus moradores.

Como o nome indica, são bairros que cumprem funções bem específicas.

A Cidade Industrial é dos anos 70, e o Centro Cívico dos anos 50.

O último desmembramento de Curitiba ocorreu em 1974, na última vez que houve alterações nos traçados dos bairros.

O Capão da Imbuia se separou do Cajuru, virando um bairro a parte.

Isso explica porque o ônibus Cajuru, que sai da praça Carlos Gomes, não passa pelo bairro do Cajuru. Não passa hoje, mas um dia passou.

A perda do Capão da Imbuia foi apenas uma das muitas desterritorializações do Cajuru. 

Escrevi mais sobre o Cajuru em particular e a Zona Leste em geral em uma outra mensagem, onde digo porque o hospital do Cajuru está no bairro do Cristo Rei.

placa Bigorrilho Z/o ctba prédio classe média alte elite alice tibiriçá padre anchieta

Esquina no Bigorrilho, minha autoria.

…….

Por hoje podemos encerrar.

Que Deus Ilumine a todos.

Deus proverá”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s