a Guerra Civil Colombiana: todos contra todos, como a CIA gosta

estacao-bogota

Aqui e acima da manchete: Transmilênio de Bogotá, sistema de transportes que ajudou em muito a reduzir a violência na capital do país. Como ainda há guerrilhas e quadrilhas de criminosos comuns, todas as estações são guardadas por policiais. No metrô de Medelím é o mesmo.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 12 de abril de 2011

Segue a série sobre a Colômbia.

Nessa mensagem são poucas fotos de minha autoria. A maioria foi puxada da rede ou foram clicadas por meus familiares.

A Colômbia vive as últimas fases de uma longa guerra civil que vem desde os anos 60.

O auge foram os anos 80 e 90. Desde a virada do milênio a coisa começou a acalmar e hoje está infinitamente melhor.

A Colômbia tem criminalidade comum muito alta, embora também ali tenha havido acentuada queda como a coisa era horrorosa ainda está bem ruim.

jardim botânico medelím colômbia panorâmica bola sede mata bosque árvore serra montanha

Jardim Botânico de Medelím: é muito maior e mais exuberante que o de Curitiba. Não estive nesse local, repasso o que me foi relatado por quem foi.

Mas os confrontos entre facções armadas, situação que espelhava o Afeganistão ou Somália, esse se reduziu em mais de 90%, felizmente. Entretanto ainda não acabou de todo.

Não há como falar da Colômbia sem entrar no terreno das drogas e da violência. E não há como falar dos tumultos na Colômbia sem falar dos EUA.

PARTE 1: UM PAÍS EM GUERRA

A Colômbia é um país muito violento. Vários confrontos atingem o país, de forma entrelaçada:

1) Há o conflito entre as guerrilhas de esquerda (Farc e ELN) contra os governos ianque e colombiano e contra os paramilitares de direita das AUC, renomeadas Águias Negras.

Uma batalha por ideologia. Tanto a direita quanto esquerda se financiam com o tráfico.

Outro detalhe, se é que se pode falar em governo colombiano independente dos EUA. Já que por um “acordo” com o governo colombiano o FBI, CIA e DEA operam na Colômbia quase como se estivessem nos EUA.

2) Há também o enfrentamento entre os cartéis e entre cada um deles e o estado. Aqui não há qualquer ideologia, são abertamente 2 organizações criminosas lutando pelo domínio do mercado.

3 tomadas de dentro do avião quando ele se preparava pra descer em Bogotá. Essas de minha autoria, e são de junho de 2012, um ano depois de minha viagem a Colômbia. Quando fui ao México fiz escala em Bogotá, e dali saíram essas tomadas.

3) E por fim há a criminalidade comum, que se organiza apenas dentro de cada morro.

Sem conexões internacionais, ou nem mesmo nacionais, mas que também mata muita gente.

E as confusões se somam, pois se inter-penetram numa miríade caleidoscópica de alianças.

As Farc podem num momento se aliarem ao Cartel de Medelím, assim logicamente as AUC buscam o de Cali.

Porém no momento seguinte as lealdades podem estar invertidas.

As duas guerras paralelas se casam, virando uma só, porém com instabilidade permanente nos alinhamentos.

Tudo somado: são todos contra todos, muitas matanças, e sangue correndo aos borbortões pra alguns figurões na Colômbia e EUA terem dinheiro e poder.

………….

Verdade que já foi bem pior. A fase mais macabra dos tumultos foram os anos 80 e 90, quando diversos grupos armados explodiam bombas nas cidades. De lá pra cá a coisa melhorou muito.

Agora as cidades são extremamente violentas, há chacinas frequentes (nada diferente do que ocorre no Brasil), mas não há mais guerra, ao menos nas zonas urbanas.

Vamos traçar um rápido panorama da situação. Primeiro, a Colômbia está em guerra civil desde os anos 60.

Há uma insurgência armada contra o governo, capitaneadas por dois grupos.

O maior são as famosas Farc – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as vezes grafada Farc-EP, sendo EP Exército do Povo. Foi fundada por Manuel “Tirofijo” Velez Marulanda. É um codinome, ele fora registrado Pedro Antonio Marín.

‘Tirofijo’ significa ‘tiro certeiro’ em português. Foi morto em maio de 2008, por uma arma mais certeira e poderosa que a sua.

O outro grupo insurgente é o Exército de Libertação Nacional – ELN.

Esse grupos operam, as vezes em conjunto, contra os governos colombiano e estadunidense (como sabem os EUA têm bases militares na Colômbia, e os agentes civis do FBI, CIA e DEA atuam igualmente no país) e os paramilitares de direita.

Quase aterrizando . . .

Nos anos 90, como ‘iniciativa de paz’, o governo colombiano desmilitarizou boa parte de seu território.

Cedendo o controle militar dessa área as guerrilhas de esquerda, que assim passaram a ser o estado de fato nessas regiões.

As Farc ficaram com a maior parte, mas sobrou um quinhão pro ELN. No auge, esses grupos controlaram 40% do solo colombiano.

Paradoxalmente  o aumento de poder da guerrilha fez crescer também os paramilitares que combatiam a guerrilha.

O grupo mais famoso eram as AUC – Autodefesas Unidas da Colômbia. Oficialmente as AUC ‘acabaram’ na última década. Na verdade parte de seus membros se reorganizou sob novas denominações, notadamente o esquadrão das Águias Negras.

A mídia diz que as Farc se financiam com dinheiro das drogas. E é verdade. O que a imprensa não fala que os paramilitares de direita também se capitalizam cobrando pedágio do tráfico.

O próprio fundador das AUC, Carlos Castanho, declarou que 70% do orçamento das AUC (agora Águias Negras) vem da cocaína. Não precisa crer em minha palavra. Ouça do próprio:

http://en.wikipedia.org/wiki/United_Self-Defense_Forces_of_Colombia

..……

Por tudo isso as bases estadunidenses ali. Pra combater a guerrilha de esquerda sim. Pra combater o tráfico não.

A droga não é o único motivo da guerra na Colômbia. Mas é um dos motivos, e não é irrelevante. E não há mocinhos nessa história.

As Farc são um grupo terrorista, que ganha dinheiro com as drogas. Fato. Mas as AUC (agora Águias Negras) também são.

As oligarquias colombiana e estadunidense também faturam rios de dinheiro sujo com a movimentação internacional da cocaína. E, pra manter  esquema, pratica-se terrorismo de estado.

A Colômbia bombardeia seus próprios cidadãos usando armas, equipamentos e dinheiro ianques.

Tem mais: operações conjuntas ianque-colombianas pulverizam agente laranja (toxina gravíssima) nas plantações colombianas. Não nas plantações de coca, como sai na mídia, mas nas plantações de feijão, milho e arroz, e nas criações de frango e gado.

http://www.dhnet.org.br/direitos/blocos/planocolombia/colombia_gtnm.html

http://bncamazonas.com.br/2015/10/26/agente-quimico-usado-na-guerra-do-vietna-contamina-rios-do-am/

medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta metrô transporte elevado trem prédios classe média alta

Metrô de Medelím, o único da Colômbia. Ao fundo os prédios da parte rica da cidade, a Zona Sul.

O que ocasiona que milhões de colombianos tiveram que abandonar o campo e inchar as favelas que se empilham nas encostas dos morros nas cidades.

Agora que já falamos dos que compram a cocaína, vamos falar de quem a fornece: os cartéis.

Haviam dois principais, nomeados segundo a cidade que lhes sediava, Cali e Medelím.

O segundo, como é notório, foi fundado por Paulo Escobar Gavírria. Li um pouco sobre ele na Colômbia, pois nas enormes favelas de Medelím (e mesmo em menor escala na classe média) ele é tido como um mito por alguns, um herói, o Lampião dos Andes.

Nasceu no campo, entre muitos irmãos de uma família numerosa. Muito jovem foi inchar uma das favelas de Medelím. Foi preso pela primeira vez ainda menor, com 16 ou 17, por roubo de carros. Logo em seguida começou a traficar.

transmilenio

Mapa do Transmilênio em 2012: um ano depois que fui lá, portanto o sistema já está maior que a que presenciei, posto que a expansão é permanente. Em cinza clarinho o que estava em obras, pra rede crescer ainda mais. Desde então mais coisa foi inaugurada, atingindo pela 1ª vez a região metropolitana, que já fica em outro estado.

Pegou o jeito da coisa. Montou um império. No auge, o final dos anos 80, chegou a ser a sétima pessoa mais rica do mundo.

Não é pra menos. Então ele movimentava um milhão de dólares por dia com a venda de cocaína.

Paulo Escobar trabalhava pra Oligarquia ianque, é claro, ao contrário do que diz a propaganda oficial. Enquanto foi útil a ela, não foi incomodado.

Há uma imagem (abaixo a esquerda) que vale por milhões de palavras.

Escobar já era o “inimigo público número 1”, o “homem mais procurado da Colômbia”, aquela lavagem cerebral toda.

Será mesmo? Porque ele mesmo fez questão de provar que era bem-quisto em Washington, D.C. . Foi a essa cidade e tirou uma foto em frente a Casa Branca.

Obviamente não preciso lhes explicar que o Palácio Presidencial dos EUA é um dos lugares mais vigiados do planeta, até teus pensamentos são escaneados se você se aproxima desse local.

E Paulo era uma figura conhecidíssima. Se ele já era um dos homens mais procurados do planeta – inclusive pelo FBI – como poderia passear pela capital estadunidense livremente, e justo em seus pontos mais nevrálgicos e a luz do dia?

2 detalhes corroboram o fato que ele tinha certeza que não seria incomodado pela miríade de forças de segurança que agem ali em alerta máximo: 1º, ele não se disfarçou. Nem sequer raspou o bigode, que é sua assinatura indelével. Ou seja, foi exatamente como é conhecido.

casa branca

“Os Bons Amigos”: Paulo Escobar na Casa Branca, Washington DC, EUA.

2º, ele levou seu filho junto. Paulo Escobar era um assassino sanguinário contra seus inimigos, mas jamais colocaria seu próprio rebento em perigo.

Se ele levou a criança é exatamente porque tinha certeza absoluta que não havia nenhum perigo de ser abordado pelas forças de segurança ianques.

Ora, amigos. Escobar era um assassino cruel, mas estava longe de ser burro. Ninguém se torna a 7ª pessoa mais rica da Terra se tiver um QI limitado, pois a competição é acirradíssima. Escobar era muitíssimo inteligente, isso é um fato.

E ele, propositadamente, calculou esse passo. Fez questão não apenas de passar em frente a Casa Branca – e se você é procurado pelo FBI você é preso assim que desembarca no aeroporto, você não entra em Washington e muito menos nas imediações de onde está o presidente – mas de ser fotografado ali.

bogota

Próximas 2: Crepúsculo em Bogotá

Pra quê? Certamente pra mostrar ao mundo que ele tinha boas relações com as pessoas que trabalham do lado de dentro daquela grade.

Amigos nunca esquecem os amigos, e por isso fazem uma visitinha de cortesia.

Mais uma vez e sempre: Escobar era funcionário da Oligarquia Ianque, e enquanto foi útil foi preservado, podendo passear a vontade incluso nas ruas mais vigiadas do mundo.

Quando o vento mudou foi eliminado, em 1993. Uma década depois dele fizeram o mesmo com Saddam Hussein, outro que um dia fora “Bom Amigo” e bem-visto em Washington e Nova Iorque.

………….

O mesmo aconteceu com o ditador do Panamá Manuel Noriega. Foi colocado no poder pelos EUA.

Como é sabido, o Panamá pertencia a Colômbia, e foi separado militarmente a força pelos EUA. A Colômbia e o próprio Panamá independente nunca ratificaram a divisão.

O “acordo” que sacramentou o ato foi assinado por um ianque e por um francês, mas por nenhum colombiano e nem sequer por um panamenho.

bogotaDesde então os EUA nomeiam, direta ou indiretamente, todos os presidentes do Panamá.

Exceto um. Omar Torrijos, na década de 70, almejava que o Panamá (incluindo o Canal) fosse livre tantos dos EUA quanto da URSS.

Era um Homem justo e bom, admirado pelos pobres e pela classe média. Foi assassinado pelos ‘chacais’ CIA, os ‘homens de preto’ da tropa de elite de ‘operações especiais’.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Omar_Torrijos

https://es.wikipedia.org/wiki/Omar_Torrijos_Herrera

https://en.wikipedia.org/wiki/Confessions_of_an_Economic_Hit_Man

A partir daí a coisas voltaram “ao normal”. Generais do exército voltaram a comandar com mão de ferro o país, estabilizando o fluxo de cocaína que sai da América do Sul rumo a Europa-EUA. Um deles era Manuel Noriega, que sempre foi narcotraficante.

Os EUA sabiam, e o mantiveram no poder mesmo assim – na verdade exatamente por isso. Em 1986, veio a público que Noriega era agente da CIA. Eram os tempos do escândalo Irã-Contras, em que ‘abriram o baú’ das operações sujas da CIA na América Central.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_Noriega

https://es.wikipedia.org/wiki/Manuel_Antonio_Noriega

zipaquirá grande bogotá metrop centro colômbia casario colonial antigo velho céu nuvens azul

Próximas 6: Centro Colonial de Zipaquirá, a 50 km de Bogotá. Uma cidade em metropolização, é um subúrbio afastado da Grande Bogotá, ao mesmo tempo já é interior da Colômbia.

Mostrando como o governo ianque criou esquadrões da morte na Nicarágua, Honduras, Guatemala, Panamá e diversos outros países.

Então, nessa onda de revelações comprovou-se o papel da CIA na ditadura Noriega, o que em verdade todos já sabiam.

Mesmo com o escândalo na mídia e opinião pública, o governo ianque decidiu mantê-lo no posto.

Afinal era o “nosso FDP”, como se diz nos corredores do poder de Washington DC.

Porém no fim dos anos 80 ele quis aumentar o pedágio pra cocaína atravessar o território panamenho. Erro fatal. Numa invasão ianque em 1989, foi deposto.

Entre 3 a 5 mil panamenhos morreram em duas semanas, a maioria nas favelas, que no Panamá são tão gigantescas quanto na Colômbia, e em quem os bombardeiros ianques despejaram munição sem dó. zipa

Noriega está preso até hoje, agora na França, pra dar um verniz ‘internacional’ ao império estadunidense.

Atualização: escrevi esse texto em abril de 2011, como está datado no cabeçalho. No final do mesmo ano de 2011, Noriega foi extraditado de volta ao Panamá.

…………..

O que ocorreu com Noriega é exatamente igual ao que ocorreu com Escobar. Enquanto seu trabalho era útil a Oligarquia, foi mantido intocado. Mas ao querer lucrar mais que o ‘permitido’ (sempre na visão do comprador da droga) passou pra ‘lista negra’ e foi abatido.

Entretanto, antes de tombar morto no telhado de uma casa de luxo num subúrbio de Medelím, teve tempo de construir um império. As torneiras de sua casa eram de ouro, como se sabe.

torre sino templo zipaquirá grande bogotá metrop colômbia igreja antigo velho relógio céu nuvens azul

Igreja em Zipaquirá. Essa é acima da terra. Porque há outra no fundo de uma mina, feita inteira de sal, atração mundial.

Os comandos de traficantes cariocas se inspiraram nele. Desde sempre, ele ajudou os mais carentes:

Dava comida e remédios de graça, construiu igrejas e campos de futebol nas favelas, e mesmo ergueu bairros inteiros pra quem não tinha onde morar.

Também fundou um grupo de extermínio chamado MAS (Morte Aos Sequestradores), pra impedir o crime comum.

Mas por trás de um homem bonachão e paternalista com os mais humildes também existia o bandido sanguinário.

É claro, ninguém fatura um milhão por dia apenas distribuindo remédios. Executava sem piedade qualquer um que entrasse em seu caminho.

Ficou famoso por utilizar carros-bomba, que colocava em pleno Centro de Medelím e Bogotá, no horário comercial. Dezenas de inocentes morriam em cada explosão.

Chegou a derrubar um avião comercial com uma bomba pra tentar matar um candidato a presidente, que não embarcou no voo pois a notícia vazou. Mais de uma centena de pessoas não tiveram a mesma sorte e fizeram ali a ‘viagem final’.

Paulo Escobar Gavírria também financiava o Nacional de Medelím, pra lavar dinheiro e ficar de bem com o povão. Esse clube, que é alviverde, é sem dúvida o maior do país em torcida. Em 1989, o Nacional foi campeão da Libertadores. O primeiro de fora do Mercosul original a fazê-lo.

torre sino templo zipaquirá grande bogotá metrop colômbia igreja antigo velho céu nuvens azulAté 1989, apenas times do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai haviam ganhado o torneio mais difícil do continente.

O Nacional-Medelím com o dinheiro de Escobar foi o 1º de fora desse clubinho seleto de nações.

Não foi uma façanha pequena. A Colômbia é pobre e está em guerra, na época estava pior que hoje. Medelím é ainda mais pobre e é o centro dos tumultos.

Além disso, Escobar não contratava estrangeiros, só colombianos. O goleiro Renê Higuita, herói do título, visitou Escobar na cadeia, em agradecimento.

O cartel de Cali, arqui-rival do de Medelím, da mesma forma lavava dinheiro através do futebol, montando um bom time pro América de Cali, também um dos clubes mais populares do país.

Porém eles contratavam estrangeiros. Chegou 3 vezes seguidas a final da Libertadores (1985-87), mas perdeu todas. E de novo em 1996. Não conseguiu igualar o Nacional, e dificilmente o fará daqui pra frente, já que a fonte do cartel secou.

Alias, como atualização escrevo que o ano que estive na Colômbia, 2011, foi o último do América na 1ª divisão. Foi rebaixado e desde 2012 disputa a segundona.

zipaquirá grande bogotá metrop centro colômbia casario colonial antigo velho praça céu nuvens azul

Pracinha e casario antigo de ‘Zipa’.

……….

Não tive a oportunidade de conhecer a cidade de Cali, o que faria se pudesse.

Porém não é difícil imaginar que seus rivais do cartel de Cali, fundado pelos irmãos Gilberto e Miguel Rodríguez Orejuela, seguiam as mesmas técnicas.

Como já dito, as alianças entre cartéis e grupos armados mudam de forma caleidoscópica.

Se associam e se combatem conforme seja conveniente no momento. “Apenas negócios”, sem preferências pessoais, como dizem.

Por exemplo, o grupo de extermínio fundado por Escobar, o MAS já citado, teve e tem em seus quadros tropas de elite das AUC.

zipaquirá grande bogotá metrop centro colômbia casario colonial antigo velho céu nuvens azulPosto que as guerrilhas de esquerda cometem sequestros por dinheiro. Grupos de bandidos comuns, sem conexões políticas, fazem o mesmo.

Quando suas bases são descobertas, entretanto, o esquadrão do MAS chacina a todos, sem julgamento, sejam guerrilheiros ou bandidos sem ideologia.

Esquerda, direita, o estado e bandidos comuns, todos têm um ponto que os unem: executam em massa seus inimigos.

O que tornou a situação desastrosa. Em 1993, ano da desencarnação de Escobar, foram assassinadas em Medelím 5 mil pessoas.

Claro que não todos pelo cartel, já disse que os conflitos na Colômbia são múltiplos e se entrelaçam. Tanto os cartéis de drogas quanto os grupos armados (de direita e de esquerda) apelavam pra bombardeios nas cidades.

flor rosa lilás violeta jardim botânico medelím colômbia

Vamos ver diversas tomadas no Jd. Botânico de Medelím. Aqui sob a cúpula principal, e nas próximas seus jardins, lagos, alamedas e áreas de lazer.

Porém, felizmente, as duas guerras se acalmaram, uma em cada década (90 e 00). É sobre isso que vamos falar agora.

 A partir dos anos 90, com dinheiro, equipamentos e tropas de elite estadunidenses, o governo fez uma ofensiva violenta aos cartéis.

Não pra acabar com o tráfico, é claro, todos que estudaram o assunto sabem que não é esse o objetivo das oligarquias colombiana e estadunidense.

Afinal estariam secando uma enorme fonte de renda pra ambos.

borboleta inseto jardim botânico medelím colômbia planta folhaApenas pra que as organizações que traficam cocaína continuassem a fazê-lo, porém de forma menos sanguinária.

Continuassem refinando cocaína na selva, porém parassem de explodir bombas nas cidades.

Se você conhece como mais recentemente se deu o processo de ‘pacificação’ nas favelas do Rio de Janeiro, entende o que aconteceu na Colômbia.

Pois o ‘renascimento’ carioca foi todo inspirado no colombiano. flor rosa lilás violeta jardim botânico medelím colômbia

O tráfico de drogas no Rio não acabou e nem irá acabar. A intenção nem é essa. Querem apenas que os traficantes cariocas adotem um ‘modus operandi’ mais discreto.

Pra que esses moleques de bermuda e sem camisa portando metralhadoras e fuzis em cada esquina? Isso assusta os turistas e a classe média.

flor amarela laranja hibisco jardim botânico medelím colômbiaO pó e a erva no Rio continuam facilmente acessíveis, e não houve grande inflacionamento no preço desde a pacificação. Sinal que a oferta não foi afetada.

Simplesmente chegaram aos líderes do tráfico pediram que as armas permaneçam escondidas, e que as disputas de território gerem menos chacinas.

………..jardim botânico medelím colômbia vagão trem museu preservado parado fora uso antioquía estado pessoas andando caminhando

Óbvio que eu não estou defendendo essa abordagem pragmática.

Mas, gostemos ou não, foi esse tipo de negociação que foi feito com o tráfico em larga escala, na Colômbia e depois no Rio.

flor rosa lilás violeta jardim botânico medelím colômbia flor roxa violetaSerem mais discretos. Pra que ostentar poder militar, como numa guerra civil africana? Como alias é em toda parte: há tráfico mas as armas não ficam a mostra.

E quando houve resistência em abandonar a ‘velha escola’ de matanças horríveis em larga escala, aí foi preciso uma ofensiva militar. 

Pra tomar dos cartéis e manter território em posse do governo. Pra complicar toda a situação há as  bases militares dos EUA.

A Colômbia é o terceiro maior recipiente de dinheiro exportado pelo Pentágono em forma de ‘ajuda’ jardim botânico medelím colômbia flor roxa violeta lilásmilitar, atrás apenas de Israel e Egito.

São muitos bilhões de dólares por ano. Claro que o Tio Sam não faz investimentos que não dão retorno.

Os governos ianque e colombiano toleraram os cartéis nos anos 70 e começo dos 80.

Enquanto eles apenas vendiam droga, urbanizavam favelas e matavam sequestradores, ou seja de certa forma até ajudavam a o governo a promover infra-estrutura e segurança urbanas.

yoga ioga parque jardim botânico medelím colômbia pessoas gente meditando sentadas

Yoga no Parque.

Porém eles se tornaram muito fortes, passaram a querer eleger – ou então a matar – o presidente da Colômbia, a cobrar demais pela mercadoria. 

E também a explodir bombas nas cidades. Foi quando a elite colombiana se viu obrigada a domar o ‘frankstein’ que ela mesmo criara.

Então o estado resolveu dar um basta. Paulo Escobar tombou morto no telhado de sua mansão, em 1993. O cartel de Cali a seguir assumiu de forma hegemônica o poder. Mas logo virou alvo, e também se desintegrou.

Surgiram a partir daí quadrilhas menores, que se agrupam e se dispersam de forma mais ágil jardim botânico medelím colômbia planta folha flor estrela pedras bege marromquando é preciso. Não há mais um grande aparato (inclusive com milhares de homens armados) centralizado.

Isso dificulta sua logística, mas também torna mais difícil a repressão a eles.

Agora os cartéis só fazem o que se espera deles: refinam e vendem cocaína. Se combatem entre si e também a polícia/exército de forma feroz, porém só com armas leves, pistolas e metralhadoras.

flor rosa lilás violeta jardim botânico medelím colômbiaE os combates agora se restringem a serra e a floresta, áreas rurais esparsamente habitadas, e portanto fora das vistas da mídia e da classe média.

Ainda que as vezes morram camponeses que nada tem a ver com o tráfico – e as vezes morrem – não gera manchetes, então pouca gente se importa.

Não explodem mais bombas em áreas densamente povoadas, foi o que quis dizer. E nem tentam derrubar o governo.

……….……….jardim botânico medelím colômbia lagoa árvores verde reflexo água vegetação aquática

Com isso, uma das guerras (a dos cartéis) teve seu pico nos anos 90 mas a seguir amainou.

Restava o duelo Farc x AUC. Dessa o ex-presidente Alvaro Uribe se encarregou. Combateu violentamente as Farc na selva, inclusive fora da Colômbia.

Em março de 2008, uma operação da força aérea colombiana (com apoio dos EUA) bombardeou jardim botânico medelím colômbia flor vermelha amarelaterritório do Equador.

Morreram perto de 20 pessoas, entre eles Raul Reis, número dois da Farc.

Essa incursão em terreno alheio por muito pouco não detonou uma guerra entre Colômbia x Equador e Venezuela, pois Hugo Chavéz tomou a defesa do país menor.

Quito e Caracas recolheram seus embaixadores e mobilizaram tropas na fronteira. Felizmente as coisas se acalmaram e não houve a guerra.

Por outro lado, o Equador então se comprometeu a controlar a infiltração de guerrilheiros colombianos em seu território.

Apenas dois meses depois o exército da Colômbia conseguiu abater dessa vez dentro de suas próprias fronteiras o número 1 da guerrilha, o já citado Manuel “Tiro Certo”. mangue jardim botânico medelím colômbia lagoa árvores verde reflexo água vegetação aquática

Ele era além de fundador o padroeiro espiritual dos combatentes. Um tiro certeiro no ‘Tiro Certeiro’.

Mas Uribe estava só se aquecendo. Passaram-se novamente apenas mais dois meses e o exército colombiano obteve mais um sucesso estrondoso:

Resgatou de um cativeiro das Farc em plena selva Ingrid Bettancourt e outros 14 reféns.

flor amarela planta verde jardim botânico medelím colômbiaEla é uma senadora colombiana, que em 2002 era candidata a presidente quando foi sequestrada pela guerrilha.

Numa ação espetacular, que deu muita força as Farc e desmoralizou o estado. Uribe deu o troco na mesma moeda:

Com essa sequência de ações espetaculares Uribe recuperou o poder do estado e deu um golpe fortíssimo na guerrilha. Desde então ela recuou pra selvas. Ainda existe, e os combates continuam.

Fui de ônibus de Bogotá a Medelím e vimos as tropas do exército guardando as linhas de combate cactus jardim botânico medelím colômbiaem pontes e estradas.

Havia inclusive placas alertando que é proibido tirar fotos ou filmar o local, por se tratar de zona de guerra.

Então a guerra continua, ao contrário do que se poderia crer vendo a mídia capitalista.

Porém amainou, e em muito. Os enfrentamentos agora se dão apenas nas selvas, longe das grandes cidades. Não há mais bases nem grandes operações da Farc em Bogotá nem nas outras metrópoles do país.

borboleta inseto jardim botânico medelím colômbia planta folhaClaro que o governo não baixa a guarda, na capital há soldados do exército por toda a parte.

Escreverei com mais detalhes quando chegar a hora de descrever Bogotá propriamente.

Por ora o importante é saber isso: a guerra entre Farc x governo e AUC (agora Águias Negras) prossegue.

Mas se acalmou. A guerrilha, com sucessivas derrotas a partir de 2008, perdeu seu rumo, e teve que recuar pra selva pra não acabar.

z/s cidade bolívar quebrada subúrbio periferia descida ladeira favela morro encosta serra bogotá colômbia duplex tijolo sem pintura acabamento

Próximas 2: bairro Cidade Bolívar, periferia da Zona Sul de Bogotá.

Atualização: em 2015 está sendo veiculado que as Farc estudam seriamente a possibilidade de abandonar as armas. 

E se tornar um partido político, como aconteceu com o IRA norte-irlandês.

Sinal que eles, felizmente, estão vendo que a luta armada está conduzindo a um beco sem saída.

O que permite que os colombianos que vivem nas grandes cidades desfrutem de um pouco de paz, o que não ocorria desde o início dos anos 70.

z/s cidade bolívar quebrada subúrbio periferia descida ladeira favela morro encosta serra bogotá colômbia duplex tijolo sem pintura acabamento rua terraRepito, a criminalidade comum é alta, como no Brasil. Mas não se explodem mais bombas em centros comerciais nem em aviões.

Os sequestros, embora ainda existam, diminuíram em mais de 90%.

Pra um país que contava seus mortos em centenas por semana, com grupos armados (sejam de traficantes, guerrilhas ou paramilitares) fazendo o que queriam, reduzir pra dezenas de vítimas semanais foi um avanço.

O ponto triste é que o México ‘herdou’ essa desgraça. Quando a coisa se acalmou na Colômbia, o México entrou em terremoto por conta da guerra “contra” as drogas.

centrão z/c igreja montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta metrô transporte elevado trem praça prédios

Veremos agora diversas cenas de Medelím e seu metrô. As linhas principais são em modal férreo, com as canaletas do trem suspensas, mesmo no Centrão (não há trechos subterrâneos). Nos morros do subúrbio há ramais alimentadores com bondinhos em teleférico, como o Rio fez igual posteriormente. Em Medelím a integração bondinho/trem é gratuita, é o mesmo sistema.

…………….

De volta a Colômbia: nos anos 90, o governo retirou seu exército, permitindo que as Farc controlasse boa parte do país. Uribe reverteu isso.

Olhando agora, vê-se que ambas as decisões foram inteligentes, por parte dos estrategistas do exército colombiano.

Como já falei acima, o conflito na Colômbia eram na verdade dois, os dois cartéis da droga e da guerrilha versus paramilitares e governo.

Como não podia atacar as duas frentes ao mesmo tempo, nos anos 90 o governo centrou fogo nos cartéis.

Por isso cedeu terreno (literalmente e também no campo político) a guerrilha, ia lidar com ela depois.

z/c montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta metrô transporte elevado trem prédiosPrimeiro era preciso acabar com a festa da turma de Escobar (Cartel de Medelím) e dos irmãos Orejuela (Cartel de Cali).

Pois com quadrilhas de traficantes reunindo milhares de homens bem armados e treinados, a guerrilha nunca seria batida.

Assim foi feito. Os cartéis se desmantelaram, dissolvendo-se em organizações menores, que vendem droga mas não ameaçam o poder constituído.

Agora chegou a vez das Farc. Então Uribe decretou o fim dos santuários das guerrilhas no interior do país, e partiu pra ofensiva total. serra montanha periferia medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta ladeira favela pobreza quebrada subúrbio teleférico bondinho metrô transporte metro-cabo duplex sem acabamento pintura tijolo

É claro que uma guerra se ganha na política e não na esfera militar. Pois pra bater o inimigo você precisa retirar sua base de apoio entre a população.

Aqui estou falando só que foi feito com armas.

Mas se o governo não tivesse integrado as favelas de Bogotá, Medelím e Cali a sociedade estabelecida, os bombardeios as posições das Farc na selva seriam inúteis.

serra montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta ladeira favela pobreza quebrada subúrbio teleférico bondinho metrô transporte metro-cabo duplex sem acabamento pintura tijolo subida ladeira periferia várias casas verdesPior: eles surtiriam efeito contrário, fortaleceriam o grupo. O governo colombiano sabia disso.

Assim nas décadas de 90 e 00 investiu pesado pra melhorar a vida dos milhões que vivem nos morros de suas grandes cidades, processo que se intensifica agora na década de 10.

Falei de tudo isso com detalhes em outras mensagens que descrevo minhas voltas por Medelím e Bogotá, já subi tudo pra rede. De qualquer forma já estão vendo as imagens dessa iniciativa: o moderníssimo metrô de Medelím integra os morros a cidade.

Símbolo de uma retomada maior, que enfim despertou a elite e classe média pra necessidade de integrar a periferia politicamente a sociedade, e não apenas enviar tropas ali pra despejar balas.z/c montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta metrô transporte elevado trem prédios chuva pista molhada

O fato é que somando as ações militares as de melhoria na infra-estrutura urbana, a Colômbia esfacelou os cartéis de Cali e Medelím nos anos 90 e depois as Farc nos anos 00.

Também foi feito um esforço pra acabar com as AUC, tanto é que elas se desmantelaram em meados da década de 00.

2013 serra montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta ladeira favela pobreza quebrada subúrbio duplex sem acabamento pintura tijolo subida ladeira centro cultural teatro metrô teleférico bondinho metro-caboSim, disse muitas vezes que uma parte linha-dura se re-agrupou como Águias Negras, e é verdade.

Mas também é verdade que milhares de soldados das AUC desertaram, aproveitando uma anistia do governo.

As Águias Negras existem, e são um grupo terrorista. Mas não tem a mesma força de sua antecessora, pois agora tudo está mais calmo. 

Por isso sou levado a reconhecer que Uribe fez um excelente trabalho em prol da Colômbia. z/c igreja montanha medelím medellín colômbia panorâmica morros encosta metrô transporte elevado trem

Sim, ele permitiu e ampliou as bases dos EUA, e nenhum país ocupado militarmente por outro pode ser livre de verdade.

Também houveram diversas irregularidades nas operações militares que ele comandou.

Porém a realidade final e indiscutível é que ele fez a guerrilha recuar, a retirou das cidades, permitindo pela primeira vez em décadas um arremedo de vida normal na Colômbia.

Sob guerra é que ninguém pode ser feliz, essa é a Verdade Maior, o objetivo final de qualquer ação.

Fechamos as imagens com 2 do Aeroporto Eldorado, Bogotá, onde troquei de avião em junho de 2012 pra ir ao México. Não saí do saguão de embarque. No caminho deu pra clicar as montanhas que emolduram a capital colombiana.

Assim, acho Uribe execrável em inúmeros aspectos, e longe de ser o menor deles o fato que é permitiu que a ocupação ianque se metastasiasse.

Mas Uribe acabou com a guerra. Logo terá sempre meu reconhecimento por tanto.

Evidente, só possível porque seus antecessores encurralaram as máfias de Cali e Medelím.

Independente de nomes, o fato é que a Colômbia luta com todas as suas forças pra sair do tumulto de lutas armadas que se instalou já há quase meio século.

Os colombianos estão cansados de guerra. É um país em transe, e que quer sair dele.

Então irá apoiar quem consiga esse objetivo. E Uribe os ajudou nesse ponto.

A paz é objetivo maior. Nada pode se sobrepôr a isso.

………

Desejando Paz a todos os Homens e Mulheres da Terra, encerramos mais esse relato.

“Deus proverá”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s