‘Guerra e Paz’: o futebol na Colômbia

parabéns, nacional medelím: bi-campeão da américa (1989-2016)

super-classico

Milionários de Bogotá x Nacional de Medelím, eis o ‘Super-Clássico Colombiano’. Como no México e maior parte da Europa, opondo capital x interior. Entretanto, na maior parte da América do Sul (Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Bolívia e Peru) o ‘Super-Clássico’ do país é entre os dois grandes da capital. O Equador é um caso único, seu ‘Super-Clássico’ não envolve a capital, é Emelec x Barcelona, ambos de Guaiquil. Entretanto, é um time da capital Quito, o L.D.U., quem conquistou os 2 maiores títulos da história do Equador, a Libertadores e a Sul-Americana.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 4 de maio de 2011

Vamos lá falar mais um pouco ainda sobre a Colômbia.

A maior parte das imagens foi tirada por mim ou meus familiares, mesmo no metrô.

Algumas, entretanto, foram baixadas da rede, e sendo assim os créditos foram mantidos, sempre que eles estavam impressos na foto.

Eu identifico o que veio da internet com um (r) de ‘rede’. Se enquadram aqui uma panorâmica, algumas no metrô e todas dentro de estádios.

Aliás, nosso tema de hoje é justamente o futebol. Então basta dessas notas e vamos ao que interessa:

A Vida permitiu, e assisti no estádio os clássicos em suas duas maiores cidades:

Milionários x Santa Fé, o ‘Clássico da Capital’, no ‘El Campín’ de Bogotá, e Nacional x Independente, o ‘Clássico Paísa‘ ou ‘Clássico Montanhês’, no Atanázio Girardotem Medelím.

ingressosAo lado os ingressos, que foram confeccionados pelos mandantes. O que tem a camisa do Nacional feito por esse clube.

“Versus Medellín”, você vê escrito, pois o arqui-rival Desportivo Independente Medelím é conhecido somente como ‘Medelím’. O amarelo tem o escudo do Santa Fé, contra o Milionários no Clássico da Capital.

 Abaixo vemos pichações da guerra de torcidas nas ruas de Bogotá. O mais curioso é esse a direita. 1º alguém fez o escudo do Santa Fé, em vermelho.

A torcida arqui-rival do ‘Millos’ sobre-escreveu em azul a indumentária de seu próprio clube. E por fim um grafiteiro, sem relação com o futebol, transformou em obra de arte, colocou também em rubro um menino de pincel na mão pitando. 3 pichações em 1.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Na sequência horizontal vemos: 1) O escudo do Nacional Medelím, que apesar de ser do interior tem forte presença na capital. Alguma torcida rival riscou um ‘X’ por cima;

2) Emblema do Santa Fé, também profanado; 3 e 4) Pichações da torcida do Milionários, conhecido como ‘Millos’ (pronuncia-se ‘Míjos’).

Clique sobre as imagens pra ampliá-las.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

classico capitalino

‘Clássico da Capital’: Milionários x Santa Fé. Um deles eu assisti no estádio, em 03/04/11.

O ‘FIM-DE-SEMANA DOS CLÁSSICOS’

Cheguei a Colômbia na quarta-feira, 30/03/11, desembarcando em Bogotá.

O taxista nos informou que domingo seria o dia que a cidade para pra assistir vermelhos (Santa Fé) enfrentarem os azuis (Milionários).

Nas maiores cidades do interior a mesma situação, os grandes medindo forças:

América x Desportivo Cali (o clássico de Cali), Nacional x Independente (o de Medelím) e Júnior Barranquilla x Real Cartagena, o novo ‘Clássico Praiano’. Definitivamente, o ‘FDS dos Clássicos’.

classico paisa

‘Clássico Paísa’ ou ‘Clássico Montanhês’: Atlético Nacional x Desportivo Independente Medelím, popularmente conhecido apenas como ‘Medelím’. ‘Paísa’ é o gentílico dessa cidade. Essa rivalidade eu também presenciei das arquibancadas.

Um apanhado geral:

Os três maiores times do país, tanto em títulos quanto em torcida, são:

Clube Atlético Nacional de Medelím (campeão da Libertadores, maior torcida de toda Colômbia, obviamente maior torcida de Medelím disparado);

América de Cali (quatro vezes vice da Libertadores, maior campeão nacional e maior torcida de Cali, segunda maior do país);

– Milionários de Bogotá (ainda maior campeão da Colômbia, junto com o América, e maior torcida da maior cidade e capital da Colômbia).

Deportivo_Cali_America_Cali

Desportivo Cali x América, o ‘Clássico do Vale (de Cauca)’. Desde 2012 não ocorre mais na 1ª divisão. Pois o América foi rebaixado pra segundona. A esquerda gozação da torcida verde, o escudo vermelho está virado, e sendo ordenado ‘Já pra série B’.

Dados de 2011. Vide atualizações abaixo.

Ou seja, os nessa rodada 3 maiores times da nação iriam enfrentar seus maiores rivais em suas cidades de origem, que também são os 3 maiores centros urbanos colombianos.

Atualização escrita em 2016: o ano que eu estive lá, 2011, foi o último do América na 1ª divisão.

Mesmo sendo um dos gigantes do futebol colombiano ele caiu pra série B e ainda não conseguiu subir de volta.

Curiosamente a rivalidade tanto em Cali quanto Medelím é da mesma cor: verde x vermelho, embora em Medelím o maior time é verde, e em Cali vermelho.

No sábado (2 de abril de 2011), os dois verdes venceram, Nacional e Desportivo Cali bateram DEPORTIVO CALI - AMERICArespectivamente Desportivo Medelím e América.

Em Bogotá a rivalidade é azul x vermelho, como em Porto Alegre-RS e Berlim-Alemanha.

Outro detalhe é que os dois clubes mais antigos da Colômbia que ainda existem são justamente o Desportivo Cali e o Desportivo Independente Medelím.

O Cali é o time mais velho da Colômbia, completou o centenário em 2012. Em 2013 foi a vez do Medelím.

litoral

Real Cartagena x Júnior Barranquilla é o ‘Novo Clássico do Litoral‘. Tradicionalmente era entre o Júnior e o União Madalena da cidade de Santa Marta. Mas esse último clube caiu há uma década pra segundona e não voltou mais. Assim o Real tomou seu lugar.

Entretanto, ambos já fecharam e foram depois re-fundados, somando-se ao clube atual o período anterior, pioneiro.

A história do futebol colombiano é conturbada, como alias tudo naquele país, que luta pra se recuperar de sangrento conflito.

Voltando ao esporte: apenas 3 times disputaram todas as edições da primeira divisão do futebol colombiano:

Os 2 da capital Santa Fé e Milionários, e o maior time dessa nação, o Nacional de Medelím.

Os demais ou já caíram ou então em algum momento se desfiliaram da federação e depois retornaram.

Colombia VerdeEm casos mais extremos o próprio clube deixou de existir e depois voltou.

………….

Em 2011, quando eu estava lá, os maiores campeões nacionais eram Milionários e América, com 13 taças.

O Nacional de Medelím vinha bem atrás com 10.

Porém nesses últimos 5 anos o Nacional ganhou 5 títulos, dos 10 em disputa (são 2 por ano, lembre-se).

nacional campeao da america

América Verde: em 1989 e de novo em 2016 (foto), Nacional campeão da Libertadores.

Venceu o ‘Abertura/11’, o campeonato que eu presenciei 2 partidas, e é o atual campeão, levou o ‘Fechamento/15’.

Assim hoje (início de 2016) as maiores salas de troféu são:

1) Nacional, 15 campeonatos (sendo 8 desde a virada do milênio, 5 em 5 anos, é o atual detentor da faixa). 

A supremacia é tamanha que o ‘Clamor Popular’ iguala o clube a nação mesma colombiana.

Criando um novo ‘Emblema Nacional‘ que veem a esquerda acima.

nacional x milionarios

Nacional x Milionários (r).

O Nacional é a maior torcida da Colômbia, sem comparação possível.

Tem muitos seguidores na capital Bogotá. Já os times da capital quase não têm torcida em Medelím.

Pra ilustrar veja um pouco mais pra baixo pichação aqui em Curitiba. Atrás do Mercado Municipal, próximo a Rodoviária.

No muro o desenho do troféu da Libertadores, vencida pelo Nacional em 1989.

Feito repetido em 2016. Com uma das melhores campanhas da história da competição, foram nada menos que 10 vitórias, 3 empates e somente 1 derrota.

Estava escrito nas estrelas que esse ano seria do Nacional. A estreia foi contra o Penharol, fora de casa. Mas o Nacional não se intimidou:

Simplesmente socou 4×0 no Penharol, em pleno mítico Estádio Centenário de Montevidéu. Ritmo de treino, né? Segunda vez em pouquíssimo tempo que isso acontece, a outra foi em 2012.

E assim foi até o fim, passou por cima de todos, e se sagrou o melhor de todos. pichacao colombiana em Curitiba2

Seu segundo título, terceiro da Colômbia (o outro foi do Once Caldas, em 2004), que igualou o Paraguai, só ficando atrás de Uruguai, Brasil e Argentina.

Falando agora da pichação que vemos nas laterais, feita aqui em Curitiba (clique pra ampliar e ler a placa que indica ‘Tarumã, Piraquara e Colombo a esquerda’, como geo-referenciamento):

Essa ‘arte’ é de autoria do Comando de Bogotá da torcida do Nacional de Medelím.

pichacao colombiana em Curitiba1Que além de maior torcida nessa década se tornou o maior campeão da Colômbia. Abaixo dele vem:

2) Milionários, 14 taças (desde 1989 só ganhou 1, em 2012);

3) América, 13 vezes campeão (última vez em 2008. Desde 2012 na 2ª divisão);

Millonarios-Santa-Fe

Santa Fé x Milionários (r).

4) Desportivo Cali, 9 (ganhou o ‘Abertura’ em 2015. Nesse milênio foram 2 títulos);

5) Santa Fé, 8 (após 36 anos de jejum, venceu em 2012 e de novo em 2014).

Escrevi que o Milionários “ainda é o maior campeão de Colômbia”. Em 2011, quando fiz o texto, era.

Não é mais. Robin levou um tapa feio do Batman por ignorar que a Colômbia tem novo patrão. “Santa humilhação, Batman”.

cala-te imbecil…………

Mas voltemos a minha experiência por lá: no sábado houve distúrbios seríssimos em diversas partidas partidas que foram disputadas no interior.

Em Cali um jovem de 23 anos, da torcida ‘Barão Vermelho’ do América, foi esfaqueado no pescoço com gravidade. A última notícia que tive é que estava no hospital, com risco de morte.

Em Medelím a confusão começou dentro do estádio e acabou com uma guerra campal na rua.

deportivo-cali-2-0-america-copa-2015

Desportivo Cali x América pela Copa da Colômbia em 2015. Desde 2012 o clássico de Cali só ocorre em competições menores, pois o América não disputa mais a 1ª divisão (r).

Duas pessoas também foram esfaqueadas, mais 19 feridas com pedras e paus.

Dois torcedores presos com bombas caseiras – que são fatais se explodem perto da cabeça ou peito da vítima – e outros 60 detidos por outras causas.

http://www.futbolred.com/liga-postobon/noticias/fecha9apertura2011/disturbios-en-el-clasico-paisa-dejaron-algunos-heridos/9114080

Nota: Postobon é uma marca de refrigerantes muito popular na Colômbia, patrocinadora o campeonato de futebol, que dessa forma leva seu nome.

Assim como o campeonato do Rio Grande do Sul (no ano que escrevi esse texto) oficialmente se chama Gauchão Coca-Cola 2011.

gnose2

Vamos alternando com algumas cenas não-relacionadas ao futebol. A Gnose (uma doutrina mexicana) é muito popular na Colômbia, seus cartazes estão por toda parte – aqui é Bogotá. Já fotografei o mesmo no Chile.

Afora as barbáries em Cali e Medelím, com esfaqueamentos em ambas, também houve confusão em cidades menores, pois ali da mesma forma os eternos rivais mediram forças.

EM BOGOTÁ, TRANQUILIDADE NO JOGO

Escolada pelas confusões no interior sábado, a operação policial pro jogo de domingo foi de rigor máximo em Bogotá domingo.

Chegamos ao estádio ‘El Campín’. Fomos revistados 3 vezes:

A primeira nos arredores do campo, aí pra chegar a sua entrada havia um cordão de isolamento com placas metálicas, mais um revista ao fim desta.

E por fim uma última no portão do estádio propriamente dito.

Deu certo, antes e durante não presenciamos violência. Além disso o helicóptero da polícia deu várias rasantes sobre o campo, pra intimidar.

Grafite em Medelím: um artista plástico aproveitou pra retratar uma favela no alto de um prédio, e a pintura encaixa certinho com a favela ‘em carne e osso’ no fundo.

A parte disso não houve restrições, os torcedores puderam levar bandeiras, faixas, instrumentos musicais, camisas e até sinalizadores as arquibancadas.

Tudo isso foi vetado em Medelím. Já chego lá. Por hora fiquemos em Bogotá.

……….

Em 2011 ambos os rivais estavam na fila há décadas, o Santa Fé não vencia o campeonato colombiano há 35 anos, desde 1975 portanto, e o Milionários desde 1988.

Embora eles tenham no período ganho torneios menos importantes:

O Santa Fé foi campeão da Copa da Colômbia em 2009, e o Milionários tem um título internacional, ganhou uma vez a Copa Merco-Norte.

eu tenho, voce nao tem

Orgulho Nacional: a torcida verde exibe o troféu da Libertadores de 1989. E a seguir pergunta pro América, Milionários e seu rival local Independente Medelím: “E vocês, o que têm pra apresentar????

Todas as 4 edições da extinta Copa Merco-Norte foram vencidas por clubes colombianos.

Mas esse torneio só era disputado por equipes desse país e mais Peru, Bolívia, Equador, Venezuela e alguns convidados das Américas Central e do Norte.

Os times de Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile faziam parte da também finada Copa Merco-Sul.

………

QUEM NÃO FAZ TOMA 

Portanto esse era o contexto do futebol bogotano em 2011: seus dois times na fila de títulos mais importantes. O Santa Fé, pra piorar, estava numa seríssima crise, ameaçado de rebaixamento.

pichacao colombiana em Curitiba

Em escala maior, pichação da torcida do Nacional aqui em Curitiba: mais uma vez a taça da Libertadores é ressaltada.

Por isso partiu pra cima do rival, dominando amplamente o primeiro tempo, teve 4 ou 5 chances claríssimas de marcar, o atacante na cara do goleiro.

Não acertou nenhuma. O jogo foi pro intervalo sem alteração no placar.

Logo no início do segundo tempo, o Milionários, que havia apenas se defendido, aproveitou um contra-ataque e colocou na rede.

Aí se fechou ainda mais. Novamente o centro-avante do Santa Fé saiu na cara do goleiro, mas novamente errou.

Perto dos 30 minutos, mais um contra-golpe, e mais uma vez a maior eficiência azul fez a diferença. 2X0 por Milionários, resultado selado.

Atanazio Girardot - Medellin-Colombia

Próximas 2 e acima da manchete (todas baixada da internet): torcida do Nacional na Curva Sul do Atanásio Girardot. Por essa localização, a torcida organizada se chama “Os da Sul”. Não é uma referência a Zona Sul da cidade, mas sim ao setor do estádio em que eles ficam, enfatizando.

http://www.futbolred.com/liga-postobon/noticias/fecha9apertura2011/millonarios-se-quedo-con-el-clasico-262-2-0-sobre-santa-fe/9117505

……….

Atualização: o Santa Fé fez mesmo péssima campanha em 2011, mas não caiu. E logo no ano seguinte, 2012, ele foi campeão colombiano, pela 7ª vez.

Lá, como em muito países hispano-falantes, são dois campeonatos por temporada.

2012 foi o ano de Bogotá no futebol. Se o Santa Fé venceu o torneio de Abertura no 1º semestre, o Milionários não deixou por menos e venceu o ‘Fechamento’, no 2º.

Ambos na fila há décadas, e findaram o jejum no mesmo ano.Atanazio Girardot - Medellin-Colombia (2)

E em 2015 o Santa Fé atingiu sua conquista mais significativa:

Após empatar fora e em casa, bateu o ‘Huracán’ argentino nos pênaltis e se sagrou campeão da Copa Sul-Americana.

A Colômbia ganhou 3 torneios inter-continentais de maior relevância: 2 Libertadores (Nacional Medelím, 1989, e Once Caldas, 2004).

Sendo portanto a conquista do Santa Fé em 2015 a 3ª mais importante da história do futebol colombiano.

independente

Aqui e a direita (ambas oriundas da rede): a torcida do Independente Medelím, então, se posiciona na Curva Norte do mesmo estádio. A torcida é a ‘Rexixtenxia Norte‘. ‘Resistência’, porém eles preferiram mudar a grafia com esse monte de ‘x’.

………..

De volta aquela partida que vi no estádio: nas arquibancadas os fãs do Milionários ocuparam bem mais espaço.

Natural. Além dos azuis serem maioria na cidade, o Santa Fé estava numa fase péssima.

As duas torcidas fizeram uma festa muito bonita. Duas coisas me chamaram a atenção.

A 1ª é que os membros da torcida organizada Comando Azul do Milionários assistiram a jogo sem camisa, todos eles. Chovia e fazia muito frio na capital da Colômbia naquele dia.

E outro destaque é a torcida do Santa Fé, que gritou e incentivou o jogo inteiro. Mesmo depois dos 40 segundo tempo, quando já estava dois a zero e nítido que a derrota era consolidada.independente

Ainda assim quase ninguém deixou a arquibancada antes do apito final, ao contrário do que fazemos no Brasil.

Mesmo após o fim do clássico eles cantaram e aplaudiram o time, na verdade por saber que o clube está falido e o elenco é mesmo de péssima qualidade.

É o padrão da América Hispânica. Presenciei exatamente o mesmo em Valparaíso, Chile: o time local levou uma surra em casa, 3×0. Mas a barra-brava nunca sentou, e nunca se silenciou. Arrepia na hora, só de lembrar.

Vejamos um pouco do transporte de Medelím. Primeiro 2 imagens de minha autoria: o moderníssimo metrô, e a direita as ‘Jardineiras‘, que apesar de sua quase nenhuma evolução tecnológica ainda são a espinha dorsal do transporte na América. Fotografei-as no Paraguai, México e Rep. Dominicana. No Chile estão extintas mas existiram até há pouco. Outro detalhe: picapinha Renault fabricada nos anos 60 continua na ativa. Isso é extremamente comum na Colômbia.

……

Após a nota, retorno mais uma vez ao estádio em Bogotá. Na saída presenciamos o único episódio mais tenso nesse dia:

6 torcedores do Milionários esperavam em tocaia a passagem de rivais.

Quando chegou a polícia houve um corre-corre, viaturas em alta velocidade com sirenes e luzes ligadas varreram o bairro atrás deles.

Mas ficou nisso. Não vimos qualquer violência, felizmente.

Tudo isso foi domingo. Segunda cedo pegamos o ônibus rumo a Medelím, a “cidade da eterna primavera”.

Falo mais da cidade, de seus inúmeros problemas e de sua luta pra renascer, em textos futuros que breve levanto pra rede. Aqui vamos nos ater ao futebol:

Como já havia estado nas arquibancadas em Bogotá, não pretendia repetir a experiência em Medelím.

Foi aí que estranhas ‘coincidências’ começaram a ocorrer.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O Universo conspirou pra que eu também presenciasse Nacional x Independente.

Viajei de Bogotá pra Medelím na 2ª. Quando vi o estádio Atanásio Girardot do metrô de Medelím terça nem imaginava que no dia seguinte iria conhecê-lo por dentro.

No mesmo dia, meu primeiro na cidade, me ocupei de percorrer toda sua rede de metrô, subir as favelas.

medellin, METRO

.Aqui e a direita: Medelím: no transporte da Colômbia o mais moderno e o mais arcaico convivem harmonicamente, o mais eficiente metrô ao lado desses ônibus que são fósseis vivos. Essas linhas de jardineira que têm pintura livre não são integradas. Mas são muito usadas, pra quem não precisa usar o metrô compensa (ambas puxadas da internet).

E também ir ao Centro, bairros de classe média e uma região de elite, classe ‘AA’ mesmo.

Tudo isso tanto no município de Medelím quanto nos de Belo, Envigado e Sabaneta, na sua região metropolitana.

Numa dessas voltas peguei o teleférico que integra gratuitamente as piores favelas da cidade a seu sistema de metrô. Já lhes mandei as fotos.

Depois conto mais sobre tudo isso, aqui o que importa é que gostei tanto do passeio que no dia seguinte levei minha família lá.

Como eu, eles adoraram o teleférico, e ficaram aterrados com a imensa miséria que há na cidade. Chegamos na estação final do teleférico, eles permaneceram no bondinho pra retornar ao Centro. Metro_de_Medellin3

E eu desci, pra descer o morro a pé, percorrer agora pelo chão as pavorosas favelas que havíamos visto pelo alto. Coisa que sempre faço, em todas as cidades que piso, como é notório.

Pois bem. Mal saí da estação, achei no chão 55 mil pesos, equivalente a R$ 50.

Espere que já verá onde isso vai dar, que as incríveis ‘coincidências’ estavam apenas começando. Continuei.

transporte-Medellin

Estação de metrô em Medelím. Os ônibus com pintura padronizada inteiro verdes são alimentadores, integrados ao sistema. Por 2 mil pesos (R$ 2,20, mais ou menos), anda-se de ônibus e metrô (valores de 2011). Pode-se comprar as duas passagens individualmente, mas aí você vai pagar 1.400 pesos cada. Ampliem e olhem com cuidado e verão um ônibus de pintura livre, em outra cor, ao lado da torre que tem um relógio e anuncia o nome da estação. Esse é não-integrado. O preço é o mesmo do integrado (1.400 pesos), mas não há como comprar a promoção do metrô.

Quase no Centro, vi no jornal “Espera-se paz no clássico de hoje”.

Mas o clássico havia sido sábado…. Pensei que eles não haviam trocado o exemplar exposto na banca, como as vezes acontece.

Nunca na história do futebol colombiano o ‘Clássico Paísa’ Independente x Nacional havia sido realizado em duas rodadas consecutivas.

Por isso perguntei ao dono da banca, e ele me confirmou que não era engano, o jornal era novo.

Nunca até esse dia, digo, porque um tabu se quebrou. O clássico paísa, jogado sábado, se repetiu quarta. Pela primeira vez na história.

Veja quanta coisa se alinhou pra eu ver os dois clássicos: primeiro eu estar em Bogotá no fim de semana dos clássicos.

Pois não planejei isso, queria ver um jogo, qualquer um, mas foi por obra da Grande Vida que esse fosse o maior de todos.

milionarios x santa fe

De volta ao futebol. Estádio El Campín, Bogotá, dividido entre os fãs do Milionários (azul) e Santa Fé (vermelho). Nas próximas 5 veremos com mais detalhes essas torcidas. Toda essa sequência das torcidas foi puxada da rede mundial de computadores. Clique pra ampliar, o mesmo vale pra todas.

Segundo, quebra-se o tabu, o clássico paísa pela primeira vez é disputado numa rodada, na seguinte também.

Terceiro, o clássico só se repetiu em Medelím.

Milionários x Santa Fé (e também América x Desportivo Cali) não se enfrentaram novamente na rodada seguinte, foram jogar contra outros clubes.

Quarto, eu passo em frente a uma banca e resolvo ler o jornal.

Então decidi que iria ao jogo. Eram 11 da manhã. Cheguei meio-dia ao estádio, assim que ele abriu.

Comprei o ingresso. Pensei comigo mesmo “já que achei esses 55 mil pesos, vou pedir o ingresso mais caro”.

ColombiaComandosAzulesE adivinhe quanto este custava? Exatamente 55 mil pesos, mais uma ‘coincidência’.

É incrível, não há como negar uma Força Maior interferindo pra que eu visse os dois clássicos, nas duas maiores cidades da Colômbia.comandos milionarios

Por isso coloquei ‘coincidências’ entre aspas. Porque não foram coincidências. Deus achou que eu merecia ver os dois clássicos, e então Ele-Ela operou pra que tudo fosse nessa direção.

Foram tantos fatos que se alinharam que não há como duvidar disso.

santa-fe4 anos depois, o mesmo se repetiu no Chile.

……….

De volta a Medelím, o estádio Atanasio Girardot de Medelím é propriedade públicaBOGOTA -COLOMBIA, 13- SEPTIEMBRE-2014. Hinchas de Independiente Santa Fe durante el encuentro contra Millonarios durante partido de La Liga Postobón novena fecha 2014-2. Estadio Nemesio Camacho El Campin / Fans of Independiente Santa Fe during macht against Millonarios during La Liga match Postobón ninth date 2014-2. Nemesio Camacho El Campin stadium . Photo: VizzorImage / Felipe Caicedo / Staff

As lojas dos dois clubes ficam nele, do lado de fora óbvio, uma de cada lado, pois o campo pertence a ambos. Igual é o El Campin de Bogotá.

É o padrão na Colômbia, os campos são públicos e neutros. O único clube que possui estádio próprio é o Desportivo Cali.

O estádio de Medelím é muito mais que um campo de futebol. Possui um complexo esportivo muito grande em anexo. Ginásio, dezenas de piscinas, pista de atletismo, e todo o mais, utilizado por estudantes de escolas públicas.

america cali

Agora 2 de Cali. Em vermelho o América.

OPERAÇÃO DE GUERRA EM MEDELÍM

Por conta da confusão de sábado, o jogo de quarta foi marcado por uma verdadeira operação de guerra.

http://www.futbolred.com/liga-postobon/noticias/fecha10apertura2011/el-clasico-paisa-estara-fuertemente-custodiado/9127684

Várias ruas ao redor do estádio foram isoladas pela polícia desde muitas horas antes da partida, só moradores podiam entrar de carro. Os demais só podiam passar a pé.

desportivo

Em verde o Desportivo Cali.

1.300 policiais trabalharam nessa partida. Sendo centenas de do sexo feminino, como já havia ocorrido em Bogotá.

Pelo menos em partidas de futebol a participação das Mulheres na polícia é incomparavelmente maior que no Brasil.

Seja como for, o esquema de segurança funcionou. Não houve problemas graves de violência. 170 pessoas foram detidas, mas todas liberadas após a partida.

O detalhe é que a cela era móvel, pois estava no furgão de um caminhão.

A parte das prisões, como foi conseguida essa paz? Três medidas principais foram tomadas:

DIM

Independente Medelím.

1) O jogo foi as 3 da tarde em dia útil. A Colômbia é pobre, Medelím ainda mais. Muitos simplesmente não podem se dar ao luxo de perder uma tarde de trabalho pra ver futebol.

2) Foi proibida a entrada de menores.

E 3) Foi vetado qualquer adereço que identificasse os clubes, inclusive camisas.

http://www.futbolred.com/liga-postobon/noticias/fecha9apertura2011/los-hinchas-no-podran-ingresar-camisetas-al-clasico-paisa/9118964

nacional

No mesmo Atanásio Girardot, mural alvi-verde do Atlético Nacional.

Aqui no Brasil muitas vezes se proíbe material de torcida organizada, mas do clube pode entrar, desde que não faça alusão a facções.

Nos países americanos que falam espanhol, entretanto, as torcidas organizadas – chamadas lá de ‘barras-bravas’ – simplesmente não têm uniforme.

Elas existem, e se organizam em comandos, exatamente como aqui. Mas não tem uniforme próprio, utilizam o do time.

Assim qualquer material relativo ao clube foi proibido. Camisa, boné, pulseira, tudo. Não passou nada.

millos

Torcida organizada ‘Comando Azul’ do Milionários de Bogotá.

Não houveram exceções pra ninguém. Um cara de cadeira de rodas chegou com a camisa do Medelím. Não pôde entrar.

Tatuagens foram liberadas, óbvio, vi vários integrantes da ‘barra-brava’ do Medelím entrando no estádio sem camisa, exibindo na pele o escudo do clube.

Era a única alusão aos clubes locais nas arquibancadas.

Assim eu tive a impressão de estar em Buenos Aires, e não em Medelím.

organizada pereira

‘Excursão em Massa’: o Comando Pereira da torcida ‘Os do Sul’ do Nacional organiza caravana pro estádio, pelo preço de aproximadamente 60 reais, incluindo transporte e ingresso. A cidade de Pereira fica a 215 km de Medelím, mas como a estrada é sinuosa pelos Andes são 4 horas de viagem na ida, 4 na volta. 8 horas no busão pra ver 90 minutos de jogo. Isso que é paixão.

Tamanha a quantia de camisas de times e da seleção argentina que os torcedores escolheram pra ostentar, na falta da de seus próprios clubes.

……….

Enfim, por conta de tudo isso, o estádio estava sem-graça, bem diferente do que havia visto em Bogotá, em que as torcidas deram um espetáculo.

Em horário de trabalho, sem menores e sem adereços, houveram apenas 11 mil pessoas a presenciar o clássico antioquenho.

Fiquei no setor mais caro, como disse. A cadeira não tinha nenhum conforto, mas era a parte coberta, e ganhamos um lanche.

Composto de um sanduíche de queijo e mortadela (que dispensei pois não como carne) e um suco. Paguei 55 mil pesos, como já dito.

O setor mais barato, atrás dos gols, custava 12 mil pesos, pouco mais de 10 reais.

A seguir várias do Centro de Medelím de nossa autoria. A construção vermelha é uma universidade. Ao fundo uma favela. Alguém notou que a cidade tem muitas universidades. E todos notam que tem muitas favelas. Repare também no tótem da estação de metrô, com um relógio no topo.

Alias isso é uma coisa curiosa. Na Colômbia a polícia separa os setores, e não as torcidas rivais

Sim, os barras- bravas se isolam naturalmente, pois cada lado fica atrás de um gol.

As curvas atrás das metas são isoladas das retas, pra quem pagou menos não ficar no setor privilegiado.

Mas as retas são mistas, os torcedores dos dois times se misturam.

A polícia parece crer que quem paga mais é incapaz de agredir seu semelhante.

Porém não é assim que funciona, e isso ficou claro em Medelím:

A briga, que depois se generalizou as ruas, começou dentro do estádio.

Em escala maior o grafite que já seguiu acima.

E começou exatamente na reta em que os torcedores dos dois clubes pagam mais caro mas ficam misturados.

TANTO BATE ATÉ QUE FURA

O Nacional foi melhor no primeiro tempo, mas não teve competência pra marcar. E na segunda etapa continuou a perder muitos gols.

Porém já depois dos 30 do segundo tempo seu atacante fez um golaço, limpou a zaga e meteu um petardo no ângulo. O Nacional vence pelo placar mínimo.

Findo o espetáculo, saí do estádio. Nas arquibancadas, a torcida do Nacional era maior, mas a diferença não chegava a ser gritante. Porém fora não houve como comparar.

Próximas 2: obras do Transmilênio em Medelím. Em 2011 em Bogotá havia o Trans-Milênio, em Medelím o metrô. O Transmilênio fez tanto sucesso que outras cidades colombianas estão adotando o mesmo modelo. Barranquilla, no litoral, inaugurou o seu em abril de 2010, lá chamado Transmetro. Em Medelím e Cartagena as obras estão quase prontas (escrito em maio/11. Em Medelím ficou pronto em dezembro/11). Em Medelím se chamará Metroplus, e no segundo Transcaribe.

Muitas pessoas se aglomeraram nas cercanias do campo, com a camisa verde e branca do Nacional.

Milhares, muitos milhares. Uns 3 mil pelo menos. Creio que muitos deles não sabiam que era proibido a entrada com esse adereço, e foram ver o jogo devidamente trajados.

Barrados, ouviram a partida pelo rádio, sentados em bares do entorno.

No final os que tinham entrado se juntaram a eles, e por horas eles beberam ali, comemorando a segunda vitória seguida sobre o arqui-inimigo.

Uma quarta com cara de domingo em Medelím, pelo menos pra massa verde, ampla maioria dos medellinenses.

Quando saí do estádio peguei o ônibus, pra dar uma volta na cidade. 

Por um raio de um quilômetro haviam aglomerações verdes.

Dois clássicos paísas seguidos, fato inédito na história. Melhor pro Nacional, que faturou ambos. Duas vitórias sobre o arqui-rival em 4 diasOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Essa marca não sei se um dia será igualada, até pela ampla superioridade verde, já venceu o rival 109 vezes, tendo perdido apenas 74.

Já fez 6×0 uma vez, e também 6×1 e 7×2. Seu pior revés foi menor, 5×1, e por duas vezes 4×0 (dados de 2011, não conferi se de lá pra cá houveram goleadas significativas).

…….

medelim

Metro-Plus já operando em Medelím (r).

Pra fechar o capítulo sobre futebol, duas curiosidades.

Na Colômbia se marca o tempo de duas formas:

Tanto se usa zerar a contagem no intervalo, como fazemos aqui (quando então se diz “dez minutos do segundo tempo”). 

Como também se utiliza a cronometragem corrida, falando então “aos 55 minutos de jogo”. Essa é a mais comum, mas a contagem fracionada também é utilizada.

Outra coisa: vende-se café quente dentro do estádio. Há ambulantes oferecendo o produto em garrafas térmicas, ao lado de outros vendendo refrigerantes. 

No Centro das cidades também há vendedores ambulantes de café. pichacao colombiana em Curitiba3

A Colômbia é o maior exportador desse produto, o café colombiano é muito famoso nos EUA, como já comprovei pessoalmente.

Tanto que “cafeteiro” é sinônimo de colombiano:

Todas as edições da Copa Merco-Norte foram vencidas por times ‘cafeteiros’ ”, dizia a manchete de um texto que li. Pra citar só um exemplo.

3 imagens do Parque dos Pés Descalços em Medelím, de autoria de meus familiares, não estive nesse local. Todas as cidades da Colômbia tem um desses. Creio que homenageiam os colombianos que lutaram pela independência, e que eram pobres, por isso andavam descalços, em contraste aos espanhóis, que os oprimiam, estando assim muito bem calçados. Mas é só um palpite, não estudei a fundo o tema. O que sei é que os parques são muito frequentados por estudantes de escolas públicas, como podem comprovar.

……….

 Pra finalizar, enxerto mais um emeio:

AMÉRICA VERDE: ORGULHO PAÍSA, NACIONAL-MEDELLÍN

Publicado em 12 de junho de 2014.

Antes uma confissão: eu não torço pra nenhum time de futebol, nem no Brasil nem no exterior.

Mas eu Amo profundamente a cidade de Medelím.

O Nacional é disparado a maior torcida da cidade.

Não é exagero dizer que o Verde é a Alma Medelinense – assim devo admitir que eu nutro uma simpatia por esse clube.

Agora o emeio: vi uma pichação da torcida organizada do Nacional de Medelím (direita, acima).

E daí?, alguém poderia perguntar. Não é a primeira. OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Em verdade vi milhares de pichações de torcedores desse clube quando estive pessoalmente em Medellín, 3 anos atrás.

A questão, amigos, é que essa pichação não foi feita em Medelím, mas sim aqui em Curitiba.

Na trincheira logo após o Mercado Municipal.

Entre os OLYMPUS DIGITAL CAMERAbairros Centro, Jardim Botânico e Cristo Rei (divisa das Zonas Central e Leste).

Aí eu tive que registrar e divulgar, afinal Eu Sou Comunicador.
…………

Como disse acima, eu vi ‘in loco’ o “Clássico Paísa”. 

Medellin-Colombia

Panorâmica de Medelím (r)

Paísa’, pra quem não sabe, é o gentílico carinhoso da Antioquía, o estado colombiano cuja capital é Medellín.

Curiosidades linguísticas a parte, eu estava lá no lendário Estádio Atanásio Girardot.

E vi, na torcida do Nacional, ele bater por um suadíssimo 1×0 seu arqui-arqui-rival Desportivo Independente Medellín.

Fechamos com fotos do Centro de Medelím. Há uma praça com esculturas gigantes, de Botero. No último dia que estava no país, a cidade foi sacudida por enormes manifestações sociais, lideradas pelos estudantes universitários. Diversos movimentos sociais aproveitaram o embalo e se manifestaram. Um deles era o sindicato dos trabalhadores em saúde, que fez uma apresentação de ‘rap’.

Nunca vou me esquecer. Jogo duríssimo, afinal é o “Super-Clássico”. O Nacional muito melhor, mas o Independente se segura.

Aos 35 do segundo, quando muitos já esperavam o empate sem abertura de placar, o cara do Nacional recebe na intermediária, ajeita pro lado e mete um canudo no ângulo:

O verdadeiro pombo-sem-asas, simplesmente indefensável, o goleiro do Desportivo ainda procura a bola.

O Atanásio tremeu, irmãos. E eu estava lá. Mas o mais emocionante estava por vir, vi depois na saída:

Milhares de pessoas com a camisa do Nacional ficou do lado de fora.

Era muita gente. Muita gente. OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Por quadras e quadras, muito mais de um quilômetro ao redor do estádio, as ruas estavam pintadas de verde, apinhadas de gente, comemorando o triunfo.

O barato é louco, e arrepia na hora.

Isso porque, repito, Eu Amo Medelím. Amo, Amo e Amo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntão ver aquela cidade sorrir de orelha a orelha me faz sorrir também, é claro.

Medellín é Verde, e por isso Sou Verde também.

Nacional-Medellín, Orgulho de um Povo, Paixão de um País.

A Colômbia é Verde, e em 1989, toda a América o foi.

Próximas 2: mesma praça outro dia.

Por isso vê na pichação a taça da Libertadores, vencida pelo Nacional nesse ano, o primeiro clube de um país fora dos fundadores do Mercosul a conseguir esse feito.
…………

4,5 mil quilômetros separam Curitiba de Medelím, em linha reta. De carro são mais de 7 mil km.

E mesmo as cidades estando uma em cada ponta do continente, Curitiba também tem pichações da torcida do Nacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPra tudo se alinhar, o torcedor que veio da Colômbia pichou também sobre fundo verde, claro.

Tamo junto, irmão.

Vamos Verde!!!!!!!!!!!!!!!!OLYMPUS DIGITAL CAMERA

…………..

Pra fechar:

A esquerda e na sequência horizontal abaixo, mais tomadas de Medelím.

A cúpula de uma igreja, uma semi-panorâmica em algum telhado com os morros ao fundo, e edifícios que eu não conheço, pois foi minha família quem bateu.

Clique pra ampliar, o mesmo vale pra todas as imagens.

Medellin[1]medellin2

“Deus proverá”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s