Até Pacatuba (Z/S de Fortaleza) tem metrô . . .

2011: Fortaleza era a “Cidade dos Ônibus Azuis“, toda frota municipal era nessa padronização (*). Não haviam articulados, corredores, e muito menos metrô ou VLT. Foto no Aeroporto, assim que cheguei. Tudo azul, com esse céu do Nordeste como pano de fundo.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado (via emeio) entre 2011 e 2014

Maioria das imagens puxadas da rede, créditos mantidos sempre que impresso nas fotos.

Quando a tomada for de minha autoria, identifico com um (*), como visto ao lado.

………..

Vou fazer uma coletânea do que eu publiquei sobre o transporte coletivo de Fortaleza.

Estive na capital do Ceará em agosto de 2011. Depois, acompanho a evolução via internet.

2017: 2 linhas de metrô operando. Digo, a Linha Sul pra Maracanaú (e Pacatuba) é metrô mesmo, inaugurou em 2012 e já está em operação comercial, em horário integral e cobrando tarifa.

Nota: tudo é relativo no Universo. Quando eu disser que Fortaleza é “cidade-modelo do transporte brasileiro”, não quero dizer que tudo funciona as mil maravilhas.

E sim que está sendo feito um esforço hercúleo de modernização. Comparando com o que era no começo da década de 10, mudou da água pro vinho.

A melhoria do transporte de Fortaleza salta aos olhos, e é isso que quero destacar. Evidente, falta muito a ser feito, mas a coisa está avançando a passos largos.

Isto posto, vamos aos textos. O primeiro é o que nomeou a matéria, e foi publicado em 3 de fevereiro de 2013.

até pacatuba tem metrô

Cavalos soltos nas ruas de Pacatuba-CE. Mas com metrô (dir. na imagem).

Você conhece a cidade de Pacatuba?

A não ser que você seja do Ceará, ou tenha parentes por lá, eu aposto que enormes são as chances que você não conheça esse lugar.

Pacatuba é uma cidade pequena, incrustada no semi-árido do sertão do Ceará, onde os cavalos ainda andam soltos, como pode ver na foto.

Não vamos tapar o sol com a peneira, Pacatuba é bastante depauperada.

Na periferia a falta de infra-estrutura é gritante, ainda há inclusive casas feitas de taipa (pau-a-pique).

Pois bem. Essa cidade, Pacatuba, Ceará, tem metrô, e podem ver a estação na mesma foto.

Acima ela na fase final de obras. A foto (via ‘Google Mapas’) é de fevereiro de 2012, em junho do mesmo ano iniciou-se a operação.

O Centro da cidade, a Zona Sul, e Maracanaú e Pacatuba, conectados pela Linha Sul.

…….

Pacatuba é tão distante de Fortaleza que já se configura numa transição:

Atual (2017): 1 linha de trem de subúrbio, 1 de metrô operando plenamente, 1 de VLT iniciando em testes, mais 1 de metrô em construção.

Fica no extremo da região metropolitana da capital, mas já pode ser considerada uma cidade do interior do estado.

E mesmo assim, esse subúrbio pobre e distante do Centro da capital, tem um sistema de transporte moderno e eficiente a conectá-lo ao núcleo.

Vamos fazer uma atualização, pra mostrar como está a situação em 2017. Repetindo o que já foi dito e é domínio público:

Fortaleza hoje tem 2 linhas de metrô, uma é metrô mesmo e operando plenamente (em vermelho no mapa), e a outra de VLT, que foi inaugurada no fim de julho de 17 (laranja).

Julho de 2017: começa a circular o VLT, a linha laranja. Por hora, em testes, os primeiros 5 km (em Santos-SP, em 2015, eu passei por isso, usei o VLT de lá que estava em testes).

Quando escrevo está um trecho (ressaltado de preto ao lado do laranja) já rodando, mas ainda em fase de testes, uma viagem por hora apenas das 8 da manhã ao meio-dia, e de forma gratuita.

mais uma linha do metrô em construção (azul), e outra, mostrada em verde, de trem suburbano, funciona mas de forma bem precária, uma viagem a cada 45 ou 50 minutos.

A rede de ônibus também vem sendo modernizada, desde 2014 Fortaleza conta novamente com articulados, que não existiam quando estive lá em 2011.

Por quase 2 décadas, Fortaleza não teve articulados. Em 2014 eles retornaram com força total.

Agora voltam os textos originais, feitos de 11 a 14. Repito o que escrevi a época, e no relato irão constar muitas coisas que já não são mais a realidade.

É exatamente pra dimensionarmos o quanto o transporte fortalezense evoluiu em poucos anos.

A cidade aproveitou as linhas de trens de carga e passou a operar trens de passageiros pros subúrbios Oeste e Sul, que é onde mora o povão.

Fortaleza, “Cidade das Lagoas”, e que agora conta com transporte moderno. Na periferia fizeram vários reservatórios pra que a cidade seja habitável, pois o clima é muito seco (mesma função do Lago Paranoá na capital federal). Ao lado vemos as estações do metrô e de ônibus.

Por um bom tempo, não existia metrô ou VLT, apenas 2 linhas precárias de trem de subúrbio.

Reconhecidamente, esse é um quebra-galho, funciona de forma bem precária, porque ainda compartilha a rede de trilhos com trens de carga.

A Zona Leste é a parte rica da cidade, do Centro a Praia do Futuro, passando pelas Praias de Iracema e Meireles. Nessa parte mais abastada não há trens de passageiros.

(Atualizando: agora ela será servida pelo VLT e outra linha de metrô). Mas por muito tempo os trens foram reservados pras partes mais pobres, as Zonas Oeste e Sul.

Antes/DepoisAv. Bezerra de Menezes em 2012: não havia qualquer prioridade pro transporte público, os busões dividiam a pista com os carros. 2016: quanta diferença! Os coletivos (muitos articulados) em pista exclusiva, estações com embarque elevado e pré-pago.

Em São Paulo, Rio, Belo Horizonte-MG e Porto Alegre-RS, também foram implantados trens suburbanos de passageiros em antigas linhas de carga.

Mas os modais não são compartilhados. Os trens de cargas, nesses ramais, ou foram desativados ou foram desviados.

Lembram-se, certamente, das fotos que lhes enviei de Belo Horizonte, quando estive lá, em novembro de 2012.

Uma estação de metrô, e bem ao lado, mas em infra-estrutura separada, os vagões cargueiros.

A linha foi triplicada: dois trilhos pra passageiros, um em cada sentido, e um pra carga, bem ao lado. Assim o trem de passageiros opera como um metrô normal, com a frequência que for preciso, no horário de pico uma partida a cada cinco ou dez minutos.

Registro raríssimo por 2 motivos, pra começar é um dos 1ºs articulados que chegaram ao Fortaleza voltar a ter esse modal, quando foram implantados os corredores e estações vistos acima (por isso as portas elevadas); e 2º), um dos poucos ‘sanfonados’ que existiu com a pintura ‘das Flechas‘ inteira azul. Logo a seguir veio a padronização em que os ‘carros’ ficaram brancos, somente o teto azul.

Em Fortaleza, João Pessoa-PB e Teresina-PI (e embora não posso dar certeza, creio que também em Maceió-AL e Natal-RN), a situação é distinta:

Pegaram a linha que era e ainda é usada pelas composições cargueiras e construíram-se estações de passageiros ao redor delas, sem duplicar e muito menos triplicar a linha.

Logo, os dois sentidos de trem de passageiros usam o mesmo trilho, e ainda o dividem com os trens de carga que permanecem ativos.

Resultado: só pode haver uma partida por hora de composições de passageiros.

Constatei isso pessoalmente. Cheguei na Estação Central do Ramal Oeste do trem de subúrbio de Fortaleza, e ela estava vazia, só havia eu e o segurança.

Centro de Fortaleza, 2011 (*): busos metropolitanos de partida pra Maranguape.

Porque o trem havia acabado de partir, esperei ali mais de 50 minutos.

Em João Pessoa ocorreu o mesmo, cheguei a Estação Santa Rita, subúrbio metropolitano da Zona Oeste, e havia um cartaz indicando que faltava uma hora pra composição partir.

Fui dar mais umas voltas pela cidade, e ainda assim esperei quase meia-hora na estação.

Em J. Pessoa a situação permanece a mesma. Mas em Fortaleza mudou. Após muito tempo com 2 linhas de trens de subúrbio precárias, as autoridades estão modificando esse quadro.

Centro de Caucaia, Zona Oeste da Gde. Fortaleza, 2011(*): micro da Vitória cumpre linha municipal.

Na minha viagem a capital cearense, só pude andar no ramal Oeste (que vai pra Caucaia). O ramal Sul estava desativado, porque estava em reformas.

Esse último é o que tem sua última estação já em Pacatuba, mas que atende basicamente – além da Zona Sul dentro do município de Fortaleza mesmo – o município de Maracanaú, que é bem mais populoso e bem mais próximo de Fortaleza.

E no que consistem essas reformas: em 2011 ele estava sendo ampliado e modernizado, pra poder ser transformado em metrô.

Trem suburbano pra Caucaia: esse ramal ainda não foi modernizado. Digo, as composições sim, agora são VLT’s com ar-condicionado. Mas a linha não foi duplicada, é uma viagem a cada 45 min. .

Iniciou a operação de testes em junho de 2012, sempre no mesmo esquema, 4 viagens por dia das 8 da manhã ao meio-dia, sem cobrança de passagem.

Em 2013 (quando fiz essa mensagem), está pronto e operando (embora na época ainda em modal de testes, a cobrança de tarifa e operação plena só veio gradualmente).

As estações foram ampliadas e modernizadas, agora contando com lojas, escada rolante, praça de alimentação, banheiros, etc.

A linha, como já havia ocorrido em Belo Horizonte, foi triplicada, duas paralelas pros trens de passageiros poderem se cruzar em sentidos opostos, e mais uma pra carga, que assim pode continuar sem perturbar o outro modal.

Estação Conjunto Ceará, Zona Oeste(*). Diz “Metrô de Fortaleza”, mas, não, o Ramal Oeste ainda não é metrô, longe disso.

……………

Observem abaixo o mapa do sistema. As linhas amarelas mostram como era a rede de trens de subúrbio, ramais Oeste e Sul, compartilhada com carga.

Foi assim por décadas, mas não mais. A parte em azul mostra as linhas de carga que é necessário construir, pra que onde opere pra pessoas seja exclusivo nesse modal. Esse mapa é antigo.

Quando fui lá, em agosto de 2011, vi que as obras estavam no estágio final.

As imagens de Pacatuba, que ilustram a mensagem, foram  filmadas pelo ‘Google’ em fevereiro de 12.

Até 2012: somente 2 linhas precárias de trem suburbano, sem VLT ou metrô. Ainda precisava fazer novo ramal pra desviar as composições cargueiras, o que foi feito 1º no trecho em azul, e depois no vermelho (que era só carga), agora é o VLT.

Por isso a estação ainda não estava operando. Mas agora está. Mais um ano se passou, e tudo ficou pronto.

O metrô de Fortaleza iniciou suas operações no meio de 2012, enfatizando.

E a estação-terminal, o ponto final da linha, é no bairro Vila das Flores, já no município de Pacatuba. Como abri o texto dizendo, Pacatuba-Ceará tem metrô.

Por enquanto (2013), em fase de testes. Os trens circulam somente das 8 da manhã ao meio dia de segunda a sexta, e por hora gratuitamente.

A previsão é que Ainda no primeiro semestre de 2013 se iniciasse a operação comercial, das 5 da manhã as 10:30 da noite, de domingo a domingo.

Abriu o baú: vamos relembrar o transporte de Fortaleza em fotos. Começamos com um tróleibus da CTC, virada dos anos 60 pra 70.

A partir daí então haverá cobrança de tarifa. Não sei se o cronograma foi cumprido conforme prometido em 2013, mas agora é realidade, atualizando.

………….

Não para por aí. Um dia, não se sabe quando, a Linha Oeste pra Caucaia também será modernizada e se tornará metrô.

E a Linha Leste (paralela a orla) está em obras – verdade seja dita, obras atrasadas, mas está indo.

No futuro serão 4 linhas, e aí sim, vai chegar a Zona Leste, a parte rica da cidade, onde estão boa parte dos empregos.

Voltando a falar do primeiro mapa mais pro alto na página e não desse logo acima: a linha mostrada em azul não existe, é só projeto mesmo por hora (quando escrevi, agora em obras, de qualquer forma ainda não existe).

Já a linha que está em laranja está pronta mas usada somente pra trens cargueiros, seu destino final é porto (atualizando, as composições de carga saíram, está virando o VLT).

Na virada dos anos 80 pra 90 veio uma onda de modernização. Chegaram os 1ºs articulados, pela saudosa estatal CTC-CE, ainda era pintura livre e numeração só de 3 dígitos nos busos.

Entretanto, pra haver metrô ali, novamente terá que ser triplicada, pra acomodar composições de carga e dois sentidos de trem de passageiros.

Se esse é um futuro distante, o que importa é que está se trabalhando pra que algum dia ele emerja a matéria. E em 2017 parte dele já emergiu.

…………

Agora quanto aos ônibus. Fortaleza tem 7 terminais, em que a integração é gratuita. É pouco, certamente. Só que agora não é preciso fazer mais um terminal sequer por lá. Porque agora Fortaleza conta com integração no cartão. Nos terminais, você troca de ônibus quantas vezes quiser, sem pagar. Isso é igual Curitiba.

Monobloco da Angelim ainda na pintura livre. Mas já com numeração de 5 dígitos (sendo o prefixo em cor diferente, modelo que Fortaleza inventou e que foi adotado em toda ‘Costa Norte Brasileira’). Outro detalhe: inverteram a entrada pra frente.

Só que em Fortaleza você pode descer na rua, fora do terminal, e igualmente pegar mais um ônibus sem pagar de novo, via cartão.

Com isso, 100% das linhas de Fortaleza são integradas. 100%. Não há zonas de sombra.

Em Curitiba há, sendo a maior delas a região do Pilarzinho (Zona Norte). Aqui, só uma linha de grande demanda é integrada no cartão, o Interbairros 1.

Igualmente pra ser justo, mostro lhes que o sistema de Fortaleza tem falhas graves (2013):

Não há ônibus articulados nem canaletas (corredores) exclusivas, e não há integração com a região metropolitana.

Início dos anos 90: 1ª padronização da pintura de Fortaleza (Fonte de várias imagens: sítio Ônibus Brasil). A princípio seriam 3 pinturas, de acordo com a categoria do serviço. Essa era a dos alimentadores, em mais um Monobloco da CTC, destaco o prefixo em cor distinta (‘Costa Norte’) e a entrada pela frente.

Bem, quanto ao segundo problema, o metrô amenizará em muito essa questão, justamente porque integrará Fortaleza com Maracanaú, Pacatuba entrando de brinde.

Já a falta de canaletas e articulados permanece como uma questão a resolver.

Atualização: isso também foi resolvido, ou ao menos começou a ser resolvido. Realmente o avanço pra frente de Fortaleza nessa década salta aos olhos.

A integração no cartão é inevitável. Até Porto Alegre e o Rio de Janeiro demoraram bastante mas já implantaram/estão implantando integração no cartão (lembre-se sempre, escrito em 2013).

Bato de novo nessa tecla porque em 2013 Curitiba ainda não havia despertado pra necessidade de integrar digitalmente, e não somente pelo modal físico do terminal.

Thamco Padrão (alongado, portas largas, motor traseiro) da Cialtra, eis os que eram ‘circulares’ (equivalentes aos Interbairros de Curitiba ou ‘Transversais’ de Porto Alegre) na 1ª padronização (essa e outras tomadas vieram do portal FortalBus). Embarque dianteiro e o prefixo em outro tom.

A capital do Paraná só tinha uma linha central de grande demanda integrada no cartão, digo de novo e quantas vezes forem preciso.

Afora isso apenas algumas outras nos confins da cidade, linhas pouco utilizadas pois atendem regiões esparsamente habitadas.

Pior. Mais 4 anos passaram, e ainda não há integração no cartão. Muito menos trem, metrô ou VLT.

…………..

No Nordeste, enquanto isso, a coisa fica melhor a cada dia.

De novo um articulado CTC da primeira leva, que acima vimos na pintura livre. Aqui ele foi repintado, esse era o 3º esquema de pintura da 1ª padronização, com flecha eram os ‘Troncais’, do Centro aos terminais. Aqui a transição, atrás um buso ainda com pintura livre. Seja como for, essa pintura acabou se impondo sobre as outras duas, e breve todos os busos municipais de Fortaleza, de todas as linhas, acabaram padronizados com esse desenho e cores. É mais um Thamco, esse Volvo Azulão.

Não é apenas na capital que o Ceará está investindo em sistemas rápidos, eficientes e não poluentes de transporte de massa. Conheça o “Metrô do Cariri” e o “Metrô de Sobral”.

O estado do Ceará tem nada menos que 3 cidades com transporte sobre trilhos: a Grande Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte.

(Nota: ‘cidade’ é diferente de ‘município’. O estado de SP conta com transporte ferroviário urbano em grande escala em dezenas de municípios, mas em somente duas cidades, a Grande SP e a Baixada Santista).

Veja abaixo a imagem do “Metrô do Cariri” sobre a ponte. Na verdade não é metrô, mas VLT. Mas … parece um metrô, daí a alcunha.

Ainda assim, repito, trata-se de um Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Que liga os vizinhos municípios de Crato e Juazeiro do Norte, no sul do estado, bem longe da capital e do litoral portanto.

“Metrô do Cariri” (Juazeiro do Norte/Crato).

Mas veja, até cidades no fundão do sertão nordestino tem um transporte moderno e barato, a passagem quando consultei era apenas R$ 1.

….

Os VLT’s do interior cearense são lindos, certamente. Mas é preciso um contra-ponto:

São sub-utilizados, assim será que o investimento valeu a pena?

Aqui o VLT de Sobral, também no Sertão.

A previsão era de que cada sistema de VLT transportasse 5 mil passageiros por dia, mas a média fica no Cariri em 1,3 mil, menos de 1/3.

Em Sobral está melhor, é o dobro do de Juazeiro, são 2,6 mil usuários por dia, mas ainda assim metade do previsto inicialmente. Façamos a comparação.

A linha Roça Grande/S. Cândida, na Zona Norte da Grande Curitiba, tem 3 mil passageiros por dia.

Próximas 2: Estação Parangaba do Metrô em fase final de obras, agosto de 2011 (*)

No meio do dia é feita por somente 1 ‘carro’ não-articulado, no pico vem mais um dar uma ajuda.

Entenderam? Uma única linha de ônibus em Ctba (2 veículos no pico, unicamente 1 no resto da jornada) tem mais demanda que os VLT’s do interior do Ceará.

Claro, o trajeto é curto, por isso só 1 busão dá conta e o intervalo entre as viagens é meia-hora.

Os VLT’s do interior do Ceará percorrem uma distância muito maior, se a Roça/Santa fosse tão longa precisariam 4 ou 5 ‘carros’.

A questão não é a distância, e sim que os VLT’s de Sobral e Juazeiro são grosseiramente sub-utilizados, um mal consegue superar metade do que era esperado, outro não chega a um terço.

 Aí eu te pergunto: valeu a pena o investimento, ou foi mais uma obra faraônica como tantas no Brasil? Valeu gastar milhões pra implantar esses dois VLT’s no interior, que rodam vazios a maior parte do tempo?

E aqui a o local da Estação Benfica, também na Zona Sul (*).

A resposta é meio óbvia, não? Os investimentos no VLT e metrô de Fortaleza eu não contesto, só aplaudo.

Na capital a demanda é gigante, e a população merece essas melhorias. Por isso fiz essa matéria.

Mas no interior a situação é outra, e um corredor de ônibus (com ou sem paradas elevadas) seria suficiente. Mas não daria tantos votos, não é mesmo?

……

Aqui encerra-se o primeiro emeio (acrescido de material inédito), que data de 2013. Agora outro, publicado em 7 de setembro de 2011, logo que voltei de lá portanto.

o metrô vem aí: em Fortaleza, claro

De volta a capital, agora vou continuar contando minhas voltas pela cidade. Em Fortaleza amanhece uma hora mais cedo que na capital do Paraná, pouco antes das 5:30.

Entretanto, curiosamente anoitece no mesmo horário, por volta das 6:30 (isso não é científico, foi uma observação empírica, o mês era agosto, quase Primavera em Curitiba).

Mas voltemos pra manhã de sábado que eu estava no Ceará. Dormi num hotel barato próximo a Praia de Iracema, no Centro. Amanheceu e eu saí.

Tabela Trocada: veículo em testes em Fortaleza, com a pintura de Campinas-SP.

Eram seis horas da manhã de sábado. Sol alto e quente. Mas pelo horário não havia quase ninguém na rua, por motivos óbvios.

Tava eu lá, em pleno Centrão de Fortaleza, e ele quase deserto. As primeiras pessoas chegando pra trabalhar, as primeiras lanchonetes abrindo.

Comi 3 pães de queijo (a versão cearense é diferente da que vende no Centro-Sul do país, breve levanto pra rede a mensagem que falo da alimentação).

A seguir peguei o trem pra Zona Oeste, a mais pobre da cidade. O trem custa um real, e tem ar-condicionado.

Mais uma vez, essa é a atual pintura padronizada de Fortaleza.

Essa é a parte boa. Agora a parte ruim: ele funciona numa linha de compartilhada com trens de carga, que ainda por cima não é duplicada.

Por conta disso, só pode operar uma única composição, só ela vai e volta. O trem é de hora em hora, nos horários de pico de 40 em 40 minutos. 

Em Testes: já que falamos de busos emprestados, eis um de Curitiba operando em Fortaleza por uns dias antes de vir pra cá. Entrada pela frente, pois a roleta está ali. Pra andar no Hibribus os cearenses tiveram que voltar a embarcar pela dianteira.

Como contei acima, cheguei e só havia o vigia na estação, pois levaria uma hora pra próxima viagem, o trem acabara de sair, e tinha que ir até Caucaia e voltar.

Fiquei quase meia-hora só eu e Deus (e o vigia, que também é Filho de Deus) na plataforma deserta (situação similar a que passei na África do Sul, quase 6 anos depois).

Voltando a Estação Central de Fortaleza, enfim começaram a chegar mais passageiros, a composição adentrou ao recinto.

Veio com bastante gente do subúrbio, aqueles que trabalham sábado no Centro.

O Hibribus em casa, aqui em Curitiba, puxando a linha Interbairros 1 – a única central e de maior demanda em Ctba que é integrada no cartão, enquanto em Fortaleza são todas, na cidade inteira.

Mas pra volta foi quase vazio, além de mim que era turista quem vai do Centro pro subúrbio antes das 8 da manhã de sábado? Peguei o de 7:45.

Felizmente era sábado, pois domingo esse horário não opera, é de duas em duas horas. Quem perde o das 7 tem que esperar até as 9:00.

Os vagões são limpos, confortáveis e seguros. Uma das poucas partes de Fortaleza que não é pichada. Observem as fotos, um pouco mais pra baixo na página.

Há seguranças em todas as estações, inclusive seguranças do sexo feminino, se for preciso revistar Mulheres. Os guardas andam armados.

Assim, pelo menos quando peguei, não haviam sem-teto, pedintes, vendedores nem ladrões no trem. As composições são velhas, mas estão reformadas, as portas funcionam perfeitamente, não há situações de risco.

Aqui e a direita: mais 2 do (sub-utilizado) “Metrô do Cariri” entre Juazeiro e Crato.

Dois anos depois, repito, andei no trem de subúrbio de João Pessoa, onde as condições são bem piores, na Paraíba não há ar-condicionado pra conversa começar.

A vantagem era o preço. Em Fortaleza, 1 real (agosto.11), enquanto que em João Pessoa era, é até difícil de crer mas é verdade, somente R$ 0,50, sim, cinquenta centavos (setembro.13).

Nos anos 90 andei em trens de subúrbio em São Paulo em que algumas portas não fechavam, o trem ia a toda a velocidade com portas abertas.

Hoje isso não ocorre mais, que fique bem claro. Então hoje os trens de São Paulo são seguros.

Mas um dia não foi assim, era o chamado “trem da morte”, cujo lema era “pague pra entrar, reze pra sair”, e eu presenciei essa situação pessoalmente.

Em Fortaleza deve ter ocorrido o mesmo, aposto que até os anos 90 os trens eram igualmente perigosos. Mas hoje não são, é o que importa.

De Volta pro Futuro“, ops, perdão, essa é uma postagem minha que também fala de Fortaleza. De Volta pro Passado, isso sim, e de volta a capital do Ceará. Começo dos anos 90: sanfonado da CTC na pintura livre toma um bom banho pra iniciar mais um dia de trabalho.

Os vagões foram reformados, mas a linha ainda não. É pista única, compartilhada nos dois sentidos.

Apenas em algumas estações a linha se divide, aí quando duas composições vem em sentido contrário nesses locais elas podem se cruzar com segurança.

Mas na maior parte do trecho é pista única. Isso e mais ser dividida com o trem de carga impede uma frequência maior.

Porque se houvesse a modernização, muito, mas muito mais gente usaria, como aconteceu na Linha Sul, virou metrô e ‘pegou’.

Outra deles, na 1ª padronização eram 3 pinturas, essa era uma delas. Na 2ª padronização essa pintura encampou tudo, todos os busos ficaram assim nos anos 90, recapitulando.

O METRÔ VEM AÍ, FORTALEZA ENTRA NOS TRILHOS  – 

(Que a linha pegou escrevi em 17. Volta o texto original de 2011, quando a Linha Sul estava em estágio final de obras) Acima falei da Linha Oeste, que está ativa como trem de subúrbio.

A Linha Sul está desativada, pois vai virar metrô. Seguem mais pra baixo na página (busque pelas legendas) fotos das estações, que já estão praticamente prontas.

A Estação Benfica fica na Zona Sul numa região ainda de classe média.

Próximas 6: virou o milênio e todos os busos de Fortaleza ficaram assim, na padronização “das Flechas” (origem da foto: página Ônibus do Nordeste). O prefixo continua em cor diferente. Em compensação, nessa época a cidade não teve articulados, num hiato triste e inexplicável.

A Estação Parangaba  fica bem mais ao sul, onde a cidade começa a virar subúrbio mesmo.

Ao lado do terminal de ônibus de mesmo nome (já em funcionamento há quase duas décadas, também fotografei, mais pra baixo na página).

A Estação Conjunto Esperança, é nos confins da Zona Sul, periferia típica, só que ainda no município de Fortaleza.

O metrô irá até o município de Maracanaú, onde eu havia ido na véspera, de ônibus, e sua última parada será em Pacatuba.

Atualizo mais uma vez: desde 2012 mudamos o tempo do verbo pro presente, vai até Maracanaú e Pacatuba.

‘Não pegou’ inverter o embarque. O povão do Ceará não gostou de entrar pela frente, voltou pra porta de trás. Como a Av. Leste-Oeste é a ‘Veira-Mar’ Oeste (na Rep. Dominicana se escreve mesmo com ‘v‘), esse busão vai ‘da Beira-Rio a Beira-Mar‘.

(Volta o original de 2011) As obras estão quase prontas, e na verdade já deveriam ter sido concluídas, está atrasada a inauguração.

Dizem que até 2012 vai. Vamos falar a verdade: as obras estão atrasadas, mesma situação que está ocorrendo em Salvador.

Nota: Salvador inaugurou o primeiro trecho curto de metrô a tempo da Copa, em 2014. A partir de 2016 já são duas linhas operando, somando 15 km.

……….

De volta ao que escrevi sobre Fortaleza, 2011: a primeira linha sai ano que vem, e a previsão é que até a Copa as obras da segunda linha estarão adiantadas.

Fortaleza: transporte barato (comparado com Curitiba certamente, apesar que lá a renda é menor também) e integrado duplamente, pela via eletrônica no cartão

Nova atualização: a previsão se cumpriu parcialmente. Em 2012 a Linha Sul ficou mesmo pronta, mas os VLT’s da segunda linha só foram pros trilhos (literalmente) em 17.

Obviamente no metrô a linha férrea será dupla, permitindo uma frequência normal de composições, ou seja, de no máximo 10 minutos no período de pico, e de até 20 nos demais horários.

Também está sendo construído um desvio pra linha de carga poder continuar operando sem atrapalhar o transporte de passageiros.

Na Linha Sul tudo isso está quase pronto. Assim que for inaugurada, e será antes da eleição do ano que vem, será a vez das outras linhas.

Fortaleza evoluiu nos transportes, enquanto Curitiba parou no tempo. Aqui só há uma rede de ônibus, que em quase 30 anos (desde 1993) quase não foi ampliada.

. . .  e também física no terminal. Próximas 2: Terminal da Parangaba, Zona Sul (*).

Com exceção da Linha Verde Sul, Terminal Caiuá e alguns terminais na região metropolitana, quase nada foi feito por aqui. E mesmo o que saiu foi a muito custo.

……….

Vamos a mais um emeio, esse circulou no dia 18 de outubro de 2014. Antes, repito a advertência. Tudo é relativo, e o termo ‘Cidade-Modelo’ exalta a grande evolução de Fortaleza nessa década.

Não estou afirmando que tudo está perfeito, mas sim que já foi muito pior, e nessa década a cidade renasceu. Isso esclarecido, fogo no pavio:

Agora Sim: Fortaleza, cidade-modelo do transporte brasileiro!!!

Como foi em 2011, os busos tinham a padronização ‘das Flechas‘ (*). Isso já disse, desculpe o pleonasmo. Repito aqui pra ressaltar que Belo Horizonte tinha uma pintura muito similar, na mesma época.

E boa notícia também: enfim, após longa ausência, os articulados voltaram a Fortaleza!!! E agora com ar-condionado !

Um colega me mandou a notícia que esses bichões começaram a operar na linha que liga os Terminais Antônio Bezerra, na Zona Oeste, ao de Messejana, na periferia da Zona Leste. Um trajeto perimetral, cortando todo o subúrbio da cidade.

http://www.opovo.com.br/app/fortaleza/2014/10/14/noticiafortaleza,3331134/onibus-articulado-comeca-a-operar-em-carater-experimental-nesta-quarta.shtml

Linha Oeste-Leste, de Antônio Bezerra ao Náutico. Hoje faz parte do corredor implantado pela prefeitura, na Z/Oeste corredores com plataformas elevadas como vimos na abertura da matéria. Na Z/Leste fizeram binários nas avenidas, que agora contam com faixa exclusiva pra ônibus. Como sabem, esse buso é municipal. Já verá porque enfatizo isso de novo.

As Zonas Oeste e Sul de Fortal são justamente as mais populosas e povoadas, onde mora o povão.

A Zona Leste é a parte rica a Beira-Mar, mas no subúrbio é periferia também, e a capital do Ceará não tem Zona Norte, pois essa é o Oceano Atlântico.

Assim se vê, como disse acima, que essa linha faz um arco na periferia da cidade. Mas não para por aí.

A próxima etapa, já em novembro, vai pôr articulados no corredor que vai ligar a Zona Oeste ao Centro.

Veículo metropolitano da Via Metro (*). A mesma pintura dos municipais, apenas muda o amarelo no lugar do azul. Mas os metropolitanos do Ceará são pintura livre, porque esse é similar? Porque é uma homenagem, uma ‘padronização voluntária’, um clone. Abaixo falo melhor disso.

Em breve, esse corredor será estendido ao Terminal do Papicu, na Zona Leste, a parte rica da cidade.

Aí você vai poder se deslocar do subúrbio-dormitório a oeste até o polo de empregos a leste de forma rápida, barata e eficiente.

Ainda sem o corredor exclusivo, vê que os articulados já estão indo até o Papicu, é exatamente ali que foi tomada a imagem logo abaixo.

E o melhor vem agora. Tudo isso por apenas R$ 2,20 (outubro de 14). Vale lembrar que em Fortaleza 100% das linhas são integradas.

Já mostro mais metropolitanos. Aqui, voltamos aos municipais da capital. Quando vieram os articulados mudou também a pintura, só o teto, frente e costas ficaram azul, a lateral agora é branca. Transição, atrás ainda inteiros de azul.

Pois há os terminais com integração física e depois, fora deles, você ainda pode pegar mais uma condução sem pagar de novo via integração temporal no cartão.

Pra não falar do metrô da Zona Sul, tema de inúmeros outros emeios nossos (todos eles agrupados aqui), que é uma belezura. Transporte barato, e de qualidade é isso.

Fortaleza é bem grande, apenas o município tem 2,5 milhões de habitantes.

Mais uma cena da transição: 2 micros, o da frente na nova pintura, atrás na antiga.

Atenção: se você digitar “população Fortaleza” no ‘Google’, vai aparecer 3,5 milhões.

Esse é o total da Grande Fortaleza, com os subúrbios metropolitanos incluídos.

Apenas o município-núcleo de Fortaleza mesmo ainda está na marca de 2,5 – retratei um erro que aconteceu em 2014, esse já foi corrigido.

Próximas 2: metropolitanos, pintura livre. Ambas de minha autoria, 2011. Aquele triângulo em amarelo é o símbolo do Detran-CE, que regula as linhas inter-municipais.

Mas em 08/08/17 quando edito pra jogar no ar substituíram um erro por outro:

Agora consta que Fortaleza tem 800 mil moradores somente. É mole?

……….

A volta dos articulados supre uma lacuna de décadas. Mas não é a primeira vez, é o retorno:

Na virada dos anos 80 pra 90, Fortaleza investiu na melhoria do transporte coletivo.

Comprou vários articulados pra então existente estatal CTC (Companhia de Transporte Coletivo).

E inaugurou alguns terminais, padronizou a pintura e mudou a entrada de trás pra frente.

Veem em várias imagens os sanfonados da saudosa CTC – esses ainda sem ar-condicionado.

A partir dos anos 90 as vans tomaram conta de Fortaleza (*), como também ocorreu em boa parte do Brasil, América e África. Legalizadas, se integraras ao sistema. Essas são municipais de Fortaleza (a imagem ficou escura, desculpe).

O tempo passou, a CTC foi privatizada, e Fortaleza deixou de ter articulados, por quase duas décadas.

Além disso, a entrada foi novamente revertida pra porta traseira, creio ser um caso único no Brasil, uma cidade mudar pra frente, não se adaptar e voltar pra trás.

Mas os terminais e a pintura padronizada permaneceram, ou seja, essa primeira onda de melhoria não foi de forma alguma perdida.

Mais recentemente surgiu nova onda de investimentos. Veio a Linha Sul do metrô, e breve outras também. E a integração no cartão.

Centro de Caucaia: as vans com faixa laranja são as metropolitanas.

Faltavam os corredores e articulados, ambos inexistentes quando lá estive em 2011, mas agora uma realidade.

Fortaleza, cidade-modelo do transporte brasileiro. Quem diria, hein???

……..

Isso que Fortaleza ainda conta com explosivo crescimento populacional, como as cidades do Sul e Sudeste um dia tiveram, mas não mais a muito.

Metrô de Fortaleza.

Uma pequena comparação com Curitiba deixará claro.

Aqui vou dar os dados somente dos municípios, sem incluir região metropolitana.

Em 2011 Curitiba tinha 1,7 milhão de habitantes, Fortaleza 2,4.

Rebelião! Uma viação de Fortaleza, a S. José do Ribamar, se recusou a adotar 2 padronizações, e manteve parte de sua frota na pintura livre. Abaixo falo com mais detalhes.

Em 1991 os números eram 1,3 milhão pra capital do Paraná, e 1,7 pra do Ceará.

Duas décadas depois, portanto a distância cresceu de 400 pra 700 mil moradores.

Fortaleza tende a estar beirando os 3 milhões em 2020, enquanto Curitiba não terá chegado ainda ao segundo milhão.

Esse parágrafos acima já são de outro emeio, escrito em 6 de setembro de 2011.

 aqui Fortaleza criou e o Rio copiou

Fortaleza se parece muito com o Rio de Janeiro em muitas coisas:

No gosto musical de boa parte da juventude do subúrbio  (o ‘funk’), na pichação e nas enormes favelas na Beira-Mar, ao lado dos ricaços.

Rio de Janeiro, RJ. Mas cópia de Fortaleza, CE.

Em alguns casos quase uma cópia exata. Mas num ponto a polaridade se reverteu:

Uma viação de ônibus carioca copiou exatamente a pintura que vigorava em Fortaleza nos anos 90.

Acima vemos um CTC que eu mesmo cliquei, em 2011.

Nessa época a ex-viação estatal já havia sido privatizada, e não fazia mais linhas urbanas.

Mas havia mantido alguns ‘carros’ pra outros modais (transporte de funcionários e escolar).

Pro que nos importa aqui, o CTC-CE está  decorado na primeira (e segunda) padronizações de Fortaleza.

Agora filma acima e ao lado: a Viação Bangu do RJ usou exatamente a mesma pintura.

Porque quis, na época era pintura livre nessa cidade do Sudeste. Outro clone, outra homenagem.

Agora foi Fortaleza quem criou, e o Rio copiou.

Tudo vai e volta. Yin-Yan. Essa é a Lei da Natureza.

……

Agora veja esse flagrante raro a direita: Conjunto Esperança, Zona Sul de Fortaleza, 2011.

Mais uma dos articulados pioneiros dos anos 90, na pintura livre da CTC (essa e outras vieram do MOB Ceará).

Um buso ainda usando essa pintura antiga que o Rio gostou, em pleno ano de 2011. Eu sei, a foto ficou bem escura, era domingo a noite.

Mas vale pelo flagra, dos milhares de busos que vi em Fortaleza nos 4 dias que fiquei lá esse era o único nessa pintura antiga – e consegui clicar .

Me refiro aos que ainda estavam na ativa pra transporte urbano regular. Fotografei o CTC no Centrão, mas aquele já está em outros modais, como expliquei acima.

…….

Comentemos diversas imagens espalhadas pela mensagem. Nem sempre estão ao lado do texto correspondente, busque pelas legendas.

Anteriormente essas postagens foram emeios, que têm logística bem diferente. Vemos no decorrer da matéria:

– Acima e ao lado: América, América.

Veem a praça central do bairro Planalto, município de Caucaia, Zona Oeste da Grande Fortaleza.

Ainda irei contar minha volta por esse lugar, breve no ar. Por hora nos fixemos nos ônibus. Como já escrevi muitas vezes em outros textos:

Aqui e a esquerda, agosto de 2011 (*): registrei a fase final de obras da Linha Sul do Metrô de Fortaleza.

É característica de nossa querida América que na praça central de qualquer bairro de periferia parem várias linhas de ônibus.

Curitiba foge a essa regra, aqui na periferia não ocorre de pontos finais se entrelaçarem.

Então no ponto final em algum subúrbio distante não ocorre de ficarem vários ônibus juntos (digo, já fotografei uma exceção em Rio Branco do Sul).

Mas nas outras cidades é o padrão. 

Você chega na praça principal de qualquer subúrbio e lá estão vários bichões enfileirados, esperando a hora de zarpar.

Vi essa cena muitas vezes em São Paulo, Belo Horizonte, João Pessoa, Belém-PA, Santos, Cuiabá-MT, Manaus-AM, Brasília-DF, México, Colômbia, Paraguai, Chile. Bem, obviamente Fortaleza é América.

Interior do trem suburbano pra Caucaia. Só havia eu quando cheguei, cliquei o mesmo em Durbã, na África do Sul.

Aqui (ainda me refiro as fotos em Caucaia) observam dois ônibus da empresa Vitória, esses são intermunicipais.

A definição não é boa, mas olhe com cuidado e veja o símbolo amarelo do Detran-CE no fundo da lataria, logo acima da cabeça da Mulher que passa ao lado.

Ainda na tomada a direita, são dois Marcopolos, essa encarroçadora gaúcha domina o mercado de Fortaleza, deve ter uns 70% da cidade.

O resto é dividido entre Caio, Busscar, Comil e até alguns da paranaense Mascarello, cuja sede é em Cascavel.

A esquerda (ainda falando da foto no Planalto) uma van, de cooperativa, agora legalizada. Também intermunicipal, ou seja, todos os coletivos da foto vão pro Centro de Fortaleza.

Fui pra Caucaia de trem, retornei num ônibus da Vitória. Em J. Pessoa fora o contrário, volta pelo trilho, ida via modal sobre pneus;

– Voltamos ao Centro de Caucaia, Zona Oeste da Gde. Fortaleza. Cliquei em imagens separadas duas vans de cooperativas, também intermunicipais, rumando pro Centro de Fortaleza. Uma está mais pro alto na página, essa aqui da Coopervans é a outra como já informado

Vitória da Iracema na pintura livre.

– Falar em micros, vimos bem pra cima na matéria um municipal de Caucaia, Zona Oeste.

Fui um desses que peguei pra ir ao bairro Genipabu, já na divisa com a zona rural.

Em outra mensagem, breve, relato com fotos como foi minha volta por lá.

Em 3 fotos as estações de metrô sendo construídas na Zona Sul, Estão quase prontas (agosto.11) – até as placas indicando ‘embarque’, ‘bilheteria’, etc., já estão estão instaladas.

Trem suburbano pra Caucaia.

Uma (tirei de dentro do ônibus em movimento, aí a qualidade não ficou primorosa) mostra Benfica, ainda em região de classe média.

Nas outras 2, Estação Parangaba. Como podem ver, nem está pronta ainda, mas já está inteira pichada, inclusive aquela parte alta a direita, que deve ficar a uns 5 metros do chão.

– Exatamente ao lado está o Terminal Parangaba de ônibus.

Próximas 2: Estação Central dos trens suburbanos de Fortaleza (*). Vazia pois é sábado perto das 7 da manhã. Por décadas daqui saíram os trens tanto pra Caucaia na Zona Oeste quanto Maracanaú na Zona Sul. Mas a Linha Sul virou metrô, agora aqui é o ponto final só pras composições da Z/O.

É o maior terminal da Zona Sul, e serve a diversas vilas e conjuntos pobres do Extremo Sul da cidade.

Inclusive alguns que ficam pra baixo do Anel Viário, equivalente dos Contornos de Curitiba e do Rodoanel de São Paulo.

Podem ver que há um busão esperando pra sair em direção ao Terminal Papicu, Zona Leste. Como já escrevi, esse fica no coração da parte rica da cidade.

Logo a linha Parangaba-Papicu é também extremamente sobrecarregada, por ligar a região-dormitório ao polo de empregos.

E deveria ser feita por articulados, mas esses não existem em Fortaleza, infelizmente.

Já o sabem, eles não existiam em 2011. A partir de 2014 voltaram, felizmente. Hoje a linha é feita por articulados.

Ponto final de ônibus em Maracanaú, Zona Sul metropolitana (abaixo, minha autoria). 

Novamente veem vários ônibus (amarelos) juntos esperando a hora de partir. É a América, afinal. Todos os veículos são Marcopolo.

O detalhe da ViaMetro, apelido da Viação Metropolitana, que atende Maracanaú. 

Observam que a pintura é igual aos municipais de Fortaleza, apenas é amarelo ao invés de azul-claro.

Na região metropolitana a pintura ainda é livre, cada empresa faz o que quiser.

A ViaMetro fez essa alusão aos municipais de Fortaleza porque quis, não é obrigada a tanto.

Voltamos a ver os trens, mas aqui na periferia da Zona Oeste (*). É a divisa entre o Cj. Ceará (Fortaleza) x Jurema (Caucaia).

É um clone, uma homenagem. Detalhe: em Florianópolis-SC aconteceu exatamente o mesmo, nos anos 80 e 90.

A capital de Santa Catarina, junto com as de Minas Gerais e Goiás, foi a primeira a padronizar a pintura dos ônibus metropolitanos, ainda no começo dos anos 90.

No caso catarinense, a padronização abarcou as linhas pra São José, Palhoça e Biguaçu (e também Gov. Celso Ramos, por ser feita pela mesma Viação Biguaçu).

As linhas pra Santo Amaro e Caldas da Imperatriz não tiveram sua pintura padronizada, pois na época (começo dos anos 80) a Grande Florianópolis era muito, mas muito menor em termos de população. Assim, Santo Amaro e Caldas ainda eram muito distantes da área urbanizada da metrópole. Mesmo Palhoça e Biguaçu, naquele tempo, não estavam totalmente conurbadas com São José.

Próximas 4 (via ‘Google Mapas’): Estação de Pacatuba do metrô em fase final de obras (fev.12).

Totalmente interligadas formando uma e a mesma cidade, onde você não percebia onde acabava uma e começava a outra, eram apenas Floripa e São José.

Palhoça e Biguaçu eram região metropolitana mas a área urbana não era emendada, ou seja, era preciso ainda pegar estrada e passar por regiões não-urbanizadas pra chegar nelas.

Santo Amaro e Caldas da Imperatriz então, ainda mais distantes, nem sequer faziam parte da região metropolitana.

A companhia “Metrô de Fortaleza” administra tanto o metrô mesmo quanto trem suburbano. No Conjunto Ceará fotografei a placa que diz “Metrô de Fortaleza”, mas lá não é metrô. Aqui na Z/S é metrô, de fato.

Eram cidades do interior catarinenses. Próximas a capital, mas já no interior, e não na região metropolitana.

Por isso, os busos da Viação Imperatriz não eram obrigados a adotar a padronização da CBTU, que emcampou os sistemas municipal e metropolitano de Floripa.

Mas mesmo assim a Imperatriz adotou, voluntariamente, uma pintura-clone, uma padronização voluntária, se quiser pôr assim, similar.

Apenas a faixa onde vinha o nome da empresa era azul-escura, ao invés de preto do padrão mandatório que todas as outras viações tiveram que adotar.

Contei essa história da Imperatriz na Grande Florianópolis, que já está bem ilustrada nessa outra mensagem específica, porque há um paralelo com o que a Via Metro fez na Grande Fortaleza.

De volta ao Ceará que é nosso tópico hoje, lá a entrada por trás é o padrão, tanto nos municipais de Fortaleza quanto metropolitanos.

Exceto nos micros, pois esses não tem cobrador e o motorista quem cobra a passagem.

Mostrei acima a “rebelião” da Viação São José do Ribamar, que se recusou a adotar a padronização em parte de sua frota.

O sítio FortalBus é quem faz as apresentações: verde eram os ‘alimentadores’.

É isso mesmo. Até a virada pros anos 90, era pintura livre em Fortaleza.

Aí veio a 1ª padronização, a princípio com 3 pinturas diferentes, uma pra cada categoria, ‘alimentadores’, ‘circulares’ e ‘troncais’.

(Vamos relembrar nas próximas 4 fotos, na verdade vocês já sabem, é apenas uma desculpa pra vermos mais ônibus antigos.)

Em laranja, as linhas ‘circulares‘. Amplie pra ver que a palavra ‘saída’ sobre a porta está numa plaquinha. Inverteram a entrada pra frente, não deu certo, voltou pra trás. Nesse buso havia recém sido revertido.

Depois a segunda padronização, quando todos os busos foram pintados como os antigos troncais da fase anterior.

Sim, a partir desse ponto, tanto os antigos alimentadores como os circulares, todos receberam a pintura dos troncais.

E a seguir a 3ª padronização. Em que todos os busos, novamente independente de categoria, ficaram azul-claros com duas flechas, em azul-escuro e vermelho.

Pois bem. A S. J. do Ribamar não aderiu a nenhuma das 3. Uma porção de sua frota continuou na pintura livre.

Comprovei isso pessoalmente em 2011. Todos os ônibus municipais de Fortaleza, de todas as viações, eram azulzinhos. Com exceção da S. J. do Ribamar.

Em azul com flechas, os ‘troncais‘, Centro/terminais. Por ‘durou até 1999’ o autor quer dizer que as pinturas de alimentadores e circulares não duraram nada, todos os ônibus independente da linha ficaram nessa pintura na 2ª metade dos anos 90.

Alguns dessa viação estavam padronizados, como na foto do aeroporto no topo da página. Mas outros não, seguiam amarelos e verdes. Não fotografei esses, infelizmente.

Mas você viram que achei na internet uma foto datada, de 2009, 17 anos depois da primeira padronização portanto. E ali está, um S. J. do Ribamar na pintura livre.

Fiz uma colagem, e adicionei duas fotos da garagem ou paradouros da Ribamar, alguns busos na pintura livre, outros na padronizada.

Até aqui alguém poderia dizer que ainda era ‘fase de transição’, e que os ônibus seriam repintados, ou logo substituídos por outros com a pintura nova.

‘Antes/Depois’ – e aqui vemos a prova. Vitória Volvo da CTC chegou na pintura ‘Circular’, e com entrada pela frente. Ele (digo, não sei se o mesmo ‘carro’, mas no mínimo outro igual, do mesmo lote) logo recebeu a pintura do seria troncal, mas ficou única pra cidade inteira. E voltou a entrar por trás.

Até pode ser. Mas a foto datada, de 2009, mostra que não era esse o caso mesmo. Que a S. J. do Ribamar não pretendia mesmo aderir a padronização, e de fato não aderiu de forma total.

Resistiu as 3 primeiras. Quando veio a 4ª padronização (lateral branca e frente e teto azuis) aí não teve jeito:

Com duas décadas de atraso a São José do Ribamar teve que padronizar integralmente sua frota, como todas as outras viações.

Novamente, no Sul do Brasil houve um caso similar. Ainda no começo dos anos 80, Porto Alegre adotou a padronização da CBTU.

(Nota: que foi igual a que foi implantada em Florianópolis, Brasília, Campinas e Maceió, o veículo branco com uma faixa colorida entregando a região que ele vai.)

Na capital gaúcha, o modelo foi batizado ”Radiais Urbanas”, e na lataria vinha escrito R.U. 30, R.U.12, etc, .

Voltando mais no tempo, alguns ainda na pintura livre. Mais um Monobloco, esse da Transpessoa – ainda com prefixo de somente 3 dígitos.

Isso pra indicar qual parte da cidade aquela linha serve, ou seja, a numeração era ainda mais detalhada que a cor da faixa pois uma cor de faixa continha várias R.U.’s.

Pois bem. A Viação Cambará se recusou a aderir.

Presenciei isso pessoalmente nas minhas primeiras idas a Porto Alegre, no início dos anos 90:

Todos os busos, de todas as viações, padronizados. Digo, nem todos, né?

Posto que na Cambará ainda era pintura livre, como a S. J. do Ribamar em Fortaleza.

Vitória da Viação Fortaleza.

Mas a rebelião da Cambará, como a da Ribamar, também chegou ao fim.

A partir de 96, Porto Alegre adotou a segunda padronização, a “Eletrocardiograma”, que durou 2 décadas, até o meio da década de 10.

a Cambará também teve que padronizar sua frota, como todas as outras já haviam feito uma década e meia antes.

Outro Vitória da Viação Brasília (imagem numa parceria do Ônibus Brasil com o sítio Ônibus Paraibanos).

Curioso isso, não? Tanto em Fortaleza como no Sul temos exemplos de viações metropolitanas que não eram obrigadas a padronizar sua pintura, mas o fizeram voluntariamente:

Numa solidariedade decoraram sua frota parecida com a padronização que vigia na capital, a Via Metro no Ceará e a Imperatriz em Santa Catarina.

Por outro lado, duas viações municipais, a S. J. do Ribamar em Fortaleza e a Cambará em P. Alegre eram obrigadas a padronizar.

Mas simplesmente não o fizeram. “A lei não pegou”. Só depois de um bom tempo foram enquadradas. Como é o Ser Humano: alguns padronizam sem serem obrigados, ouros sendo obrigados não o fazem. Coisas da Vida . . . .

 em testes: grande sp, campinas, sorocaba, londrina, até ficar em definitivo em fortaleza

Trata-se desse bichão. Aqui de costas, já em Fortaleza mas ainda de branco. Abaixo veremos toda evolução dele.

Vimos acima busos que já pertenciam a Curitiba e Campinas, inclusive já pintados pra operar aqui no Sul e Sudeste, mas sendo testados antes em Fortaleza.

Agora é um outro caso. Um articulado que ainda não tinha dono, e por isso o fabricante o levou pra uma peregrinação de testes pelo Brasil.

Também rodou em Campinas, e também rodou no Paraná. Mas nesse caso, antes de aportar no Ceará. Sempre na cor branca, indicando isso, que ele estava disponível.

A última cidade foi Fortaleza. Que gostou dele, adquiriu-o, e por isso pintou-o com sua padronização, consolidando a posse. Repare que é sempre a mesma chapa, AUQ-2559.

Pra finalizar, um último emeio que tratou do tema. O produzi em 17 de fevereiro de 2013. Quando estouraram aqueles protestos no Brasil inteiro pela redução das passagens de ônibus. É uma situação que já não faz mais parte de nosso dia-a-dia, mas mantenho aqui pra registrarmos qual foi a reação de Fortaleza.

Outro Vitória ainda na pintura livre. Em várias fotos eu destaco o prefixo em cor diferente. digo de novo, uma característica de Fortaleza que se espalhou até Teresina, São Luiz, Belém, Manaus e mesmo Brasília!

E aproveitamos pra relembrar como era o transporte na cidade a época, visualizando dessa maneira o quanto ela evoluiu em apenas 4 anos e meio (jogo a matéria pro ar em agosto de 17)

Dizia o emeio (fev.13): foi anunciado essa semana que a tarifa de ônibus em Curitiba será reajustada pra 3 reais.

Ao mesmo tempo, em Fortaleza o preço da passagem também vai mudar. Mas, vejam vocês, será reduzido, voltará pra 2 reais.

Atualização: Curitiba cedeu aos protestos, e igualmente acabou reduzindo a tarifa em 2013. Mas a seguir os aumentos voltaram com força total. Quando subo a postagem pra rede, o ônibus em Fortaleza custa R$ 3,20. Em Curitiba R$ 4,25. É uma diferença considerável, que não se explica por um melhor serviço, já que não é esse o caso:

Aqui e a esquerda: monoblocos da São José do Ribamar. Nessa época não tinha rebelião, era pintura livre pra todas as viações.

Registrei na matéria sobre o transporte na África que alguns bairros mais afastados de Curitiba no domingo têm ônibus somente a cada 84 minutos.

Sim, uma hora e 24 minutos, praticamente uma hora e meia de intervalo. Serviço com padrão da África, daí foi acertada a matéria em que essa nota foi publicada.

E por ‘África’ eu não estou me rendendo ao estereótipo nem falando do que não conheço. Exatamente ao contrário, a Grande Vida (‘Deus’) me deu oportunidade de ir a ao Continente Negro.

Aproveitei bem. Lá dechavei a fundo o transporte nas 4 maiores cidades sul-africanas, Joanesburgo, Cidade do Cabo, Durbã e Pretória. Registrei o que há de bom e de ruim. Há muita coisa moderníssima na África, os trens que ligam Joanesburgo a Pretória são de Primeiríssimo Mundo. Os ônibus da Cidade do Cabo não ficam atrás.

Não fariam feio nos países mais avançados e com melhor sistemas de transporte como China, Japão e Alemanha. Mas óbvio, séculos de atraso levam pelo menos algumas décadas pra serem corrigidos.

Há muita coisa precária na África, e bota precária nisso. Bem, em Curitiba há também muita coisa avançada, mas muitas partes estão regredindo.

Em Fortaleza há muita coisa a ser resolvida, mas está havendo um avanço inegável nessa década. Então, repito, é injustificável o transporte de Curitiba ser tão mais caro que o de Fortaleza.

……………….

Belo Vitória ‘Padrão‘ (alongado, portas largas, o motor é no fundo ou sob o piso pra não estorvar o embarque/ desembarque) da CTC. No Século 20 ‘Volvo era Volvo’, né . . .

Feita essa atualização, volta o que escrevi no começo de 2013. Abaixo, o que respondi ao colega que me enviou esse emeio:

Pois é cara, estive em Fortaleza há pouco mais de um ano, e conheci toda a rede de transportes da cidade, de ponta a ponta. De forma que posso falar com propriedade de como funciona.

A passagem voltando pra 2 reais é a prova que é possível fazer um transporte barato e 100% integrado.

………

Fortaleza tem integração em duplo modal, nos terminais e no cartão. O que põe por terra a falácia de Curitiba que não quer abandonar o modelo de terminais. Não precisa abandonar, pode manter e ainda integrar no cartão, como alias a linha Interbairros 1 é integrada no cartão.

Outro Vitória da CTC, mas esse é o ‘cabritão’: motor dianteiro, portas estreitas, tudo pra atrapalhar. Só faltava ter somente 2 portas (pode ser pior: na África do Sul a maioria dos busões tem somente 1 porta!).

Quando estive lá, eram 7 terminais em Fortaleza. Pouco, é verdade. Entretanto, com a integração no cartão, não é preciso construir nem um terminal a mais sequer.

É assim: os 7 já dão conta de boa parte da demanda, ligam as vilas da periferia com a Região Central, e como há linhas de um terminal a outro, as diferentes partes da cidade também estão conectadas.

Ainda assim, havia zonas de sombra. Agora não mais. Pois agora você pode trocar de condução no terminal, sem pagar de novo.

No terminal você embarca pela frente (pois na na rua quando você vai girar a catraca em Fortaleza ainda se entra por trás).

Próximas 3: ônibus em testes em Fortaleza, de branco. Esse adicionou as flechas azul e vermelha da padronização da época. O outro inteiro alvo, com chapas verdes.

E depois ainda descer em qualquer ponto, pegar qualquer outra linha, embarcar pelo fundo, girar a catraca, mas não paga nada, é a integração temporal.

Tudo isso, como você colocou, por R$ 2. Tem mais. Fora dos horários de pico, é mais barato, por exemplo das 9 da manhã as 11, e das 2 as 4 da tarde, você só paga 1,90.

Não lembro exatamente as horas exatas e nem o valor, estou exemplificando aleatoriamente.

O fato é que fora do horário de pico há um desconto. Justamente pra incentivar quem puder se deslocar em horários de menor demanda. Em diversos outros países, inclusive a África do Sul, também é assim.

……..

Tudo isso só vale pro município de Fortaleza, a região metropolitana não é integrada. Entretanto, há o metrô, que é barato, rápido, eficiente, e integra a Zona Sul, tanto metropolitana quanto municipal.

Na Zona Oeste, há o trem, que não é rápido nem eficiente, mas ao menos é barato, e também integra os subúrbios, inclusive metropolitanos. E o trem da Zona Oeste um dia será elevado a metrô também.

Mas há outro ponto muito importante. No censo de 2010, Fortaleza, apenas o município, tinha 2,3 milhões de habitantes. 

Essa já é praticamente a população da Grande Curitiba, município mais região metropolitana, que tem acesso a rede integrada.

Posto que o município de Curitiba tinha 1,7 milhão, na mesma época, e apenas parte da RM de Curitiba é integrada, boa parte não é.

E repetindo, o bairro do Pilarzinho na Zona Norte é município de Curitiba, mas boa parte dele não tem acesso a rede integrada. Sim, passa o Interbairros 2 nas vias principais. Mas não há alimentadores nas vilas, só convencionais.

Ciferal da saudosa CTC-CE.

Muita gente entra nos convencionais não-integrados, paga passagem, anda pouquíssimos pontos, desce, pega o Interbairros 2 pra ter acesso a terminais, pagando de novo.

São 4 passagens por dia. Em Fortaleza, com a integração no cartão, isso não acontece.

Portanto mesmo lá sendo apenas municipal a integração e aqui parcialmente metropolitana, a população que é atendida pela rede integrada nas capitais do Ceará e do Paraná é a mais ou menos a mesma.

Mascarello azulzinho.

E lá de forma muito, mas muito mais barata.

Eu encerro meu caso.

Que Deus Ilumine a todos.

Ele-Ela proverá.

Anúncios

Fortaleza: epicentro da Costa Norte do Brasil

anoitece

Fortaleza é linda (r).

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado (em emeios) em 25 e 26 de agosto de 2011

Maioria das imagens clicada por mim. No entanto, as que aparecem os prédios na Beira-Mar em Meireles e Mucuripe e a do ônibus em Manaus foram puxadas da internet. Eu identifico com um (r) de ‘rede’, como visto ao lado.

contraste

Mas o contraste social é agudo: grande favela quase a Beira-Mar, em frente ao Iate-Clube e aos prédios mais caros do Ceará. Em boa parte do Nordeste, mesmo nas favelas as casas são cobertas com telhas de barro – e não com eternit, como no Centro-Sul. Imagem capturada via ‘Google Mapas’.

Vou escrever agora os relatos de minha viagem a Fortaleza-CE.

Fiquei 3 dias e meio, de sexta depois do almoço até a madrugada de terça. Essa mensagem é o Portal da Série. Ao fim do texto eu ancoro ligação pras outras postagens, conforme eu as vá jogando no ar.

………

A cidade é o epicentro da Costa Norte Brasileira, daí o título. Talvez nunca tenham ouvido esse termo, então explico:

Em Fortaleza o oceano fica ao norte, por isso cunhei a expressão “Costa Norte Brasileira”, que vai de logo após Natal-RN até o Pará.

Na maior parte do Sul do país, do Espírito Santo a Natal e também no estado do Amapá o Oceano está a leste, enquanto que nos estados de São Paulo e o Rio de Janeiro geralmente o mar fica ao sul das cidades, como na Baixada Santista por exemplo.

avenida-leste-oeste-no-centro

A Avenida Leste-Oeste, no Centro. Apesar do nome ela liga o Centro a Costa Oeste, ou seja, não entra no Leste da cidade.

A origem do termo é baseada a princípio na posição do continente em  relação as massas de água do planeta. Porém, o conceito é também social.

Pois a ‘Costa Norte’ é também um modo como os Homens e Mulheres vivem e se relacionam entre si e com o ambiente. É uma ‘Sintonia’, se você se dá bem com essa palavra.

Já exemplifiquei quando fiz uma matéria sobre ônibus, com muitas fotos: Fortaleza, Teresina-PI, São Luís-MA, Belém-PA e Manaus-AM têm (ou tiveram até recentemente) uma característica única, comum a todas elas mas somente a elas:

A de pôr o prefixo do veículo em cor diferente No exemplo da foto ao lado, o sufixo está em azul-escuro, mas o prefixo em rubro. O que prova o que eu disse, a ‘Costa Norte’ também pode ser analisada pela geografia humana, e não somente pela geografia física.

aeroporto-z-sul

A Cidade dos Ônibus Azuis – e dos prefixos em outro tom. Os ônibus e o céu, tudo azul em Fortaleza, em tomada feita no Aeroporto. A pintura dos coletivos é padronizada e única pra cidade inteira. Em 2011 era assim, agora a frente e o teto são em azul-claro, mas o corpo lateral do veículo é branco. Vou falar aqui do que presenciei a época: nos horários de pico ainda circulavam alguns veículos mais velhos, com a pintura no padrão antigo, o 1° padronizado, e, o mais curioso, uma viação era rebelde e mantinha parte de sua frota na pintura livre, resistindo – de forma parcial – a 2 padronizações. No total, 99% dos ônibus estavam assim como veem na imagem.

Voltando a capital do Ceará. Por conta da posição do Oceano, Fortaleza não tem Zona Norte, apenas as Zonas Leste, Central, Oeste, e Sul.

Há praias nas Zonas Oeste, Central e Leste – exceto na Zona Sul, portanto, e nada mais natural, se o mar fica ao norte. A parte mais rica da cidade é a Zona Leste. Abra o mapa no ‘Google’ Mapas.

Verá que os prédios se concentram nos bairros de Iracema, Aldeota, Meireles, Varjota, Mucuripe, Cocó e Papicu. Todos a Leste do Centro, entre este e o cais do porto.

Fortaleza é uma cidade muito pobre, muito mais que as capitais do Centro-Sul, naturalmente. Não falo isso com desprezo ou preconceito.

Primeiro porque eu gosto periferia, e não por outro motivo quis vir morar no Canal Belém, uma ‘comunidade’, pra usar o termo em voga em alguns círculos.

Trata-se de uma antiga invasão, parcialmente urbanizada mas ainda não legalizada. Na beira do rio de mesmo nome no Boqueirão, subúrbio da Zona Sul de Curitiba.

Assim, repito, não é preconceito. Mas fatos são fatos, e nada adianta tentar ocultá-los com a peneira grossa.

Ainda as tomadas no pátio do Aeroporto. Observem que todos os ônibus tem 3 portas (exceto micros) mas a do meio só abre nos terminais. Falei muito mais dos ônibus em texto que abordo a padronização de pintura, metrô, VLT, trem de subúrbio, a volta dos articulados; enfim, radiografia completa do transporte no Ceará.

Contra números não há argumentos. Oficialmente, 33% da população fortalezense mora em favelas. Em capitais mais austrais do país como Curitiba, São Paulo e Florianópolis-SC, esse número fica perto de 10%.

Já em Fortaleza se repete o mesmo padrão dominante na maior parte da América Latina.

Visitei Manaus 11 meses antes, e Bogotá e Medelím (Colômbia) 4 meses antes de ir ao Ceará, e vi cenas similares.

Depois desse texto (que é de 2011), fui ao México, Paraguai, Pará, Paraíba e República Dominicana.

E em todos esses lugares vi mais uma vez como a América Latina ainda é um continente onde a imensa maiorias das pessoas pouco mais que sobrevive.

Bem no Centro, um busão no padrão antigo de pintura. Como já disse, no horário de pico circulam alguns nessa padronização visual. Mas esse veículo especificamente está aposentado. Pois como podem ver é da empresa CTC. Essa era uma viação estatal, do governo estadual. Não existe mais pra linhas regulares, foi privatizada. Ainda há uns poucos ônibus com seu nome pintado, mas não opera transporte urbano. Creio que leva alunos ou funcionários do governo estadual. Voltei ao tema em outra postagem que já está no ar. O que importa aqui é essa pintura. Foi a primeira padronizada, quando foram inaugurados os terminais de integração, no começo dos anos 90.

O Centro-Sul Brasileiro (de Brasília-DF ao Sul e maior parte do Sudeste), a Bacia do Prata (Argentina e Uruguai) e o Chile são as partes onde a classe média é um pouco maior.

Mesmo assim óbvio ponteadas por grandes bolsões de pobreza.

Não estou negando que existe miséria nessa parte mais rica da América Latina, que fique bem claro. Alias, se eu quiser ver tudo isso em estado bruto, basta andar duas quadras de minha casa.

Como eu disse, minha vila é uma invasão, partes já urbanizadas, mas outras partes ainda não. No Chile, em São Paulo, em Florianópolis, em todos os lugares que vou, eu documento a concentração de renda.

Agora, é incontestável que no Nordeste e Norte Brasileiros, no Centro e Norte da América do Sul, e em toda a América Central (México e Caribe incluídos) a situação é ainda mais dramática. Nessas partes a classe média é minoria mesmo.

A grande maioria luta primeiro pra ter o básico pra comer e vestir, e depois é que pensa em consumir qualquer supérfluo.

Essa situação vem se alterando pra melhor desde que o milênio mudou, felizmente. Muitas favelas estão sendo urbanizadas, a renda dos trabalhadores vem aumentando. Constatei isso no Amazonas, na Colômbia e agora novamente no Ceará (escrevi em 2011, enfatizando, quando o Brasil ainda vivia um ciclo de prosperidade que durou até a Copa do Mundo-14).

metropolitano-maranguape

Ônibus metropolitanos em seu ponto final no Centro, esperando o momento de zarpar pro município de Maranguape, na Grande Fortaleza, onde nasceu Chico Anysio. Apenas os ônibus municipais de Fortaleza são no padrão azul que viram acima. Os metropolitanos ainda têm pintura livre.

Mas muito ainda resta por ser feito, é o que quero dizer. Séculos de abandono demandarão pelo menos algumas décadas de trabalho árduo pra que a situação se equilibre.

Na série sobre a Colômbia, escrevi que a maioria dos turistas que vai a Bogotá não vê a extensão da pobreza porque fica apenas na parte rica da cidade (lá a Zona Norte).

Em Fortaleza ocorre o mesmo. Boa parte dos visitantes se restringe aos bairros da orla Leste da cidade, não andam de ônibus e muito menos a pé.

Eu fui conhecer essa parte mais abastada, óbvio. Mas além disso percorri, a pé e sozinho, favelas e a Cracolândia do Centro, mesmo a noite, pra vermos “o lado ‘A‘ e também o lado ‘B’ ” da metrópole.

……..…

mucuripe

Praia do Mucuripe (r).

Voltemos a descrever como Fortaleza se organiza. A parte rica se instalou na Avenida Beira-Mar (esse é seu nome oficial) e adjacências, a Leste do Centro.

Ao lado do Centro da cidade está a Praia de Iracema. Depois vem Meireles e Mucuripe. Todas são represadas por diversos diques, que eu creio estão ali por causa do porto.

Então são praticamente lagoinhas, sem ondas. E essa é a região que concentra os prédios mais caros do Ceará.

Seguindo a sequência, chegamos ao cais do porto. Rodeando ele estão algumas grandes favelas. É curioso andar no bairro do Mucuripe, estão ali como dito os prédios dos milionários, e logo ao lado uma enorme favela.

aeroporto-z-sul1

Minha 1ª imagem de Fortaleza, o Aeroporto Pinto Martins, na Zona Sul. Ao fundo a linha de prédios das Zonas Leste e Central.

Pra quem já passou na Zona Sul do Rio, e viu a Rocinha entre a Gávea e São Conrado, é a mesma cena, apenas a favela de Fortaleza é plana.

Após o complexo portuário está a Praia do Futuro. Essa sim é em litoral aberto, com ondas fortes. A Praia do Futuro fica no estremo Leste de Fortaleza, já desenhei ‘Marília & Maurílio’ andando de mãos dadas nela.

De volta a ‘vida real’, por ser mais distante do Centro foi a princípio ignorada pela especulação imobiliária. Assim quase não tem prédios.

Na verdade ainda não foi ocupada de todo, algumas quadras tem mesmo poucas casas.

bandeira

Essa imagem eu tirei em Santa Catarina, 2016. Já entenderão porque coloquei aqui a Bandeira da Pátria Amada.

Agora as construtoras começam a erguer muitos empreendimentos ali. É que o espaço disponível pra novas obras naquela região tradicional da elite já citada está se esgotando.

Então é preciso haver uma expansão. E aí estão se olhando pra áreas que antes não eram procuradas.

É um fenômeno universal e natural, e já descrevi e fotografei com detalhes como ele está se desenrolando na cidade de Santos, num texto anterior.

Então, em Fortaleza ocorre o mesmo. O eixo Iracema-Papicu está saturado, de forma que é preciso expandi-lo. A Praia do Futuro assim começa a encarecer, e vai deixar de ser periferia em breve.

bandeira ceará

Bandeira do Ceará. Dos 27 pavilhões estaduais (na verdade 26 estados + DF), o cearense é o que mais se assemelha ao da nação.

A COSTA OESTE DESPERTA

A Zona Oeste é o oposto da Leste. É uma região de periferia mesmo na Beira-Mar. Nas praias da Zona Oeste infelizmente não deu tempo de eu ir, só fui na Zona Oeste longe do mar, onde passa o trem pra Caucaia.

Mas vi como é pelo satélite e fotos. A cidade negligenciou a Costa Oeste, só olhou pra Costa Leste.

Entretanto a situação também começa a se alterar. Estão sendo erguido prédios de luxo na Zona Oeste, pela primeira vez na história de Fortaleza. Esse fenômeno se repete Brasil afora, do perfil de classe média e média-alta se expandirem pra onde era antes periferia.

linha-de-predios

Panorâmica da parte rica da capital (r).

Em Santos é exatamente igual, Leste rico, Oeste pobre. E também forçadas por motivos econômicos as construtoras começam a quebrar um preconceito de décadas.

Descrevi e fotografei o que ocorre no Litoral Paulista em matéria específica.

De volta ao Nordeste, até a parte longe do mar de Fortaleza (a Zona Sul e e a porção meridional da Zona Leste) começam a receber prédios de classe média. Embora aí sejam ‘pombais’, prédios baixos sem elevador (no estilo de conjuntos tornado clássico em todo país pela construtora MRV, fotografei um deles na Zona Oeste da Gde. Belo Horizonte-MG).

Dois anos depois de Fortaleza, fui novamente ao Nordeste, a João Pessoa. Em Santa Rita, um distante e bem pauperizado subúrbio metropolitano da Zona Oeste, vi em obras o primeiro prédio alto do município. Sinal que essa periferia começa a ter gente com dinheiro o suficiente pra subir (literalmente) de padrão.

praia-de-iracema-centro2

Próximas 3: as únicas fotos que eu tirei do mar foram na Praia de Iracema, no Centro.

Não se restringe ao Brasil esse despertar. No texto original eu já havia escrito que Bogotá passa por idêntico processo.

Lá, a parte rica é a Zona Norte, Oeste intermediária e Sul o subúrbio proletário, há favelas na cidade inteira mas as meridionais são gigantescas.

Então, na capital da Colômbia o espaço na Zona Norte esgotou, aí começam a surgir prédios de classe média-alta na Zona Oeste e de classe média-baixa na Zona Sul.

E depois disso fui a República Dominicana, e vi o mesmo. É o inverso de Fortaleza, a Orla Oeste é a dos milionários, a Leste a periferia. Fotografei o primeiro (em fase final de obra) prédio alto residencial de Santo Domingo Leste, na verdade de toda Santo Domingo fora da Zona Oeste.

praia-de-iracema-centro1

Mesmo local, girei a câmera pro lado.

Outro detalhe é que há pouquíssimos condomínios fechados de casas em Fortaleza. Basicamente na Zona Leste, por enquanto (o texto é de 2011, e reflete o que vi na época. A situação pode ter se alterado).

A capital do Ceará é ao mesmo tempo indescritivelmente quente, com um contraste muito grande entre as classes sociais e mesmo entre as partes belas e as nem tão belas assim.

Bom, todas as cidades têm seu lado A e seu lado B, mesmo aquelas do chamado “1º mundo”.

Fortaleza é a cidade do ‘funk’, a cidade das lagoas, do Sol, do Mar, e dos ônibus azuis.

Tudo emoldurado pela serra ao fundo. Com um Centro que renasce, símbolo de um Nordeste que passou décadas ou mesmo séculos esquecido, e que agora começa a despertar.

praia-de-iracema-centro

Aqui fiz uma colagem. Desculpe, não saiu do mesmo ângulo, então você vê grosseiramente o encaixe no chão. Seja como for, eis Praia de Iracema, no Centro, perto de onde fiquei. Como praia mesmo quase não é utilizada, a faixa de areia é minúscula e não tem ondas. Todas as vezes que fui lá estava deserta. Essa parte da cidade é mais frequentada a noite, pois é a região boêmia. Perto do mar há as casas noturnas, e seguindo mais pro Centro existe o entorno do Centro Cultural Dragão do Mar, onde há diversos bares, parecido com o Largo da Ordem, em Curitiba. Focando de novo em Fortaleza, essa era uma região que estava feia e decadente. Foi revitalizada, num processo similar ao que ocorreu no Pelourinho, Salvador. Na orla da Zona Central de Fortaleza ainda há partes bem feias e sujas, com favelas e a zona portuária (não é o porto principal, que é a Leste, e sim uma extensão dele, bem no Centro). Mas há também uma região que aflorou novamente, e voltou a ser frequentada pela classe média: o local é policiado e limpo, há muita música ao ar livre, de graça. Eu fui, e gostei.

………………

Vamos continuando o relato. Abra o ‘Google Mapas’ e vá localizando o que estou descrevendo. A Zona Leste é onde moram os ricos, margeando a orla.

Estou me referindo aqui ao triângulo formado pelos bairros Iracema, Mucuripe e Cocó. Só que mesmo dentro dessa parte selecionada há grandes favelas.

Cito de exemplo uma que vai margeando a linha do trem – nessa região é só trem de carga, nas Zonas Sul e Oeste há trem de passageiros que está sendo transformado em metrô.

Falamos disso na sequência. Aqui voltemos ao contraste entre favela e prédios de milionários. A favela corta toda a parte rica da cidade. Mas é pequena, pois estreita, só na beira da linha mesmo.

Só que se aproximando do porto ela engrossa. Observe as fotos que estão espalhadas pela página: a praia (sem ondas, como já falei) e os prédios. Cada apê ali vale fácil alguns milhões.

Mas dê uma voltinha no bairro. Duas quadras dali começa a favela. E nesse ponto não é só nas margens do trilho não. A favela do bairro Mucuripe é gigante.

Favela a beira-mar, como a segunda imagem da matéria, bem mais pro alto na página, já ilustrou. Estamos nas imediações do porto e do iate clube. É o limite entre área rica e subúrbio. Dali pra frente começa a periferia.

Vamos olhar agora na outra dimensão, o sentido norte-sul. Pra ficar mais claro, veja o Parque Ecológico do Cocó no mapa. Da orla até esse bosque é onde mora a elite. Pra baixo dele é tudo periferia, mesmo o que for Zona Leste.

meireles

Praia de Meireles (r). No Litoral do Chile fotografei outro prédio com vão livre – e lá veio de brinde um 11-13 Mercedes.

Fui nos bairros Messejana (esse é no coração da Z/L), Aerolândia e Tancredo Neves (são vizinhos e ficam ao lado do Aeroporto, já na divisa com a Z/S).

São o subúrbio da cidade, mesmo sendo a leste, porque são longe do mar.

Atualização: constato pelo ‘Google’ Mapas que a parte mais rica da cidade já ultrapassou o Parque do Cocó.

Uma região de prédios de padrão médio-alto está se formando as margens do bosque, mas do lado oposto ao mar, no bairro Guararapes, antes de Edson Queiróz.

E inclusive próximo a Messejana também está surgindo um núcleo de prosperidade, da pequena-burguesia suburbana. O mesmo ocorre em outras partes da cidade, nas Zonas Oeste e Sul.

zona-portuaria-centro2

De volta a Fortaleza. Próximas 5: vamos ver as ruas da parte menos glamurosa da Zona Central, o Centro Velho no entorno do porto. Desculpe o dedão na frente da câmera. Mal aí. Pra compensar… um 11-13 de brinde!

Como em Santo Domingo, Santos e diversas outras metrópoles, a prosperidade não se restringe mais somente a Beira-Mar e imediações.

Isso é bom, claro. Ainda assim, mesmo agora ponteada por esses nichos de espigões mais abastados, a divisão da cidade entre burguesia e periferia basicamente se mantém.

As sementes são exceções que confirmam a regra, ou, se estiver mesmo ocorrendo uma mudança a largo prazo, ela levará ainda décadas pra se consolidar.

Voltemos a favela do Mucuripe. Pra quem não conhece Fortaleza, localize no mapa a Avenida dos Jangadeiros. Vá mais pra direita. Verá o cais do porto e seu complexo industrial.

É da Petrobrás aquela instalação. Após o porto há outra favela, e o detalhe curioso é que aqui vi algo que nunca tinha presenciado pessoalmente:

A ‘filial’ do porto perto do Centro. A doca principal é a leste, no Mucuripe. Mas há outros locais onde os navios atracam,  numa extensão do complexo principal.

Uma favela (chamada Titanzinho e Servilux, entre outros nomes) a beira-mar. A ‘comunidade’, como alguns preferem dizer, se formou literalmente nas areias da praia.

Já conhecia essa realidade (exatamente essa ao lado do porto, outras na Z/O de Fortaleza, e em outras cidades, como a ‘Brasília Teimosa’ do Recife-PE) pelas fotos de satélite.

Mas é realmente impressionante de ver ao vivo, passar por entre os becos. Quando o vento leva mais areia pra dentro da favela, ela fica dentro das dunas.

Se acumula muita areia, os moradores retiram com pás, pros carros poderem passar. Fui pelas Ruas Leite Barbosa e Ponta Mar, essa última marca o limite entre a vila e a parte da praia não ocupada.

A via é só residencial. Comércio, só mercearias pros próprios moradores. De qualquer forma, talvez essa cena esteja com os dias contados. As casas já estão numeradas pela Cohab e creio que deve haver remoção, até por ali ser área da Marinha.

NOTA: EU NÃO TORÇO PELO FORTALEZA, CEARÁ OU QUALQUER CLUBE NO BRASIL. VOU APENAS RELATAR OS FATOS COMO OCORRERAM, INDEPENDENTE DE MINHA VONTADE. Observem um muro todo grafitado pela torcida Cearamor, do Ceará S.C.. Nem o poste foi poupado, como é comum no Chile e outros países americanos. Fortaleza estava tingida de preto e branco, a galera alvinegra estava pra lá de entusiasmada com a permanência, pelo 2º ano seguido, do ‘Vozão‘ – como o clube é carinhosamente chamado – na primeira divisão, especialmente porque o arqui-rival Fortaleza estava na distante 3ª divisão. No entanto, no mesmo ano de 2011 o Ceará caiu e está na 2ª divisão. Ainda assim, o Fortaleza até agora não conseguiu sair da 3ª. Repito, não estou provocando ninguém, só contando os fatos. Breve mais sobre o futebol local.

Vamos pro outro lado da cidade. Na Costa Oeste de Fortaleza é o contrário, não há ricos por ali. Até mesmo na bordejando o oceano é periferia.

Veja no mapa que desde o cartódromo César Cals até o Rio Ceará que marca a divisa de município só há bairros populares.

Creio que boa parte da área foi invadida um dia, hoje em processo de urbanização. Nos bairros Pirambu, Cristo Redentor e Barra do Ceará.

Nessa parte infelizmente não pude ir pessoalmente, o estudo teve que ser pelas imagens de satélite do ‘Google’.

(Outra atualização: em 2011 quando fiz a matéria o Ceará ainda não havia sido jogado no ar no modo ‘Visão de Rua’ do ‘Google’.

Agora foi. Então dá pra andar – virtualmente pelo menos – nas estreitas ruas das vilas humildes litorâneas da Z/O, o que já fiz extensamente).

Bem próximo ao Centro há uma pequena favela que se chama ‘Oitão Preto’ – pra quem não sabe, ‘oitão’ significa revolver.

Essa eu visitei. É perto da praia mas não dentro dela, há Avenida Leste-Oeste entre as casas e a areia.

Como curiosidade, já falamos acima que Recife também tem sua favela a beira-mar. Chama-se Brasília Teimosa, e fica, vejam só, entre o Centro e o bairro de Boa Viagem, Zona Sul.

favela-oitao-preto-centro

Próximas 2: prédio que em 2011 estava abandonado. Perto do Centro, mas não exatamente nele. Ao lado dele, a Favela do Oitão Preto, já citada. Como é muito comum em toda parte, de Curitiba a Buenos Aires, essa favela foi invadida em área de domínio da rede ferroviária. Atrás dela está a estação central dos trens de subúrbio. Falo sobre eles em outra mensagem.

Pra quem não é inteirado sobre geopolítica recifense, essa é a praia mais cara da cidade, reduto dos milionários pernambucanos.

Brasília Teimosa ficou famosa quando foi escolhida como símbolo do combate a miséria, e então ela foi urbanizada.

Os moradores que estavam em situação de maior risco foram removidos pra casas bem construídas em locais apropriados. Vamos ver se seus colegas fortalezenses um dia terão a mesma sorte.

………….

NÃO HÁ ETERNIT, SÓ TELHA

Em Fortaleza não há casa de eternit, só de telhas. Explico. Como Já falamos muitas vezes, nas regiões Norte, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, e também na Bahia, as casas na periferia são de eternit, que é mais barato.

Nessas regiões supra-citadas apenas os bairros de classe média pra cima utilizam telhas de cerâmica. Inclusive vendo imagens de satélite sei a renda do bairro pela proporção eternit/telha:

Focando só no edifício agora (perdão, a imagem turvou). Disse que ele esteve abandonado, assim era quando cliquei. Agora está sendo reformado pra servir de escola de turismo. Muito bom. Outra coisa que mudou de 2011 pra cá. Quando passei pela Avenida Leste-Oeste, esse era seu nome oficial. Posteriormente foi renomeada ‘Avenida Presidente Castelo Branco’. Castelo Branco era cearense, se alguém não sabe.

Só ou majoritariamente eternit, é periferia com certeza, uma invasão ou loteamentos populares. Só telhas de cerâmica, ao contrário, a renda é muito alta.

Bem, em Fortaleza essa técnica não funciona. Como acabei de dizer, mesmo nas piores favelas dessa cidade (e também de Natal, João Pessoa-PB, São Luiz e Teresina) todas as casas são de telhas de cerâmica.

Todas. Porque o sol é muito, muito forte, quem não foi até lá não tem noção. Então o cara precisa gastar o que não tem pra não morar dentro de um forno.

Recife é uma transição. Quem pode utiliza telhas, mesmo nas favelas, mas há casa de eternit.

Numa proporção bem menor que nas outras regiões, mas já bem mais que o eixo João Pessoa-São Luís.

E no Norte, mesmo sendo um calor saárico, o eternit volta a predominar nos subúrbios. Dureza, cara. E olhe que mesmo o eternit já é melhor que outros países:

abandonado-centro1

Próximas 5: Centrão da cidade. Há muitos prédios abandonados em Fortaleza. Esse é no coração do Centro. O detalhe é o logotipo da ‘Atlantic’, que operou no Brasil até 1993, 18 anos antes dessa imagem portanto. Em Belém fotografei um prédio que dizia na fachada ‘Inamps‘ (órgão antecessor do INSS), que foi extinto no mesmo ano da Atlantic.

Na Colômbia, Chile, Porto Rico, México, boa parte da América Latina resumindo – e também na África do Sul – o telhado das favelas é majoritariamente de zinco.

Um metal, que portanto faz com que as casas sejam geladas no frio e tórridas no calor.

Pior: em menor escala na Colômbia e México, porém no Chile, Argentina e África do Sul muito mais comum, até a parede de algumas casas é de zinco.

Nas favelas na Colômbia, África do Sul e México, porém na Argentina e Chile mesmo em casas pobres fora das favelas, no Centrão por exemplo.

Nas ligações em vermelho relatei tudo com mais detalhes, nos países que eu visitei escrevi extensas séries, com muitas fotos.

camelos-centro

Muitos camelôs, vendendo de tudo. O Centro é apinhado deles, dificultando a circulação. O que se repete em outras partes, até no Chile que é mais rico. Mas no México é epidêmico.

Sobre Porto Rico escrevi rapidamente algumas impressões que vi pelo ‘Google‘, não estive lá ainda. As séries sobre Argentina e África do Sul também já estão no ar.

…………

Já que falamos no clima, vamos elaborar mais um pouco sobre isso. É notório que Fortaleza é muito quente, o ano inteiro.

Lá não há variação térmica, é calor de janeiro a janeiro.

As estações do ano, segundo um jornal local, são ‘quente’, ‘mais quente’, ‘ainda mais quente’ e ‘fervendo’. Falando sério agora, como ocorre de Salvador-BA até a Amazônia e Caribe, eles dividem o ano em ‘inverno’ e ‘verão’. 

O calor sempre acima dos 30º é o mesmo em tempo integral, perto de 40º nos dias extremos.

O que muda é a quantia de chuvas. ‘Inverno’ é a estação chuvosa, e ‘verão’ a seca.

E no Ceará seca é seca mesmo. O sertão, que sobrevoei, não tem árvores nem rios permanentes.

Seguimos vendo o Centrão. Reparem na placa de rua: em cima, grande, está escrito somente como a via é conhecida, nesse caso “Guilherme”. Abaixo, menor, o nome completo, “Rua Guilherme Rocha”.

Vale pra boa parte do Nordeste, alias. Depois que cruzei o Rio São Francisco, o qual identifiquei claramente, acho que só fui ver áreas verdes já na costa do Atlântico. O interior é clima semi-desértico, não é modo de falar.

Fortaleza é mais amena que o sertão por ser emoldurada por uma serra, o que suaviza um pouco o calor por reter pelo menos um pouco da umidade.

A Grande Fortaleza é cortada por diversos rios, o que possibilita que a vegetação floresça. As cidades do interior do Ceará em sua maioria não podem se dar a esse luxo.

……..

Cena triste: em algumas partes do Centro de Fortaleza há muito lixo na rua.

Mesmo com rios e lagoas, que amenizam a secura, o calor é muito forte. Saí sexta de Curitiba e aqui estava 8º. Frio e chuva, todo mundo com muitas camadas de roupas.

Troquei de avião em São Paulo, onde estava uns 18º. As pessoas usavam casacos ainda, mas já bem mais leves.

Aterrissei na capital do Ceará e os termômetros marcavam 30º. Todo mundo estava com o mínimo de roupa possível.

Domingo e segunda estava mais quente ainda, superou os 35º brincando. Até na sombra estava calor.

noturna

Noturna da orla (r).

Se já esteve num lugar assim sabe o que quero dizer. Em Fortaleza só de madrugada a temperatura baixa dos 20º.

Amanhece quase uma hora mais cedo que aqui, por volta de 5:30, embora anoiteça na mesma hora, por volta de 6:30, um fenômeno curioso.

Lembre-se, estive lá em agosto. Fortaleza é perto do Equador, quase não sente a rotação da Terra sobre o Sol, o calor e horários que o Sol nasce/se põe são constantes de janeiro a janeiro.

Já Curitiba está na zona temperada, pra baixo do Trópico de Capricórnio, logo aqui tudo varia bastante.12 horas de dia claro, com o Sol surgindo e se pondo perto de 6:30, ocorre próximo do Equinócio da Primavera.

Caio Vitória metropolitano (daí a pintura livre), também vai pra Maranguape.

Feito esse adendo astronômico do Paraná, de volta a falar do Ceará. Seis da manhã os termômetros já passaram dos 20º, e só baixarão disso de novo na madrugada seguinte.

Das 10 da manhã as 5 da tarde é sempre acima de 30º. Só quando chove fica mais ameno. Na segunda de manhã (22/08/11) que eu estive lá mesmo choveu. A tarde o sol voltou com força total.

Quando anoitece ainda demora pra baixar dos 25º. Nesse exato dia datado acima eram oito da noite e o termômetro marcava 28º. E estava quente de fato, mesmo o Sol tendo se recolhido há horas. 

pichacao-centro

Casa pichada no Centro. Fortaleza é inteirinha pichada, como são alias todas as grandes cidades brasileiras. O ‘alfabeto’ de Fortaleza é muitíssimo parecido com o do Rio, as letras pequenas, redondas e juntas.

Tudo mundo estava nas ruas, com cadeira de praia, curtindo a brisa que vem do Atlântico, que ameniza um pouco a sensação de estar dentro de uma sauna.

É Fortaleza, afinal.

Digo isso porque muitos que não conhecem o Nordeste imaginam que ele é inteiro assim tórrido, uniformemente.

Nada poderia ser mais distante da realidade. Fortaleza abre a chamada ‘Costa Norte’, como iniciei a matéria falando.

Na ‘Costa Leste’, ou seja de Salvador a Natal, o calor é bem mais gentil com o povo. Bem mais. Lhes relatei com detalhes quando estive na Paraíba, 2 anos depois do Ceará.

fortaleza

Mais 3 da belíssima orla fortalezense (r), focando no Astro-Rei que se recolhe (ou se levanta). Se você gosta da mistura do Sol e Mar, veja o ensaio que eu produzi em Santos.

João Pessoa tem uma temperatura muito mais agradável, ao menos pra quem mora em casas que foram construídas de forma planejada por arquitetos, adaptadas ao ambiente (com pé-direito alto, forradas e ventiladas).

Inclusive uma das matérias dessa série se chamou “João Pessoa é uma mãe, uma cidade verde e de clima ameno“. O contraste com Fortaleza é agudo nesse quesito.

………..

Fortaleza em vários aspectos lembra bastante o Rio de Janeiro. Na música, na pichação e diversos outros aspectos. Fortaleza ouve muito ‘funk’, como no Rio.

orlaA única diferença é que Fortaleza não tem morros, as favelas são todas planas, sem exceção. De resto há várias coisas iguais ao Rio, a capital cearense é muito influenciada pela carioca.

O mesmo cenário, prédios de altíssimo luxo em frente a praia. Duas quadras pra frente está a favela. “Morro” e asfalto, lado a lado. E todos, os garotos da favela a elite, as vezes jogando bola juntos na areia.por-do-sol

Falamos na foto mais pra cima a esquerda da pichação. Assim como a música da galera, a ‘arte’ de rabiscar muros na capital do Ceará é inspirada do estilo praticado no Rio.

Pra quem não sabe, o Brasil tem três grandes ‘escolas’ da pichação, que são Rio, São Paulo e Brasília.

Na forma criada na capital federal (e usada também em Goiânia), digamos que se fundiram as outras duas, as letras são grandes como em SP, mas redondas como no Rio.

BR-116 mapa rodovia estrada rrégis bittencourt dutra rio bahia federal poa rs ctba sp rj fortaleza

O marco zero nacional da BR-116 (principal rodovia brasileira) é em Fortaleza.

Pois as 2 maiores metrópoles do país no Sudeste adotam ‘alfabetos’ opostos.

No estilo criado em S. Paulo, adotado no interior do estado, no Recife, em Curitiba e Porto Alegre-RS (com a adição de muitos desenhos também em Belém), as letras são grandes, duras e separadas.

Por vezes ocupam toda a extensão do muro, então uma letra pode ter até dois metros de altura. O modelo criado no Rio é o contrário.

As letras são pequenas, redondas e juntas. Em Fortaleza é assim também, Apenas eles adicionam uns traços muito compridos ao redor dos nomes, como acontece também em Salvador.

………..

transmanaus amazonas buso marcop caio alfa torino artic azul ex- ctba prefixo

Ônibus ex-Curitiba agora rodando em Manaus. O prefixo é em outra cor por influência de Fortaleza. A fonte dessa imagem é sítio Ônibus Brasil.

Enfim, amigos, como abertura é suficiente. Outras mensagens da série:

Até Pacatuba tem metrô: Coletânea de diversos textos sobre o transporte em Fortaleza (alguns feitos imediatamente após a viagem em 2011, outros em 2013 e 14):

Abordando metrô, VLT, trem de subúrbio, e a modernização da rede de ônibus;

 – Prefixo em Cor Diferente: Costa Norte Brasileira (produzida em setembro de 2011, logo de meu retorno de lá):

O novíssimo VLT de Fortaleza (inaugurado – por enquanto em regime de testes – no final de julho de 17).

Como já dito, Fortaleza criou e Teresina, São Luís, Belém e Manaus adotaram a ideia de escrever o prefixo dos ônibus em outra cor, característica delas e só delas;

– “De Volta pro Futuro” (julho de 2013), esse é um desenho:

Marília e Maurílio passeando na Praia do Futuro, a que tem as ondas mais fortes de Fortaleza.

Deus proverá

“João Pessoa é uma mãe”: uma cidade verde, de clima ameno e relativamente limpa

de Miramar ao Miramangue: João Pessoa é assim

muito-verde-periferia-j-pessoaPor Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado (em dois emeios) em setembro de 2013.

O primeiro é de 05/09/2013.

Com essa mensagem fechamos a série sobre João Pessoa. mangabeira-valentina-z-s-j-pessoa

É uma das cidades mais verdes do Brasil, e em verdade de todo o planeta. Já conheci uma boa porção da América.

Comprovam a tomada acima (não lembro qual bairro).

E especialmente essas duas ao lado e abaixo, que fotografei na Zona Sul: muitas árvores, mal vemos a cidade.

muito-verde-z-sul-j-pessoa1Enxergamos algumas construções, mas sempre envoltas num cinturão verde enorme. 

Os 4 lugares mais arborizados que já estive são João Pessoa, Curitiba, Maringá-PR e Assunção-Paraguai.

Em oposição, as menos arborizadas, as que parecem um deserto de concreto e metal, são a Cidade do México, Fortaleza-CE e, em menor medida, São Paulo.bayeux-z-oeste-gde-j-pessoa

Alias João Pessoa e Assunção se parecem muito em outro quesito: a periferia de ambas é meio rural, meio urbana.

As pessoas moram na cidade, e trabalham em ramos urbanos da economia: indústria, comércio, etc.

Ainda assim, por vezes residem em pequenas chácaras e ali criam animais e cultivam hortas e pomares.

bois-pastam-no-centro-de-s-rita-z-o-j-pessoaA direita por exemplo bovinos em Bayeux (tirada de dentro do trem).

A esquerda a mesma cena no Centro de Santa Rita.

Curitiba é tão arborizada quanto as capitais da Paraíba e do Paraguai, mas aqui não há essa fusão entre rural e urbano.

praia-da-ponta-seixas-j-pessoa

Próximas 2: Pedras na Praia de Ponta Seixas, Extremo Leste da América.

Nos subúrbios mais afastados já urbanizados de Curitiba, ninguém cria animais, nem mesmo galinhas ou patos.

Claro, toda regra tem suas exceções (fotografei algumas aves nos extremos das Zonas Oeste e Norte, dentro da cidade).

E mais pra frente, sim, ainda há pequenos sítios e chácaras no município de Curitiba, mas aí já fora da cidade. Há zona rural e zona urbana, separadas.

A fronteira é mais clara. Como é em São Paulo (no Capão Redondo não há gente que cria galinha, em Parelheiros há) e na imensa maioria das cidades.

piscina-natural-ponta-seixas-j-pessoaMas João Pessoa e Assunção (nessa mensagem abordo especificamente esse tema no Paraguai) são diferentes, talvez por serem mais pobres.

Por décadas, conviveram com desemprego crônico estrutural.

Por isso, suas populações suburbanas deram um jeito de se auto-alimentar, gerar ali mesmo uma fonte de proteínas e também de renda.muito-verde-z-sul-j-pessoa

Vejam as fotos (antes das da praia): bois (retratados) e porcos (não consegui clicar, mas vi também) criados dentro da área urbana.

Tudo isso nos subúrbios metropolitanos de Bayeux, perto da linha do trem, e no Centro de Santa Rita, ambos na Zona Oeste.

cabras-vendidas-vivas-s-rita-z-o-j-pessoaMas não é só na Região Metropolitana.

Acima uma plantação de bananas em pleno Mangabeira, o bairro mais populoso de João Pessoa, na Zona Sul.

A esquerda: no Centro de Santa Rita uma loja que vende animais vivos, galinhas e cabras.mercado-publico-de-s-rita-z-o-j-pessoa1

Que ali são comprados pra serem engordados e posteriormente abatidos nas chácaras da região.

Em 2017 fui a África. Podemos dizer que é a cabra quem manteve e mantém o Continente Negro vivo nos tempos de fome aguda. É tradição criarem esses bichos em plena cidade, fotografei em Durbã, África do Sul.

………….

Bem, cruzemos de novo o Oceano e vejamos nas próximas duas fotos o mercado de Santa Rita, Gde. J. Pessoa. Que lá ainda é mercado mesmo.

mercado-publico-de-s-rita-z-o-j-pessoaIsso quer um dizer um lugar onde o povão do subúrbio compra alimentos a granel (ou seja, por quilo, não-industrializados e não embalados) e animais vivos pra fazer o rancho e preparar o almoço.

Pelo exemplo contrário ficará mais fácil entender: os mercado municipais de Curitiba e São Paulo (também o de Santiago do Chile), em oposição, se aburguesaram completamente.

Turistas endinheirados tiram fotos, em São Paulo comem aquele famoso sanduíche de mortadela que nem fecha de tão recheado, umas 5 ou 6 fatias em cada pão.

Aqui em Curitiba essa transição foi ainda mais pronunciada, o mercado passou por algumas reformas e mais parece um centro comercial da elite e burguesia.

Inclusive com uma praça de alimentação com chão de mármore e apresentações ao vivo de MPB. Entretenimento pra classe média, sem dúvidas.

O contraste com o Nordeste é agudo, onde o mercado ainda é usado pela massa proletária pra comprar animais que são abatidos na hora, como um dia foi no planeta inteiro.

favela-ma-de-nazare-do-grotao-z-s-j-pessoa3

Favela Maria de Nazaré, entre o Grotão e Funcionários, Zona Sul.

Vi isso em Caucaia, um subúrbio da Zona Oeste de Fortaleza, dois anos antes, e agora de novo num subúrbio da Zona Oeste de João Pessoa.

………….

Já lhes disse que o clima de João Pessoa é muito mais ameno que o de outras capitais, como Fortaleza, Belém-PA, Manaus-AM, Cuiabá-MT e Teresina-PI, e segundo alguns mesmo que o do Rio de Janeiro.

Por dois fatores: pela cidade ser arborizada, e por essa região do litoral do Nordeste Brasileiro ser protegida por uma cadeia de montanhas, a Serra da Borborema.

muito-verde-trecho-urbano-br-230-j-pessoa

Muito verde no trecho urbano da BR-230, a “Trans-Amazônica”.

Pois ela retém a umidade que chega do oceano e cria uma zona fresca, com rios perenes e chuvas frequentes – um clima mais parecido com o prevalente no Centro-Sul, digamos assim.

Depois da serra, vem o chamado Sertão, o semi-arido, aí sim, clima desértico ou quase, onde água potável o ano inteiro é uma miragem.

Mas entre o Litoral com chuvas frequentes e o Sertão há uma região de transição, a famosa “Zona da Mata” em Pernambuco, que na Paraíba se denomina “Brejo”.

Voltando a capital, João Pessoa é muito verde, suas partes ricas e pobres são ponteadas por bosques, mangues e riachos, como observam nas imagens. Assim, de dia é quente mas agradável, e a noite até friozinho

joao-pessoa-pb9

Parte rica e verticalizada da capital.

O contraste com Fortaleza é gritante. Não há uma barreira topográfica escudando a capital do Ceará e mantendo-a úmida.

A cidade foi erguida sobre o deserto, é muito mais tórrida e seca que a da Paraíba.

Fortaleza, lhes descrevi e fotografei quando lá estive, é “a Cidade das Lagoas”, em toda periferia foram construídos lagos artificiais, pro lugar não se tornar inabitável.

No Ceará o clima semi-desértico vai até a beira-mar, não há transição. Fortaleza só tem um bosque urbano, o Parque do Cocó, na Zona Leste, que como em João Pessoa é a parte rica da cidade.

muito-verde-joao-pessoa-pb

Próximas 5: João Pessoa tem muitas árvores, em todos os seus bairros.

O que faz com que na capital do Ceará o termômetro ferva até com Lua alta, só refresca de madrugada mesmo.

Entre 10 da manhã e 3 da tarde, com o sol a pino, supera os 40º com facilidade, ninguém consegue ficar ao ar-livre.

E mesmo bem depois do anoitecer você se sente no Saara, eram 9 da noite e o termômetro marcava 29º. Até aqui ainda estou falando de Fortaleza, pra fazer o contraste.

…………

periferia-bastante-verdeJoão Pessoa é uma cidade relativamente limpa.

Digo, em vários pontos o esgoto corre a céu aberto, incluso no Centro,

Infelizmente esse é o padrão de todo Norte/Nordeste, e América Latina incluindo Argentina.

Mas em relação a sujeira nas ruas, a coisa é bem melhor que em algumas outras cidades. joao-pessoa-pb1

Claro que tudo é relativo. Em certos locais há bastante lixo em João Pessoa, e quando vi fotografei (mais pra baixo nessa matéria mesmo exemplos).

Nada é perfeito, óbvio. Ainda assim, nesse ponto, J. Pessoa se destaca positivamente. Já vi coisa pior. Muito pior. Agora temos que falar de um ponto que está complicado em João Pessoa: a taxa de criminalidade está elevada,

muito-verde-periferia-j-pessoa1 Como de resto infelizmente é igual em boa parte do Norte/Nordeste, e também aqui em Curitiba.

Em 2012 houveram 518 assassinatos apenas no município de João Pessoa.

O que dividido pelos 700 e poucos mil moradores dá a elevadíssima taxa de 71 mortes pra cada 100 mil habitantes. Acima de 50 já é estatisticamente considerado como índices de guerra.

entre-zonas-leste-e-sul-j-pessoa-pb

Essa aqui é perto da Ponta Seixas.

São Paulo tem apenas 10 assassinatos pra cada 100 mil. Ou seja proporcionalmente é sete vezes mais calma que a capital paraibana.

Nos subúrbios metropolitanos, houveram perto de 140 mortes em Santa Rita, 45 em Bayeux (ambos Zona Oeste) e 60 em Cabedelo (Zona Norte). Totalizando quase 770 homicídios no ano na Grande João Pessoa.

Assassinatos aproximados per capita: Santa Rita perto de 115 por 100 mil, Cabedelo 100 por 100 mil, esses dois números dignos de estado de calamidade pública. E Bayeux se o dado estiver correto 45 por 100 mil, bastante elevado ainda mas o mais baixo da Gde. João Pessoa incluindo a capital.

bairro-bancarios-zona-sul-j-pessoa

Bairro Bancários, quase na divisa entre as Zonas Sul e Leste.

Nos casos dos subúrbios metropolitanos os números estão arredondados, por eu não ter podido obter a estatística precisa.

Um pouco mais ou pouco menos, é isso aí, e dá pra ter uma boa noção. Já escrevi muitas vezes e é notório:

Nos anos 80 e 90, as capitais mais violentas do Brasil eram (não necessariamente por essa ordem) Rio de Janeiro, São Paulo, Vitória-ES e Recife-PE

Nessas cidades a matança era equivalente a uma guerra, similares ao Afeganistão atual, e não é figura de linguagem mas estatisticamente exato.

valentina-zona-sul-j-pessoa

Próximas 6: Valentina, Zona Sul.

Porém, desde a virada do milênio a coisa mudou. As 4 acima citadas diminuíram seus índices de assassinatos.

São Paulo e Rio drasticamente. Na capital paulista a queda foi de 80%.

Tanto que proporcional a população São Paulo é a capital estadual menos violenta do Brasil, entre todas as 27.Vamos diferenciar diversos tipos de crimes.

No quesito de assaltos a mão armada, a capital paulista continua extremamente violenta. Aqui, estou falando de homicídios, e não de roubos.

valentina-zona-sul-j-pessoa1Em termos de assassinatos, de uma pessoa tirar a vida intencionalmente de outra, a violência em SP se reduziu e muito.

O município de São Paulo chegou a ter bem mais de 5 mil homicídios/ano, na virada do milênio, e agora tem perto de 1,2 mil. valentina-zona-sul-j-pessoa4

Dividido pelos 11 milhões que ali tem sua moradia, dá um índice de 10 por 100 mil, similar a de algumas capitais europeias. 

Hoje São Paulo tem menos mortes per capita que Florianópolis-SC, que historicamente ocupou esse posto por décadas.

valentina-zona-sul-j-pessoa3Já Vitória e Recife também tiveram queda nos índices de assassinatos, mas por hora ainda não tão pronunciada.

Estão melhores do que um dia foram, mas continuam entre as capitais mais violentas do Brasil.

E nessa triste competição ganharam a companhia de Curitiba, Belém, Manaus e quase todas as capitais do Nordeste.valentina-zona-sul-j-pessoa2

O Norte e Nordeste, além de Curitiba aqui no Sul, tirou do Sudeste o posto de polo maior dos homicídios em nosso país, processo que teve seu auge na virada da década.

De 2010 pra cá, os assassinatos caíram 20% tanto em Curitiba quanto em Belém, num promissor sinal que essa tenebrosa onda quem sabe começa a arrefecer.

valentina-zona-sul-j-pessoa5Tomara. Mas por hora é assim que está. Esse é o contexto: tristemente o Nordeste  se tornou extremamente violento.

E também pela Paraíba estar ao lado e ser uma ‘filha espiritual’ de Pernambuco (um dia compartilharam até a bandeira), João Pessoa não pôde escapar de ser tragada nesse ciclo de matanças.

bairro-funcionarios-z-sul-j-pessoa

Bairro Funcionários, também Z/S.

………..

Quando cheguei a cidade, fui de táxi até a casa da anfitriã que lá me hospedou. O taxista era recifense.

Portanto com seu padrão de comparação curtido por anos vivendo na capital de Pernambuco – uma das cidades mais violentas do planeta há décadas.

Resultando que pra ele João Pessoa lhe parece uma cidade segura, e nada mais natural. Então ele definiu assim:

mangabeira-z-sul-j-pessoa2

Próximas 5: Mangabeira, bairro mais populoso da cidade, vizinho do Valentina.

Comparada com Recife, João Pessoa é uma mãe, de tão pacata”.

E quem pode dizer que ele está errado? Realmente, com Recife fica difícil comparar, até a violenta Curitiba se torna um pouco mais gentil vista por esse prisma.

Em Maceió a coisa também está complicada, tanto que em 2012 (o texto é de 2013) a Força Nacional interveio pra ver se os índices baixam um pouco.

mangabeira-z-sul-j-pessoa5

Mesma cena em outra escala.

A questão é que, as capitais pernambucana e alagoana a parte, João Pessoa é violenta.

Bem mais que Curitiba, Fortaleza e Salvador, que já não são nada calmas, o oposto sendo verdadeiro.

Ainda assim, mantive a frase do taxista no título da mensagem. Pacata João Pessoa não é. No entanto é muito verde, e relativamente limpa.

Uma cidade carinhosa com seus habitantes, que são seus filhos. Como o taxista, que é recifense por nascimento e joão-pessoense por escolha, colocou: “uma mãe de cidade”.

mangabeira-z-sul-j-pessoa4…….

Agora vamos pra outro emeio, que circulou em 27 de setembro de 2013.

O arroz-com-feijão tem no Norte e Nordeste gosto diferente que no Sul e Sudeste. Notei a mesma coisa na Paraíba, no Pará e no Amazonas. mangabeira-z-sul-j-pessoa1

Aí perguntei pra ela a razão: é o coentro, que é adicionado como tempero, hábito de lá.

……

João Pessoa é, como sua vizinha Recife, a “cidade dos mangues”. Estão por toda parte. 

mangabeira-z-sul-j-pessoaVários deles estão preservados e continuam a cumprir seu papel de porto seguro pra reprodução da flora e fauna nativas. Entretanto, algumas favelas foram erguidas sobre mangues aterrados.

Quando chove forte, o mangue alaga, obviamente (na 1ª mensagem da série pus fotos da favela do Bairro dos Ipês [ao lado da riquíssima Manaíra], na Zona Leste, inundada).

O que eles chamam de ‘maré’, mesmo sendo água doce e parada. Como diz a música de um grupo recifense, “Tomar banho de canal quando a maré encher”.

favela-ma-de-nazare-do-grotao-z-s-j-pessoa2

Próximas 4: favela (ou “comunidade”) Maria de Nazaré, Zona Sul.

Perto da orla de João Pessoa, na Zona Leste, sua parte rica, há um bairro chamado ‘Miramar’.

Do lado oposto da cidade, na Zona Oeste metropolitana, sua porção degradada, há uma favela chamada ‘Miramangue’.

Pra fazer o contraste entre Leste e Oeste, que na capital da Paraíba parecem galáxias distintas. Por aí você vê quanto os mangues estão inseridos inclusive na cultura popular local.

…………..

favela-ma-de-nazare-do-grotao-z-s-j-pessoa1Em João Pessoa há muito transporte clandestino, inclusive rodoviário. Fui de ônibus urbano pro Centro, e desci no Terminal Central, que é em frente a rodoviária.

Assim que transpus suas catracas e ganhei a via pública, me assustei com uma gritaria infernal:

Bora pra Recife, bora pra Recife”, dizia um. “Natal, Natal, já tá saindo”, berrava outro, “Campina Grande, Campina Grande”, bradava ainda mais um, e muitos outros, todos juntos.favela-ma-de-nazare-do-grotao-z-s-j-pessoa4

Cada um anunciando seu transporte clandestino pra uma cidade da região, no interior da Paraíba ou nos vizinhos Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Evidente, esses agenciadores piratas tentavam drenar o público que planejava se dirigir a rodoviária e comprar passagem no guichê de uma das empresas legalmente estabelecidas.

favela-ma-de-nazare-do-grotao-z-s-j-pessoaA algazarra é tamanha que impressiona os desavisados, como era meu caso. Um caos sonoro. Já havia presenciado exatamente a mesma cena em Belo Horizonte-MG.

………….

 A população da capital da Paraíba tem no geral um tom de pele moreno. Quase metade das pessoas se auto-denominam ‘pardos’ no censo. Mas eu diria que os pardos são bem uns 70% da população.

bairro-funcionarios-z-sul-j-pessoa1

Funcionários, próximo a Mª de Nazaré.

Agora, é porque lá é bastante calor o ano inteiro (amenizado um pouco pelo verde, umidade e brisa, mas mesmo assim), não há inverno por estar muito perto do Equador.

O que faz com que as pessoas vão escurecendo a sua tez, naturalmente. O povão joão-pessoense é moreno-escuro, na média.

Na maioria, são descendentes de brancos pobres, portugueses, que foram empardecendo com o sol quase equatorial.

Negros descendentes de africanos há alguns mas não muitos, se quer saber. Na mesma proporção que Manaus e Curitiba, ou seja, pouco mais que 10% da população. Talvez um pouco mais, mas certamente nada tão significativo.

………….

bairro-do-geisel-z-sul-j-pessoa

Próximas 5: bairro Geisel, pra encerrar esse rolê na Zona Sul da capital paraibana.

Em todo o Sudeste (nesse caso com raríssimas exceções) e Nordeste brasileiros, e também no eixo Brasília/Goiás, não há casas de madeira, como já comentamos muitas vezes.

Elas são extremamente comuns no Sul e no Norte, e presentes em menor número no Mato Grosso. A Paraíba não foge a essa regra. Quase que 100% das residências de João Pessoa são de alvenaria.

Mesmo nas favelas – alias as favelas nordestinas são sempre de alvenaria, ao contrário do Sul do país. Digo, há na Paraíba ainda algumas casas de taipa, ou pau-a-pique, mas fora isso é só tijolo.

Além disso, quase 100% das moradias de João Pessoa são cobertas por telhas de barro. Por ser muito calor, o eternit de amianto é quase inexistente, porque senão a casa vira um inferno de tão tórrida. O cara gasta o que tem e o que não tem pra por telhas.bairro-geisel-z-sul-j-pessoa

Já falamos muitas vezes de como os telhados se dividem no Brasil. No Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e também na Bahia, na periferia a grande maioria das casas são de eternit.

Não apenas nas favelas. Conjuntos construídos por grandes empreiteiras, com escritura e asfalto, água e luz regularizadas, também são cobertos dessa forma, que é mais barato.

Apenas a classe média-alta e os ricos usam telhas, um luxo apenas decorativo nessa região menos quente.

bairro-do-geisel-z-sul-j-pessoa2Em Pernambuco, é a transição. As favelas piores do Recife são de eternit. Mas a periferia fora da favela já é de telha.

Da Paraíba até São Luiz-MA, mesmo nas favelas mais miseráveis as casas são de telha, simplesmente porque é calor demais.

No Norte, mesmo sendo muito quente, o eternit volta a predominar. Bom, nada é tão ruim que não possa piorar. Nas favelas da Colômbia e do Chile ainda há barracos de zinco.bairro-do-geisel-z-sul-j-pessoa1

Vi isso com meus próprios olhos, muitos casos em que as paredes e o telhado feitas com restos de tapumes e folhas de metal.

Alias no Chile mesmo fora das favelas. Como nas notórias “Cidades de Lata”, as favelas metálicas sul-africanas.

…..

geisel-z-sul-joao-pessoaSabe aquele sorvetinho em que congelam o ki-suco e põem num saquinho? Na Paraíba se chama ‘Din-Din’.

Pelo que estou observando pelo ‘google’ mapas, no Amazonas também – não reparei nesse detalhe quando lá estive. Já aqui em Curitiba se chama ‘Xup-Xup’,

 No Rio é o ‘Sacolé’ (mesmo termo empregado lá pra pequena dose de drogas, porque tanto o entorpecente quanto o sorvete são embalados num plástico pequeno com a boca amarrada).

ponta-do-seixas-j-pessoa1

Entre Ponta Seixas e Cabo Branco, Z/L.

E no Pará é o nome mais engraçado de todos, é o ‘Chopp’, ou ‘choppinho’.

Se você estiver em Belém e alguém te convidar pra ‘tomar um choppinho’, não imagine a mesa de bar forrada de copos com a cerveja recém-saída do barril, acompanhada de várias porções de petiscos.

Nada disso. Trata-se de um singelo sorvete vendido num saquinho.

………

Comentemos as imagens. Você sabe, nem sempre o texto ao lado se refere a cena que está mais perto, busque pelas legendas. Vemos as seguintes fotos espalhadas pela página:

avenida-sem-calcada-cabo-branco-j-pessoa– Grande área verde, inclusive com plantação de bananas, na região mais povoada do município de João Pessoa, os bairros Mangabeira e Valentina, Zona Sul;

– Acima (em 1° plano uma flor) e ao lado Cabo Branco e imediações, Zona Leste, também muitíssimo arborizado.

O detalhe negativo é a falta de calçadas, obrigando os pedestres a duelarem contra os carros por um espaço na rua;piscina-natural-na-ponta-seixas-ao-fundo-manaira-j-pessoa2

– A Praia da Ponta Seixas (dir.), como já dito muitas vezes e é notório o ponto mais oriental de toda América, com suas piscinas naturais formadas pelos arrecifes;

O que permite que pescadores exerçam seu ofício sozinhos e sem nenhum equipamento especial ou tecnologia, mantendo o mesmo estilo de vida de dezenas de milênios.

garcas-e-cavalo-no-centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa– Cavalos e garças (mesma tomada em 2 escalas) convivem em harmonia no Centro de Santa Rita, Zona Oeste da Grande João Pessoa.

No mesmo local, do outro lado da rua, são os bovinos quem se refastelam com o verde prado paraibano;

– Bois pastando também em Bayeux, também na Z/O mas bem longe de onde onde está o cavalo (as fotos dos bois estão mais pro alto na matéria).garcas-e-cavalo-no-centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa1

Isso pra vocês verem o quanto é frequente criar animais no meio da cidade em João Pessoa;

– Cabras igualmente são bichos urbanos por lá. Como é notório pra todos que conhecem a cultura nordestina, os caprinos são um “faz-de-tudo” no Sertão:

centro-j-pessoa

Centro Velho de João Pessoa.

Fornecem comida, pele pra confecção de roupas, companhia e guarda das casas, e se preciso até meio de transporte de cargas.

Tendo 1001 utilidades, são o ‘bombril’ dos animais, substituindo suínos, bovinos, ovinos, caninos e por vezes até os asininos.

Vimos o mercado de Santa Rita. No Nordeste, os mercadões não se aburguesaram como no Centro-Sul, o povão ainda faz o rancho comprando alimentos a granel e animais vivos ali;mulher-se-protege-do-sol-j-pessoa

– Mulher se resguarda do Sol (dir.). E nem foi a única na Paraíba. A exata mesma cena já presenciada nas viagens a Belo Horizonte, Belém e República Domincana.

Vejo muito, nas cidades mais quentes, pessoas sob guarda-sóis, e são sempre Mulheres.

penha-entre-z-sul-e-leste-j-pessoa-pbNunca vi um Homem se protegendo dessa forma (talvez por nós usarmos bonés). Em João Pessoa isso se repetiu.

A capital paraibana é muito mais fresca que Belém, então vi muito menos gente se escondendo do Sol dessa forma.

Digamos que o calor de João Pessoa equivale ao de Belo Horizonte. Se o número de Mulheres abrigadas em guarda-sóis é o parâmetro, essa é a proporção exata;limpeza-centro-j-pessoa

– A imagem de Nossa Senhora da Penha (acima) guarda o bairro de mesmo nome, na orla da Zona Sul de João Pessoa, logo após a Ponta Seixas.

Um lugar bucólico, poucos carros, muitas árvores, tudo a poucos passos de praias deslumbrantes – já falo mais disso;

lixo-no-centro-j-pessoa– Acima e ao lado, uma equipe da prefeitura recolhe o lixo e entulho, bem no Centro. É tanto que precisaram usar um trator.

Não apenas ali, mas (abaixo) sujeira também no Cabo Branco, Zona Leste, a duas quadras do mar.

Eu disse que João Pessoa é relativamente limpa. De fato. Ainda assim, como todas as cidades, tem pontos muito sujos;lixo-na-rua-cabo-branco-z-l-j-pessoa

– Note na tomada em que aparece o caminhão mais um rapaz com uma camisa de futebol alvi-negra.

Como já comentamos antes, essas são as cores de dois dos times de maior torcida no estado, o Botafogo de João Pessoa e o Treze de Campina Grande;

ponta-seixas-z-l-j-pessoa1– Próximas 3: bairro da Ponta Seixas, uma quadra do mar:

A orla da Zona Leste é badalada, a da Zona Sul é pacata, em alguns pontos quase rural. A Praia da Ponta Seixas, que divide ambas, já é a transição.

Veja, algumas casas são muito elegantes, mas o bairro é calmo e arborizado, e ainda não foi de todo ocupado. Incluso algumas ruas ainda tem pavimentação natural. Não há trânsito ou qualquer tipo de comércio.bairro-ponta-seixas-j-pessoa

A poucos metros do mar, e a poucas centenas de metros do Cabo Branco e Altiplano, dois dos bairros mais ricos de J.P., não custa lembrar;

– Anoitece na Zona Sul de João Pessoa.

Vários dos bairros da região começaram como enormes conjuntos habitacionais que depois se consolidaram e mesmo alguns elevaram-se a classe média.

ponta-do-seixas-j-pessoa2O bairro do Geisel surgiu com a Cohab de prédios Conjunto Residencial Presidente Ernesto Geisel. Retratado na foto abaixo (se reparar com cuidado vê o nome dele escrito no muro).

Alias peço desculpe pelo enquadramento deficitário. É que essa imagem e várias outras tirei de dentro de veículos em movimento.

O gaúcho Geisel foi o penúltimo presidente do regime militar. Quem o sucedeu, e portanto enfim passou a faixa a um civil, foi o carioca João Figueiredo. Pois bem. João Figueiredo é filho de Euclides e Valentina Figueiredo cohab-geisel-j-pessoa-z-sul

– Não muito longe do bairro Ernesto Geisel, também na Zona Sul, há o bairro “Valentina” pros íntimos, mas cujo nome completo é Conjunto Valentina Figueiredo.

Valentina é o 2° bairro mais populoso de João Pessoa, e vizinho do 1°, que é Mangabeira,esse surgiu sobre uma fazenda em que se plantavam mangabas, como o nome indica.

anoitece-zona-sul-j-pessoa

Próximas 4: Anoitece na Zona Sul.

Portanto os dois maiores bairros em população são emendados, configurando em conjunto a porção mais povoada da capital, disparado.

Alguns bairros homenageiam os generais-presidentes porque a urbanização da região começou justamente no fim do regime militar.

Além do Geisel e Valentina Figueiredo, bem pertinho na mesma Zona Sul há o Costa e Silva e Loteamento Presidente Médici.

anoitece-no-geisel-z-s-j-pessoa

Geisel.

Em outra parte da cidade o campus da UFPB fica no Conjunto Castelo Branco.

Como ocorreu em diversas capitais, já no seu apagar das luzes, no encerramento de seu período no Palácio do Planalto os militares enfim investiram um pouco na área social:

Melhoraram a rede de transportes de diversas cidades (feito amplamente já comentado por mim em mensagens anteriores) e construiram cohabs.

anoitece-valentina-z-sul-j-pessoa

Próximas 2: Valentina.

Elas eram em locais ermos, fora da então mancha urbana prevalente, na época área rural que começou a se tornar urbana com a construção desse enormes conjuntos.

Assim, voltando especificamente a Paraíba, vários bairros da Zona Sul de João Pessoa surgiram nessa ocasião.

Outro que começou como conjunto e depois evoluiu a categoria de bairro independente, com toda a gama de serviços, é o ‘Funcionários’.conjunto-valentina-figueiredo-z-s-j-pessoa

Que certamente foi erguido pra ser um meio de moradia subsidiada a empregados no serviço público. Existe também o bairro Bancários, de origem análoga, mas específica pra servidores dos bancos.

De volta aos bairro ‘Funcionários’, Z/S de Jampa. Entre ele e o vizinho bairro do Grotão, está a favela Maria de Nazaré.

Como veem pelas legendas das imagens, estive em todos esses locais, e registrei como são.

– Fechamos a série como abrimos, com as praias lindíssimas que enfeitam a capital da Paraíba.

praia-da-ponta-seixas-j-pessoa1Aqui, mais uma vez a da Ponta Seixas, o ponto mais oriental da América, e que portanto recebe o primeiro raio de Sol em todo continente.

Com imagens como essas, nem há como dizer qualquer outra coisa.

Então só me resta despedir. Eis como vi a Paraíba. Do Miramar ao Miramangue, da Zona Leste a Zona Oeste, João Pessoa é assim.pescando-na-ponta-seixas-j-pessoa2

Que Deus ilumine toda a Humanidade.

Paz a todos.

Deus proverá”

Soteropolitano

cidade-baixaPor Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 21 de janeiro de 2017

Os desenhos são inéditos.

as fotos são de um emeio que foi publicado em setembro de 2015.

Marília e Maurílio (e mais a filhinha deles) em Salvador, Bahia. Eles moram numa quitinete em cima de uma laje na última expansão da Cajazeiras. Já quase na divisa com Simões Filho. Se você conhece a capital da Bahia, sabe o que isso quer dizer.

De segunda a sexta Maurílio é motoqueiro, ganha a vida fazendo entregas. As vezes até faz bicos a noite numa pizzaria, na mesma função.

A direita vemos ele pilotando seu instrumento de trabalho, enfrentando o pesado trânsito da Avenida Suburbana.

E no domingo ele e a esposa foram passear no Centro, por isso a 1ª imagem mostra eles na Cidade Baixa, o famoso Elevador Lacerda ao fundo.

……..

Comentemos primeiro a cena em que está toda família: a menina ainda se alimenta dos peitos da mãe. Enquanto Marília amamenta, o maridão ‘papai fresco’ segura as bolsas, a do bebê e também a bolsa de Mulher da esposa, que é da Minnie e com bolinhas vermelhas.

caixa

Esse desenho não se relaciona com o texto. Marília trabalhando como caixa. Aqui, ela é de novo a típica representante do Sul do Brasil, loira natural. Com a camiseta de marca combinando com suas unhas laranjas. Fazer o que, se alguém tem que ser chique e elegante?

Ao lado eu mostro outra Marília, essa Sulista, cheia de charme. Pois bem. A Marília Nordestina também é sempre elegante. Ela não tem dinheiro pra comprar roupas de marca, na verdade nem mesmo se importa com isso.

Mas nem por isso ela é menos elegante. Veja, ela combinou o vestido com sua tatuagem pois ambos são floridos. E mais uma echarpe.Como na Bahia é muito quente pra usar no pescoço, ela amarrou na cintura.

Também fez a ‘mecha californiana‘, pras pontas de seu cabelo ficarem mais claras que a raiz.

Não tem jeito. Mesmo sendo uma dona-de-casa suburbana, Marília nunca deixa de ser charmosa. Tá no DNA dela….

Quanto a pequena princesa, mesmo quando deixar o berço ela terá que dormir por um bom tempo ainda no quarto dos pais.

É que a família aumentou mas o orçamento continua o mesmo. A casa deles é só a famosa ‘quarto-&-cozinha’. Há um pequeno banheiro, claro. Mas não há sala, lavanderia, quintal, garagem, e nenhum quarto extra. É preciso se adaptar a essa realidade.

Vamos aproveitar o busão (Busscar da Bahia Transportes Urbanos – B.T.U.) e mostrarmos algumas características da busologia baiana. Um dia farei uma mensagem onde ilustraremos com dezenas de fotos, mas por hora serve de aperitivo.

buzu

Busscar da BTU ainda na pintura livre.

Vou falar de um tempo que já se foi, da era pré-padronização de pintura e pré-letreiro eletrônico.  Num passado não muito distante, em Salvador, os ônibus tinham:

1) pintura livre; 2) entrada traseira e saída dianteira; 3) o letreiro menor, onde vinha o n° da linha, era vermelho.

Portanto não é porque esse ônibus é vermelho que o letreiro do número é da mesma cor, isso valia pra todas as empresas.

4) Quase todo o itinerário vinha no para-brisas, em épocas mais remotas pintado a mão com giz, e mais recentemente mais organizado numa grande placa ou adesivo. Nesse desenho pegamos a transição, há a placa mais organizada mas pra garantir escreveram ‘Paripe’ e ‘Lapa’ a mão.

E 5) existe uma letra (‘B’, nesse caso) também adesivada bem grande no vidro. Isso também ocorre em outras metrópoles como São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre-RS. É que nas grande avenidas passam dezenas de linhas de ônibus, então é preciso dividir elas por pontos diferentes:

a-familia-cresceu

Combinando o vestido com a tatuagem. Marília é sempre charmosa, mesmo com o orçamento apertado.

Algumas param no ponto ‘A’, outras no ‘B’, se tiver mesmo muitas abre-se o ‘C’ e mesmo a letra ‘D’ existe nos corredores mais carregados. As vezes são números, a função é a mesma.

Tem mais. Já que falamos da cor dos bichões da BTU. Essa foi uma das poucas viações que não adotou a “padronização branca” voluntária do começo desse milênio. 

Explico. Até o meio da década de 10, ainda era pintura livre na capital da Bahia, só padronizou oficialmente um pouco antes da Copa do Mundo-14.

No entanto, na década passada houve uma “padronização informal” na cor branca. A maioria das viações adotou uma pintura em que o branco era majoritário, embora houvesse detalhes em outras cores.

Foi voluntário, um acordo entre as viações talvez pra facilitar o remanejamento da frota entre elas. Não foi imposto pelo poder público. Logo, aderia quem quis. A maioria quis, e ficou sem cor em pelo menos metade do veículo (aqui vemos um exemplo da BarraMar).

Na época se comentava “em terra de gente negra, o ônibus é branco”. Bom, na África as vans de transporte coletivo são (quase sempre) alvas, do outro lado do Oceano o mesmo espírito se manifestou na Boa Terra.

papai-maurilio

A família cresceu. Repito a imagem mas mudo o foco, dessa vez centro a câmera nele, pra gente ver melhor o sorriso de orelha-a-orelha de Maurílio quando está junto com as duas Mulheres de sua vida.

Pois bem. A BTU não quis participar, não aderiu a “padronização branca” informal. Seus busões continuaram multi-coloridos enquanto foi permitido por lei.

Agora, quando veio (pouco antes da Copa de futebol, como dito) a padronização ‘Integra Salvador’, aí a BTU entrou porque foi compulsória, importa pela prefeitura.

A ‘Integra’ também inverteu a entrada pra frente, em todas as viações obviamente.

…………………

Aqui acaba a parte inédita.

Pra encerrar enxerto um emeio publicado em 4 de setembro de 2015.

puxadinho no prédio: salvador também é (áfrica na) américa
salvador1

Perambués, Salvador.

Debatemos recentemente o fenômeno do “puxadinho no prédio” no Chile. E anteriormente na República Dominicana, apelidada “África na América”.

Veja bem. Não estou falando de puxadinho em casa, nem em “prédio artesanal” (‘subindo laje’), quando sobem um andar por vez. Isso existe em toda América Latina e boa parte de Ásia e África.

E sim quando há um prédio, legalmente construído, com alvará e tudo. E aí sem alvará alguém sobe mais um andar por conta – ou no caso chileno faz mais um cômodo suspenso. Isso eu só tinha visto nesses dois países.

Porém acabo de presenciar o mesmo em nossa Pátria Amada (via Google Mapas): bairro Perambués, periferia de Salvador da Bahia. Depois, indo pra outros bairros, constatei que a situação é a mesma na cidade inteira, ao menos na periferia. Veja que beleza!!! Salvador é América, óbvio. E como é. A própria essência Americana desdobrada na matéria.

salvador

Visto mais de perto.

Atualização de 2017: em julho de 2016, quase um ano depois do emeio acima, fui a Aparecida-SP. Lá também é comum adicionarem mais andares em prédios já prontos.

Embora no caso paulista como inclusive no Centro aí creio que a maioria dos prédios tem alvará pra reforma. Pode ser.

Mas a impressão é a mesma. Veja a matéria sobre a “Cidade da Fé”, fotografei a situação que relato acima. Deixando o interior paulista pra lá, vamos continuando pela Bahia. . . Pois o melhor estava por vir.

salvador-2Seguindo pela mesma rua em Perambués, olhe o que eu vi: pessoas andando sem nenhuma proteção na caçamba de caminhões. E não foi a única vez em Salvador que presencio isso. Exatamente como na África do Sul, República Dominicana, México e Colômbia. 

Ah, América querida. Por que você é assim???

“Deus proverá” 

A Devota

procissaoPor Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 9 de janeiro de 2017

Todas as postagens de Marília são dedicadas as Mulheres.

Vamos mostrar, como o título indica, Marília como devota, expressando sua Fé.

Deus Pai e Mãe é Oni-Presente.

Portanto o espectro da forma de Devotá-lo(a) pode ser muito aberto.centro-de-umbanda

Tanto quanto é a heterogeneidade que os Homens e Mulheres manifestam pelo planeta, em todas as dimensões.

Por isso Marília nessa postagem terá diferentes raças.

Pra refletir um pouco essa ampla gama de venerar o Criador Deus Pai e Mãe.

Acima: Marília numa procissão a Santa Morte na Cidade do México.dentro-da-igreja

– A seguir: Marília num Centro de Umbanda, rendendo Homenagens aos Orixás.

Também Marília dentro de uma Igreja Cristã, no Sul do Brasil.

E mais: uma Marília e seu marido muçulmanos, ambos descendentes de Asiáticos mas vivendo em plena Europa.

………….

Apesar que são auto-explicativas, comentemos um pouco o que cada imagem representa.

Comecemos por essa que está a esquerda.

igrejaMarília foi rezar na Igreja-Matriz de São Bento do Sul, Santa Catarina.

Fiz dois desenhos, um pra mostrar a parte externa do templo, e depois a Devota Marília dentro dele.

……….

Acima um casal umbandista, tocando tambor. Abaixo um casal muçulmano.

Cujos ancestrais vieram da Ásia. Mas eles são nascidos e criados em Amsterdã, Holanda.

………

Esses dias pus na página um desenho em que Marília é avó, e se encanta com seu netinho recém-nascido nos braços.

Pois bem. Essa Marília do retrato de hoje já é bisavó.

Viúva, seu Amado Maurílio já retornou pro Outro Lado há alguns anos.

Ela necessita até de um porretinho (bengala) pra ajudá-la a caminhar.

Mas Marília continua vaidosa: pinta as unhas, usa bijuteria, e até uma saia na altura dos joelhos – curtíssima pra uma senhora na sua idade!

marilia-bisavoClaro que ela aceita a velhice, e não tenta parecer jovem, tanto que os cabelos são naturalmente brancos.

Apenas ela gosta, sempre gostou, de se produzir. Ela não se arruma pra que outras pessoas, os Homens, a vejam.

Se enfeita assim pra ela mesma, porque ela se sente bem.

a-devota-indiaMarília é vaidosa desde o berço, desde que sua bicicleta ainda tinha rodinhas, e enquanto Deus a manter na matéria, assim ela prosseguirá.

………..

Falemos um pouco mais da Marília Mexicana, que cultua a Santa Morte.

Certamente é estranha pra nós brasileiros essa forma de ter Fé, e foi esse o choque que eu tive quando vi esqueletos nos altares do México.

Mas na América Central, o que inclui o México – se considerarmos a geografia humana, e não a física – é absolutamente normal cultuar a Santa Morte. santa-morte

Tudo é uma questão de ponto de vista. Fiz uma matéria que analisa e ilustra em detalhes a situação.

É simples a explicação. Na Índia há o culto a “Deusa Negra” Kali.

Oras, como se sabe, os Americanos Nativos vieram da Ásia.

Na classe média, os Latino-Americanos se creem europeus (ou ianques, o que dá no mesmo).

a-devota-negraMas o povão Hispano-Americano é muito mais asiático que europeu. Muito mais, incluso na aparência. E também no modo de vida.

Oras, quando Santa Morte ressurgiu entre os Aztecas (depois sincretizado com o catolicismo, embora o Vaticano não aprove) eles simplesmente estão fazendo o que seus antepassados faziam na Índia, milênios atrás.

………

Em mais uma Homenagem a Mama-África, agora a Marília Umbandista. 

Em seu vestido branco, e seus colares e guias. Seu cabelo esvoaçando. No culto a Iemanjá e demais Orixás do Panteão.batucando-tambor

E não nos esqueçamos de Maurílio tocando o tambor, parte fundamental dos cultos afro-brasileiros.

………

Nomeei a imagem da Marília segurando o Altar de Santa Morte como “Índia”.

Tem um duplo sentido. Tanto Santa Morte é Kali metamorfoseada, e Kali veio da Índia. Como também é Índia de indígena, Americana Nativa.

E a Umbandista pus como “Negra”. Como todos sabem, a Umbanda tem como fonte o Candomblé, que é originário do Golfo da Guiné, África. Daí o nome das Entidades ser em Iorubá, a língua falada na Nigéria.

lata d'água cabeça Marília negra depilada lenço regata azul colar corrente pingente cruz crucifixo petrobrásJá a Cristã é caucasiana, do Sul do Brasil.

Falei em termos arquétipos, simbólicos. Nossa Querida América é um caldeirão de raças e culturas (Ásia + África + Europa + Americanos Nativos, tudo está aqui), e obviamente a religião de alguém não é determinada pela sua raça física.

Daí o Maurílio que batuca o instrumento musical no Centro de Umbanda ser branco de olhos verdes. Alias, aqui em Curitiba, a imensa maioria dos Umbandistas são fisicamente brancos, posto que nossa cidade é majoritariamente branca.

Acima, uma Marília negra e cristã. Carregando uma lata na cabeça. Esse retrato tem sua própria mensagem, abra pra você ver ela de corpo inteiro. camponesa marília morena lenço cabeça cabelos regata laranja crucifixo cruz corrente pingente colar sem maquiagem

Entre a categoria ‘Desenhos’ é a 3ª postagem mais acessada.

Ao lado uma Marília também branca mas não normanda (norte-europeia), uma camponesa humilde. Morena, um tipo bem latino. Novamente com o crucifixo no pescoço. 

Igualmente essa gravura tem sua própria postagem, ela está segurando seu filho recém-nascido nos braços.

Deus proverá” – Sendo Oni-Presente, Ele-Ela pode ser Cultuado(a) pela forma que nos for mais familiar.

a Mulher do Sul

a-fazendeira

A Fazendeira.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 2 de janeiro de 2017

Vamos Abrir os Trabalhos do ano de 17. Dois desenhos inéditos e uma sequência que seguiu (por emeio) em 2014.

Começo pelos dois desenhos inéditos, produzidos portanto em janeiro de 2017.

Novamente vemos uma encarnação anterior de Marília: ela era fazendeira – falando mais apropriadamente, era esposa de um grande fazendeiro. Além da propriedade rural no interior, seu marido era também um ‘barão’.

Ele era um Homem importante igualmente na cidade, ocupando o cargo de  senador ou algo assim, um coronel ou caudilho influente na política regional. E eles viviam, junto com os filhos, numa fazenda cujo casarão principal era um sobrado de madeira, retratado acima.

prontinha-pra-sair

Pronta pra sair, Marília parece uma bonequinha. Com esse vestido cheio de rendas e babados, amarelo e laranja com os laços e fitas em rosa. E mais a sombrinha, pra não ficar ensopada de suor com tantas camadas de roupa. As luvas alvas são um charme a parte.

Obviamente há uma influência alemã na arquitetura, pois eles moravam no Sul do Brasil.

Não veja com as lentes de hoje, em que a madeira só é comum na periferia, e mesmo ali já se extinguiu em boa parte do país.

Mais de um século atrás, uma residência em matéria-prima vegetal podia ser de alto padrão, especialmente se fosse de 2 andares, como é o caso aqui.

A Casa-Grande da fazenda em que viviam Marília e sua família lembra um pouco as que existem até hoje no Leste Europeu.

De volta ao Brasil, eu já desenhei uma Marília camponesa, mas aquela não era rica e de família influente.

Essa daqui, ao contrário, era da elite rural do Brasil do começo do século 20. Ela está preparada pra ir acompanhar seu marido a cidade.

Também já desenhei Marília e suas 2 irmãs adolescentes crescendo numa casa de madeira no interior do Sul do Brasil. Quem sabe as 3 meninas são as netas dessa Marília fazendeira que vemos hoje, né?

no coração do brasil: goiânia, goiás

transurbAinda na ‘Máquina do Tempo‘, mas agora vamos avançar rapidamente pro fim do século 20:

Maurílio em frente um saudoso Monobloco. Da não menos saudosa Transurb. Se tudo fosse pouco, na super-clássica padronização ‘das Flechas’.

É claro que só poderemos estar em Goiânia, do fim dos anos 70 ao começo dos 90. goiania-goias

Maurílio esteve em Brasília-DF, esses dias. Aproveitando que é ali do lado, ele também passou em Goiás.

A linha vai pro Jardim Curitiba. Achei curioso estar do outro lado do Brasil e ver um bairro homenageando a cidade que eu moro.

usando-o-secadorVoltando a Goiânia, o Jd. Curitiba é um bairro de periferia no que lá eles chamam de ‘Zona Noroeste’. Mas eu diria que é Zona Norte.

Como eu expliquei na postagem sobre BH-MG, respeito os costumes nativos mas eu só divido as cidades em Zonas Central, Leste, Sul, Oeste e Norte.

…………..

Vamos agora abrir o baú do arquivo.

Reproduzo uma HQ que foi publicada em emeio em 20 de agosto de 2014.

a “guerra dos sexos”:

os homens não entendem a ‘via sacra feminina’

Maurílio e Marília vão sair juntos. uma-hora-cuidando-de-cabelo-haja-paciencia

Ele tomou banho, fez a barba e pegou a 1ª camiseta que estava mais por cima do armário.

Tempo que Maurílio levou pra se arrumar, tudo somado: aproximadamente 15 minutos.

Marília leva mais tempo pra se arrumar.

oh-duvida-cruelBeeeeeem mais tempo.

É isso que vamos ver agora.

Acima da manchete nós já observamos ela usando o secador.

Pois hoje é ‘dia de lavar o cabelo’.

Pra conversa começar:de-preto-por-baixo-violeta-por-cima

Maurílio nem sequer desconfia que ela, e a maioria das Mulheres, tem uma escala, em que dias lava, em que dias não.

Depois, a direita acima, é hora de pentear o cabelo.

Enquanto faz isso Marília prossegue em sua ‘Filosofia Feminina‘.

Só no banho e cuidar do cabelo já se foi quase uma hora.

raspando-minhas-pernasEnquanto isso, Maurílio ouve música na sala, bem sossegado….

Depois  ela vai escolher o vestido:

“Óh, meu Deus, que dúvida crueeeeeeelllll“.

Mas ao se ver no espelho, ela não teve dúvidas que seria o violeta.

Até porque ela já está de preto por baixo. raspando-os-bracos-e-acalmando-ele

Mas isso ele só vai descobrir na volta!!!

………..

Pronto, pelo menos ela já está vestida.

batom-bem-vermelho-que-hoje-eu-vou-ar-ra-sarMas ainda vem aquela que pra muitas Mulheres é a mais chata das ‘tarefas femininas’:

A depilação.

Com cuidado, Marília raspa as pernas e depois o braço.

E é chata mesmo.

Tanto que no inverno Marília se depila menos, como todas as garotas. abram-alas-la-vou-eu

Mas agora está quente.

Assim ela está ali, resignada, de gilete na mão.

Foi aí que, inadvertidamente, Maurílio cutucou a onça com a vara, curta, apressando-a.

Pra quê? Ela ficou mesmo uma fera.

E deu uns gritos pra ele se acalmar.

me-exibindo-pra-meu-maridinho“Haja Amor!!!”

Foi o que ela pôde pensar, de forma irônica.

A seguir ela passou batom.

E ‘voilá’:

Enfim taí Marília enfim pronta, de vestido tubinho e botas.maos-dadas-final-feliz

…………

Tempo total pra chegar nesse ponto: aproximadamente 2 horas.

Portanto 8 vezes mais que seu marido.

E por falar nele:

Aí Marília desceu as escadas pra encontrá-lo.

E exibiu o resultado de tanto esforço.

vestida-pra-matarOu seja, ela mesma, toda arrumada, pronta pra sair.

Perguntou se valeu a pena esperar.

Ele respondeu.

Lógico que sim, querida.

Valeu cada minuto, você está deslumbrante.”

Ainda fez uma auto-crítica:

“Desculpe ter te apressado.olhares-que-se-cruzam

É fato, os Homens ainda têm que caminhar muito pra Entender o Universo Feminino”.

………

Final Feliz.

Isso que é Amor Maior, não? E dessa vez sem ironias.

“Deus proverá”

até Bayeux (Z/O de João Pessoa) tem “metrô”

zona-oeste-j-pessoa1

Subúrbio ferroviário na Zona Oeste da Grande João Pessoa.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 22 de setembro de 2013

………

Segue a série sobre João Pessoa.

Hoje, entre outros temas, falaremos um pouco sobre o futebol no estado da Paraíba.

E também mais sobre a rede de transportes da capital.

cais-e-balsa-imporvisados-s-rita-z-o-j-pessoa

Num cais improvisado, barqueiro faz a travessia do rio no Centro de Santa Rita (subúrbio metropolitano da Z/O).

Na primeira mensagem da série mostramos como é o sistema de ônibus atual.

Na segunda demos uma palhinha sobre a Setusa, estatal estadual frota pública que exsitiu nos anos 80 e 90.

Agora vamos pro modal ferroviário: a cidade conta com uma linha de trem suburbano.

Que liga a Zona Oeste a Zona Norte passando pelo Centro. Mas é bem precário.

Pois o ramal é compartilhado com carga, não atende a orla da Zona Leste, que é a parte rica e portanto o polo de empregos, e os intervalo entre os trens é de 1h20min.

1-predio-de-s-rita-z-o-j-pessoa

Nem tudo em S. Rita é precário. Quando estive lá, estava em obras o 1º prédio alto do município, de classe média, bem no Centro.

Ou seja, só há uma composição operando (bem pequena, tem uns 5 vagões), o mesmo trem vai e volta, não há outro.

A única vantagem é que irrisoriamente barato, apenas R$ 0,50 (os valores são sempre de setembro de 2013, quando estive lá).

Isso mesmo, por cinquenta centavos você pode cruzar toda a cidade.

Se fosse de ônibus, gastaria mais de 10 vezes esse valor.

Veja as fotos: logo acima da manchete o trem chegando na estação-terminal (ponto final) do subúrbio metropolitano de Santa Rita, Zona Oeste

r-050-tarifa-do-trem-suburbano-j-pessoa

Cruzar toda cidade por R$ 0,50??? Sim, cinquenta centavos!!!! Parece piada mas é verdade. Isso é João Pessoa.

É uma locomotiva a dísel, incomparavelmente mais lento e mais poluente.

E isso tanto em termos sonoros quanto de fumaça. Perde feio pros modelos elétricos que existem nas capitais com sistema de transporte mais avançado.

Por exemplo, veja nessa postagem o trem suburbano de Belo Horizonte, que visitei uns meses antes. Também foi feito sobre uma linha de trem de carga.

Porém em Minas a linha foi triplicada, ou seja, há duas linhas pro sistema de passageiros e mais uma pra carga, assim não há compartilhamento.

trem-estacao-centralResultando que em BH o trem suburbano opera no mesmo nível de um metrô.

Voltemos a Paraíba. Lá, a situação é bem diferente, como estou relatando e é notório.

Observe ao lado a Estação Central, no Centro de João Pessoa. 

trem-a-disel-joao-pessoa-s-rita-z-o

Próximas 2: Centro de Santa Rita, aqui a Estação e depois uma panorâmica.

Na verdade, o bairro ali se chama Varadouro.

Em João Pessoa, há um bairro chamado “Centro” mesmo, vizinho ao Varadouro. Ambos juntos formam o Centrão da cidade.

Tanto que a Estação João Pessoa (ou seja a Central) do trem, e também o Terminal Central dos ônibus urbanos e igualmente a Rodoviária estão já no Varadouro.

Que na letra fria da lei é outro bairro, mas na prática o Varadouro e o Centrão são gêmeos siameses, inseparáveis, pois são em conjunto o coração da cidade.

santa-rita-z-oeste-gde-j-pessoa5Voltando a foto da Estação Central de trem um pouco mais acima a esquerda, vejam que bem no meio há um rapaz com uma camisa de futebol, alvi-negra.

Provavelmente é de um time da Paraíba mesmo, dois dos times com maior torcida do estado são alvi-negros. Falo mais disso abaixo.trem-parte-interna-j-pessoa

Por hora, nos fixemos no transporte. Ao lado o interior do velho trem.

É possível passar de um vagão pra outro. Nesse caso a porta está fechada porque é o último vagão.

estacao-s-rita-z-o-j-pessoaFaço essa observação porque na maioria das composições do metrô e trem de SP, por exemplo, não é possível passar de um vagão pra outro, exceto nos mais novos como na linha amarela.

Bem, em João Pessoa a composição é aberta internamente e é possível transitar por toda ela, de ponta-a-ponta. Alguns bancos estão quebrados.

manaira-z-leste-j-pessoa1

Manaíra, Zona Leste.

As janelas são gradeadas, talvez pra dificultar o trabalho dos vendedores ambulantes.

Vejam numa tomada um pouco mais pra cima na página a bilheteria, com a valor quase simbólico ali afixado.

A esquerda acima a Estação S. Rita, vista por fora.

Em 2011 andei de trem em Fortaleza e paguei R$ 1,00. Já achei barato.

Curiosamente no Ceará igualmente pra um subúrbio metropolitano da Zona Oeste, Caucaia nesse caso  – já joguei no ar essa série.

fim-de-tarde-cabedelo-z-n-gde-j-pessoa

Cabedelo, Zona Norte.

Dois anos depois, em João Pessoa é metade do que já era naquela época em Fortaleza.

Fui de ônibus do Centro da capital ao Centro de Santa Rita, nos confins da Z/O. A tarifa foi R$ 2,65 (set.13).

E voltei de trem, desembolsando R$ 0,50, menos de 20% do valor.

Você imagina isso, você pagar com uma moeda, e ainda receber outra de troco?

centrao-j-pessoa

Famosa trincheira do Centrão de Jampa. Dentro dela estava pichado “Volta, Setusa“.

Eu embarquei em Santa Rita e desci no Varadouro, no Centrão de João Pessoa.

Mas poderia ter seguido viagem até a Zona Norte, em Cabedelo.

E se alguém for de ônibus de Santa Rita a Cabedelo, terá que baldear e pagar as duas tarifas cheias.

Somando tudo mais de R$ 5,00, dez vezes o preço do trem, repetindo.

Ser barato é a única vantagem do trem joão-pessoense. Porque há poucos horários: intervalo de 80 minutos entre as viagens.

Ademais, não opera sábado a tarde nem domingo o dia inteiro. É barulhento e mal conservado. E o principal, não atinge a parte da cidade que tem mais empregos, a orla da Zona Leste.

periferia-j-pessoa-s-rita-z-o

Em Santa Rita, Z/O da Gde. J. Pessoa, a periferia típica do Nordeste: casa térrea, sem muro, de alvenaria, e sem laje. Similar a periferia de Belém-PA, e embora a periferia do Sul seja bem distinta, também num lugar chamado S. Rita (Tatuquara, Z/S de Curitiba) fotografei uma Cohab muito parecida.

Tanto que uma moça lá falou que “João Pessoa não tem trem, na verdade. Tem um trem que liga Cabedelo a Santa Rita, mas nem passa em João Pessoa”.

Isso porque o Centro é longe da praia. Nos séculos pioneiros de sua fundação a orla era um ponto distante, onde os ricos iam passar férias (já falamos mais disso).

Então obviamente o Centro era mesmo o centro não apenas político mas também cultural, econômico e mesmo populacional da cidade.

Já no século 20 e muito mais no 21, no entanto, o eixo gravitacional de João Pessoa definitivamente se inclinou pra beira-mar.

O Centro é quem, inversamente, se tornou uma parte distante e esquecida da cidade, e segundo alguns, emocionalmente já nem mais faz parte dela.

centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa2

Centro de Santa Rita, Viação Sonho Dourado. Tá bom pra ti?

Talvez a menina tenha carregado nas tintas ao praticamente vetar o Centro como sendo parte da cidade – afinal é a gênese da mesma!!! – mas de fato ela está correta:

Na configuração que está o trem ajuda pouco mesmo pro transporte de massas, pois ele não leva as pessoas pra onde a maioria delas precisa ir.

Teria que haver alguma conexão com as praias da Zona Leste. As praias da Zona Norte ele atende, vem paralelo a beira-mar, poucas quadras da areia.

Mas a Zona Norte ainda não é tão desenvolvida. Digo, de uns anos pra cá, houve grande surto de progresso na região:

manaira-z-leste-j-pessoa2

Próximas 2: Manaíra, Zona Leste. Explosão de arranha-céus, muito luxo e riqueza.

As praias do Bessa (município de João Pessoa) e as vizinhas Intermares, Poço e Camboinhas, já em Cabedelo, começam a ver prédios altos sendo erguidos.

Esses bairros estão sendo transformados em classe média e média-alta. E eles são servidas pelo trem.

Mas ainda estão a anos-luz de Manaíra, Tambaú e Cabo Branco, onde não há a opção de vir pelos trilhos.

Inauguraram recentemente o Terminal de ônibus do Bessa, que inclusive integra algumas linhas metropolitanas. manaira-z-leste-j-pessoa3

Foi um avanço, sem dúvidas.

Mas é preciso fazer mais. É preciso que do Terminal do Bessa saia uma linha pra estação de trem, que é próxima. 

E que, uma vez o Bessa estando integrado com o trem, desse mesmo terminal exista outra linha, servida por articulados, que vá pela beira-mar, cortando toda a parte rica de João Pessoa. 

favela-bairro-dos-ipes-z-l-j-pessoa3

Mas logo ao lado está a favela do Bairro dos Ipês. Quando chove alaga tudo…

O que propus é simples de ser implementado, com custo zero, não exige nenhuma adaptação nas vias, é só querer.

Porque aí sim o trem seria muito utilizado. Já que agora como está é como se “nem passasse por João Pessoa”, como a moça bem resumiu o espírito prático da questão.

…………

Um subúrbio metropolitano da capital paraibana, na Zona Oeste, chama-se Bayeux.

Pronuncia-se ‘Baiê’. É um nome francês, há uma cidade com a mesma denominação na França. Segundo os moradores locais, “a Paraíba tem um charme europeu”. É mole?

zona-oeste-j-pessoaCuriosidades linguísticas a parte, o subúrbio da Zona Oeste é a parte pobre e esquecida de João Pessoa, que ainda aguarda a chegada do progresso.

Veja na foto ao lado uma favela da região. É a imagem em outra escala da mesma foto que já foi posicionada mais pra cima na página.

Pra que notem tanto o contexto quanto os detalhes: as casas são bem humildes mesmo, muitas senão a maioria ainda sem automóveis.

Lá na Paraíba um médico, que desenvolveu um trabalho social com os desvalidos e portanto conhece as partes pobres de João Pessoa a fundo, estranhou meu interesse.

cabo-branco-manaira-e-tambau-j-pessoa

Dentro da água na Praia do Cabo Branco. Na sequência a linha de prédios do Tambaú e depois Manaíra.

Não compreendia porque eu sairia daqui do Sul do país pra fazer um turismo exótico nas favelas da sua terra. Ele disse: “as favelas são sempre parecidas, em qualquer parte do país”.

Respondi: “nada disso. As favelas do Nordeste são completamente diferentes das do Sul, e as do Sudeste igualmente são diferentes de ambas”.

Vamos aqui então comparar as favelas dessas 3 partes do Brasil, lembrando que em Salvador-BA é igual ao Sudeste mesmo estando fisicamente no Nordeste.

E Curitiba é o ‘portal’ entre o Sul e Sudeste, mescla característica de ambas regiões.

As favelas do Nordeste são compostas por casas térreas, de alvenaria, de telha de barro e a densidade é alta, uma residência emendada na outra.

praia-de-manaira-ao-fundo-hotel-em-tambau-j-pessoa

Outra praia chique, a de Manaíra.

As pessoas, em sua maioria, não possuem automóveis. As portas saem direto na via pública.

As favelas do Sudeste, por sua vez, são formadas por sobrados – que cresceram tanto, até o quarto e quinto andar, que já viraram prédios artesanais.

Assim, óbvio que as moradias nas favelas do Rio, SP e BH, além de Salvador, são de alvenaria (até os anos 60 eram de madeira, mas não mais a muito).

centrao-joao-pessoa

Centrão de J. Pessoa. Casas pobres típicas do Nordeste brasileiro: minúsculas, de alvenaria, geminadas, porta pra rua (como também é no Chile e Argentina) e sem garagem, óbvio. Apenas nessa imagem estamos vendo 9 moradias, é isso mesmo, cada porta é uma casa independente, o varal é compartilhado.

E cobertas por eternit, e a densidade igualmente é alta. Sempre que possível, há muros separando o terreno da via pública.

Ainda falando das favelas do Sudeste, boa parte das casas hoje em dia têm carros, mesmo nas regiões mais pobres.

Ou seja, as favelas do Sudeste e Nordeste tem 2 pontos em comum (alvenaria e alta densidade) e 4 diferentes (no Nordeste exceto a Bahia há menos lajes, eternit, carros e muros).

Quanto ao Sul, em Curitiba as favelas e periferias se tornaram realmente muito parecidas com as do Sudeste, como já dito. Isso no município de Curitiba mesmo.

Nos subúrbios mais distantes da região metropolitana a coisa mudou menos, se vê a pobreza típica do Sul do Brasil. Ainda se parece com o interior do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

centro-esgoto-a-ceu-aberto-j-pessoa

No chão do mesmo local da foto a esquerda (repare a mesma casa verde-clara): lixo e esgoto a céu aberto, e em pleno Centro, não custa nada enfatizar.

E como é a periferia do Sul? As favelas são formadas por casas térreas, a maioria de madeira, cobertas por eternit.

A densidade é baixa, ou seja, muitas moradias tem quintais por serem afastadas umas das outras. E quando há quintal geralmente há uma cerquinha de madeira.

O índice de penetração dos automóveis é menor que em Curitiba e no Sudeste, mas maior que no Nordeste. 

As favelas do Sul são muito diferentes das do Nordeste em 4 quesitos:

Aqui predomina a madeira, a densidade é mais baixa, há mais automóveis e o morador cerca seu terreno, mesmo que improvisadamente.

Em comum entre Sul e Nordeste o fato que as casas só tem um único andar, a laje não invadiu com tanta força.

centro-velho-lixo-e-esgoto-j-pessoa1

Mesma esquina, Centro Velho de J. Pessoa.

Mais uma vez ressaltando que Curitiba ainda lembra um pouco o Sul nessa dimensão, mas também lembra muito o Sudeste.

Já as favelas do Sul e Sudeste têm 3 pontos que são diferentes (aqui há menos lajes e menos densidade, mas muito mais madeira).

E um em comum, e compartilham a característica de ter suas casas cobertas em eternit. As favelas do Sul tem menos carros que as do Sudeste, mas muito mais que as do Nordeste.

 Tudo isto posto, deixemos essa comparação teórica pra lé e voltemos a falar do que observei em campo, na Paraíba.

centro-j-pessoa1

Ainda no Centro Velho da capital, eis minha versão dessa tomada super-clássica.

Descrevo o município de Santa Rita, seu Centro e alguns bairros populares.

Em algumas partes, bastante lixo e esgoto a céu aberto, realidade que se repete em outras partes da Gde. J. Pessoa, bem como em diversas outras cidades pelo Brasil e América. 

Na periferia de João Pessoa ainda há casas de taipa, também chamada pau-a-pique. E muito mais no interior da Paraíba (que eu pude conhecer um pouco, numa breve viagem pelo litoral).

Pra quem não sabe como é, trata-se de um modelo de construção empírico do povão, que não utiliza tijolo, ripas de madeira nem cimento.

As moradias são feitas de barro seco, sustentando por galhos de árvores entrelaçados. Como a chuva vai levando partes da parede, é preciso sempre estar refazendo. Por isso mesmo, a existência desse tipo de moradia demonstra que o bairro é carente de recursos.

lagoa parque solon solón lucena centrão z/c prédios árvore bosque joão pessoa jp pb paraíba palmeira

Outro Super-Clássico: o Parque da Lagoa Solón de Lucena, no Centro.

Fortaleza e Belém são cidades em que a periferia é bem depauperada, comparadas ao Centro-Sul. E mesmo assim Fortaleza e Belém não têm mais casas de pau-a-pique.

Um dia tiveram, mas já foram substituídas todas por alvenaria, e no caso de Belém também madeira.

Entretanto, João Pessoa, e mais ainda as cidades do interior da Paraíba, isso ainda é relativamente frequente, vi várias. Em São Luiz-MA, também.

………..

João Pessoa começou num altiplano a 7 km da orla. No século 16 e até o século 19 não existiam carros, resultando que era relativamente distante.

praia-de-manaira-ao-fundo-hotel-em-tambau-j-pessoa1

Manaíra, ao fundo aquele famoso hotel redondo em Tambaú, outro ícone de Jampa.

Os ricos começaram então a erguer casas de veraneio a beira-mar.

De segunda a sexta, moravam no atual Centro de João Pessoa.

E nos fins-de-semana iam pras suas casas de praia, em Manaíra, Tambaú e Cabo Branco.

Por isso a região foi ganhando contornos aristocráticos: os pobres se empilhavam nos cortiços no Centrão, e passavam bem longe da orla.

santa-rita-z-oeste-gde-j-pessoa3

Agora sim, eis o Centro de Santa Rita.

Quando o automóvel foi se popularizando, na primeira metade do século 20 e muito mais na segunda metade, as pessoas passaram a fixar residência permanente na orla.

E a ir trabalhar no Centro diariamente. Isso fez surgir a divisão espacial da cidade, sua porção dourada sendo o litoral da Zona Leste.

As Zonas Norte e Sul, mesmo ambas tendo praia, e a Zona Oeste, distante de mar, ficaram esquecidas, a orla da Zona Sul foi pouco ocupada, sendo ainda meio rural.

bayeux-z-oeste-gde-j-pessoa1

Bayeux, também Zona Oeste.

E assim ficou por algumas décadas, quando a Paraíba não oferecia muitos empregos, os paraibanos emigravam pro Sudeste, Norte, Centro-Oeste e mesmo outros estados do Nordeste:

Quando fui a Fortaleza, constatei que há bastante paraibanos por lá, além de piauienses e maranhenses.

A Paraíba não tinha indústrias, e mesmo o ramo do turismo era muito mais fraco que nas “primas ricas” Recife, Salvador e Fortaleza.

Portanto havia grande êxodo, e boa parte dos que ficavam viviam mal, na verdade sobreviviam.

varadouro-centro-velho-j-pessoa

Próximas 2: Varadouro, bairro que faz parte do Centro de João Pessoa.

Aí veio a virada do milênio, e mesmo que muito longe do ritmo necessário, ao menos uma lufada de progresso soprou, chegou a vez da periferia.

Foi então que a Paraíba deu grande salto evolutivo, e passou a criar empregos.

Veja quantos arranha-céus estão sendo feito simultaneamente em João Pessoa, e imagine quanto milhares de empregos com carteira assinada essa explosão gera.

Resultando que mesmo paraibanos e seus descendentes que viviam no Sudeste estão retornando. varadouro-centro-velho-j-pessoa1

Conversamos um pouco com o cobrador de ônibus em João Pessoa. Ele nasceu ali mesmo.

Quando tinha 3 anos, seus pais se mudaram pra Guaianazes, bairro na extremidade da Zona Leste de São Paulo, onde eu já estive também.

E na capital paulista ele se criou e teve o início de sua vida adulta, chegando a ter alguns empregos.

santa-rita-z-oeste-gde-j-pessoa2

Próximas 9: Centro de Santa Rita, alguns retratos que tirei na minha volta por lá.

Com 20 e poucos anos, ele decidiu retornar a João Pessoa, e deu certo, está empregado com carteira assinada.

Agora, ele deve ter um salário por volta de R$ 800 (set.2013).

É aqui que quero chegar: tenha em mente que a recuperação da Paraíba é notável, sem dúvidas.

Ainda assim, relativa. A Paraíba era absolutamente miserável, de certa forma ainda é, por isso as casas de taipa.

Comparado com o que era, melhorou muito. Antes, não haviam empregos estáveis com carteira assinada por lá, mesmo pagando poucosanta-rita-z-oeste-gde-j-pessoa4.

Era sub-emprego pra grande maioria. Atualmente empregos na faixa de R$ 700 a 900 há aos montes.

Mas acima de R$ 1.000, a situação muda muito, ainda são bem raros (lembre-se, os valores são sempre os de 2013).

Isso porque a Paraíba continua pouco industrializada.

s-rita-z-o-gde-j-pessoa-lixo-e-esgoto-a-ceu-abertoPernambuco e Bahia deram um salto notável nesse campo, em todos os ramos:

Automobilístico, metal-mecânico, químico/produtos de limpeza, alimentício, vestuário, logística pra transportes, etc.

No Ceará, esse salto não foi tão generalizado, mas no setor têxtil/calçadista foi pronunciado.santa-rita-z-oeste-gde-j-pessoa

A Paraíba, entretanto, ainda não se industrializou. Muitos empregos estão sendo criados em João Pessoa. Mas o que paga melhor é a construção civil.

O resto é o setor de serviços (comércio, turismo) e centros de chamada pras empresas que fazem vendas por telefone.

s-rita-z-o-gde-j-pessoa-esgoto-a-ceu-abertoNotoriamente a renda dos trabalhadores desses ramos de atividade é mais baixa que na indústria.

Quem sabe isso começa a mudar, e a Paraíba comece a se industrializar.

Como disse, fui ao Litoral Sul da Paraíba, na divisa com Pernambuco. Voltei a João Pessoa pela BR-101.centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa4

(A mesma que liga as duas principais cidades de Santa Catarina, Joinville a capital Florianópolis, corta o Brasil do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul.)

Voltemos ao Nordeste. A BR-101 liga Recife a João Pessoa. Passei pelo trecho sul-paraibano dela, da divisa com Pernambuco até a capital estadual.

centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa1Foi duplicado pelo exército brasileiro, um projeto bacana, que desenvolveu muito a região e certamente teve custo mais baixo que se fosse feito pelas empreiteiras.

E isso puxou desenvolvimento, realmente. Já dentro de João Pessoa, na Zona Sul, surgiu um grande Distrito Industrial.

Diversos barracões novos estão ali, e muitos outros estão sendo erguidos, gerando um círculo virtuoso.centro-velho-j-pessoa

Ressalto que minha viagem se deu antes da Copa do Mundo de 2014, quando o Brasil ainda vivia os últimos espasmos de um ciclo de prosperidade.

De lá pra cá não sei como está a nascente expansão industrial paraibana.

centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa

Aqui fechamos a sequência de Santa Rita. Tenho que dizer, as vezes na periferia de J. Pessoa há muito lixo na rua.

Seja como for, quando estive lá ela dava seus primeiros passos.

Assim, quem sabe no futuro a Paraíba será mais industrializada.

Por hora, isso ainda está em semente.

Mas mesmo o avanço nos setores de turismo, construção e serviços já mudou João Pessoa.

Tanto que a riqueza não se circunscreve mais a Zona Leste. 

A Zona Norte, que também é a beira-mar, foi a primeira a se beneficiar dessa expansão:cabedelo-zona-norte-gde-j-pessoa

Ali também vem surgindo prédios e os bairros vem mudando de pacatos pra um perfil de classe média-alta.

A partir dessa a direita, e nas próximas 2 tomadas, vamos ver exatamente Cabedelo, na Zona Norte.

Que vem adquirindo um perfil mais burguês, ao menos na orla.

cabedelo-zona-norte-gde-j-pessoa1A orla da Zona Sul, que fora deixada quase intocada, agora está sendo urbanizada.

E isso tem um lado bom e um ruim, como já comentei em outra mensagem.

O subúrbio da Zona Sul, que não tem mar, também melhorou bastante.cabedelo-zona-norte-gde-j-pessoa2

E vê surgir vários prédios, esses ainda baixos, mas que são bem simbólicos da metamorfose da região.

Entretanto, a Zona Oeste, dizendo mais uma vez, ainda aguarda sua vez nessa esteira de progresso.

Ali ainda se concentram, perto da linha do trem, grandes bolsões de miséria. Com mais uma onda de desenvolvimento, essa realidade irá mudar: 

favela-bairro-dos-ipes-z-l-j-pessoa1

Aqui e a direita: ‘comunidade’ (ou ‘favela’, se preferir) do Bairro dos Ipês, Z/L, ao lado da opulência de Manaíra.

Podem ver pela foto que o subúrbio metropolitano de Santa Rita, na extremidade da Zona Oeste, breve terá seu primeiro edifício alto, com elevador. Mas por enquanto ainda é assim.

Selecionei fotos que mostram esse momento de contraste.

Já vimos mais pra cima na página justamente ainda em obras o primeiro prédio chique de Santa Rita.

O que demonstra que o município começa a ter uma ‘massa crítica’ de classe média pra esse tipo de empreendimento.

Mas duas quadras dali está a casa retratada que também já posicionei mais pro alto na matéria: favela-bairro-dos-ipes-z-l-j-pessoa

Sem muro, em que a família primeiro sobrevive e depois consome.

Resumindo, galera, assim é a Zona Oeste de ‘Jampa’. Que aguarda que essa mandala gire, e a vez dela chegue.

Uma parte distante, violenta e ainda com muito por fazer.

Mas que já tem um sistema de trem a servi-la. Bastante precário? Certamente.

riacho-poluido-centro-de-s-rita-z-o-j-pessoa

No Centro de S. Rita, um riacho poluído. Como eu já fotografei no Paraguai, México, e aqui em Curitiba vários, no Boqueirão (2 vezes) e também em pleno Jardim Social.

Melhor que nada. E, repito, o custo é só R$ 0,50. Por estar longe do ideal, não dá pra dizer que é metrô de fato, e por isso entre aspas:

Até Bayeux tem “metrô”…. Definitivamente, é só Curitiba que não tem…..

…………

Mais algumas curiosidades sobre a Paraíba:

Não pude nessa viagem ir a um estádio presenciar ‘in loco’ uma partida de futebol, como também não deu no México e no Pará. 

O principal time de João Pessoa é o Botafogo, cópia de um clube mais famoso (como é tradição no Paraguai).mascote-botafogo-paraiba

No caso é uma homenagem óbvia ao time carioca. Apenas a estrela do escudo é vermelha ao invés de branca, veja o mascote do Botafogo-PB ao lado.

Mas o uniforme é alvi-negro como a matriz, o nome das torcidas organizadas também é xerox.

Então, em 2013, quando visitei a Paraíba, o Botafogo-PB estava na quarta divisão do futebol nacional, a série ‘D’.

jp jampa joão pessoa paraíba pb buso marcop tribus trucado 3 3º eixo branco livre faixa verde vermelho são jorge estádio almeidão br-230 trans-amazônica transamazônica trânsito

Zona Oeste de J. Pessoa: Estádio Almeidão, onde joga o ‘Belo’ (Botafogo). A frente, na BR-230, passa um Tribus Urbano, que na PB são abundantes a beça.

Porém foi campeão do torneio, e desde 2014 até o momento que essa matéria sobe pro ar (2016) disputa a série ‘C’, a terceirona.

Em João Pessoa não há clássico, pois não há outro time grande.

As duas outras grandes forças do futebol paraibano estão na maior cidade do interior, Campina Grande.

O Treze, também alvi-negro, é o “Galo”.

Quando escrevi a matéria, estava na terceira divisão nacional, a série ‘C’, ainda na briga pra subir pra segundona.

Atualização: o Treze não subiu pra série ‘B’ em 2013.

quadra-16-lote-3-s-rita-z-o-j-pessoa

S. Rita: ‘Quadra 16, Lote 3’ pintado no muro, modelo de numeração típica da periferia (exceto no Centro-Oeste). Fotografei o mesmo no Pará.

Pior: no ano seguinte foi rebaixado pra série ‘D’, que disputou em 2015.

Porém, como sabem, a 4ª divisão nacional não tem vaga garantida, pra participar dela é preciso ir bem no campeonato estadual do mesmo ano.

Falei um pouco disso na série sobre o Pará, pois no mesmo ano de 2013 o Remo não chegou a final do estadual, logo não jogou nem mesmo a série ‘D’ nacional naquele ano.

Voltando a Paraíba. Em 2016 o mesmo ocorreu ao Treze, não disputou nenhum torneio nacional, ficou fora até da 4ª divisão.

Já o Campinense, rubro-negro, é a “Raposa”.

galo-x-raposa

Galo x Raposa: em Campina Grande-PB, como em Belo Horizonte-MG.

Como veem, em Campina Grande o duelo dos mascotes reflete um bem mais famoso, o de Belo Horizonte-MG, óbvio.

Em 2013 era o Campinense quem não estava em série alguma do brasileirão, era um “clube sem divisão”.

Mas nos anos de 14, 15 e 16 ele conseguiu sempre jogar a série ‘D’.

Resumindo e comparando o ano que o texto foi escrito com o ano que ele sobe pro ar: em 2013 Botafogo na 4ª, Treze na 3ª e o Campinense em nenhuma. Em 16, Botafogo na 3ª, Treze em nenhuma e Campinense na 4ª.

manaira-z-leste-j-pessoa

Manaíra.

……….

E quanto ao estadual, o Botafogo de João Pessoa vestiu a faixa de 2013 e levantou a taça quebrando um jejum de uma década. Repetiu o feito em 14, portanto bi-campeão, e é o maior vencedor, já ganhou 27 vezes.

O Campinense não deixou por menos e foi bi em 15/16, vem a seguir com 20 canecos. Já o Treze tem 15 títulos paraibanos, esses são os 3 maiores campeões.

fim-de-tarde-em-joao-pessoa-pb

Fechamos com esse belíssimo entardecer na Zona Norte, em Cabedelo ou bem próximo. Veja o mangue. João Pessoa, exatamente como sua vizinha Recife, é “a cidade do mangue”. Mas esse já é tema pra próxima matéria, que será a derradeira da série. Por hora, melhor deixar que essa imagem que vale por mil palavras fazer as honras e fechar com chave de ouro.

Não há ‘clássico da capital.  Treze x Campinense fazem o clássico de Campina Grande.

Mas o ‘Super-Clássico da Paraíba’ é Botafogo x Campinense. Chamado ‘Clássico Emoção’, pois são os dois maiores vencedores:

Tanto lideram os estaduais como dito acima, quanto nesse mesmo ano de 2013 ganharam os dois maiores títulos da história da Paraíba, o Botafogo foi campeão nacional (série ‘D’) e o Campinense levou a Liga do Nordeste.

Portanto a disputa ali opõe capital x interior.

No Brasil o maior clássico de cada estado sempre envolve dois grandes da capital. Na Paraíba é diferente, reflete o que ocorre no México e Colômbia.

Última nota: João Pessoa tentou ser uma das sedes da Copa do Mundo. Mas não deu. No Nordeste, houveram jogos em 4 cidades: as 3 maiores Salvador, Recife e Fortaleza e mais Natal-RN.

Deus proverá

As Flores mais Orientais da América: da Paraíba

flor-mais-oriental-de-america-ponta-seixas-j-pessoaPor Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado (em emeios) em 11 de setembro de 2013

(Todas as postagens de ‘Flores’ são dedicadas as Mulheres)

Segue a série sobre a Paraíba.flores-j-pessoa-pb

Acima vemos a flor mais oriental de toda América.

Em João Pessoa está o extremo leste de todo continente, como é notório.

É a Ponta Seixas. E essa amarela acima está na Ponta Seixas.

flores-j-pessoa-pb2Quase dentro do mar como se nota na imagem.

Resultando que ela é a flor que recebe diariamente o primeiro raio de Sol de toda América.

………..

A maioria das tomadas desse ensaio foi feita no bairro Cabo Branco e imediações, Zona Leste.flores-j-pessoa-pb3

Pois é ali que fiquei hospedado.

Por exemplo, acima (repetida sobre a manchete) e ao lado:

As calmas ruas do Cabo branco.

flores-j-pessoa-pb1 E ao fundo os espigões em construção do Altiplano.

………

Mas nem todas.

Eu fotografei pela cidade inteira. flores-jacare-rm-j-pessoa-pb

Essa logo acima e as 2 próximas foram clicadas na Praia do Jacaré.

Em, Cabedelo, Zona Norte metropolitana.

Onde há a famosíssma ‘apresentação do Bolero de Ravel ao Pôr-do-Sol’.

flores-jacare-rm-j-pessoa-pb1Vemos a feira de artesanato e os bares e restaurantes que existem  no local.

…………

Na sequência horizontal abaixo: voltamos ao Cabo Branco:

flores-j-pessoa-pb5flores-j-pessoa-pb6flores-j-pessoa-pb9

flores-j-pessoa-pb14Da Zona Leste vamos cruzar toda cidade e ir direto pra Zona Oeste da Gde. João Pessoa.

Ver uma sequência batida em Santa Rita.

Numa bela praça florida não muito longe da estação de trem.

flores-j-pessoa-pb11Flores de todas as cores: amarelas vermelhas, violetas, esse bege alaranjado.

Pra quem gosta dessa manifestação da natureza, um espetáculo de encher os olhos.

Na sequência abaixo, ainda estamos em Santa Rita, Zona Oeste:

flores-j-pessoa-pb12