Expedição Urbana: até a Foz do Belém

última curva do Rio Belém

Em maio de 2014, indo rio abaixo pela margem, cheguei até a última curva do Rio Belém, a 50 m da foz

Por Maurílio Mendes, “O Mensageiro”

Publicado em 9 de maio de 2014.

Atualizado em 3 de novembro de 2015.

O Belém é o maior Rio 100% curitibano.

Me propus a ir até sua foz. Foram preciso 3 tentativas.

Na 1ª fui travado por um haras. Na 2ª fiquei a 50 metros, como na foto ao lado.

Nessas duas fui rio abaixo. Era preciso ir rio acima, ou seja, ver a foz pelo outro lado, pelo Rio Iguaçu, onde ele deságua.

foz

Em novembro de 2015, indo por outro caminho (seguindo dessa vez o Rio Iguaçu, onde o Belém deságua) enfim consegui ver a foz do Belém.

No começo de novembro de 2015 afinal deu certo. Veja acima da manchete e a direita, enfim, a Foz do Rio Belém.

Fui por dentro de um parque no vizinho município de São José dos Pinhais. Esse parque por sua vez fica dentro do Parque Nacional do Iguaçu.

As fotos que são de 2015 eu especifico na legenda. Se não estiverem datadas foram tomadas em maio de 2014.

……….

Agora volta o texto original de maio de 14, contando a segunda expedição.

o Sol se põe

Vamos vendo cenas do Rio Belém e suas margens nesse fim de tarde.

Em que eu  segui a margem do Rio, no município de Curitiba, e só cheguei a última curva, a 50 m da foz, mas não vi o ponto preciso em que ele desagua no Iguaçu.

Fui a pé até sua foz (ou quase…), numa verdadeira expedição urbana, pois o local é de mata fechada e de difícil acesso.

Entre a PUC e a Vila Lorena (bairro Uberaba) ele é ladeado pela linha de ônibus Canal Belém.

Na matéria que abre na ligação logo acima, eu percorri a pé a margem do Rio de minha casa até a Zona Central.Rio Belém - Curitiba

Numa oportunidade distinta eu decidi cobrir o outro trecho, ou seja, daqui de onde vivo até a Foz.

Mas não foi fácil, foram preciso duas tentativas, e um enorme espírito aventureiro de se embrenhar pelo meio da vegetação cerrada e hostil.

pelo meio do mato…………

Todos sabem que o Belém divide a Z/S da Z/L. Moro quase nele, na margem direita, do lado da Z/S.

Algumas semanas antes, eu já havia tentado chegar a foz, pelo lado que eu vivo, o do Boqueirão. Foz do Rio Belém1

Não foi possível. Chega um ponto em que há um pequeno haras, um rancho onde se criam cavalos em plena selva de pedra, e a partir dali a passagem é interdita.

Fotografei os cavalos pastando, um pouco pra baixo na página.

07.05.2014 - o Sol se põe em CuritibaEstava a cerca de 500 metros da foz. Veja o mapa ao lado, em azul claro o trajeto dessa tentativa infrutífera, e o ponto onde a passagem é bloqueada.

Agora tentei de novo, e dessa vez fui pela outra margem, a do Uberaba, em amarelo na imagem.

Ali não há porteiras, mas eu tive que passar no começo por uma estreita trilha como notam a direita. trilha - Uberaba

Depois mesmo isso desapareceu, e adentrei a mata fechada.

Pois na região não mora ninguém, não há empresas, áreas de lazer, não há nada resumindo, então ninguém passa por ali.

Enquanto era possível, eu desafiei a Natureza, mas há um limite, chega um momento que a muita fecha demais, aí só se eu tivesse um facão pra ir abrindo a picada na raça mesmo.

……….

Foz do Rio BelémTive que parar. Estava a apenas 50 metros da foz, na última curva do rio (1ª foto, logo no topo da página).

Nas imagens meus trajetos, em azul-claro a primeira tentativa, em amarelo a mais recente que originou essa mensagem.

Vejam os bancos de areia, a esquerda. São os mesmos que aparecem na foto tirada por mim, como notam logo na abertura da matéria.

A direita repetido em outra escala. Clique sobre as imagens que elas se ampliam.

Não vi o encontro das águas propriamente dito, mas estava muito, muito perto.

Pra ver o momento mesmo que o Belém se dissolve no Iguaçu é preciso ir por um terceiro árvore a margem do Riocaminho, acompanhando o Iguaçu, e não o Belém.

É preciso vir rio acima, e não rio abaixo. Foi exatamente isso que fiz na 3ª tentativa, um ano e meio depois.

………….

Foi uma Expedição Urbana pela mata, cumprida com sucesso. até o limite

Vencendo a vegetação densa entre a qual tive que ir me embrenhando, as árvores, o Sol se pondo.

…………..

não passa maisSeguindo na mesma frequência:

O ‘Casamento Celestial’, mais uma do Astro-Rei e Astro-Rainha.

O Sol vai indo embora, a Lua sua Esposa já ali pra cumprir seu turno de Trabalho Cósmico.

pôr-do-SolLua sobre Curitiba - dia claro ainda07.05.2014 - Lua Crescente no Céu ainda claro

…………

foz-passaros (2)

Aqui e a direita: outras tomadas da colônia de pássaros (diversas espécies) que vive na foz (nov.15).

Mais cenas do Céu aqui, aqui e aqui, e abrindo essas há outras ligações embutidas. Por hora, voltemos ao Rio.

O Belém é o maior curso d’água de Curitiba, aqui me referindo ao município, sem contar região metropolitana.

A Nascente é no bairro da Cachoeira (há um parque justamente pra preservá-la), no extremo da Zona Norte.

E corta ela inteira passando pelo Parque São Lourenço (no bairro de mesmo nome) e pelo Bosque do Papa, quando adentra a Zona Central.

No Centro Cívico  ele se torna subterrâneo na Av. Cândido de Abreu, re-emerge a superfície foz-passarosno primeiro e mais central parque da cidade, o Passeio Público.

Fotos e desenhos dos dois mais centrais estão aqui.

Seguindo seu curso, o Rio volta pra baixo da terra – a Rua Mariano Torres passa sobre ele, se alguém não sabe – e na Rodo-Ferroviária volta a re-emergir.

Logo a seguir divide ao meio a Vila Capanema.

rancho de cavalos - BoqueirãoA partir da Linha Verde, o Belém passa a dividir as Zonas Leste e Sul, como já dito muitas vezes. Ou seja, só não passa pela Zona Oeste.

E tem sua Foz em outro parque, como já dito.

Veja abaixo algumas colônias de pássaros (garças e outras espécies) que habitam o Belém. Clique sobre que as fotos se ampliam, o mesmo vale pra todas.

pássaros no Riopássaros no Rio1

Saiba aqui onde vivem as garças do Caribe.

…………….

foz do belem

Outra imagem de novembro/2015.

Começa em um Parque e termina em outro.

Dos mais belos bosques floridos as mais conflagradas favelas, ele veio, viu e venceu a tudo, até que chega sua vitória derradeira, seu Nirvana.

O maior rio da capital do estado, após atravessar a cidade de ponta a ponta, passa a fazer parte do maior rio do estado, o Iguaçu.

Que por sua vez cruza todo o estado do Paraná de ponta a ponta. Sua foz é na cidade, como o nome indica, de Foz do Iguaçu.

mais um dia - Uberaba Zona Leste

Dessa foto pra baixo estou no Uberaba mas não mais na margem do rio. Veja explicação no corpo do texto.

Após cruzar todo o Paraná, o Iguaçu passa a fazer parte do Rio Paraná. O maior rio do estado se torna parte de um dos maiores rios da América.

Por sua vez, o Paraná irrigará todo o Pampa Argentino, até chegar capital dessa vizinha nação.

Quando o Rio Paraná se torna o Rio da Prata, que tem um Delta formidável, um dos maiores do planeta, no Atlântico.

E o Belém, que agora viram a foz, é parte disso. O Belém é parte do Rio da Prata.

prolongamento da Bley ZorningA Vida segue, como o Rio, a tudo vencendo, pra na vitória final fazer parte de algo infinitamente maior que ele.

………….

P.S. : Nessas últimas 4 tomadas eu já me afastei do Belém como notam. Sigo pela na Rua General Arnaldo dos Santos. Uberaba - Zona Leste

Que é o prolongamento da via que no Boqueirão se chama Bley Zorning (a “Rua das Malhas”). Como fizeram parte do mesmo passeio, as anexei aqui.

Na última tomada, vemos uma parada de ônibus com um banco. Veja a mesma cena em Santa Felicidade (Zona Oeste) e Xaxim (Zona Sul).

Uberaba - Zona Leste - Ponto Final1Cheguei ao ponto final da linha Uberaba.

Tirei mais fotos do Pôr-do-Sol no local, e a seguir embarquei no coletivo rumo ao Centro.

De dentro do busão ainda saíram mais algumas cenas. Dê uma olhada como ficou.

“Deus proverá”

Anúncios

2 comentários sobre “Expedição Urbana: até a Foz do Belém

  1. omensageiro77m disse:

    Não. O Palmital tem sua foz também no Iguaçu, porém um pouco rio acima. Ele termina na BR-277, onde há uma estação da Sanepar.
    O outro curso d’água que aparece na imagem é o Iguaçu duplicado. Foi feito um ‘canal extravasador’, pra dividir o fluxo de água em dias de chuvas fortes, e é esse o 3º rio que vemos.
    Não sou especialista no tema mas me parece ser assim. Caso alguém tenha mais informações sinta-se a vontade pra complementar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s