Neobus: o “Espírito Monobloco” está vivo

goiania

Mono na Grande Goiânia, (desenhei esse buso, confirma minha versão) anos 70. Fonte dessa e de outras imagens: sítio Ônibus Brasil.

Por Maurílio Mendes, “O Mensageiro”

Publicado em 17 de fevereiro, 2012

Eu mantive os créditos, conforme solicitado, sempre que eles estavam impressos nas fotos. Nas legendas eu passo a ligação pras fontes das tomadas.

Eu Sou busólogo. Cada busólogo tem seu ônibus preferido. O meu é o Monobloco Mercedes Benz.

Esse modelo é pros ônibus o que o 1113 é pros caminhões, o Fusca pros carros, e Kombi pras peruas.

Neobus-Curitiba

Mega na Grande Curitiba, 2011

É o desbravador. Simplesmente o Brasil só existe porque existiram esses veículos acima citados.

O Monobloco morreu em 1994, quando a Mercedes fabricou sua última carroceria na fábrica de Campinas-SP.

Quer dizer, o Monobloco original, na dimensão material, não existe mais.

Só que o Espírito Monobloco está vivo, e muito vivo.

Essa é nossa pauta de hoje.

neobus interior de são paulo

Mega no interior de SP, foto atual.

Pois a Neobus de Caxias do Sul-RS (na verdade pertence a Marcopolo, da mesma cidade) lançou o modelo “Mega”, que é incrivelmente parecido com o Monobloco.

Tanto que arrisco a dizer que é o próprio, ressuscitado em Glória. Foi-se a carne, o Espírito permanece. Ou re-encarnado.

Quem conhece os dois modelos sabe bem o que estou dizendo.

O diferencial do Monobloco era ser redondo. Bem, o Mega é redondo, por dentro e por fora.

Porto Alegre buso monob carris livre laranja verde branco

Porto Alegre-RS. Viação estatal Carris, ainda na pintura livre dos anos 70 – antes do padrão R.U. portanto. Veja outros da Carris, e um da Trevo no R.U. Outro detalhe: a placa está (um pouco) acima do para-choques.

Andando em um Mega, por vezes tenho a sensação que os bons tempos voltaram.

Se é busólogo, já entendeu o que eu disse, e se não é, nunca irá entender.

Ao longo da mensagem, vou emparelhando fotos do Monobloco Mercedes fabricado nos anos 70.

Ao lado do Mega Neobus produzido atualmente, e assim, de forma visual, sem que seja preciso explicar nada.

Ficará claro que trata-se do mesmo Espírito em duas formas de carne, ou melhor de ferro, diferentes.

Comentaremos algumas delas mais detalhadamente. Lembre-se, essas postagens anteriormente foram emeios, que têm formato distinto.

São Paulo

Mono CMTC-SP, operando nos confins da Zona Sul, região da Represa, Marsilac, 3ª Balsa, aquelas bandas. Longe pra caramba, bem depois do Grajaú, que já é bem depois de Interlagos, que já é pra frente de Santo Amaro. Por aí você calcula quanto esse bichão rodava. Foto dos anos 80.

Assim nem sempre a descrição corresponde a imagem que está mais próxima. Identifique pelas legendas, que estão sempre corretas.

Abaixo a direita: Um da mesma safra que o visto a esquerda porém na pintura anterior, adotada nos anos 70.

Mas que adentrou e vigorou na maior parte da década de 80 também.

Também na Z/S, mas bem mais próximo ao Centro, indo pro recém-inaugurado (na época, essa tomada tem 40 anos) Metrô Jabaquara, Zona Sul.

Espalhados pela mensagem:

Alguns Monoblocos redondões, fabricados nos anos 70 e rodando nessa década e na seguinte:São Paulo1

Primeiro, Empresa São José de Ribamar, a única que se recusou por décadas a aderir a padronização da pintura em Fortaleza-CE (conto melhor essa história aqui, e nessa outra matéria específica sobre o transporte no Ceará repito com fotos).

Os outros são de São Paulo.

A esquerda Viação Santa Cecília ainda na pintura livre (ou seja, pré Saia-e-Blusa), o que indica que essa foto foi feita antes de 1978.

sp anos 70Alias ela foi colorizada artificialmente. Com capelinha!!!

Em outra postagem explico o que isso significa, pra quem não é busólogo e nem conheceu o Sudeste e a cidade de Porto Alegre-RS nos anos 70 e 80.

Voltando ao tema de hoje, na garagem da CMTC um ‘Vermelhão Jânio’, copiado de Londres. Foto feita, portanto, no fim dos anos 80, quase virada pros 90.

neobus - rio de janeiro

Mega no Rio, foto atual. No mesmo corredor o ‘Cara Brincalhão’ aprontou das suas!

Esse bichão captado em primeiro plano, repito, foi feito nos anos 70.

Logo já estava em seus últimos dias quando foi retratado.

Ao fundo há outro Monobloco na mesma pintura, porém bem mais novo, estava zerado nesse dia.

Veja tróleibus nessa mesma pintura.

Clique sobre as cenas que elas aumentam, o mesmo vale pra todas.

……….

neobus santiago

Em imagem extraída do portal Chile Buses, Mega brasileiro operando em Santiago, foto atual. Os ônibus brasileiros dominam o Chile. Alguns já até viraram varal de roupas!!!

Abrindo a mensagem, viram um Monobloco original Mercedes na Grande Goiânia-GO nos anos 70. 

E, perto de 4 décadas depois, um Mega da Neobus, um “Neo-Monobloco”, na Grande Curitiba.

Agora na sequência horizontal abaixo: Mega Neobus, fotos atuais. Começamos pelo Paraná, dois Megas articulados, primeiro Curitiba.

Depois Ponta Grossa, que em sua última mudança de pintura adotou quase o mesmo padrão da capital, como está evidente.

Fiz matéria específica sobre a cidade, onde você pode conferir várias fotos de ônibus:

A pintura antiga e todas as cores da nova: verde, amarelo, laranja – esses 3 nos exatos mesmos de Ctba. – e azul, que agora existe na capital, mas em P.G. é um pouco mais claro que aqui.

fortaleza

Fortaleza – fonte: MOB Ceará.

Conexão direta Paraná-Pará: em laranja e branco, o novíssimo Sistema Expresso de Belém.

Quando estive lá em junho/13 estava em fase final de obras, já joguei no ar a postagem com essas fotos.

Agora está operando. O ponto final dele é no bairro São Braz, na Zona Central.

Onde existe um terminal (não-integrado) de onde partem vários ônibus metropolitanos. Alias é em frente e rodoviária.

neobus curitibaponta grossaneobus belem
……..

Curitiba

Zona Sul de Curitiba, adaptado pra receber a 3ª porta, de fábrica eram 2. Esse é Redentor. Veja os da Carmo (original com 2 portas), empresa que também opera na Z/S.

Detalhe que a origem da Neobus é também o estado de São Paulo, onde eram fabricadas as carrocerias Mercedes.

Existia outra fábrica de carrocerias, chamada Thamco, que ficava em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Curiosamente ela cessou a produção no mesmo ano da Mercedes, 1994 – me refiro só a carrocerias.

A Mercedes continua fabricando chassis e motores de ônibus na fábrica de Campinas até hoje.

Bem, a Thamco nunca fez chassi ou motor, só carroceria. E fechou. Aí reabriu como Neobus.

sorocaba cobrador outra postagem: "Neobus, Espírito Monobloco" ônibus anos década 80 sp interior paulista roleta catraca monob 1 banco estofado espuma dinheiro grana nota antigas mil cruzeiros barão 1000 1.000 tarifa preço passagem colada cartaz parede

Interior de um Monobloco em Sorocaba-SP,  talvez da Vima (a fonte é ‘Facebook’ Acervobus Sorocaba TCS): cobrador segura um bolo de notas de ‘Barão’, mil cruzeiros antigos, daquela safra que podia ser vista de ponta-cabeça sem alterar a imagem.

Logo a seguir, a Marcopolo comprou e a mudou pra sua cidade, no Rio Grande do Sul.

(Nota escrita em 2015. O que quer dizer o termo “Monobloco”?

[Lembremo-nos que esse é o nome popular dos ônibus que tinham carroceria Mercedes.

Pois esse fabricante os nomeava de uma forma mais técnica, com número.

Pra Mercedes, o certo é “0-362”, “0-371”, etc. Mas na boca do povo, simplesmente “Monobloco”].)

(E por quê? Ônibus são feitos em etapas distintas, em fábricas distintas.

Uma empresa produz o chassi e motor, e outra monta sobre ele a carroceria.

Peguemos o modelo mais comum do Brasil: a Mercedes faz chassi e motor no estado de São Paulo.

Brasí­lia Eixo lona Monumental 1975 tcb buso monob normalista logo azul branco frota pública azulão

Brasília, Distrito Federal, 1975. Veja Monoblocos nas demais pinturas da TCB. Extraída da página DF Memória Transportes.

A seguir eles vão ‘pelados’, sem cobertura, até as fábricas da Marcopolo no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, onde são cobertos.)

(Ou seja, ônibus são produzidos em dois blocos distintos, que depois são soldados um ao outro.

Pois, repito, uma empresa faz o chassi, outra a carroceria.

E suas unidades fabris são separadas, as vezes por vários estados da nação.

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro. CTC com capelinha. Veja uma foto clássica, tróleibus da CTC carioca.

Entretanto, a Mercedes fazia ambas, no mesmo barracão.

Assim, chassi e carroceria era produzidos juntos, num único bloco: um Mono-Bloco”.)

(Foi assim até 94, não é mais. A Mercedes deixou de produzir carrocerias pra se centrar só em motor e chassi.

O Monobloco não existe mais. Mas não dá nada. Alguém honrou e perpetuou seu legado. Agora retorno a mensagem original de 2012)

O fato é que a Neobus lançou o Mega. A semelhança é inegável, tem que ser proposital. Uma excelente homenagem ao busão pioneiro que colonizou esse país, de Norte a Sul.

são paulo anos 80

Garagem da CMTC: dois Monos vermelhões.

(Mais uma nota de 2015:

O Mega é o “herdeiro do Monobloco” porque é redondo, e quem gosta de ônibus redondo, meu caso certamente, não pode deixar de se emocionar.

Mas o Mega não é um mono-bloco.

Seu chassi e carroceria são blocos separados produzidos por empresas diferentes e depois acoplados, como todos os ônibus feitos no Brasil pós-1994.

É uma analogia carinhosa, de São Paulo2imagem, e não técnica.)

Mais ilustrações: a direita o clássico dos clássicos, em minha opinião, um Monobloco CMTC (SP) azul. O ônibus-arquétipo.

………….

A esquerda um Mega Neobus do Rio, já na pintura padronizada. Pra que percebam que os dois modelos são ‘pai e filho’

neobus rjAbaixo um Monobloco CMTC azul feito por mim.

Eu sei, a foto não é das melhores. Mas pessoalmente ele não tá tão feio quanto parece, na verdade ficou bem legal, e quem viu já comprovou.

É todos detalhado:

Fiz os bancos, portas que abrem, cordinha pra descer, catraca, adesivo informando o valor da passagem (típico de SP, tentaram implantar aqui em Curitiba mas não pegou), etc. Custou 1 Está Vivo (foto de 2015)mês de trabalho.

Espalhados pela matéria estão os Monoblocos em ação em diversas capitais brasileiras, em seu ápice, anos 70 e 80.

Então aí está, pra apreciação pública. Vamos ver no que dá. O Espírito Monobloco está vivo. Quem não sabia, agora sabe.

………….

Goiânia

Fechamos como abrimos: Goiânia, Goiás, virada dos 70 pros 80. Tempo bom . . .

Veja mais páginas sobre arqueologia busófila. Os anos 80 voltaram:

– Rodoviária de Curitiba;

– Romeu-&-Julieta, o pai do articulado;

– Circular Centro Caio Carolina na Cristo Rei;

– No Brasil Monobloco é nostalgia. No Peru não. Lá eles ainda estão na ativa.

“Deus proverá”

Anúncios

Um comentário sobre “Neobus: o “Espírito Monobloco” está vivo

  1. Shalon Melo disse:

    ???…isso eu sei amigo,

    Bom eu também sou busólogo,e a THAMCO era o quintal da minha casa,quem conheceu o Sergio Mitsouka ocupava o cargo de secretario presidente da Thamco,depois fui fazer um curso de encarroçamento em AMBATO no Equador,onde é o maior pólo encarroçador do mundo…hj eu tenho uma infinita e vasta pasta de material técnicao e até projeto de carrocerias para onibus…..

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s