Capelinha: Rio, SP, B.H., Belém e PoA; Placa no alto: estamos no Sudeste

SP - Gabriela da Bola Branca Z-S com capelinha e placa no alto

Zona Sul de São Paulo, anos 80: Gabriela da Bola Branca com capelinha e placa no alto, bem acima do pára-choques. Acima da manchete: Veneza da Matias, Rio de Janeiro, as mesmas características, típicas do Sudeste Brasileiro.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 29 de agosto de 2014, editado e ampliado no momento de subir pra rede.

Imagens puxadas da rede, exceto uma, informo na legenda. Os créditos foram mantidos. Eu só reproduzo citando a fonte.

Os direitos autorais pertencem aos autores e sítios que publicaram (colocarei as páginas que estão ativas, as que saíram do ar não há porque):

Revista Portal do Ônibus; Ônibus Brasil; Cia. de Ônibus; Chile Buses; International-315 (México); Ônibus Antigos do Rio de Janeiro; BussCarlosBus-Planet; Ônibus Antigos de Brasília.

Seguimos publicando a “Enciclopédia do Transporte Urbano Brasileiro”. E agora logo num ‘ataque em massa’, vamos soltar vários capítulos de uma vez só.

………

BH - com capelinha ainda em uso

BH, 1982, ainda com pintura livre e capelinha. A padronização Metrobel matou essas duas características.

Um dos pontos de maior interesse desse trabalho é retratar como eram os ônibus nos anos 80.

Nesse giro de nossa documentação, veremos duas características indeléveis do Sudeste Brasileiro, uma delas compartilhada com Porto Alegre-RS.

São elas:

1) Capelinha:

Trata-se daquele letreiro menor onde vai o número da linha, acima do letreiro maior com o nome da mesma.

P. Alegre - com capelinha

Porto Alegre, anos 80: única cidade brasileira fora do Sudeste em que existiu capelinha. Somente na Carris.

Incrivelmente comum em São Paulo e no Rio de Janeiro, existiu em menor proporção também em Belo Horizonte-MG e Porto Alegre.

Por “Rio” eu me refiro ao Grande Rio, pois em Niterói também houve. E também em Brasília-DF, Juiz de Fora-MG, Santos-SP e Belém.

Em Brasília eu sabia mas nunca achei fotos (nota: agora achei, vide atualização abaixo).

Já em JF, no Litoral Paulista e capital do Pará a informação me foi passada por um leitor, leia os ‘comentários’ no fim da matéria.

2) Por a placa do veículo bem mais alto que o normal:

comil motor traseiro atrás amarelinho buso stgo santiago chile branco linha pintada placa itinerário capelinha alameda céu limpo montanha serra preço tarifa vidro adesivo

Eu havia escrito: “Santiago do Chile, anos 90: (até onde eu sei) a única cidade fora do Brasil em que os ônibus tiveram capelinha”. Já retifiquei: no Uruguai e Grécia também existiu, fotos abaixo.

Não no para-choques, como é o habitual e apropriado, mas na lataria, por vezes abaixo apenas do vidro. 

Outra marca registrada do Rio e SP, o que eu já sabia, e ocorreu em menor número também em BH, o que descobri agora.

Na verdade, amigos, posicionar a chapa mais pra cima é um gosto do eixo Rio-SP que se repete também nos caminhões.

Fui em poucas oportunidades ao Rio na minha vida, mas a SP eu fui mais de uma centena de vezes.

E sempre notei esse detalhe, a que a placa é mais alta, tanto em caminhões quanto em ônibus. Por fotos vi que no Rio é igual. Aqui no Sul do Brasil isso não acontece.

……………

Atualização:

vic. carvalho

Vicente de Carvalho, Guarujá, 2015.

Fui a Baixada Santista (a Grande Santos-SP) em novembro de 2015.

No bairro Vicente de Carvalho, no Guarujá, fotografei esse Mercedão.

Não dá pra ler a placa, mas é de Cubatão, município vizinho, ali na Baixada mesmo.

Mas dá pra vermos onde ela está posicionada: o mais alto possível, já quase acima da Estrela da Mercedes.

Sudeste do Brasil, pombas!!!!

………..

sul redentor lona placa chapa alto buso ctba anos 80 expresso vermelho gabriela padrão rui barbosa pinheirinho volvo motor central meio caio

Exceção que confirma a regra: aqui em Curitiba alguns raríssimos. Veja esse mesmo ‘carro’ na extinta linha p/ ‘C. Industrial’.

Mais uma atualização:

Consultando os arquivos, constatei que, embora raríssimo, houveram alguns casos no Sul em que a placa está acima do para-choques.

Porém antes de retificar esse achado ratificou o que afirmei acima, que pôr a chapa mais alto que o habitual é coisa do Sudeste.

Senão vejamos: Publiquei uma matéria com dezenas e dezenas de busos de Curitiba, anos 70, 80 e alguns dos 90.

Desses, 3 (2 Caio Gabriela Expressos e 1 Numbus Haragano convencional) têm a placa bem alta, metropolitano lona santa terezinha teresinha livre fpolis sc catarina roda pintada caio vitória padrão alongado 1 folha vidro preto anos 90 z/c centrão prédio céu nublado entrada invertida frente adesivo dianteira embarque flecha década buso branco saia faixa verdecomo no Sudeste.

E diversos Gabrielas convencionais tem a placa um pouquinho apenas mais alta, logo acima do para-choque mas abaixo da grade.

Fiz uma análise similar em Florianópolis-SC. Novamente, muitas dezenas de imagens, dessas mesmas décadas.

1, e somente 1, tem a chapa na grade, esse visto a direita.

Ainda não fiz uma radiografia tão completa do transporte em Porto Alegre (apenas uma homenagem de meu próprio punho).

Mas consultando as fotos espalhadas pela página, vi que nenhum tem a chapa bem no alto.

Apenas uns poucos a posicionaram entre o para-choques e a grades, como os Gabis curitibocas. Verifique a esquerda.

Mais Monos da Carris você confere aqui e aqui – e agora um Venezão Romeu-&-Julieta Vicasa metropolitano.

………

real

Amélia da Real (RJ) com capelinha dupla e placa no alto. Um pouco mais pra baixo falaremos especificamente do Rio de Janeiro. Veja um micro na mesma pintura.

Tudo somado: Placa no alto é coisa do Sudeste. Existiu sim no Sul, e faço a ressalva.

Porém, veja que foi mais forte em Curitiba – cidade que é, em múltiplas dimensões, a ‘ponte’ entre Sul e Sudeste.

Quanto mais você vai indo pra parte austral da Pátria Amada, mais raras – e mais baixas – vão ficando as poucas chapas que escapam do para-choques.

Aqui eu me refiro especificamente a característica da placa no alto. Quanto a capelinha, como já dito, a Energia não seguiu essa linearidade, bem ao contrário: manifestação muito forte no Sudeste, não existiu no PR e em SC, mas no Rio Grande do Sul volta a estar presente.

…………

amarelinho motor atrás traseiro buso stgo santiago chile branco linha pintada placa itinerário céu limpo nuvens volvo torino marcopolo anúncio propag tarifa preço adesivo chapa alto padrão alongado

Não para por aí. Outro ‘Amarelinho’ da capital chilena com a placa lá no alto, quase dentro do pára-brisas.

Aproveitando o embalo, falaremos de 4 características peculiares ao Grande Rio no século 20:

1) Colocar o nome da viação dentro de uma bola.

Existiu do começo do século 20 até os anos 80.

Vejam o primeiro 2-andares brasileiro, que já mostrei melhor nessa outra postagem sobre ‘transgenia busófila’.

Década de 20 do século 20 (90 anos atrás portanto, no momento que levanto essa mensagem pro ar):Rio de Janeiro rj 1928 chope-duplo buso p-b 2-andares tribus velho antigo

República Velha (“do Café-com-Leite”), Rio capital.

E pensava-se que ainda seria por séculos, nem se sonhava em construir Brasília.

rj - mar de capelinhas

Rio, virada pros anos 80: mar de capelinhas!!

O Rio de Janeiro era definitivamente o centro não apenas político como econômico e cultural do Brasil.

Que por isso contava com o que de mais moderno havia em inovações tecnológicas da época.

No transporte não era diferente.

Acima a direita aquele que foi apelidado ‘Chope-Duplo’: o nome da viação já vinha numa bola.

rj-madureira

Por quase todo o século 20 as viações cariocas assinaram sua frota dentro de uma bola (entre o nº e a propaganda do finado Banco Nacional).

Como dito, essa peculiaridade se manteve por todo século vinte.

Dando tempo de eu presenciar pessoalmente numa viagem que fiz ao Rio em 1985.

Nos anos 90 esse costume foi esquecido.

Por poucos anos várias viações assinaram sua frota dentro de um retângulo.

Até que depois da virada do milênio abandonou-se qualquer restrição geométrica pra escrever o nome da empresa.

rj-2004

Depois adotou-se o retângulo (Rio, 2004).

2) Escrever a linha da maneira que vemos na foto logo abaixo, a direita: em duas camadas no letreiro.

Mas não duas camadas sobrepostas regiamente, de mesmo tamanho.

Não. A de cima era maior, a debaixo surgia como num arco sob esta. Ocorreu creio dos anos 50 ou 60 até os fim dos 80.rj letreiro

Olhando pra foto ao lado (clique pra ampliar) é mais fácil entender. “Vidigal-Mourisco” vem por cima.

Surgindo por baixo, e espremendo as palavras de cima pra achar um espacinho, vem a informação que a linha é ‘Circular”.

letreiroPassemos pra esse outro exemplo a esquerda. Caio Amélia com capelinha dupla.

A empresa, Viação Campo Grande, está grafada dentro de um círculo.

Agora nos fixemos na linha. “Bangu-S. Francisco”, lemos por cima. Espremido embaixo, formando um arco sob o corpo principal do texto, lemos que é “Via RJ - Amelia com capelinha so no Rio - e a placa no altoV. Militar”.

Capelinha dupla só teve no Rio. Placa mais alta. Linha em duas camadas, com a debaixo num pequeno arco. Viação numa bola.

Busão Carioquíssimo, Carioca da Gema, mais Rio de Janeiro impossível.

rj emblema redondo1

Não consegui achar uma foto com aproximação boa do nome da viação dentro do círculo, então puxei esses dois desenhos (créditos mantidos).

Alguns desses traços existiram também em outras cidades, mas muito pouco, na verdade são mesmo sinais indeléveis do Rio.

……..

E, entre os anos 70 e 90 houve esse modelo de pintura que várias viações adotaram:

A parte de cima (‘blusa’) é branca. Da frente até a metade do veículo na lateral há uma ‘saia’, ou seja uma faixa horizontal, de uma cor.

rj emblema redondoNo entre-rodas pouco antes do eixo traseiro disparam a partir de baixo 3 faixas coloridas paralelas em diagonal.

E fechando sobre a roda mais uma faixa diagonal da mesma cor da ‘saia’, assim a rabeira do buso é branca.

Vide as imagens, é mais fácil visualizar que imaginar. rj-braso

Era pintura livre, ou seja, cada viação decorava sua frota como bem entendia.

Mas várias delas, voluntariamente, adotaram esse mesmo desenho, só mudando as cores.

rj-pegasoA direita: Braso-Lisboa; a esquerda Expresso Pégaso. Na sequência horizontal abaixo:

1 e 2) Tijuca/Tijuquinha, é a mesma viação, apenas ela trocou o marrom pelo azul e passou pro diminutivo;

3) Viação Choupal; 4) Alpha; 5) Braso-Lisboa; 6) Oeste; 7 e 8) Viação Acari; 9) Pégaso.

rj-tijuquinhaRJ - com capelinha e placa no alto1[1]praca-da-bandeira-rj1976rj-alfarj braso-lisboarj-oesterj-acarirj-acari1RJ - Viacao Pegaso com capelinha e placa no alto

Vemos imagens desde os anos 80 (nome dentro da bola, capelinha, placa no alto), 90 (nome dentro do retângulo) fim dos 90 e começo dos 2000 (nome da viação bem grande, sem restrições geométricas, película negra ao redor dos vidros como nos modelos de viagem).

rj-matiasMas com algo sempre em comum: 7 empresas diferentes com o exato mesmo desenho.

E era pintura livre, cada empresário fazia o que queria com a decoração de sua frota.

Se alguém quisesse poderia até cobrir seus ônibus de flores. E foi exatamente isso que a Matias fez uma época.

Veja a esquerda, e também na 3ª foto da sequência acima, atrás do da Choupal, os Monos da Matias todo primaveris:

A viação só pode ser do mesmo grupo da Flores que opera na Baixada, porque a pintura é idêntica.

Fiz esse adendo dos busões floridos da Matias porque é curioso. Voltemos a falar da sequência acima:

Em época de pintura livre, 7 viações voluntariamente adotam a mesma pintura, variando apenas a cor.

Uma espécie de padronização informal.

rj-ctc-metro

Rio, anos 80: saudosa CTC com pintura especial só pra linhas integradas ao metrô. A viação estatal foi privatizada. Mas os busos cariocas ainda têm pintura exclusiva pra linhas integradas ao metrô (e mais recentemente trem de subúrbio). Clique pra ampliar e constatar que a linha é escrita em 2 camadas.

Que portanto caracteriza mais um traço típico carioca. E por fim, desde os anos 80 e até hoje: 

Há pinturas especiais pras linhas integradas ao metrô e mais recentemente também trem.

Na década de 80 Belo Horizonte adotou o mesmo, mas não mais. Agora é mais uma peculiaridade da busologia carioca.

………

Falamos aqui do passado.

A padronização dos ônibus do RJ em particular, que é parte importantíssima da modernização geral do transporte público na cidade, será melhor detalhada incluso com mapas em outra mensagem que breve subo pra rede.

integrado metrô integração buso pintura especial específica própria bh linha adesivada vidro pintada lataria lateral branco faixas azuis urbanus busscar prédio céu azul nuvens vitória metrobel fundo lona

BH nos anos 80 também teve pintura exclusiva pra integração com metrô. Agora não existe mais.

Digo, aqui em tom bem-humorado – como convém sempre que falamos do Rio – eu já dei uma pincelada no sistema de expressos por canaletas exclusivas do sistema Trans-Carioca.

Mas logo virá uma mensagem em que me aprofundo no tema, dessa vez sem brincadeiras. 

………….

Comentemos rapidamente os detalhes de algumas fotos (clique sobre que elas se ampliam), que são auto-explicativas.

rj-metro4

Mato a cobra e mostro o pau: no Rio ainda há pintura especial pra integração com metrô. Você só paga uma tarifa e usa os dois modais.

Nem sempre a imagem corresponde ao texto que está mais perto, você sabe.

Anteriormente essas postagens foram emeios, que têm logística bem diferente. Busque pelas legendas, que estão corretas.

Vemos no decorrer da matéria:

Gabriela da Bola Branca na Zona Sul de SP. Com capelinha, e veja, a placa deveria ir no meio do para-choques, abaixo da estrela da Mercedes.

Mas está ao lado dela, bem mais alta que o normal. Não resta qualquer dúvida que essa foto foi captada no Sudeste Brasileiro.

rj-trem

Subúrbio carioca: pintura das linhas integradas ao trem.

Zona Sul do Rio. Repete-se ‘ipsis leteris’ o que descrevi acima. O modelo é um Ciferal.

Note outra marca registrada do Rio, a viação escrita dentro de uma bola, logo atrás do número.

Um dia faço emeio específico só pra falar disso”, eu escrevi na mensagem original de 2014.

Mas ao subir pra rede, um ano e pouco depois, eu iz a ampliação e já falei disso como leram acima.

Belo Horizonte. A placa igualmente está mais alta, e ainda há capelinha.

SP - Gabriela da São Luiz Z-S com capelinha e placa no alto

Gabriela da S. Luiz na Bandeira (SP)

Entretanto, já desativada.

Com a implantação do modelo ‘Metrobel’ (já tema de mensagem específica) passou a ser obrigatória a afixação bem grande do número da linha em um adesivo no para-brisas.

Aí a capelinha se torna supérflua, ou se preferir o vidro se torna a capelinha.

P. Alegre - com capelinha1

Anos 80: 2 Carris no Terminal do Mercado, Centrão de Porto Alegre. Mono 2 com capelinha, Nimbus TR sem.

Ainda assim, essa foto comprova que um dia houve capelinha em BH, o que nunca aconteceu em nenhuma cidade do Paraná, Santa Catarina, Espírito Santo, Norte, Nordeste e Centro-Oeste, pelo menos até onde eu sei.

Porto Alegre. Um Mono 2 da Carris (viação estatal municipal que ainda existe) com capelinha.

Essa manifestação fora do Sudeste é raríssima, e por isso muito específica.

Só se materializou na exata combinação acima:

buso bh 1982 lona donald hudson pintura livre carroceria metropolitana linha adesivada vidro pintada lataria transição metrobel vermelho cinza branco faixa merced capelinha desativada letreiro cores invertidas

B.H., 1982: capelinha ainda presente mas já desativada. Início do sistema Metrobel. O veículo ainda não foi pintado de uma só cor, breve será. Mas a linha já está adesivada no vidro de forma bem grande, tornando a capelinha supérflua.

Não conheço nenhuma cidade fora do Sudeste que tenha tido exceto a capital gaúcha.

E lá, só na Carris, as particulares não.

E dentro da Carris, só nos Monoblocos, os de outro modelo de carroceria também não.

Vendo por essa ótica, não te é difícil apreciar a beleza dessa tomada, por sua raridade.

Uma joia preciosa da busologia brasileira, nada menos.

……..

Chile: “Amarelinhos” de Santiago com capelinha e, se tudo fosse pouco, com a placa no alto.

transantiago trânsito bandeira buso stgo chilena verde faixa branca troncal caio alfa linha pintada placa alto chapa sujo farol aceso caminhão ford cara-chata branco

Início do Transantiago na capital do Chile: mas o buso é brasileiro, feito pela Caio em Botucatu-SP. Talvez já tenha saído do estado de SP emplacado, porque segue o modelo paulista e carioca de pôr a chapa bem acima do para-choques.

Pra um busólogo brasileiro, ir a esse país trans-andino é um grande barato.

Vários aspectos encontrados nos ônibus do Brasil se refletem no Chile.

Pra conversa começar, 100% dos ônibus de Santiago são brasileiros.

100%, não tem um que não seja – me refiro aos de tamanho normal e articulados.

Entre os micros há muitos brasucas igualmente mas os de fabricação local ainda se fazem presentes.

Bom, estudar a arquitetura da periferia das cidades chilenas também é estupefaciente.

rj-ate no caminhao

Na verdade pôr a placa mais pro alto, na grade de ventilação do motor, é uma característica do Rio e SP que se repete também nos caminhões. Esse 11-13 estava anunciado num sítio de negócios do Rio de Janeiro. E pela placa que começa com ‘K’ você vê que é mesmo de lá. Mas nem precisa da letra. Onde a chapa foi posicionada? No para-choques, em seu lugar apropriado? Claro que não. E sim ao lado da estrela. Afinal é um caminhão carioca.

……..

De volta a busologia, e a Pátria Amada:

Em Florianópolis-SC não houve capelinha acima do teto.

Mas no fim dos anos 70 os busões da capital catarina tiveram uma ‘capelinha invertida’, dentro do pára-brisas.

Dois Gabis paulistanos com capelinha

Um da São Luiz parado na Praça da Bandeira esperando pra partir pro bairro que o nomeia, na Zona Sul.

E um da Bandeirante/Santa Cecília na Zona Oeste.

Há o nome de duas empresas porque logo depois da implantação da padronização de 78, as empresas formaram consórcios, e no começo dividiram as linhas e pinturas.

sp-ate no caminhao

Esse é de SP, placa ‘C’. Muda o estado e a inicial, o resto continua tudo igual: 11-13 azul, com a chapa parafusada na grade, ao lado do emblema mercedino. Bem-vindo ao Sudeste Brasileiro.

Depois houve um reassentamento e cada uma ficou com sua própria pintura e tabela de linhas.

Mas no começo dos anos 80 eram comuns veículos com nome de duas viações, como é o caso aqui.

Amélia com capelinha? Rio de Janeiro, óbvio.

Só existiu lá, e em nenhuma outra parte. Explico.

Até os anos 70, o letreiro onde vinha a linha era estreito, isso universalmente em todos os modelos de carroceria, de todos os fabricantes.

Por isso criou-se a capelinha, pra poder ressaltar o número acima do ônibus, abrindo mais espaço pro nome da linha no pequeno letreiro disponível.

(prov) porto de santos

Foto tirada (provavelmente) no Porto de Santos. O azulão, ‘Bicudo‘ (motor saltado) da direita, muito velho, tem a placa no alto. Já o Fiat ‘Cara-Chata’ (motor recolhido) me lembrou uma carreta parecida que trabalha no Porto de Valparaíso, Chile.

No fim do regime militar, como já falamos uma miríade de vezes, houve grande avanço no transporte brasileiro.

Pôs-se em ação o “Projeto Padrão”, que aumentou em muito a qualidade dos ônibus fabricados em nosso país.

Assim, nos modelos produzidos a partir dos anos 80, o letreiro foi alargado consideravelmente.

Contendo nessa configuração ampliada uma capelinha natural a esquerda, junto dele, dispensando a capelinha acima da lataria.

Como no Rio o número da linha tem mais importância que o nome da mesma, quiseram reforçar mesmo, e por um tempo houve essa capelinha dupla.

Niteroi, Grande Rio - Mono1 da Miramar em linha municipal

Miramar municipais de Niterói.

Em que então o número vinha repetido, como observam.

Mais uma vez, veja o nome da viação dentro de uma bola, traço marcante do Rio do começo do século 20 até os anos 90 do mesmo.

Dois Ciferal com capelinha e placa no alto do Rio de Janeiro.

7 blusa placa lona recolhe alta buso sp saia laranja z/o transição municip branco marrom faixa vermelha verde castro garag caio amélia

SP, início dos anos 90, época de transição: 2 Amélias na garagem da Castro. A esquerda na pintura ‘Saia-&-Blusa’ (1978-92). A direita já no esquema ‘Municipalizado‘ (1992-2003). Em ambos a chapa está logo abaixo do vidro.

O primeiro vai do Centro até o bairro do Caju, na Zona Portuária, entre as Zonas Central e Norte.

O segundo é da Pégaso, que serve a Zona Oeste.

Nos dois casos, de novo, o nome da empresa está numa bola na lataria.

Gabriela da Zona Sul paulistana da Jurema ainda na pintura livre, com capelinha e placa no alto.

Clicado antes da padronização “saia-e-blusa” de 78.

Por isso a linha – na capelinha – só tem 3 dígitos.

Rio Pequeno, Z/O de S.P., 1979. Voltando quase uma década e meia no tempo, vemos agora a transição anterior: atrás alguns – com capelinha – ainda na pintura livre. A frente um Mono 1 da Castro (em ‘consórcio’ com Santa Madalena) já de ‘saia’ laranja e ‘blusa’ marrom.

Após a mudança passou a ser 4 dígitos ou 3 dígitos e uma letra.

Em outra imagem, veja como ficou a Jurema pós-padronização, vestida já de “saia-e-blusa”.

Outro Gabriela clicado na Zona Sul, mas dessa vez no Rio. Com capelinha e placa no alto.

Inteiro vermelho? Evidente que só pode pertencer então a Viação Vila Izabel, e portanto liga a Zona Norte a Zona Sul.

Onde está escrito “Vila Izabel”? Dentro de uma bola. Estamos no Rio, afinal, nêgo.

Note que o veículo não tem aquelas aberturas no teto que melhoram a circulação de ar.

É a primeira vez que vejo um ônibus nessa configuração, e justo no Rio, que é quente pra chuchu.

sp

SP: as viações Taboão e S. João Clímaco imitavam o costume carioca de assinar a frota dentro de uma bola.

Mais busões cariocas (Viação Amigos Unidos, Viação Verdun, entre outras), todos eles com capelinha e placa no alto.

Note que o espaço correto da placa, em que há um encaixe certinho pra ela, está vazio, preferiram parafusar acima.

Em todos eles, a denominação da empresa vem dentro de uma bola. Era o corrente no Rio, nos anos 80.

Belo Horizonte. Capelinha ainda em uso. Mas já adesivado no vidro, igualmente.

Niterói trol velho lona capela buso p-b ingá anos 50

Raridade: tróleibus de Niterói.

De novo BH. Placa bem no alto.

Sem capelinha, com o número da linha pintado na lataria, quase como se fosse uma capelinha.

Pois esse veículo tem a configuração de viagem, rebaixado a frente acima, e o letreiro pequeno dentro do para-brisas, o que foi típico de B.H..

Após a padronização ‘Metrobel’, pintaram a linha também na lateral do veículo. Obrigando que ele fique fixo nela, outro traço indelével de B.H. .

lona cidade manaus buso amazonas livre vidro preto branco faixa verde costa norte número linha letreiro principal maior caio alfa placa chapa alto vidro quase para-brisas

Rodou em Manaus mas foi emplacado em São Paulo, daí a placa quase no vidro.

Note o Amélia de trás, antes do Metrobel a linha pra Lagoinha era a 123. Depois passou a ser a 2227, adesivada enorme no vidro.

Tróleibus de Niterói. Foto raríssima. Com capelinha.

Retificação: acima vemos um Alfa em Manaus que foi emplacado em SP. Por isso eu pensei que viera usado do Sudeste, e a princípio escrevi isso. Mas não foi assim que se deu. Um colega com mais conhecimento do fato retificou:

Este carro jamais foi ex São Paulo, a empresa o emplacou com tarjeta de SP por ser esta uma das Empresas do Grupo Baltazar, mas todos chegaram 0Km em ManausPorto Alegre anos 80 padronizacao EBTU

Leia o comentário completo dele na seção de comentários, abaixo. Agradeço a retificação, amigo, está corrigido.

O número tem o prefixo em cor diferente (‘Costa Norte’ Brasileira).

A placa logo abaixo do vidro começa com ‘B’, denunciando duplamente o local do primeiro licenciamento. Um busão que circulou no Norte mas foi comprado no Sudeste, portanto mescla traços de ambas as regiões.

buso rj romeu lona san remo marcop cinza branco capelinha anúncio propag

RJ: Romeu-&-Julieta.

A direita vemos a Porto Alegre dos anos 80, com os veículos na padronização EBTU (ou CBTU) do fim do regime militar.

Brancos com uma faixa colorida que indicava pra qual região da cidade ele ia.

A Carris é estatal, e por isso tinha linhas pra toda cidade. O Mono que puxa a fila com capelinha, o Incasel (precursora da Comil) sem.

rj-papa

Papa-Filas no Rio.

Assim, seu bege não é indicativo da região, ao contrário das cores ostentadas pelas viações particulares.

No caso aqui, vermelho vem da Zona Norte.

Há mais pra baixo outra foto que é a mesma ampliada, dessa vez pegando só o Mono de capela.

anos 90 placa lona alta vidro preto Araraquara trol buso velho branco cta

Tróleibus em Araraquara, anos 90.

Dois Carris no Centrão de PoA:

Um Mono 2 com capelinha e de contorno preto ao redor dos vidros, e um Nimbus TR sem capelinha, de branco ao lado dos vidros.

Romeu-&-Julieta carioca. Com capelinha e viação dentro da bola.

Esse modelo, o ‘pai do articulado’, foi comum também em Porto Alegre, nesse caso sem capelinha.

mexico

Agora, em termos de pôr a placa o mais alto possível ninguém ganha do México. Em vários busos a chapa é quase no teto, duvido que alguém leia sem binóculo. Veja mais exemplos, em Acapulco e na capital.

Agora um ‘Papa-Filas’ carioca. Igualmente tem capelinha e o nome da empresa dentro do cículo.

Veja outra imagem dessa curioso modelo – uma carreta em que a carroceria é um ônibus – também em ação no Rio.

Nessa mesma postagem você também poderá conferir que eles também circularam (em todos os casos sem capelinha) em:

Brasília-DF e São Paulo na mesma época do Rio, anos 50 e 60; em Manaus e Los Angeles-EUA mais recentemente (décadas de 80 e 90); e existem até hoje em Balneário Camboriú-SC e Havana-Cuba.

……….

SP - articulado Bola Branca Z-S com placa no alto

SP – articulado da Bola Branca

De volta ao tema de hoje. Há pela matéria fotos de vários Monoblocos 1 do Grande Rio com capelinha:

Dois “Azulões” da CTC, o primeiro municipal do Rio, o segundo municipal de Niterói.

Depois vemos mais dois municipais de Niterói, mas esses particulares, da Viação Miramar.

Falemos primeiro dos “Azulões”- Frota Pública da CTC (Cia. de Transporte Coletivo).RJ - Mono1 'Azulao' da CTC em linha municipal

Um pouco mais pra baixo, após a foto dos bichões celestes, o anúncio de quando uma leva foi entregue a viação estatal. E depois a garagem.

……….

Note a diferença de numeração, o municipal do Rio Niteroi, Grande Rio - Mono1 'Azulao' da CTC em linha municipal(direita) é simplesmente 100.746, enquanto o de Niterói é RJ-118.038.

Esses últimos, com prefixo ‘RJ’, além das linhas municipais de Niterói, operavam as inter-municipais entre ambos esses municípios.

Na tomada a esquerda no Centro de Niterói, em linha municipal.  azulao

Mas ele podia ser deslocado pra cruzar a Rio-Niterói, que então a maior ponte do mundo, novinha em folha.

Vemos também abaixo um Mono ‘Jurássico‘ (por isso me refiro aos que foram fabricados até o começo dos anos 60 e portanto eu não vi ao vivo):

A CTC-RJ também participou do costume carioquíssimo de assinar sua frota dentro de uma roda.

rj-ctcA capelinha está sempre ali, óbvio.

…….

Agora os particulares, da Miramar, vistos bem mais pro alto da página. O da frente vermelho, na pintura pra época nova.

O de trás, branco com faixa azul, na pintura da empresa que estava sendo aposentada.

SP - Viacao S. Cecilia Z-O com capelinha e placa no alto

Consórcio Bandeirante/S. Cecília, SP.

Mais um municipal de Niterói com capelinha, agora um Caio da Viação Ingá.

Na imagem esse detalhe não aparece com clareza, mas o “Viação Ingá” está escrito dentro de uma bola.

Como é o padrão também no município do Rio, como já vimos e é notório.

Mais dois Caio, agora CTC, municipal do Rio, com capelinha.

Essa pintura era exclusiva pras linhas de ônibus que integravam com o metrô.

sp buso lona monob 70 capelinha ramos santa cecília livre amarelo vermelho mercedes

Mono da S. Cecília (SP) na pintura livre

A CTC foi privatizada, mas no Rio ainda existem essas linhas integradas ao metrô e trem com pintura personalizada, diferente do resto da frota.

Na foto abaixo a direita outro detalhe digno de nota são os táxis a direita, dois Fucas e uma Variante.

Nessa época aqui em Curitiba a maioria dos táxis era Fusca. Em Acapulco, no México, é até hoje.

Nos anos 80, a pintura dos táxis no Rio já era padronizada, como era em Curitiba e RJ - CTC Integracao-Metro com capelinhaPorto Alegre, entre outras.

Mas em São Paulo, ainda não. Foi o Maluf quem padronizou de branco, já nos anos 90. 

Curioso, não? O Rio demorou tanto a padronizar os ônibus, só o fez agora no começo da década de 10, mas padronizou logo os táxis.

rj-metroSP padronizou logo os ônibus, mas demorou nos táxis. Curitiba padronizou tudo ainda nos anos 70.

Voltando aos ônibus, a esquerda um integrado com o metrô no Rio, em pintura já do século 21.

Tróleibus muito antigo ainda circulava em Araraquara nos anos 90:

Niteroi, Grande Rio - Viação Inga em linha municipal

Caio Bela Vista da Viação Ingá, Niterói.

Por muitas décadas os tróleibus do estado de SP não tiveram chapas.

Essa era a realidade na Capital, e em Santos, Rio Claro e Ribeirão Preto.

Só foram emplacados depois da segunda metade da década de 90 na Grande SP, em Santos uma década antes.

Em Araraquara há uma foto de um tróleibus sem placa. Mas em várias outras os bichões estão emplacados.

taboao

Vitória da Taboão (SP): mesmo dono da S. J. Clímaco, e portanto mesma pintura, e também, como no Rio, sigla da viação numa bola.

É o caso dos que foram retratados nessa matéria, em deles a esquerda e outro mais pra cima na página.

E onde está a chapa?? Hein, hein, dou um doce pra quem adivinhar:

Logo abaixo do vidro, e onde mais seria, se é paulista?

Amélia da Jurema, Z/S de SP, abaixo a direita.

Com a placa lá no alto. Um pouco mais alta e estaria dentro do para-brisas, né não?

buso rj ctc monob azul capela

CTC-RJ e seus ‘Azulões’.

No México é comum os ônibus em que a placa vai acima do vidro, quase no teto.

É até difícil de ler, como é nos caminhões de lixo no Brasil.

No Sudeste Brasileiro não se chegou nesse extremo nos ônibus, mas olha, não faltou muito.

Esse bichão aí da foto ao lado é um alimentador:SP - Amelia da Jurema Z-S com placa no alto

Vai de uma vila distante da região do Jardim Ângela, no extremo da Zona Sul, pro Terminal Santo Amaro.

Via Nações Unidas (mais conhecida como “Marginal Pinheiros”).

livre lona penha sem placa são migual z/l sp buso caio bela vista bege amarelo prata faixa vermelha preta capelinhaEsquerda: Caio Bela Vista da Viação Penha-São Miguel ainda na pintura livre, ou seja antes de 1978.

Não um Bela Vista qualquer, mas o primeiro que saiu da linha de produção. Explico:

Hoje a fábrica da Caio é em Botucatu, interior de SP, como disse acima e é notório.

BH - com placa no alto

BH, ainda pintura livre, placa no alto.

Mas por décadas ela foi na Penha, Zona Leste da capital.

Pois bem. A Penha-São Miguel é a viação que atende a região, como o nome indica.

Por isso a Penha-São Miguel tinha o privilégio de comprar sempre o primeiro exemplar de cada modelo novo que a Caio lançava:

rj-barraO 1º Bela Vista era da Penha-S. Miguel, o 1º Gabriela 1 também, o 1º Gabriela 2 idem. Tradição que se manteve por muito tempo.

……..

niteroi-capelinha e placa no alto

Niterói – capelinha e placa no alto.

Esquerda: Rio, anos 90, carroceria da finada Thamco.

A Viação Barra vem dentro de um retângulo, a placa continua sendo afixada fora do para-choques.

Articulado particular da Bola Branca, Z/S, com a placa no alto.

Nos anos 80, só 2 empresas tinham articulados no município de SP. A estatal CMTC, que detinha 95% deles, e a Bola Branca.

Porto Alegre-RS com capelinha

Em escala maior, Carris de PoA.

Eram raríssimos os ‘sanfonados’ privados, e todos dessa mesma viação, como disse.

Só de dois modelos, esses Condor que vê um exemplar, e haviam alguns Amélias também.

…………

Vários ônibus de SP com a placa no alto e/ou capelinha

A direita um Ciferal CMTC muito antigo, deve ser final dos 60 ou comecinho dos 70. Um “arqueônibus”, outro dinossauro que só vi em fotos. Com capelinha. SP - muito antigo da CMTC com capelinha

Agora a sequência horizontal abaixo. Nessa leva todos Caio Gabriela de viações particulares ainda na pintura livre pré-78, e todas da Zona Sul:

1) Gatusa; 2) Mar Paulista  (essa foto era originalmente preto-e-branca e foi colorizada artificialmente pra você saber como era a pintura da empresa);

3) Jurema (as cores desse veículo eram amarela e verde-escuro); e 4) Viação Bristol.

SP - Gabriela da Gatusa ainda na pintura livreSP Mar Paulista Z-S ainda pintura livre e placa no altoSP Jurema pintura livre com capelinha e placa no altoSP - Viacao Bristol ainda pintura livre

…….

SP - Mono 'Jurassico' da Leste-Oeste ainda na pintura livre, com capelinhaEsquerda: Monobloco “Jurássico” da Viação Leste-Oeste, ainda na pintura livre.

Alias, essa foi uma das muitas empresas que faliram na re-estruturação de 78.

A São José, que também está retratada no decorrer da mensagem, ficou no seu lugar.

Direita: agora um Monobloco 1 da Alto do Pari, essa viação sobreviveu a mudança pro Saia-&-Blusa, mais abaixo na matéria uma tomada dela nessa padrão.SP - Mono 1 da A. Pari pintura livre com capelinha

Voltando a época da pintura livre, vê que o desenho da Alto do Pari e Leste-Oeste era bem parecido. Imagens colorizadas digitalmente.

Por ‘Monobloco Jurássico’ quero dizer que foi fabricado dos anos 50 pra baixo, no máximo comecinho dos 60. 

RJ - Viacao Vila Izabel com capelinha e placa no alto

Gabriela da Vila Izabel (RJ).

Porque eu numerei os Monoblocos cronologicamente, mas apenas aqueles que eu cheguei a ver ao vivo.

Assim, o que eu chamo de “Monobloco 1” foi produzido entre o final dos anos 60 e começo dos 70, e portanto circulou até o começo dos anos 80.

É aquele bem redondo com dois faróis de cada lado.

O “Mono 2” ficou na linha de produção entre os anos 70 e 80, um farol de cada lado.

RJ-capelinha e placa no alto2

Veneza da Matias (RJ); esse não é florido.

E o “Mono 3” do fim dos 80 até o meio dos 90, dois faróis quadradinhos, e raspando o tacho uma última série com um farol redondo em cada lateral.

Assim, repetindo, o “marco zero” dessa contagem depende de eu ter visto os bichões na rua, rodando ao vivo.

Esse aqui eu não vi, por isso é um “Jurássico”, que só conheço por estudos arqueológicos, ou “arqueo-busófilos”, como um sítio define.

Já fiz várias matérias sobre os Monos, confira aqui, aqui, aqui e aqui.

5 blusa lona placa alta buso sp saia azul clara zona sul z/s mar paulista canaã consórcio caio gabriela cara preta máscara negra antiga rodoviária luz

Gabriela ‘Cara-Preta’ do Consórcio Mar Paulista/Canaã, Zona Sul de São Paulo.

……….

Vemos ainda espalhados pela página um Thamco da Penha-São Miguel (Z/ Leste), e muitos Caio Gabriela:

A direita logo abaixo um Gabi beeeem judiado da Viação Zona Sul.

Essa empresa foi a sucessora da Mar Paulista (ao lado) que faliu, depois a Zona Sul também faliu. SP Viacao Zona Sul, placa no alto

E veio uma empresa da Zona Leste chamada Trans-Leste no lugar,  ela manteve o nome “Trans-Leste” mesmo servindo a Z/S;

E por fim, a esquerda indo pra Zona Oeste (saia laranja), um da Santa Cecília.

SP - Santa Cecilia Z-O com placa no altoNote que o veículo está em movimento, mas com as portas abertas.

Um cara se pendura pelo ferro porque não há espaço no interior do mesmo pra ele subir.

Esse era o padrão em São Paulo e diversas outras metrópoles brasileiras como Rio, Goiânia-GO, Porto Alegre e Salvador-BA nos anos 80.

rj buso azulão ctc lona monob anos 80 donald hudson 1982 capelinha cosme velho propag anúncio

1982: Azulão CTC-RJ na ativa!

Um parente meu que morava em SP nessa época, um dia andava pendurado pra fora do ônibus e caiu, com o veículo em movimento.

Ele chegou a se machucar, felizmente sem gravidade.

Em Curitiba, justiça seja feita, isso nunca aconteceu.

Aqui sempre foi proibido andar com gente pra fora do veículo, e essa determinação foi respeitada.

Hoje nas outras cidades também é, mas na época não era e esse registro comprova.

SP - Gabriela da São José Z-L com capelinha

Viação São José (SP – Z/L).

………….

Na sequência horizontal abaixo, mais alguns ônibus cariocas com capelinha e placa mais alta.

Não sei a viação deles.

Se você quiser pode consultar pela numeração nessa página:

Cia. de Ônibus. É especializada na busologia carioca.

RJ - Viacao Verdun com capelinha e placa no alto

São Remo e Gabriela da Verdun (RJ).

Faça assim: clique sobre cada foto que ela aumenta.

Aí você confere na lista ligada acima a qual empresa cada veículo pertence.

Detalhe:

A direita você vê um Condor da Viação Paratodos, da Zona Sul de São Paulo. SP- Condor da Paratodos Z-S com capelinha

Abrindo a sequência abaixo, vemos um ônibus do mesmo modelo operando no Rio.

E depois diversos bichões cariocas, um Caio Amélia e os demais Condor/Ciferal, que dominava o mercado carioca a época.

rjrj-redentorRJ-capelinha e placa no alto1RJ-capelinha dupla e placa no alto3RJ-capelinha e placa no altoRJ - com capelinha e placa no alto1RJ - com capelinha e placa no altoRJ - Viacao Amigos Unidos com capelinha e placa no alto

Atualização de junho de 2016: Como dito acima, um colega da busologia apontou que os ônibus em Belém também tiveram capelinha. Seguem as imagens:

  belem2belembelem1

belem Nas 2 primeiras a definição é bem ruim, por tratar-se de material antigo escaneado de jornal em P&B.

Mas dá pra notar claramente a capelinha. Agradecimentos ao amigo que enviou.

Tem mais. Nosso colega busólogo Leonardo Vieira (visite o sítio dele, tem fotos de todo Brasil e países vizinhos do Cone Sul) minerou a internet.santos

E mandou um Romeu & Julieta de Belém com capelinha. Esse é uma raridade total.

Vai entrar também nessa outra postagem que mostra os “Romeu-&-Julietas” pelo Brasil e Suíça.

A direita (extraído do sítio LitoralBus) um CSTC santista com capelinha.

Desativada, entretanto. O veículo veio usado do Rio.

………….

“PRESENTE DE GREGO”: capelinha no velho mundo!!!

grecia2Aproveitando que estamos com a mão na massa, farei uma nova atualização: a Grécia também teve capelinha.

Como prometido, busquei as fotos na rede mundial de computadores.

Clicadas na capital Atenas, meio dos anos 80. detalhe-grecia

Repare como a frota era velha, não só de ônibus como também os carros ao redor.

Pro que nos importa aqui que é a busologia, taí.

greciagrecia3grecia1

atenas grecia4 “Azulões” de Atenas com capelinha.

Num deles, o visto acima da sequência horizontal, é como no Brasil, o número da linha.

No que abre a sequência há o nome por extenso do roteiro, e nos outros 2 está desativada.

A fonte é o sítio Buses Worldwide.

salto-uruguai Já fiz a versão com minhas próprias mãos desses busões.

‘Marília’ entrando pela porta, e ‘Maurílio’ fotografando.

NOVA ATUALIZAÇÃO: NO URUGUAI TAMBÉM TEVE CAPELINHAsalto-uruguai1

É isso mesmo.

Essas fotos vieram do Clube do Ônibus Monteiro.

Frota estatal da prefeitura de Salto, Uruguai.

Diversos Nimbus TR sendo apresentados.

Mais curtos, com o eixo dianteiro a frente da roda. E… com capelinha.

Então Uruguai e Grécia tiveram capelinha, dos anos 60 aos 80 (pelo menos).

ATUALIZAÇÃO DE JUNHO DE 17:

Surfando na internet, descobri veículos mais antigos igualmente com esse acessório.

Em azul, acima, Holanda, 1969.

capelinha-maringaNa tomada em preto-&-branco, Egito, também década de 60.

Provamos que esses dois países tinham também o número da linha saliente no teto do buso, nos anos 50 a 70.

ATUALIZAÇÃO (SETEMBRO.16) – CAPELINHA NO PARANÁ:

Se vira com essa bomba agora: Gabriela com capelinha fazendo linha metropolitana em Maringá (esq.).capelinha-df

ATUALIZAÇÃO DE OUTUBRO-16: BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL

Virada pros anos 70, numa Esplanada dos Ministérios ainda novinha em folha.

Vemos um Marcopolo Veneza da T.C.B. com capelinha ao lado.

capelinha-df1A imagem não é das melhores, mas dá pra perceber.  Mas não para por aí.

A esquerda uma ‘Zebrinha’. É um Caio Carolina micro, esse modal fazia pequenas linhas no Plano-Piloto.

O número da linha também vem na capelinha.

rj-metro2

Vamos ver mais 3 ‘Metrôs na superfície‘ que operam em terras cariocas.

Voltando ao texto original, onde eu falava das fotos que estão espalhadas pela página.

Um Caio da Viação Alto do Pari, Zona Norte de São Paulo (saia marrom).

Um Monobloco 1 da mesma empresa, antes da padronização (foto colorizada artificialmente).

Assim podem comparar a empresa antes e depois da padronização ‘Saia-e-Blusa’.

O mesmo ocorre agora com a Viação Bristol, da Zona Sul, vista em duas tomadas. rj-metro1

Dois Gabrielas, pintura livre e depois de saia azul-escura.

Já vimos mais pra cima um Mono 1 da Santa Cecília pré-padronização, imagem que também ganhou cores no computador.

rj-metro3Há também a mesma viação já com a saia laranja da Zona Oeste.

Gabriela da Gatusa, pintura livre. Pós-padronização ela usou saia vermelha e blusa azul-escura, exatamente igual a Tânia.

Condor da Paratodos, Zona Sul, saia azul-clara. Desse vi muitos na pista, andei em alguns.

Gabi da São José. Saia amarela, Zona Leste, claro.

são remo no Rio - capelinha e placa no alto

Mais um São Remo da Verdun (RJ).

Essa foi a viação que encampou as linhas da Leste-Oeste quando esta foi descontinuada, como já dito.

…………..

A esquerda (parado em frente ao Bradesco):

Mono 1 da São João Clímaco indo pro Parque Bristol.

SP - Mono 1 da S. J. Climaco com capelinhaVê que é saia azul-escura, Zona Sul, mesma da Viação Bristol.

Engraçado, né? A Viação Bristol (abaixo a direita, saia azul e blusa branca) tem esse nome por causa do Parque Bristol. SP - Viacao Bristol

E as linhas da Bristol iam ali pertinho, pra região do Zoológico.

Mas essa linha específica do Pq. Bristol quem fazia era outra empresa.

As Viações Taboão e São João Clímaco eram do mesmo dono e usavam a mesma pintura.

3 blusa buso lona sp saia rosa vermelha z/l zona leste tabu metrô itaquera caio amélia azul anúncio propag placa altaAmbas imitavam uma característica carioca, falada acima:

Tinham uma bola com as iniciais do nome da empresa, inspirada nitidamente nos ônibus do Rio.

Esquerda: Amélia da Viação Tabu (Z/L de SP) A saia devia ser rosa, mas preferiram pintar de vermelho,

rj-testes

Assim acabou ficando igual a Jurema, da Z/S.

….

Nas laterais: Mafersa em pintura de testes nas 2 pontas da Via Dutra. A direita pela Rio-Itá, no Grande Rio (do outro lado da Baía de Guanabara);

A esquerda em SP pela Trans-Leste, que apesar do nome operava também na Zona Sul, região do Jd. Míriam. Sua origem é a Z/L, mas quando a Viação Zona Sul faliu ela assumiu o lugar.

teste lona mafersa buso branco faixa azul bege sp translesteFechamos com mais alguns ônibus paulistanos:

1) Gabi da Parada Inglesa (Z/N); 2) Thamco da Penha-São Miguel (Z/L); 3) Bela Vista da Alto do Pari (Z/N);

4) Gabi da Viação São Paulo (Z/L: mesmo caso da Tabú, essa saia devia ser rosa, mudaram pra vermelho – o verdadeiro tabu era usar a cor rosa);

5) Amélia da Jurema (Z/S) – atrás outro Amélia e um Gabriela na mesma pintura, e um Vitória já no branco-com-faixa-vermelha do ‘Municipalizado’; 6) Veneza da Bristol.

SP - Gabriela da P. Inglesa com capelinhaSP Penha-S. Miguel Z-L com placa no altoSP Viacao Alto do Pari Z-N com capelinha3 blusa buso sp lona saia rosa zona leste z/l caio gabriela viação são paulo branco placa propag roda pintada anúncio alta6 blusa buso lona placa alta sp saia vermelha Zona Sul z/s azul jurema amélia vitória municip transição branco faixa4 blusa buso sp lona saia azul escura zona sul z/s branco bristol marcop veneza capelinha

Deus proverá”

Anúncios

11 comentários sobre “Capelinha: Rio, SP, B.H., Belém e PoA; Placa no alto: estamos no Sudeste

  1. omensageiro77 disse:

    Pois é. Eu não sabia que as 7 eram do Jacob Barata, mas eu conheço a história desse empresário. Na matéria sobre Belém
    https://omensageiro77.wordpress.com/2016/04/27/periferia-de-belem-a-terra-e-firme-mas-nao-muito/
    eu falo que ele é paraense, e formou um grande conglomerado no Rio, Belém e Fortaleza.

    Ademais, eu vou sempre pra SP pois minha família é de lá, e presenciei muitas vezes os busos da Guarulhos com a pintura da Acari. Breve (por isso me refiro no decorrer de 2017, pois estou e estarei ocupado escrevendo sobre Argentina e África do Sul) vou fazer uma matéria sobre as pinturas-clones, e uma das que serão abordadas será exatamente essa.

    Valeu pelas informações.

    Curtir

  2. Paulo disse:

    Em primeiro lugar, quero parabenizar pela página, muito rica em fotos e informações. Acerca das 7 empresas cariocas com a mesma pintura, cabe salientar que pertenciam ao mesmo grupo empresarial, do sr. Jacob Barata, um dos maiores empresários de ônibus do Brasil. Era tipo um padrão de pintura que ele adotava (diga-se de passagem, das pinturas mais bonitas que já vi). Esse padrão, inclusive, foi “exportado” para a cidade paulista de Guarulhos, quando o sr. Jacob assumiu a maior empresa da cidade, em 1991, a Empresa de Ônibus Guarulhos S.A., trocando a pintura verde e amarela por uma idêntica à da Viação Acarí. E com essa nova administração, veio uma das renovações de frota mais fortes que eu já assisti. Em apenas 2 anos, a frota foi totalmente renovada (estamos falando de trocar mais de 200 ônibus)

    Curtir

  3. omensageiro77 disse:

    Grande Leonardo. Atualizado novamente, todo o material que você mandou foi pro ar. Através de tua colaboração constatei que em Belém a capelinha foi até mais comum que Porto Alegre – onde só existiu na Carris – e B.H. – onde foi eliminada com a chegada da padronização MetroBel.
    Assim alterei até o título da matéria pra incluir o Pará no Panteão. Nada mais justo.
    Tem mais: Belém teve também Romeu-&-Julieta (alias um Romeu-&-Julieta com capelinha!), e por isso atualizo também essa outra postagem:
    https://omensageiro77.wordpress.com/2015/02/17/transgenia-busofila-e-automotiva-em-geral/
    Busquei na internet as fotos dos ônibus da Grécia também com capelinha, e já atualizei aqui ainda mais uma vez.
    Valeu mesmo!!!

    Curtir

  4. omensageiro77 disse:

    Valeu pelo complemento, amigo. Eu li que em Brasília – cidade que eu encarnei – também existiu capelinha. Agora, realmente Juiz de Fora e Belém eu não sabia, nunca havia lido nem nunca vi em fotos. Se você ou qualquer leitor tiver imagens dessas cidades com capelinha me envie que eu adiciono na postagem mantendo os créditos.

    Fora do Brasil, sei que foram utilizadas também no Chile – esse eu documentei – e na Grécia, pelo menos. Alguém sabendo mais casos escreva que nós retificamos novamente.

    Curtir

  5. Leonardo Sanches Vieira disse:

    A respeito das capelinhas, quero fazer aqui uma correção: além do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Juiz de Fora, Niterói e São Paulo (região sudeste) e Porto Alegre (região sul), as capelinhas também foram utilizadas nos ônibus urbanos de Belém (região norte).

    Curtir

  6. João Abreu disse:

    Boa Tarde,
    Sugiro a correção sobre o que foi postado na foto de um Caio Alpha 1996 que pertenceu a Viação Cidade Manaus, este carro assim como os demais desta série de 50 Carros, jamais foram ex São Paulo, a empresa os emplacou com tarjeta de SP por ser esta uma das Empresas do Grupo Baltazar, mas todos chegaram 0Km em Manaus, desta série em específico fora na sequência do 06601 ao 06617 Modelo OF1318 e do 06618 ao 06650 OF1620.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s