‘Trem-Bala’, ‘Bichos Exóticos’ e ‘Cidade da Laje’: Alto Boqueirão e Sítio Cercado, Zona Sul

Por Maurílio Mendes, “O Mensageiro”

Publicado em 16 de outubro de 2014

Quase todas as fotos de minha autoria. As que forem baixadas da internet identifico com um (r) de ‘rede’.

…………

Estive nos bairros Alto Boqueirão e Sítio Cercado, aqui na Zona Sul.

Xaxim Sítio Cercado bairro novo z/s árvore jardim maringá ctba zona sul

O Bairro Novo, ao fundo, visto do Jardim Maringá, Xaxim. Confira esse outro rolê.

O Sítio Cercado, ao lado do Tatuquara, são os bairros-arquétipo da Zona Sul, seu Coração.

A Z/S é a parte mais periférica da cidade, é onde “Curitiba é diferente”.

Ou seja, é onde Curitiba não é nada europeia, e se parece com a periferia das demais metrópoles brasileiras.

Não por outro motivo na divisão eu pintei a Sul de vermelho.

………..

Jardim Paranaense – Alto Boqueirão.

De  fato, o Bairro Novo, no Sítio Cercado, é a região de Curitiba que mais parece com a periferia de São Paulo, ao lado de alguns pedaços da Cidade Industrial (Zona Oeste). 

Isso por serem formados quase que exclusivamente de sobrados artesanais, em que o cara vai enchendo lajes e sobe andares.

Sem alvará, sem arquiteto, sem nada. Na raça, no mundão.

buso zoologico

Ponto final do Zoológico. Como explicado, as fotos com (r) são baixadas da internet.

No Boqueirão e Xaxim, bairros também da Z/S e também periféricos, os sobrados artesanais são raros, exceto em algumas vilas.

No Bairro Novo é o contrário, lá eles predominam. É a própria “Cidade da Laje”.

…………..

Começo falando do Alto Boqueirão.

Veja mais pra baixo na matéria a imagem do rio que divide o Alto Boqueirão (onde estou quando cliquei) do Sítio Cercado que vêem ao fundo.

zoo

Raridade Histórica: 29 de março de 1982, aniversário de 289 anos de Curitiba (r). Entra em operação a linha Zoológico, alimentadora que sai do Term. Boqueirão. Na época ela tinha pintura própria, e como! A bicharada vinha decorando a lataria do busão, ou seja, o veículo tinha que ficar fixo nessa linha. Fonte: A Folha do Omnibus.

ALTO BOQUEIRÃO, ZONA SUL: TERRA DE BICHOS ESTRANHOS –

O Alto Boqueirão tem uma fauna diversa e por vezes surreal:

Pra começar, o Zoológico de Curitiba é lá.

Veja acima a foto, em frente a ele o ponto final do buso de mesmo nome (essa não é de minha autoria, puxei da rede).

Mas nem todos os bichos estão enjaulados.

Uma de suas vilas, a Pantanal, surgiu dentro de um Parque Nacional, o do Iguaçu.

Assim, margeando-a há ainda grande área preservada, onde existem umas lagoas artificiais, as cavas.

Próximas 5: Jd. Paranaense, Alto Boqueirão.

E por isso sei que na Pantanal vivem alguns  jacarés, em estado silvestre, soltos.

(ou pelo menos houve num passado recente) uma placa que alerta pra você tomar “cuidado com o jacaré”, lembrando ainda mais o Pantanal Mato-Grossense.

Prédio improvisado, sem alvará, num sobrado tríplex – cada andar é uma moradia em separado, daí a escada por fora.

Mas tem mais.

Você conhece o “Inri Cristo”? Trata-se de um cara que diz ser o próprio Jesus Cristo re-encarnado. Você não leu errado.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Inri_Cristo

Então galera, e o Inri Cristo é daqui de Curitiba, mais especificamente do Alto Boqueirão.

Nascido em Santa Catarina, e desde 2006 morando em Brasília.

Abro a câmera pra panorâmica. Ao fundo o Bairro Novo, que já está no Sítio Cercado.

Mas foi em Curitiba, mais especificamente no Jardim Paranaense, Alto Boqueirão, que ele decolou sua carreira e se tornou famoso.

Tudo começou no Alto Boqueirão.

Ainda não acabou: sabem quem é um dos candidatos a vereador em Curitiba? O “Animal”.

Pra vereador de Curitiba “vote no Animal”!!! (via ‘Google’ Mapas)

Não estou brincando, veja a foto.

E a base eleitoral dele é . . ., bem, o Jardim Paranaense, Alto Boqueirão.

Tudo pulsa na mesma frequência. É cada bicho esquisito que tem nesse lugar. Eu avisei….

………

A parte desses detalhe, vêem nas imagens o Jardim Paranaense e a vizinha Vila Santa Inês, ambos vilas do Alto Boqueirão. 

Notam uma favela, um cavalo que pasta bem guardado por um amigo cão, algumas araucárias, árvore-símbolo do Paraná.

Tudo adornado por muitas flores, registro uma nessa postagem. Clique na ligação em vermelho pra ver dezenas de flores do Alto Boqueirão, Sítio Cercado e Tatuquara

Como dizem alguns, “o Jardim Paranaense é mesmo um jardim…”

………….

O MUNDO É DIFERENTE DA PONTE PRA CÁ: SÍTIO CERCADO, CARAMBA!!! –

Chegamos ao rio que divide Santa Inês do Bairro Novo ou se preferir uma dimensão acima separa o Alto Boqueirão do Sítio Cercado.

Cruzamos a ponte, e estamos no Sítio, seja bem-vindo.

…………..

Antes de seguirmos vou enxertar aqui um outro emeio, de quase dois anos antes, porque também trata do Sítio Cercado.

o ‘trem-bala’ já está pronto

Publicado em 10 de janeiro de 2013

Nota: o ônibus ao lado também foi puxado da página Ônibus de Curitiba, créditos mantidos. 

Qual é rapá.

Na mídia tão falando muito no projeto do trem-bala que vai ligar São Paulo ao Rio.

Só que ainda tá no planejamento, a coisa vai longe.

Isso é Bairro Novo: sobrados artesanais lembrando a periferia do Sudeste . . .

Aqui na Zona Sul de Curitiba, entretanto, é diferente:

Olha aí. O Trem-Bala aqui da Sul já tá pronto, e se preparando pra zarpar rumo a mais um pega.

A Zona Leste também tem seu “trem-bala”. Confira aqui.

………….

. . . e casas de madeira pra mostrar que é Sul do Brasil.

Segue agora a mensagem de outubro de 14. Comentemos as imagens, nem todas estão ao lado da descrição, busque pela legenda.

Alguns detalhes clicados no Bairro Novo dignos de nota: Casa de madeira (esquerda): Sul do Brasil, afinal.

Várias tomadas (clique sobre que elas aumentam, o mesmo vale pra todas) foram feitas na Rua Cidade de Palmas, via secundária, local, no Bairro Novo ‘A’, e nas esquinas com suas transversais.

Outras, incluindo o Pavilhão Pátrio, na Rua São José dos Pinhais, a principal do mesmo local.

Rua São José dos Pinhais. Daqui pra baixo todas as imagens exceto a última mostram o Bairro Novo e imediações, Sítio Cercado.

Sobrados artesanais, marca da periferia de São Paulo, Rio e Salvador-BA, e, graças ao Bairro Novo, agora também de Curitiba. Já falo mais disso.

Corcel 1 beeeem recauchutado (abaixo). Ainda na pista.

Ponto de ônibus maior, com 3 casinhas (o padrão são 2): 

Sinal que muita gente usa busão por ali, o ponto normal usado nos outros bairros não dá conta. Veja o mesmo na Vila Sabará, CIC, Z/Oeste.

…………..

Alguns não sabem que o Bairro Novo não é um bairro, mas uma vila. O bairro é o Sítio Cercado, a quem o Bairro Novo pertence.

O Sítio tem cerca de 120 mil habitantes, é o segundo bairro mais populoso de Curitiba.

Lixo na rua, uma cena triste.

Só atrás da Cidade Industrial, que tem perto de 180 mil. Nenhum outro vira a marca dos 100 mil.

 O Sítio Cercado tem esse nome porque é quase uma ilha pois praticamente todo circundado por rios, um dia foi uma fazenda cercada por águas.

Alias repete na micro-escala o que ocorre com o município de Curitiba mesmo, que é 95% uma ilha, tem apenas uma divisa seca.

Antes de adotar a atual denominação, o bairro foi chamado de ‘Boa Vista’, e assim consta num mapa de 1953.

……….

Avançamos na linha do tempo e chegamos ao começo dos anos 90.

Até pouco mais de duas décadas atrás, o Sítio Cercado tinha uma parte antiga já urbanizada (Parigot de Souza, Vila Xapinhal e imediações, além da Vila Osternack).

Mas ainda era quase todo área rural. Pra lá de sua rua principal, a Isaac Ferreira da Cruz, não havia nada.

Até que em 1992 a prefeitura fez a maior Cohab da história da cidade, que já começou com 10 mil moradores; Nasceu o Bairro Novo.

Curitiba mudou ali.

Pois até a virada dos anos 90, Curitiba era realmente bem europeizada.

Antes do Bairro Novo, a cidade já tinha periferia, tinha várias favelas, e alguns bairros eram inclusive miseráveis, mesmo fora das favelas.

Bairro Novo: mas lembra a periferia do Sudeste Brasileiro, ou Salvador.

Mas era uma pobreza diferente do resto do Brasil. Tão pobre quanto, não é que uma é melhor ou pior.

Mas se são iguais na carestia, diferem na forma como se materializam. Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste: tudo de alvenaria, mesmo nas favelas e quebradas de subúrbio.

Norte e Sul do Brasil: casas de madeira, com quintais amplos (dava pra fazer um campinho de futebol), e sem muro, como já falamos tantas vezes e é notório.

Veja como ainda hoje é a periferia de Guarapuava, Sul do Paraná, Sul do Brasil, e verá como Curitiba era até o começo dos 90.

Sobrado artesanal, com escada de ferro avançando sobre a calçada.

Bem diferente portanto do Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste Brasileiros  – que um dia usaram extensamente o modal da madeira, mas, com pequenas exceções, não o fazem mais desde os anos 70, pelo menos.

Veja radiografia completa do tema em toda América.

O Centro do país – por isso me refiro as 3 regiões listadas acima – tomou um rumo arquitetônico. Suas pontas – o Sul e o Norte – tomaram outro.

Mas com a chegada do Bairro Novo, Curitiba começou a se tornar mais parecida com São Paulo, com o Sudeste em geral e mais Salvador.

Cohab em pombal no Bairro Novo. Construída depois da virada do milênio, quando houve uma explosão nesse tipo de habitação popular. Foto de minha autoria.

Já que a capital baiana arquitetonicamente – pelo menos no subúrbio – é um pedaço do Sudeste dentro do Nordeste. Se preferir de outra forma:

Na periferia de Salvador predominam os sobrados artesanais “Cidade da Laje”, como no Rio, SP, Vitória e BH.

Pois bem. Com o advento do B. Novo, Curitiba também passou a surfar na mesma onda.

Claro que aqui ainda é Sul, mesmo na arquitetura. Ainda há centenas de milhares de casas de madeira, incluso esta de onde lhes escrevo.

Em todos os ensaios que faço veem muitas casas de madeira, mesmo nos bairros mais centrais.

aérea Bairro Novo Z/S

Aérea do Bairro Novo, década de 10: a avenida principal do bairro se tornou um ‘Grand Canyon’ de prédios (r). Todos baixos, de cohab. Agora veja a esquerda abaixo que apenas 10 anos antes era bem diferente.

Porém, partes de Curitiba hoje dão a nítida impressão que você está nas capitais do Sudeste, ou da Bahia.

E o B. Novo é o epicentro dessa frequência, com certeza. Ele mudou Curitiba.

Se Salvador é ponte entre Sudeste e Nordeste, agora Curitiba é a ponte entre Sudeste e Sul. Tá bom assim?

Com o processo simbolizado pelo Bairro Novo, Curitiba se estratificou em termos culturais. Criaram-se novos polos. As metrópoles são assim.

Até a virada dos 80 pros 90, embora já tivesse bem mais de uma milhão de habitantes, em termos espirituais Curitiba ainda parecia de interior.

Com todos os bairros gravitando culturalmente em torno do Centro.

A partir dos anos 90, isso mudou. A cidade se tornou metrópole, e o Bairro Novo, embora não o único, é um dos principais dos novos polos culturais que tiraram o monopólio do Centro.

Bairro Sítio Cercado_Linhão do Emprego no Bairro Novo; Barracão Empresarial; Rua da Cidadania 30/08/2000 Foto: Carlos Ruggi/SMCS

De novo o Bairro Novo mudou Curitiba (r). Ele popularizou os sobrados artesanais. Mas até a virada do milênio quase não tinha prédios. Agosto de 2000: Sua rua principal  plana, terrenos vagos. A direita 10 anos depois, tomado de pombais, como nas periferias do Sudeste, Nordeste e P. Alegre é há décadas. Aqui tinha, mas bem menos. Isso mudou.  Agora Curitiba é igual as outras metrópoles brasileiras.

Pra começar a conversa, ele mudou Curitiba em termos arquitetônicos.

Éramos uma cidade essencialmente sulista, com a periferia inteira de casas de madeira sem muros e com quintais enormes.

Agora somos meio do Sul, meio do Sudeste nessa dimensão.

O Boqueirão se parece com o que a Vila Hauer foi um dia. Já o Alto Boqueirão lembra o que o Boqueirão foi no passado.

Pois a cidade ia crescendo linearmente, abria um bairro, a seguir outro, imagem e semelhança dos que vieram antes.

E sempre tendo o Centro como referência.

Patria Amada - Sitio Cercado Z-S

Pátria Amada – com essa fechamos a sequência do B. Novo, Sitio Cercado.

O Bairro Novo quebrou esse paradigma: nunca foi parecido com o Boqueirão, e nunca o será.

A Energia agora não vai mais por ondas lineares

Não. O Bairro Novo não se parece com o Boqueirão, e nem  quer se parecer.

O Bairro Novo não olha pro Centro, entenda isso. O Bairro Novo olha pra ele mesmo. É sua própria referência.

 O Bairro Novo é Zona Sul, em corpo e Espírito. É o Coração da Z/S, e se sente muito bem assim.

pq. nautico

Belíssimo anoitecer no Parque Náutico (r). Esse lago com monumento fica no Boqueirão, que não é tratado nessa postagem. Mas basta atravessar a avenida pra entrar no Alto Boqueirão, que é nosso tema de hoje. Então coloquei pra fecharmos com chave de ouro.

A “Grande Planície Curitibana”.

………..

Nasceu diferente do resto de Curitiba, e tornou Curitiba diferente do que ela era. 

Cidade da Laje,

Cidade do ‘Funk’,

Cidade Vermelha.

Bairro Novo, Sítio Cercado, Zona Sul, irmão. Muito prazer.

Estamos aí.

 “Deus proverá”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s