em testes: de Fortaleza a Curitiba, o Hibribus rodou e quebrou tabus em ambas

Fortaleza-CE, agora Curitiba1

Tabela Trocada: ônibus de Curitiba em testes em Fortaleza. A fonte dessa e de várias outras fotos é o sítio Ônibus Brasil.

Por Maurílio Mendes, “O Mensageiro”

Publicado originalmente em 4 de julho de 2014

Atualizado e retificado em 28 de abril de 2015, e novamente em 18/06/15.

Nota: Eu mantive os créditos, conforme solicitado. Nas legendas as ligações pras fontes.

Há duas retificações. A 1ª é essa:

extra! extra!!! cai o maior dos tabus:

ônibus começam a rodar em curitiba sem padrão de pintura

Na verdade nos anos 90 houve uma exceção, essa é a 2ª retificação. Mas já chegamos lá.

pintado pra testes - nunca foi usado1

Esse micro nunca rodou em Curitiba. Mas teve que ser pintado no padrão daqui apenas pra ser oferecido pra testes. Veja o grau de purismo que Curitiba tinha, e agora se quebrou.

Veja tudo isso no decorrer da matéria, com muitas fotos. Quanto a 1ª retificação, quem conseguiu a façanha foi exatamente o Hibribus.

Primeiro vamos ao texto original, ele em pleno Ceará com a pintura daqui.

Seguimos analisando as melhorias no transporte coletivo de Fortaleza.

Tanto os ônibus (a dísel, atualmente, e no passado, elétricos) quanto outros modais.

Agora em Curitiba

Agora em Curitiba.

Em Fortaleza todas as linhas são integradas no cartão, como em São Paulo. Todas, sem exceção.

…………

Aqui em Curitiba são só 3, e 2 são pequenas, pouco utilizadas em bairros pouco habitados da Zona Oeste.

Só há uma linha central e de grande demanda integrada digitalmente, que é o Interbairros 1. 

hibribus hibri-bus Fortaleza Ctba marcop verde híbrido placa chapa testes embarque invertido frente dianteira unifor campus universidade ficha técnica volvo elétrico motor traseiro atrás tabela trocada emprestado vidro preto

Antes em Fortaleza.

Há outra peculiaridade no Interbairros 1:

A maior parte da frota sua frota é composta de ônibus híbridos, que funcionam a dísel e também a energia elétrica.

Tudo isso já é domínio público.

O que quero chamar a atenção é que antes de vir pra Curitiba, e já pintado no padrão daqui, esses ônibus rodaram em testes em Fortaleza.

Veja as imagens (clique sobre que elas se ampliam, o mesmo vale pra todas):

São Paulo, 1979: tróleibus alemão em testes pela CMTC. Não foi pintado, não escreveram nome da viação, número, nada. Adequaram apenas o letreiro (foto extraída do Diário do Transporte/blog Ponto de Ônibus.)

A direita acima como é atualmente, pela Viação Água Verde (comprada pela Expresso Azul de Pinhais) no Interbairros 1, aqui na capital do Paraná.

E a esquerda o mesmo veículo antes, mas já com a mesma pintura, na capital do Ceará pela Viação São José:

Servindo a linha que vai pra Unifor (Universidade de Fortaleza, instituição privada que cumpre o papel que a PUC faz em outros estados), Campus do Pici.

 Note que abaixo do escrito Hibribus está escrito “Fortaleza”, e depois foi apagado, escreveram “Curitiba” no lugar.

expresso cristo rei testes buso crba anos 80 prédio articulado sanfonado alemão vermelho afonso camargo merced

Curitiba, 1981: articulado alemão em testes – o modelo é o mesmo do que foi pra SP. Não foi aprovado, devolvido ao fabricante. Teve que ser pintado de vermelho pra operar por poucos dias em caráter experimental. Não é barato pintar um articulado pra usá-lo menos de 1 semana. Fiz matéria completa do transporte curitibano dessa época.

É comum ônibus que já estão comprados por uma cidade antes passarem por outra, como teste.

Como aperitivo pra ver se aquela outra metrópole se interessa também em adquirir um modelo similar.

Isso é “Tabela Trocada”: quando um ônibus que deveria fazer um determinado tipo de serviço está provisoriamente em outro.

Fiz matéria específica sobre o tema. Mas pra irmos nos aquecendo vamos ver vários exemplos.

Já vi muitos casos, entre outros um ônibus que foi pra São Paulo rodando no Rio de Janeiro. De Porto Alegre vem dois exemplos que consegui achar fotos:

Ao lado um bi-articulado já comprado por Campinas-SP  em testes pela Carris de Porto Alegre-RS, já com a pintura de Campinas.

testes em poa - pintura campinas

Essa tomada é oriunda do sítio Via Circular.

A prefeitura de Bandeirantes-PR adotou uma pintura similar. Não pro modal urbano regular, mas pra rural, escolar, etc.;

E abaixo a esquerda sendo usado experimentalmente pela mesma Carris gaúcha:

Pintado no padrão então vigente em Belo Horizonte, pois já estava vendido pra capital mineira.

Em todos os casos já com a pintura da cidade onde ele iria ficar em definitivo. São apenas alguns exemplos entre muitos outros. Aí é uma situação curiosa, um ônibus rodando numa cidade com pintura de outra.

testes poa - pintura bhAgora, em Curitiba isso não é permitido. A capital do Paraná é purista nesse quesito. Todos os ônibus que rodam aqui tem que estar pintados no nosso padrão.

Por vezes, as montadoras mandam modelos novos pra serem testados em nossa cidade.

Os identificamos facilmente porque trazem a numeração como “XY”. Mas já estão pintados com as cores do sistema local.

Você vê no topo da página um ônibus com a pintura de Curitiba circulando por Fortaleza.

E recentemente vi (esquerda) um articulado igualmente com a pintura de Curitiba.

Igualmente verde-claro, pois era também Interbairros – servindo temporariamente a Cidade de São Paulo.

Veja muito mais sobre os ônibus paulistanos.

teste5

O Hibribus quebrou um tabu. Rodou em Curitiba com a pintura de fábrica. Não foi pintado inteiro de verde antes de ser comprado portanto, só depois. Fato inédito nas últimas décadas.

Mas você não viu, e nunca verá (a não ser que mude a legislação) ônibus circulando em Curitiba com a pintura de Fortaleza, São Paulo ou qualquer outro lugar, pois é proibido.

Repito: até mesmo pra testes os ônibus tem que estar pintados no padrão curitibano.

(Veja atualização abaixo; antes segue o texto original)

Se não for aprovado e tiver que ser devolvido, terá que ser repintado pra ser vendido pra outro lugar.

teste4

Torino opera descaracterizado em Pinhais, Z/L metropolitana, sem estar pintado no padrão da Grande Curitiba gerenciado pela Urbs. Vide atualização numa legenda abaixo, em que esse veículo está de costas.

É um capricho curitibano, obrigar a montadora a pintar os ônibus nesse padrão nem que seja pra rodar meros 15 dias, pra testes. 

Não é barato pintar um ônibus, especialmente articulado .

Veja as provas: no alto e no fim da página eu atualizei com fotos de um micro que foi oferecido pra testes em Curitiba.

Pintado no padrão da prefeitura, inclusive com a inscrição ‘Cidade de Curitiba’. Nunca rodou aqui, nem mesmo em testes.

colombo

Articulado Mondego ex-BH agora na Grande Curitiba. Esse não está em testes, veio em definitivo. Coloquei aqui porque ele quebrou 6 tabus numa tacada, superou o Hibribus. A pauta dessa matéria e várias de suas cenas vieram do sítio Ônibus de Curitiba.

Pois é como eu lhes disse: até o começo da década de 2010 até mesmo pra ser testado aqui o ônibus tinha que estar pintado no padrão da cidade.

Veja, o fabricante fez isso, gastou dinheiro, pintou de amarelo. E pra que????

Nem em testes o veículo circulou em nossas ruas. Dinheiro jogado no lixo. Haja radicalismo nesse rigor purista, hein?

Resultando que: Com a pintura de Curitiba em Fortaleza sim. Mas a recíproca não será verdadeira.

……….

Será???? Atualizei a postagem. Como já disse acima, é:

o fim de uma era: ônibus em testes circulam em curitiba sem a pintura própria da cidade

testes

Depois do ‘Hibribus’ veículos em teste passaram a rodar em Curitiba com a pintura de fábrica. Mas antes dele isso não era permitido. Mais 1 prova no sítio www.omnibus.com.br (que também é fonte de outras fotos na matéria).  Reproduzo resumidamente  o texto: “A Caio apresentou a Urbs seu modelo Foz Super. Após a demonstração o veículo retornou a fábrica“. Não custa enfatizar ainda mais uma vez: esse aqui e o ao lado foram pintados no padrão da Urbs, incluso com o logo da própria, o ‘Cidade de Curitiba’ e numeração – nesse caso HD678 – , e há um custo alto pra isso. E depois foram embora sem nunca terem ido as ruas de Curitiba, nem mesmo em regime de teste. É mole ou quer mais???

Essa é a atualização de abril de 2015. O que eu escrevi acima foi verdadeiro por décadas.

Entretanto, agora começaram a surgir em Curitiba ônibus rodando em testes sem a pintura da cidade.

O pioneiro foi exatamente o Hibribus. Antes de ser adquirido pelo sistema de transporte curitibano ele foi testado aqui com a pintura de fábrica.

Aí abriu a porteira. Pelo menos mais 4 veículos foram vistos pelas ruas da Grande Curitiba em testes sem estarem pintados no padrão da Urbs.

Um Torino operando como alimentador no Terminal de Pinhais, cujas linhas também tem o padrão de pintura da Urbs, embora sejam metropolitanas.

Veja que o letreiro eletrônico indica claramente que a linha é “Água Clara”, bairro afastado do vizinho município de Piraquara.

Ainda assim, o susto da galera foi grande quando surgiu um bichão cinza com para-choque azul. Ao invés do inteiro laranja que eles estão habituados que que precisaram colocar duas placas laranjas no para-brisas.

pintado pra testes - nunca foi usado

Mesma situação: Pintado pra testes no padrão curitibano, mas não foi sequer foi testado.

Inclusive uma com o itinerário, pros usuários verem que o ônibus é o correto, não é um pirata que invadiu o terminal. 

Por aí você calcula o tabu que isso era na Grande Curitiba até a pouco. Tudo isso é visto na foto um pouco pra cima na página, busque pela legenda.

Abaixo veremos um micro da linha Executivo Aeroporto no amarelo que o fabricante pintou.

Se estivesse no padrão curitibano dessa linha específica ele estaria cinza.

(Nota: quando fiz essa postagem, era a prefeitura de Curitiba quem gerenciava o transporte metropolitano. Por isso usei o termo ‘curitibano’. Atualmente essas linhas voltaram pro governo do estado.)

testeAo lado e as próximas 2 abaixo:

3 tomadas de veículos chineses não poluentes em testes em Curitiba, pintura de fábrica fora do nosso padrão característico.

Começamos com 2 veículos diferentes fazendo a linha Barreirinha, que liga o Centro a esse terminal da Zona Norte.teste1

Ambos parados no ponto final central perto da Praça Tiradentes.

E ambos decorados na pintura de testes que saíram da linha de produção (esse da direita mais pra baixo na página eu mostro do mesmo modelo no Rio e SP).

Logo abaixo o mesmo Bio-Bus (que já havia sido testado na Barreirinha, como acabamos de ver) puxando a linha metropolitana Curitiba/Urano.

teste2Que liga o Centro ao vizinho município de São José dos Pinhais, na Zona Leste da Grande Curitiba.

Operado pela Auto Viação São José dos Pinhais. Atrás um no vermelho típico dessa viação.

………………

2ª retificação (jun.15): nos anos 90 houve a ‘exceção que confirma a regra’

testes1Na verdade na década de 90 um Scania fabricado na Europa rodou em testes em Curitiba sem estar pintado caracteristicamente.

Veja ao lado e abaixo: tinha carroceria e placas europeias, era de um modelo que nunca existiu em nossa pátria em larga escala. testes

Movido a álcool e tinha letreiro eletrônico, outras coisas que não haviam por essas bandas na ocasião.

A esquerda ele circulando vazio pelo Centro, entre a Pça. Tiradentes e o Largo da Ordem.

Naquela travessa que é ponto final de várias linhas que servem as Zonas Oeste e Norte. A direita puxando a linha Oficinas, na Zona Leste.

…………

suecia

O mesmo Scania a álcool que nos anos 90 foi testado em Curitiba serviu terra-natal. Estocolmo, Suécia, 1986. Igualmente em  testes. Fonte dessa e outras imagens mais abaixo: MOB – Movimento Organizado de Busólogos do Ceará.

Então, ok, está retificado. Esse buso realmente rodou aqui sem estar pintado no padrão curitibano. Mas, cara, é a exceção que confirma a regra.

Sempre que eu descobrir novas informações (seja por conta própria ou avisado por algum de vocês leitores) que desmintam algo que publiquei eu farei a retificação prontamente, como foi o caso agora.

Ainda assim, insisto que a existência dessa ovelha negra isolada não muda o que escrevi acima:

Era proibido ônibus rodarem em Curitiba sem estarem pintados no uni-color próprio da cidade, e vimos várias provas.

Esse aqui passou, por um descuido. Não o vi, e nem lembrava dele, fiquei sabendo agora pela internet.

Só que a regra geral era de que isso não pode. Toda regra tem exceções, e essa teve também. Ainda assim, foram casos raríssimos, a regra se mantém.

testes6

Executivo Aeroporto também em testes com a pintura de fábrica. Trata-se da única linha executiva da Grande Curitiba. Nos anos 70 e 80 tentaram implantar esse modal no municipal, mas não pegou.

E o fato que em 1981 tiveram que pintar um articulado e já na década de 2000 dois micros apenas pra serem testados por pouquíssimos dias comprovam que o que falei era verdadeiro.

Alias os micros nem em testes circularam aqui, mas tiveram que ser pintados de amarelo somente pra serem oferecidos a prefeitura.

Três exemplos entre muitos outros, nas décadas de 80, 90 e 2000 circularam dezenas de ônibus em testes em Curitiba, vários deles não foram aprovados e devolvidos.

Até onde eu sei, esse Scania foi o único com pintura livre. Se você souber de mais casos me aponte, de preferência com fotos, que eu retifico de novo a mensagem.

…………

Volta o texto original pra gente arrematar. Mais um detalhe:

teste3

Agora de costas, mais uma do 17G99 descaracterizado em Pinhais. E não apenas na cor: aqui na Gde. Curitiba não há aqueles letreiros eletrônicos atrás e na esquerda indicando a linha. É mais uma prova que esse veículo está vendido pra outra cidade e foi apenas testado aqui antes de ser entregue. Atualização: depois que fiz essa postagem, numa briga política o governo estadual re-assumiu a coordenação do transporte metropolitano, que antes era da prefeitura de Curitiba – sim, mesmo os inter-municipais eram de sua jurisdição. Agora não mais. E no fim de 2015 chegaram 2 articulados usados de Belo Horizonte-MG, pra fazer linha metropolitana. Também com essa capelinha traseira.

Em Fortaleza, se entra por trás nos ônibus.

Nos anos 90, quando houve a 1ª padronização, inverteu-se pra frente. Mas não ‘pegou’ e foi revertido, hoje voltou pra porta traseira.

Mas como o Hibribus que rodou lá está prontinho no padrão curitibano, já está com a “Entrada” pintada sobre a porta dianteira, e com a roleta logo atrás dela.

Por isso, os fortalezenses tiveram que abrir uma exceção e subir por ali pra poder andar no Hibribus.

Veja que o letreiro menor, abaixo no vidro, indica o embarque invertido. Outro tabu, outra regra que o Hibribus detonou. Ele é o cara !!!

……….

Tudo somado: antes de reverter o embarque fortalezense, fora a a cor verde que não existe lá, os curitibanos também já haviam andado no Hibribus pintado fora do padrão da cidade.

Repito, fato inédito em décadas. Mas aconteceu, e abriu a porteira pra outros.

Quem sabe um dia veremos aqui um buso com a pintura de Fortaleza????

Quem sabe …. Definitivamente tudo é possível.

de joinville a cuiabá, de joinville a são luiz, de londrina a sorocaba ao abc a campinas a fortaleza, de florianópolis a osasco ao abc a londrina a campinas e de volta a florianópolis:

a saga dos busões em testes prossegue

marcop-teste-joinvilleA atualização de janeiro.17 :

Vamos ver mais exemplos dos bichões em testes: sempre que possível o mesmo veículo em várias cidades, dessa vez sem a pintura de nenhuma delas.

Amigos, a ordem das fotos na página não implica ordem cronológica. Eu apenas puxei imagens da internet. Nesse primeiro exemplo, eu não sei se ele esteve primeiro no Sul ou no Nordeste. O mesmo vale pra todos os casos.

Isto posto, fogo no pavio. Acima: articulado Marcopolo Mercedes (portas dos 2 lados) em testes em Joinville-SC. Placa: FZO-3060.marcopolo-sao-luiz-ma

 Ao lado: o mesmo busão em São Luiz do Maranhão, em foto publicada no sítio Sportbus Maranhão.

…………

Vamos ver agora dois que rodaram muito, um deles por todo o Brasil,  e o outro pelo Sul e Sudeste.

mercedes-fpolis-teste-20161Começamos por este:

Um articulado Caio Mercedes-Benz.

Placa: FDB-0560.

Cinza como o anterior.

Nas duas próximas tomadas:mercedes-fpolis-teste-2016

Florianópolis, Santa Catarina, 2013.

Pela viação Transol.

Acima no Terminal Central da cidade (que eu fotografei também um ano depois, flagrando a transição de pinturas do livre pra re-padronização).

mercedes-teste-abcdE a direita nas ruas.

…….

No estado de São Paulo foi testado por várias viações.

Ao lado pela Metra no Corredor ABD.

Que liga as Zonas Leste (São Mateus) a Sul (Jabaquara) da capital via Santo André, São Bernardo e Diadema.mercedes-osasco

Como esse articulado é trucado (tem mais um eixo no último vagão) há uma outra foto dele, também pela Metra, na matéria sobre os Tribus Urbanos.

………..

mercedes-campinas-testeDireita, ainda na Grande São Paulo, mas do outro lado dela:

Pela Viação Osasco rumo a Itapevi, na Zona Oeste.

Ainda na Região Metropolitana da Capital Paulista, ele rodou também em Guarulhos.mercedes-londrina1

Agora no interior: acima pela Viação Itajaí de Campinas.

Essa empresa adota o número 2999 pros carros em teste, como já mostraremos outros exemplos.

Por ora continuamos a mostrar o périplo do peregrino que é esse busão Mercedes/Caio.

mercedes-teste-fpolis-2013De novo no Sul do Brasil. A direita em Londrina, Paraná.

Me parece que está no Terminal Central. Mas não posso dar certeza, fazem anos que não vou a maior cidade do interior paranaense.

E a esquerda de volta a Florianópolis, 2016. Dessa vez pela Canasvieiras (nesse caso a fonte informou as datas).

caio-volvo-campinas-teste

O branco é outro busão, também Caio mas outro modelo, e é Volvo. Já falamos dele. Nessa foto e a esquerda, em Campinas.

A Transol e a Canasvieiras não compram Caio há muito mais de uma década.

Ônibus dessa montadora paulista nessas viações catarinenses, por enquanto, só mesmo em testes.

Bem, duas viações do Paraná  também não não adquiriam Caio há muito, muito tempo, e agora na virada pra 2017 o fizeram.

Trata-se da Piedade (do grupo Campo Largo) na região metropolitana da capital e a Campos Gerais de Ponta Grossa.

caio-volvo-campinas……….

Até aqui falávamos do articulado cinza, Caio/Mercedes.

Vamos ver os busões brancos, que são o arquétipo da cor de testes por excelência.

Virginais, ainda não são de ninguém em definitivo, estão escolhendo seu dono.

caio-volvo-sorocaba

Sorocaba.

A partir de agora o tema é outro busão. Também Caio, e também com portas dos 2 lados, porém Volvo.

E com esse chapéu cobrindo-o, como é comum em São Paulo, Cidade do México e Santiago-Chile – agora veio um usado pra Grande Curitiba também, antes não existia aqui.

No parágrafo acima nos referimos a outros busões que também tem essa cobertura.

caio-volvo-abcVamos enfim falarmos desse veículo específico mostrado nas fotos, Caio/Volvo, placa AUQ-2559.

Como a legenda informou, as duas primeiras tomadas são em Campinas, São Paulo.

Pela Viação Itajaí, e indo pro Terminal Itajaí.

Novamente numerado 2999, como mostrado o caio-volvo-londrinaescolhido pros carros em teste da empresa.

A direita acima em Sorocaba, também no interior paulista.

caio-volvo-fortalezaAgora na capital. A esquerda pela mesma Metra, corredor ABCD (ou ABD, porque não passa em São Caetano mas em Diadema).

E a direita em Londrina. Ainda está com o adesivo ‘STU’ que usara em Sorocaba antes.

Mas identificamos que é no Norte do Paraná porque atrás dele, no canto esquerdo da imagem, há um outro busão da TIL, metropolitano.

Acima o mesmo bichão em Fortaleza, Ceará.

O buso é branco, mas a numeração é em duas cores, pois estamos na ‘Costa Norte Brasileira’, onde o prefixo sempre está diferente do sufixo.

…………..

Seguimos em Fortaleza.

O mesmo buso (placa em verde, que significa exatamente que é um protótipo, ainda não começou a produção em série: OZA-2143) Comil Volvo.

Acima pela São José, ao lado pela Santa Cecília. Novamente, em branco mas a numeração em duas cores.

Agora segura essa: fortaleza-teste

Fortaleza usou por um bom tempo a padronização “das Flechas”.

O buso era inteiro azul-claro, mas com flechas azul-escura e vermelha.

Estava em vigor quando estive lá, em 2011.

emtrancol eletrônico buso teresina piauí nordeste caio costa norte branco testes para-choque pintado vidro preto integração sudeste linha placa para-brisas chapa cinzaPor isso disse que “Fortaleza é a cidade do Sol, do Mar, das lagoas, do ‘funk’ e dos ônibus azuis”.

Já estou levantando essa série pro ar, onde abordo a questão com mais detalhes.

Hoje nosso tema são os busos em pintura de testes, vários deles brancos. eletrônico letreiro menor lateral testes branco buso bh linha adesivada vidro torino marcop scania 3 portas céu azul nuvens

Pois bem. Filma a direita acima. O buso é branco mesmo.

Mas…. tem as flechas em vermelho e azul, e a numeração idem. É Fortaleza, né?

……….

testes buso ctba z/o branco vidro preto pintura campo magro terminal metrop merced caioEmbora nem tão intenso, algo similar ocorreu na vizinha Teresina-Piauí (acima a esquerda):

Buso branco, mas o número igualmente em duas cores.

Alias uma das cores, a do prefixo, é exatamente o branco, fizeram o contorno em verde-claro.

………bauru-teste

Acima a direita, o que vai pra Itaguara é da Grande Belo Horizonte.

A esquerda na Grande Curitiba, Zona Oeste:

sorocaba1No Terminal Santa Felicidade, de partida pro subúrbio metropolitano de Campo Magro.

Dir., de volta pro interior de São Paulo:

Viação Grande Bauru, obviamente da cidade de mesmo nome. Testando um Comil Svelto.

brasília df testes eletrônico buso outra pintura fora padrão vidro verde preto alternativa elétrico chinês branco piso baixo pbt logo placa chapa verde

Próximas 2: ônibus chinês (piso baixo e ar-condicionado) em testes pela T.C.B. de Brasília. Placa verde.

…….

Acima: micrão da Rápido Luxo Campinas fazendo a linha Sorocaba-Salto (via Itu).

Além da cor branca de testes, outro detalhe se sobre-sai:

O governo de São Paulo criou a Região Metropolitana de Sorocaba.

E portanto os ônibus agora serão de responsabilidade da EMTU.

brasília df testes eletrônico buso outra pintura fora padrão vidro verde preto alternativa elétrico chinês branco piso baixo pbt logo placa chapa verde prédio z/c centrãoResultando que serão padronizados (exceto os de testes) no azulzinho que a gente conhece tão bem.

Até pouco tempo atrás as linhas inter-municipais operadas por ‘carros’ urbanos em Sorocaba (2 ou 3 portas e catraca) eram classificadas como ‘suburbanas’.

Os ‘suburbanos’, como todos sabem, são da alçada de outro órgão estatal de fiscalização, a Artesp.

bh

Micro chinês (placa verde) em testes em Belo Horizonte. Suplementar com ar-condicionado, é mole? Só pode ser ‘negócio da China’. Lá eles levam o transporte coletivo a sério.

Têm pintura livre, apenas uma plaquinha verde no vidro da frente com aquele ‘S’.

Quando a EMTU impôs a padronização, perto da virada do milênio, a princípio somente as regiões metropolitanas da capital, Santos e Campinas foram contempladas. 

Portanto os busos intermunicipais de Sorocaba e Vale do Paraíba, entre outras, continuaram pintura livre.

Agora a coisa mudou. A EMTU abarcou também essas regiões. Portanto se a Rápido Luxo aprovar esse micro, ele terá que ser azulzinho.

sp testes paulista eletrônico buso outra pintura fora padrão vidro chapa placa verde preto alternativa elétrico chinês tribus trucado 3 3º eixo pbtpiso baixo ar-condComo já ocorre a tempos com as garagens da região de Campinas.

No Vale do Paraíba é o mesmo. Fui a Aparecida, e fotografei os Pássaro Marrom já padronizados a la EMTU.

………..rj1

Acima, mais chinês de chapa verde:

Outro Tribus na capital paulista.

Pegamos a Dutra, e a direita:

Chinês de mesmo modelo no Rio de Janeiro (bem mais pro alto vimos um em Curitiba).

teste lona mafersa buso branco faixa azul bege sp translesteNa verdade, não sei se está em testes. Pois ele já está pintado na padronização adotada recentemente na cidade.

Mas como está sem placas e é estrangeiro, há chances grandes que esteja.

Seguimos com a conexão Rio-Sampa. teste lona mafersa buso branco faixa azul bege rj rio-itá metrop letreiro outra cor azul roda preta pintada carioca

Mafersa ainda com pintura de fábrica.

Sendo experimentado em SP acima, no Grande Rio (do outro lado da ponte Rio-Niterói) ao lado.

Creio que seja o mesmo veículo, mas a placa é distinta:

rj-testeAzul e 2 letras no primeiro caso, e vermelha no segundo.

……………

A esquerda, baixado do sítio Cia. de Ônibus, outro Mafersão no Rio, dessa vez no municipal.SP buso ABC trol artic mafersa azul teste sem placa branco emtu metrô lona paulista faixa logo

Daquele jeito, né amigos: pintura de fábrica, até aí tudo bem.

Porém não tem numeração, e sequer identifico nome da viação.

Voltando pra São Paulo mas mantendo no Mafersa:

venda nova z/n pintura testes verde vidro preto buso placa número itinerário bh adesivada vidro lona busscar escrito amarelo linha minas tribus trucado 3 3º eixo estação scaniaTrólei-articulado Mafersa no corredor ABD. Da época que a EMTU ainda era operadora (compartilhava o logo do metrô), e não somente gerenciadora.

Esse ninguém tem dúvidas que está ‘Em Testes’, está escrito isso no letreiro ao invés da linha.

………..venda nova z/n pintura testes verde vidro preto buso linha pintada lataria lateral número bh busscar escrito minas tribus trucado 3 3º eixo calota

Dois verdinhos Busscar em pintura de testes em Belo Horizonte. E ambos são Tribus e vão pra Venda Nova, Zona Norte.

Mas há diferenças. O de cima é Scania, o do lado Volvo – e tem calotas!

branco-em-joinville……..

Voltamos pros ônibus branco, o clássico dos que ainda estão na empresa somente como aperitivo.

Ao lado, saindo do Terminal Central de Joinville:

Outro Tribus. Esse é Comil/Scania. E se dirige ao Itaum.

Joguei no ar outra postagem com ônibus de Curitiba e Recife nessa mesma linha Centro/Itaum, o de Recife nesse exato local.salvador-branco

A direita (vindo do sítio Omni – Ônibus da Bahia):

Articulado branco em Salvador-BA. 

Neobus Mega (o ‘redondão que lembra o finado Monobloco) Volvo.

porto-alegreVindo na mesma postagem daqueles em Joinville que citei acima: ônibus articulados de Manaus deram uma passada na Bahia, antes de subirem pro Amazonas .

………..

Caio Zero Km no Rio Grande do Sul (exceto Carris)? Só mesmo em testes.gde-porto-alegre

Por algum motivo que ainda não pude compreender, todas as viações do Rio Grande do Sul, o estado inteiro, se recusam a comprar Caio há muito mais de uma década.

A exceção é a estatal Carris. Por ser uma viação pública, precisa fazer licitação, então por vezes chegam lotes de Caio.

scania-curto-teste-joinville2Mas os frotistas particulares vetam, terminantemente.

Por isso é curioso vermos Caio zerados por lá. Em testes acontece:

O da esquerda está no sistema municipal de Porto Alegre, e o da direita no metropolitano.

…………scania-curto-teste-joinville1

Voltamos pra Joinville.

Um Scania Marcopolo, até com pintura de fábrica, o que torna patente o período experimental.

Primeiro também no Terminal Central e na linha pro Itaum, a direita em ‘Linha Direta’ em outro terminal, quem sabe o próprio Itaum.

scania-curto-cuiaba-testeE a esquerda, de novo Scania em testes em Cuiabá-MT.

É um veículo diferente, até de outra marca pois esse é Comil.

Mas a pintura é precisamente a mesma.

…………..

itajai-2999Esse articulado verde – já com a pintura dos Interbairros de Curitiba – antes de ser incorporado em definitivo a capital do Paraná rodou em Campinas.

É da mesma viação Itajaí, e vai pro Terminal Itajaí.

Qual a numeração dele? 2999, é claro.

Pelo visto, todos os que estão na firma de modo provisório recebem esse mesmo número.

buso trol monob 3 araraquara sp interior paulista vidro preto lona calota vermelho faixa branca antigo jurássico azul pintura testes fábrica cta

Araraquara, tróleibus com pintura de testes.

Que assim se torna um código que já informa sua condição.

Agora, se esse estiver em uso e chegar novo ‘carro’ provisório, obviamente aí usam outro número.

…………

Continuamos no interior paulista. Araraquara teve tróleibus.

mono-trol-pintura-fabrica

Monobloco trólei, pintura de fábrica.

Alias nos anos 80 a rede de transportes de Araraquara era 100% tróleibus.

Isso mesmo, simplesmente não havia ônibus a dísel na cidade. Nenhum.

A rede de tróleibus chegava até os bairros mais afastados, rurais, em meio a fazendas.

frg-eletrico-1

Articulado em testes na Fazenda Rio Grande, Zona Sul da Grande Curitiba. Elétrico e placa verde, piso baixo, ar-condicionado, coisa chique.

Sendo tão numerosa, a frota de ônibus elétricos foi bem diversificada. No Brasil, só Araraquara teve trólei Gabriela e Trólei Monobloco.

Fiz uma matéria só sobre tróleibus, onde tudo isso é explicado e ilustrado com detalhes, não só Araraquara mas todas as cidades brasileiras que contaram com esse modal.

E nessa outra postagem uma radiografia continental, de Valparaíso-Chile a Vancúver-Canadá.

…….

Bora de volta ao que nos interessa aqui, que são busos operando com pintura de testes.

hibribus-curitiba

Hibri-Bus convencional, amarelo.

Na tomada a esquerda mais pra cima (vide legenda), um tróleibus Monobloco em Araraquara

Esse, sabe-se lá porque, a CTA não pintou, deixou escrito assim, ‘Trolley’, e sem sua assinatura.

Lembra um pouco a pintura de fábrica da Mercedes (a direita mais pra cima), apesar que ali aportuguesaram a palavra, só tem um ‘l’ e botaram ‘i’ no lugar do ‘y’.

…………….

E fechamos como abrimos, com a ‘Família Hibri-Bus’ de Curitiba.

volvo-hibriplusNo começo da matéria vimos o Hibri-Bus verde, Interbairros. Em pintura de testes, que quebrou o  tabu e assim originou essa mensagem.

E depois na pintura definitiva, similar mas não igual a dos demais Interbairros da cidade.

Pois bem. Na opinião da prefeitura, o Hibri-Bus fez tanto sucesso que se multiplicou e virou uma família, por isso usei esse termo.

Acima a direita o Hibri-Bus convencional, na cor amarela.

Fotografado ainda em frente a planta da Marcopolo, em Caxias do Sul-RS. Essa já na pintura definitiva usada aqui, diferente da normal. Porque tem a parte inferior mais escura decorada com aqueles traços tribais, que 99% da nossa frota não tem, é lisa. Mesmo caso do Interbairros.hibriplus

A esquerda acima e direita, duas tomadas do ‘Hibri-Plus’, em formato ‘retrato’ e ‘paisagem’. E logo abaixo o ‘Hibri-Plug’.

Todos os 3 ainda não estão rodando na ocasião em que foram clicados, pois estão sendo apresentados em frente a prefeitura, no Centro Cívico.

Eles, como é adequado pra figurar nessa página, estão em testes (na verdade ainda iriam começar a serem testados quando dessa foto): por isso todos ainda com chapas verdes, e numerados ‘XY’. E com pinturas distintas do resto da frota, nesses alias totalmente diferentes, privilégio da ‘família’.

onibus-eletrico-hibrido-volvo-2Pra quem não é Iniciado na Busologia Curitibana, ‘XY’ aqui significa exatamente o mesmo que ‘2999’ na Itajaí de Campinas:

Veículo que está no sistema provisoriamente, podendo posteriormente ser devolvido ou então incorporado em definitivo – e se isso acontecer será renumerado.

“Deus proverá”  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s