a Cidade de Floriano não está mais Desterrada

2014: florianópolis repadroniza a pintura dos ônibus, aleluia!!!

varios

Floripa, virada pros anos 90: mar de ônibus na pintura padronizada CBTU, branco com 2 faixas, a maior em cima colorida de acordo com a região da cidade (inclui R.M.) e uma menor preta embaixo, onde vai a viação. Clique pra ampliar, o mesmo vale pra todas.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 3 e 4 de maio de 2014

A maioria das imagens puxadas da rede. Os créditos foram mantidos, sempre que estavam impressos nas imagens.

Algumas cenas foram captadas pessoalmente por mim, em junho de 2015. Especifico na legenda. Se eu não disser nada, é porque foi baixada da internet.

……….

O dia glorioso afinal chegou, acabando com duas décadas de espera martirizante:

transição buso ticen terminal central artic canasvi verde branco faixa livre vidro preto azul padronizado padrão palmeira árvore z/c fpolis sc catarina

Ticen (Term. Central) de Floripa, junho de 2015. Cliquei pessoalmente essa transição. Um articulado da Canasvieiras na pintura livre que vigorou 2 décadas (do meio da década 90 ao meio da de 10) e atrás um já na padronização adotada em 2014.

Florianópolis-SC enfim re-padronizou a pintura de seus ônibus.

Constatei pela internet em maio de 2014, e confirmei ‘in loco’ um ano depois, em junho de 15:

A partir de agora os veículos da capital catarinense terão que ser pintados todos iguais, azuis e brancos.

Não era sem tempo. Agora, com um bom atraso, enfim essa cidade entra no século vinte – eu disse 20 mesmo, e não 21.

………..

Explico. Florianópolis era a única capital brasileira em que havia ocorrido uma des-padronização na pintura dos ônibus.

z/c municipais buso fpolis sc catarina árvore palmeira prédios terminal central prédio azul branco faixa vidro preto padronizado padrão

Mais uma que capturei no Ticen. Vamos resgatar, no texto e nas imagens, a história do transporte manezinho, da década de 70 até hoje.

Ou seja, o único lugar em que um dia houve a obrigação das viações adornarem seus veículos no modo determinado pelo poder público. E não ao bel-prazer.

No entanto esse ganho fundamental pra cidadania havia sido revertido.

A única cidade que padronizou mas depois despadronizou. Corrigindo esse erro histórico, agora re-padronizou.

……….

E olhe que Floripa começou bem. Como já escrevi muitas vezes:

anos 70 estrela (2)

Até os anos 70 era pintura livre. Aqui um Haragano da Estrela. Fonte dessa e várias fotos: sítio Egonbus, especializado em SC. Visite.

Ao lado de Belo Horizonte-MG e Goiânia-GO, havia sido a primeira a padronizar também a região metropolitana, ainda na virada dos anos 70 pra 80.

Nessa época, no finzinho de seu regime os militares investiram maciçamente em transporte urbano. Padronizando a pintura nas cidades de:

Brasília-DF, Goiânia, São Paulo, Campinas-SP, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre-RS, entre outras.

Alias Brasília, Campinas, Florianópolis e Porto Alegre adotaram a mesma pintura:

estrela 6

Na virada pros 80 veio a 1ª padronização. Monobloco da Estrela. A faixa verde-claro pertencia a parte continental sul do município de Florianópolis. Essa veio do sítio Ônibus Brasil.

Fundo branco com uma faixa horizontal que tinha a cor definida conforme a parte da cidade que aquela linha servisse.

……….

Mas, independente de qual padronização foi adotada, apenas em 3 capitais:

Goiânia, Floripa e BH, o benefício abarcou tanto os ônibus municipais quanto os que servem a Região Metropolitana, repetindo.

Vieram os anos 90, e as cidades entenderam que a padronização é inevitável, pois é infinitamente melhor pro usuário.

anos 70 trindadense

Anos 70: livre da Trindadense. Viação encampada pela Transol.

Assim, novas capitais também adotaram a pintura única.

Como exemplo Fortaleza-CE, Belém-PA, São Luiz-MA (dessas 3 eu falo melhor nessa mensagem), Campo Grande-MS, Recife-PE, Vitória-ES,

Em alguns casos incluindo também os veículos metropolitanos.

……………

Estrela metro 1056

A faixa verde-escura era da parte sul da Região Metropolitana. A Estrela também faz inter-municipal. Foto do sítio Ônibus do Sul. Não pude dar a ligação pois no momento que escrevo a página está fora do ar.

Curitiba, logo no começo da década de 90, fez o que Floripa, BH e Goiânia já haviam feito.

E também padronizou seus metropolitanos (veja como eles eram na pintura livre), no que foi seguida por São Paulo e Porto Alegre.

……….

Porém, na mesma época (meio dos anos 90), Florianópolis regrediu: voltou a ter pintura livre.

Foi um caso inédito, e indescritivelmente triste de reversão de cidadania, do interesse público abertamente se dobrar ao grande capital.

Limoense2406

A cor marrom ficou pro do Sul da Ilha. A Limoense era uma das viações da região. Outro detalhe. Nos anos 80 a frota de Fpólis era muuuuuito velha. Eram comuns busos de mais de 20 anos circulando, esse é um deles.

Tudo porque uma das empresas que operava no sistema – a Trindadense – faliu.

E a que substituiu, oriunda do interior do mesmo estado, se recusou a pintar seus veículos no padrão vigente.

Veio com o mesmo desenho que usava na matriz.

A responsável pela façanha foi a Viação Transol, de Lages, que adentrou a capital mas sem ligar pros padrões vigentes onde abriu sua filial.

Num efeito dominó, em menos de 5 anos todas as demais empresas de Floripa fizeram o mesmo, adotaram sua própria pintura.

Todas exceto uma, chamada Biguaçu. Essa manteve porque quis mais uma década o padrão que os militares determinaram, branco com uma faixa horizontal colorida.

municipal sj padronizado

Os municipais de São José (“Interbairros”) adotaram faixa vermelha. Aqui um Torino da Viação Biguaçu.

Mas aí, como só ela fez isso, não era mais padrão, e sim sua escolha.

Que de qualquer forma lembrava o modelo anterior. Até que na última década mesmo essa companhia deixou de ornamentar seus veículos dessa maneira.

Morria o último resquício que um dia Florianópolis havia tido pintura padronizada.

…….

livre Transol (1)

No meio dos anos 90 a Viação Trindadense encerrou as atividades. No lugar entrou a Transol, que não respeitou o padrão. Usou essa pintura livre.

Só que o tempo passa, e o tempo é o melhor juiz, e o melhor professor.

Depois da mudança do milênio, mais e mais cidades se renderam a essa obviedade:

A necessidade de ter um padrão de pintura em seus coletivos.

Na virada da década de dois mil pra de 10, até mesmo o Rio de Janeiro e Manaus-AM deram a mão a palmatória.

E resolveram pintar seus ônibus num único padrão, extinguindo a pintura livre com décadas de atraso.

livre Canasvieiras (3)

Todas as empresas, municipais e metropolitanas, adotaram pintura livre. A Canasvieiras (Norte da Ilha) decorou sua frota assim.

Agora mesmo Salvador-BA igualmente o fez (depois de Floripa), e estão rolando rumores que Maceió-AL seguirá o mesmo caminho.

………..

Mas outra hora falamos do Nordeste.

Chegou uma hora que as capitais carioca e amazonense também foram nessa direção.

De volta ao Sul, foi a senha pra Florianópolis se visse obrigada a corrigir o erro. Afinal, o fez.

livre emflotur (2)

Pintura livre da Emflotur

……………

E ressalte-se o “afinal”.

Desde que, em 1994 ou por aí, a chegada da Transol despadronizara a pintura em Floripa, eu sabia que chegaria o dia em que ela teria que ser repadronizada.

O dia chegou. Florianópolis enfim re-adentrou o século vinte, voltou ao mesmo patamar onde estava 3 décadas e meia atrás. Ufa, menos mal….

livre insular (3)

Eis a pintura de escolha da Insular (Sul da Ilha). A linha é ‘Corredor Sudoeste‘, abaixo falo melhor dela.

…………

Breve cronologia ilustrada do transporte manezinho. Se alguém não sabe, esse é o gentílico carinhoso da capital catarina.

Falemos das imagens. Lembre-se, nem sempre a descrição corresponde a cena mais próxima, busque pelas legendas que estão corretas.

Quando a CBTU padronizou os ônibus nas capitais brasileiras, dois modelos distintos foram adotados.

florianopolis

No começo dos anos 90 (ainda vigorava a padronização CBTU) a prefeitura tentou re-organizar o transporte de Florianópolis imitando o de Curitiba. Ensaiaram adotar uma padronização em uma cor só, com o número do ‘carro’ ao fundo com a empresa embaixo, e a criação de linhas expressas, que fundiriam várias convencionais. Esses expressos levariam do Centro a terminais, e dali sairiam alimentadores. A 1ª linha padronizada foi a ‘Corredor Sudoeste’. Foi a única, acabou não dando certo mudança, e ao fim ela mesma virou uma linha convencional.

1) Em Curitiba e Belo Horizonte primeiro. 

Posteriormente também em Vitória-ES, Recife-PE, Joinville e Blumenau-SC, Londrina e Ponta Grossa-PR.

E atualmente até em Los Angeles-EUA, além de muitas outras, os veículos foram pintados conforme sua categoria:

Os articulados troncais de uma cor, os locais em outra, os expressos (que fazem menos paradas) em ainda outro tom, os alimentadores numa 4ª cor, e por aí vai.

2) Já em São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Florianópolis primeiro.

Posteriormente também em São Luiz do Maranhão, Belém-PA, Rio de Janeiro e Santiago do Chile.

Em todas elas, por outro lado, padronizou-se a pintura de acordo com a região da cidade que aquela linha serve.

Digo, Belo Horizonte conseguiu inovar e fundiu os dois modelos.

Na padronização Metrobel, os ônibus indicavam tanto a categoria quanto pra que parte da metrópole aquela linha vai. Incrível, não?

integrado

Depois a Transol adotou o azul-claro por tudo. Só no início dos anos 2000 veio a integração do transporte de Floripa, com a construção de terminais. Essa linha é Titri/Tilag. Pra quem não é da cidade, as siglas significam que ela une o Term. Integrado da Trindade ao Term. Integr. da Lagoa (da Conceição).

Se você não conheceu BH nos anos 80 e 90 e não é íntimo de como isso ocorreu, na ligação em vermelho eu explico tudo, ricamente ilustrado.

……..

De volta pra Grande Florianópolis: foi dividida em 6 áreas. Os mapas mostram.

A Ilha está totalmente dentro do município de Florianópolis, ou seja sem região metropolitana. O norte era laranja, o sul marrom.

Na parte continental da cidade, o primeiro anel, mais central e que pertence ao município de Florianópolis, era azul-claro o norte, verde-claro o sul.

Agora falamos dos subúrbios metropolitanos. O norte era azul-escuro, o sul verde-escuro.

Note que o município de São José abrangia ambas as regiões, foi partido ao meio. Já o subúrbio de Biguaçu ficou na área azul-escura, enquanto Palhoça foi pra verde-escura.

mapa1……………

Essa descrição, vista no mapa a esquerda, é só do sistema municipal de Florianópolis e do metropolitano.

Ou seja, dos ônibus que tinham ponto inicial no Centro de Florianópolis, independente se o ponto final do subúrbio cruzasse o limite municipal.

E eram essas 6 regiões.

Mas é preciso ressaltar que o vizinho município de São José aproveitou o embalo e pintou no mesmo padrão suas linhas municipais (lá chamada “Interbairros”).

Usou o tom vermelho, que estava vago. Mapa2

Assim são 7 cores, o vermelho se sobrepõe ao verde e ao azul escuros somente dentro de São José. Clique sobre pra ampliar.

Abaixo mais um mapa, mostrando a área urbanizada na Grande Florianópolis na virada do milênio.

………….

Resumindo:

mapaLaranja: Norte da Ilha, Municipal de Florianópolis.

Marrom: Sul da Ilha, Municipal de Florianópolis.

Azul-claro: parte continental norte do município de Florianópolis.

Verde-claro: parte continental sul do município de Florianópolis.

Azul-escuro: parte continental norte dos subúrbios metropolitanos, ligando eles ao Centro de Florianópolis (Biguaçu e parte de São José).

buso fpolis sc catarina municipal são jose estrela amarelo azul marop torino céu azul

Quando os municipais de Fpólis e os metropolitanos passaram pra pintura livre, nos anos 90, os municipais de S. José acompanharam. Mas esse vizinho município repadronizou a pintura já no começo dos anos 2000, com esse desenho. Por mais de uma década São José teve pintura padronizada e Florianópolis a livre. Foto de minha autoria, bairro Forquilhas, S.J., 06/15.

Verde-escuro: parte continental sul dos subúrbios metropolitanos, ligando eles ao Centro de Florianópolis (Palhoça e parte de São José).

Vermelho: municipais de São José (“Interbairros”). Não entram no município de Florianópolis e nem qualquer outro, óbvio.

…….

Como pode ver, São José tinha 3 cores. O vermelho municipal convivia com as duas cores metropolitanas.

Vemos diversos exemplos dos busões da Grande Florianópolis quando esse padrão da CBTU vigorou.

Note que muitas vezes a mesma empresa operava em várias regiões:

A Estrela operava municipal de Florianópolis, municipal de São José e metropolitano entre os dois municípios.

estrela-artic

Amplie pra ver o logo ‘Papa-Fila‘ antes da sanfona.

Logo tinha busos verde-claros, verde-escuros e vermelhos.

Chamo especial atenção pra foto ao lado onde está todo garboso um bichão sanfonado da Viação Estrela.

Servindo o bairro do Monte Cristo, na parte continental ainda dentro do município de Florianópolis.

buso sobe morro cruz letreiro eletrônico fpolis sc catarina z/c azul branco faixa vidro preto padronizado

Fim de festa: em 2014 a prefeitura retomou as rédeas e repadronizou a pintura. Foto de minha autoria na Avenida Mauro Ramos.

Trata-se, até onde sei, do único articulado que rodou ainda por esse modelo de pintura.

Portanto configurando um registro valiosíssimo da busologia brasileira.

……….

A Ribeironense e a Emflotur operavam somente no município de Florianópolis, porém dos dois lados da ponte, ou seja, serviam a Ilha e o Continente.

Assim a Ribeironense tinha busões em marrom e verde-claro, enquanto a Emflotur em laranja e azul-claro.

anos 70 canasvieiras

Longevidade é isso!!! Haragano da Canasvieiras zerado, sendo apresentado pela fábrica. Anos 70.

A padronização abrangeu apenas os subúrbios metropolitanos de São José, Palhoça e Biguaçu.

Repito essa informação pra ressaltar o seguinte:

A Viação Imperatriz, cujas linhas vão pra Santo Amaro da Imperatriz, não entrou nesse esquema.

Ou seja, ela não foi obrigada a pintar seus veículos de branco com uma faixa colorida. Mas ainda assim ela aderiu ao mesmo esquema porque quis.

No fim da década de 70, morava infinitamente menos gente que hoje na Grande Florianópolis.

livre canasvieiras (2)

Agora segura essa, malandro: Haragano da Canasvieiras na pintura livre do final dos anos 90. Significa o seguinte: ele foi pintado na pintura padronizada (branco com faixa laranja), operou mais de 20 anos (eu disse que a frota de lá era velha!!!) e ainda sobreviveu pra ser repintado pela 2ª vez no modelo livre. Alma Forte!

Assim, Santo Amaro não foi considerado como parte da região metropolitana.

Era muito distante e pouco povoado pra tanto na época – embora hoje a situação tenha se alterado. 

Seja como for, a Viação Imperatriz não entrou compulsoriamente na padronização, mas o fez voluntariamente.

Adotou também uma faixa laranja, mas a faixa menor embaixo dela – onde vai o nome da empresa – era azul-escura, e não preta como em todas as demais.

……….

Pausa pra fotos. Diversos exemplos da pintura livre que vigorava até os anos 70.

anos 70 taner1Começamos a esquerda. Registro raro de um Taner.

Essa viação foi encampada pela Trindadense, que posteriormente foi encampada pela Transol.

…….taner

A direita:

A mesma Taner já na pintura padronizada. Eu sei, não é livre. Mas como é outro registro raríssimo coloquei junto.

Agora falemos da sequência horizontal abaixo.

jotur (2)

Jotur na pintura padronizada. A faixa verde-escura era o sul da Região Metropolitana. No letreiro menor, o nº do carro, e não da linha, característica de algumas cidades.

1) Limoense, municipal. Repare na ‘capelinha invertida’ dentro do para-brisas pro número da linha.

Em São Paulo, no Rio, Porto Alegre e Belo Horizonte a capelinha vinha sobre o teto.

2 e 3) Dois metropolitanos:

O Monobloco da Jotur (que ainda se chamava ‘São José’) apresentado na revendedora.

E um Nielson (depois finada Busscar) Imperatriz.

……………

Clique sobre as fotos que elas aumentam, o mesmo vale pra todas.

anos 70 Limoenseanos 70 jotur-sao joseanos 70 imperatriz

………….

Como dito acima, perto do meio da década de 90 entrou no sistema a Transol.

Imperatriz padronizacao voluntaria

A Viação Imperatriz não foi obrigada a adotar a padronização. Ela o fez porque ela quis. Porém, a faixa menor, debaixo, era azul-escura. A das demais preta.

Que pintava seus ônibus assim, a metade de baixo azul-clara, em cima branco, bem diferente do inteiro branco com uma faixa.

Com a Transol dispensada do padrão, a seguir todas fizeram o mesmo.

Ou seja, foi essa pintura quem despadronizou Florianópolis, retrocesso inédito na história desse país.

Logo a seguir, a Transol adotou o azul-claro uniforme por todo veículo. Sua frota ainda é assim.

metrop buso fpolis sc catarina vidro preto viação biguaçu governador celso ramos azul marcop viale

A re-padronização de 2014 só vale pros municipais de Fpólis. Metropolitanos permanecem livres Aqui Biguaçu, foto de minha autoria.

Desde 2014 está sendo repintada pra nova padronização, mas ainda há alguns circulando com pintura livre, pois a transição leva um tempo. 

Após o fim da obrigação do branco com uma faixa horizontal, eis como diversas viações da Grande Florianópolis pintaram seus veículos.

Notam que algumas delas tiveram mais de uma pintura no período.

Por mais uma década ainda, repetindo, a Biguaçu manteve o branco com uma faixa azul-escura, mas aí porque quis, não era mais o padrão da cidade.

Por fim ela adotou o azul-escuro por todo veículo. Como visto na foto a direita.

buso fpolis sc catarina vidro preto munic metrop dois registros prefeitura governo estado estadual mais caro dinheiro vivo mais barato cartão cartaz anúncio vidro tarifa preço…………

Mais uma pausa pra imagens, que afinal são a atração maior dessa matérias, as palavras apenas as secundam.

metropolitano imperatriz livre (2)

Atual pintura livre da Imperatriz. Por ser uma empresa metropolitana, não será padronizada.

Acima: clique pra ampliar e ler os detalhes.

Em mais uma foto feita pessoalmente, vemos que em Floripa sai mais barato pagar no cartão. Mas se aceita dinheiro vivo igualmente.

Também se nota os registros da PMF (municipal) e Deter (estadual). Essa duplicidade só ocorria nos busões da Estrela, a única a operar os dois modais.

Com a padronização do municipal, não ocorrerá mais.

Vemos na sequência horizontal abaixo:

buso fpolis sc artic canasvi livre verde branco faixa vidro preto favela centro prédio classe média alta contraste morro cruz maciço antão mauro ramos z/c pobreza quebrada invasão periferia

Av. Mauro Ramos, Centro, jun/15. Fotografei a transição: articulado da Canas ainda pintura livre. Ao lado um já padronizado.

Veículos na pintura padronizada que vigorou da virada pros anos 80 até a 2ª metade dos anos 90.

1) Viação Trindadense. Faixa laranja, Norte da Ilha. 

Quando ela deixou de existir a Transol entrou em seu lugar.

Foi exatamente aí que acabou a padronização e voltou a pintura livre.

2 e 3) Emflotur. Faixa azul-clara, norte do Continente.buso fpolis sc artic padronizado padrão azul branco faixa vidro preto favela centro prédio classe média alta contraste morro cruz maciço antão mauro ramos z/c pobreza quebrada invasão periferia

4 e 5) Limoense.

Faixa marrom, Sul da Ilha.

Repetindo o que já foi dito, busos fabricados nos anos 60 ainda circulavam no fim da década de 80.

transição buso ticen terminal central estacionamento insular verde branco faixa livre vidro preto azul padronizado padrão z/c fpolis sc catarina

Essa cliquei no Ticen: Pintura livre da Insular, atrás um padronizado.

Bem mais de 20 anos de uso. Era comum lá.

6 e 7) Ribeironense, faixa verde-claro, sul do Continente.

8) Estrela municipal.

Mesma faixa dos 2 anteriores. Na frente vai um Gabriela da Emflotur, faixa azul-clara, também no Continente.

metropolitano

Paulotur (Paulo Lopes) liga Fpólis a Garopaba, paraíso dos surfistas. Metropolitano de média distância.

9 e 10) Canasvieiras.

Laranja, Norte da Ilha.

De 1 a 10, todos são municipais de Florianópolis.

……………..

11 e 12) Jotur.

Faixa verde-escura, parte sul da Região Metropolitana.

Da época que Volvo era Volvo . . .

trindadense1Emflotur3250Emflotur3240Limoense2406alimoense (2)Ribeironense4577aribeironense (2)estrela (6)Canasvieiras1169Canasvieiras1161Jotur069jotur (3)

E agora 4 Biguaçu. 1º já no século 21, a viação usava essa pintura porque queria, ressaltando. Placa de 3 letras, e não há mais a faixinha preta menor, só a azul principal. As demais no século 20, quando todas as viações tinham que ser assim. Chapa com 2 letras, claro.

Biguacu680Biguacu508Biguacu199Biguacu198a

…………

estrela livre

Pintura livre da Estrela. Nos municipais ela terá que repadronizar. Já suas linhas metropolitanas poderão continuar nesse tom verde, ao menos por hora.

Volta o texto. Vigorava pintura livre. Agora a farra acabou. Florianópolis repadronizou a pintura. Antes tarde que nunca….

Isso nos ônibus municipais. Pelo menos por hora os metropolitanos continuam decorando sua frota como queiram.

………..

Aqui acaba o primeiro emeio.

O colega que é especialista no automotor e que tantas contribuições já deu a essa coluna, me respondeu. Em azul como sempre:

executivo buso letreiro eletrônico fpolis sc catarina amarelo vidro preto rodov centro z/c

Ônibus executivo fotografado por mim em junho/15. Esses veículos (modelo de viagem, todos os passageiros vão sentados, ar-condicionado) são mais caros, e amarelinhos há muitas décadas, tanto municipais quanto metropolitanos. É a única categoria atualmente que a pintura é a mesma, tanto pro município de Fpólis quanto pra R.M.. Em Curitiba e Brasília fizeram um modal diferenciado com micros, mas não vingou.

”    Meu  amigo, como sempre uma análise mordaz, que começa de um tema singelo e insuspeito.

Por um lado ganham os cidadãos com uma identificação imediata do transporte.

Indiscutivelmente mais efetiva.

Até mesmo para pessoas que ainda se encontram nas trevas do analfabetismo.

Porém, afirmo a obviedade de que por outro, vai-se às retinas do tempo uma manifestação expressiva das identidades das empresas.

Não que isso pese, mas é um fato.”

Já o colega prossegue. Só quero fazer aqui um adendo:

A Colômbia (e boa parte da América) estão também nesse processo. Mas muito mais radical.

Não estão apenas abandonando a pintura livre pela padronizada. Porém também abandonando as jardineiras e trocando pelos cara-chatas. Ou seja, estão se re-inventando, deixando de ser quem eram e se tornando outra coisa.

Em Medelím particularmente o processo é um espetáculo. Volta o irmão que escreve de azul. Quebra tudo aí cumpádi:

“Chamaram-me no entanto especial atenção duas fotos:

1) a “SC10”, que apresenta um coletivo com emblemas da Fiat (?!);

metropolitano jotur livre (2)

Pintura livre da Jotur, metropolitano. Esse desenho unicolor dourado é exclusivo pra articulados.

2) e a beleza do encarroçamento de exemplar retratado na “SC1”, cujo corpo lembra uma “Nimbus” ou mesmo uma “Caio”:

Com as janelas inclinadas para a frente características, porém com uma frente muito mais detalhada e com aletas finamente trabalhadas.

Para a primeira, presumo que seja alguma aventura da época dos Iveco, ou quiçá dos FNM.

Que depois passaram a ser comercializados pela Fiat aqui no Brasil (FNM era tecnologia Alfa Romeo, empresa que depois foi comprada pela Fiat). 

anos 70 emflotur

Anos 70: a Empresa Florianópolis (depois ‘Emflotur‘) assinava o nome da cidade na pintura livre. Note o letreiro menor no para-brisas pro número da linha, uma ‘capelinha invertida‘, típica de Floripa nessa época

Se você souber mais detalhes, por favor, me oriente fiquei curioso.

Agora, sobre a carroceria que mencionei, acho que somente você pode dizer fabricante, tipo, chassi (provavelmente de caminhão como a maioria dos não rodoviários) e motorização. 

Por sinal, não há como questionar a beleza simples e limpa do monobloco Mercedes, mais uma vez dando o “ar da graça” nos seus e-meios.     ”    

……………….

Abaixo minha tréplica: 

Fpolis ribeironense lona buso monob verde branco padrão abraão continenteAntes mais fotos.

Próximas 3:

Quando não era mais obrigatória, antes de abandonar por completo a padronização algumas empresas adotaram uma pintura de transição. imperatriz

Mantiveram a faixa principal mas mudaram outros detalhes.

Acima, a Ribeironense (municipal) –  que usava faixa verde-claro – adotou esse modelo:

Excluiu a faixa preta menor debaixo – onde ia o nome da viação – mas manteve a faixa maior colorida, onde assinou sua frota em letras garrafais e de forma.

biguacu1Foi uma forma de intermediária entre o padronizado e o livre. Já era livre pela legislação, ela poderia ter até pintado o buso inteiro de rosa, se quisesse.

Mas preferiu manter a faixa principal da padronização, mudando alguns detalhes como o local e tamanho onde seu nome estava impresso.

seletivo

Eis o 1º Seletivo. A Estrela o pintou no mesmo padrão dos convencionais então vigente. Hoje esse serviço mais confortável (e mais caro) é amarelo.

Já as metropolitanas Imperatriz (de laranja, a direita) e Biguaçu (esquerda) tiveram 2 coisas em comum:

1º, mantiveram as faixas CBTU por muito tempo quando já não era obrigatório (pra Imperatriz nunca foi);

2º, quando enfim resolveram abandonar essa faixa, como período de adaptação elas antes escreveram o nome da viação em letra de mão, sobre a mesma.

A seguir virou pintura livre.

Em Porto Alegre ocorreu exatamente o mesmo.

ribeironense

A Ribeironense saiu de cena, substituída pela Insular. Aqui vemos a transição: já no uni-tom verde da Insular, mas ainda  o nome antigo escrito na lataria.

Quando acabou a sua padronização (que era idêntica a de Floripa) também por um tempo algumas viações mantiveram a faixa principal adaptando outros detalhes.

………..

Vamos na sequência horizontal ver mais um pouco da pintura livre das viações.

De 1 a 5 são metropolitanas.

Que portanto continuarão decorando sua frota como bem entendem.

biguacu (3)

Caiu a padronização e a Biguaçu tornou o antigo padrão sua pintura livre. Isso antes de pintar a viação em letra de mão (acima). Atrás um Jotur em pintura livre.

…………

Fogo no pavio:

1 e 2) Santa Terezinha.

Vemos a pintura livre que essa viação adotou nos anos 90, quando caiu o padrão compulsório (no Vitória repare a chapa mais alta, na grade, traço do Sudeste que avança no sul do Brasil).

Sua atual escolha é inteiro cinza, há uma foto mais pra baixo na página.

3 e 4) Jotur.

Essa empresa, e somente, ela, tem uma peculiaridade:

Pintura exclusiva pra articulados, aquele bege por inteiro.

executivo Biguacu

Executivo (ônibus de viagem, 1 porta) da Biguaçu, quando a pintura era livre. Os convencionais de 2 portas eram padronizados, como vê a frente. Depois de 1994 a 2014 inverteu, convencional livre, executivo padronizado em amarelo. Agora municipal de Floripa e executivo municipal e metropolitano são todos padronizados.

Usada também nos micros, porém nesse último caso só pra fretamento. Linhas regulares só os articulados mesmo.

Nem todos os seus sanfonados, porém, são diferenciados.

Alguns seguem a saia verde-escuro/blusa verde-clara dos veículos curtos. Como visto abaixo.

5) Viação Biguaçu.

É do mesmo grupo que detém a Emflotur, municipal.

…………

Agora 3 das municipais.

Que portanto não poderão permanecer assim.

6 e 7) Transol.

canasvieiras (3)

Veremos 2 Venezas da Canasvieiras. Esse na pintura padronizada. De novo com ‘capelinha invertida’. A esquerda: no fim dos anos 90 (20 e poucos anos de uso) na pintura livre.

Região Central e Leste da Ilha: Santa Mônica, Trindade, Agronômica, Lagoa da Conceição.

Um carro curto e um articulado.

Quando esses sanfonados chegaram a Floripa eram chamados ‘Papa-Filas’, recuperando um nome que existiu no Sudeste em tempos idos.

…………

Falando em pioneirismo: Você sabe onde circulou o 1º articulado de SC?

Não foi em nenhuma das metrópoles do estado (Floripa, Blumenau, Joinville, Itajaí, Criciúma, etc). E sim em Chapecó, Oeste Catarinense, 1988. Clique na ligação pra ver as fotos.

8) Articulado da Insular.

livre Canasvieiras (4)Sul da Ilha: Campeche, Rio Tavares, Aeroporto, Tapera, Saco dos Limões, Costeira.

Sempre seguindo o eixo da segunda ampliação da BR-282 (‘Beira-Mar Sul’).

Essa viação entrou no lugar da Limoense e Ribeironense, que se foram.

Clique sobre pra ampliar.

metropolitano santa2 livremetropolitano santa terezinha11metropolitano jotur livrejoturmetropolitano biguacu livre (4)livre Transollivre Transol (4)livre insular (2)

……………..

santa terezinha (2)

Sta. Terezinha, 1ª padronização

Volta o texto. Eu respondo a meu amigo: firmeza total camarada.

Então cara, a foto que você se refere como “SC10” não resta dúvidas que trata-se dessa que está ao lado.

Você presumiu “que seja alguma aventura da época dos Iveco.

Ou quiçá dos FNM que depois passaram a ser comercializados pela Fiat aqui no Brasil.

FNM era tecnologia Alfa Romeo, empresa que depois foi comprada pela Fiat”. 

emflotur term

Com a padronização da pintura adotou-se a sigla Emflotur. Aqui parte da frota da antiga ‘Empresa Florianópolis’ no Centro, esperando a hora de zarpar pra parte boreal do Continente (onde fica o estádio do Figueirense). As linhas são ‘Canto’ e ‘Jd. Atlântico’.

Pois é. Estudando a FNM, eu já sabia que eles montavam tecnologia Fiat.

E também já sabia que a Fiat comprou e fechou essa fábrica, essa última informação não por estudos teóricos mas na prática.

Lembro-me que quando era criança ainda rodavam muitos FNM’s velhos junto com uns poucos Fiats que na época eram novos.

Aqui me refiro a caminhões, e não ônibus.

A seguir, os Fiat novos deixaram de aparecer. Essa transnacional italiana adquiriu a gloriosa Fábrica Nacional de Motores apenas pra extingui-la. 

emflotur ilha

Mas a Emflotur também teve linhas na Ilha. Por isso alguns carros vinham com faixa laranja.

Naquela época, finzinho dos anos 70, virada pros 80, surgiram alguns caminhões Fiat oriundos do espólio da FNM.

E eu os vi na estrada, alias alguns rodam até hoje.

Assim, quanto a transição FNM-Fiat no modal caminhão, isso me é conhecimento prático, e não teórico. 

Mas em relação a ônibus, que alias é meu campo principal de interesse, é diferente.

Eu não me lembro de ter presenciado pessoalmente nenhum ônibus Fiat.

estrela (7)

Torino Scania da Estrela (note o eixo a frente da porta) em linha municipal, vai pro bairro Capoeiras, parte austral do Continente – por isso verde-claro. Outro detalhe: a entrada acabara de ser invertida pra dianteira.

Certamente os vi, mas não estão no consciente, só inconsciente. Pra eu guardar a imagem, tive que recorrer as fotos. 

Isso porque os ônibus Fiat foram fabricados por pouquíssimo tempo, perto da virada dos anos 70 pra 80.

O exemplar aqui retratado é de 1979. Por conta disso, pelo número absolutamente exíguo deles, são registros raros.

Essa foto, desse veículo com a faixa verde-escura padrão CBTU na Grande Florianópolis, é um clássico da busologia brasileira.

Estrela metro 1093a

Outro Torino Scania da Estrela. Um modelo mais velho, mas a mesma configuração do eixo. Esse é inter-municipal – e por isso verde-escuro. Vai do Centro de Fpólis pra Campinas (via Kobrasol). Não se trata do interior paulista, claro. Os dois últimos são bairros de São José.

Justamente por esse motivo, é uma tomada em boa qualidade de algo raríssimo, que são esse ônibus com motorização Fiat.

Surgiram por um tempo brevíssimo, quando ela comprou a FNM, e logo se foram.

Mas alguém teve o espírito iluminado de registrar, então virou clássico, cristalizou a Energia.

Saiu do inconsciente e passou pro consciente coletivo de milhares de busólogos/automobilistas. 

……………

Quanto a padronização da pintura, eu concordo que algo se perde, no caso a diversidade de desenhos que haviam quando cada viação fazia o que queria.

Mas, irmão, viver é escolher. Sempre algo se perde.

anos 70 (60) livre canasvieiras

Raridade Total!! Em foto que deve ser dos anos 60, vemos 2 Canasvieiras rasgando as estradas de terra rumo ao Norte da Ilha, então área rural em boa medida. Linha: “Florianópolis/Ingleses”, separado, como se fosse ônibus de viagem. De certa forma na época era.

Cada momento da vida é uma bifurcação que você tem que escolher um caminho.

Assim abrir mão do que poderia acontecer se fosse pro outro lado. É dessa forma, e não há o que fazer. Viver É escolher. 

E pra viver em sociedade, precisamos de cidadania, que o bem prum maior número possível de pessoas prevaleça.

A padronização da pintura é importante não apenas pra orientar o usuário, mas por uma questão de estado de direito mesmo.

É pra mostrar que o interesse público prevalece sobre o grande capital. Claro que na prática não é bem assim.

biguacu (2)

Alma Forte mesmo! Monobloco do começo dos anos 8o operou até 2005, como o autor fez questão de ressaltar. Mais de 20 anos de pista, sem tirar de dentro, irmão. Clique na ligação, onde há outra foto do mesmo carro, e comprovará que ele teve placa de 3 letras. Quando da padronização da virada pros 80, a parte norte metropolitana ficou azul escura. Mas depois a padronização acabou e por todos os anos 90 e parte dos 2000 a Biguaçu se manteve assim porque quis.

O capital, mesmo com pintura padronizada, ainda retém muita influência sobre o poder (e o interesse) público.

Curitiba é o maior exemplo, os ônibus uniformes em uma cor só, mas há um cartel que faz o que bem entende.

Mas se as empresas têm que pintar seus ônibus como o poder público decide, e não como querem, é um começo.

Um avanço rumo a um estado democrático. 

Por uma questão de cidadania, de estado de direito, os ônibus precisam ser padronizados.

A pintura precisa ser padronizada por cidades.

Sim, algo se perde. Mas muito mais se ganha. Viver é escolher, a Vida é assim. 

anos 70 ribeironense

Anos 70, ainda em P&B: pintura livre da Ribeironense. Mesmo desenho usado por muitos anos pela Viação Atibaia-São Paulo e até hoje pela Mauá de Niterói-Grande Rio.

………………

Não sei exatamente qual imagem você se refere por “SC1”.

Como você falou das janelas inclinadas pra frente e da Nimbus, presumo que seja o veículo da Viação Canasvieiras (retratado no alto da matéria).

Se for, a Nimbus era uma fábrica da cidade de Caxias do Sul-RS.

anos 70 jotur

Pintura livre da ‘São José’ na década de 70. Depois a empresa mudaria o nome pra ‘Jotur‘.  A Ponte Hercílio Luz, ao fundo, ainda estava ativa.

………..

A Marcopolo iniciou sua expação pra se tornar a maior do mundo.

Começou comprando a Nimbus, que era na mesma cidade que ela.

Os veículos aqui retratados são Haragano – nome de um vento que sopra no Pampa Gaúcho.

Como o Minuano que também é modelo de ônibus. Enfim, o Minuano é da Incansel, que agora se chama Comil.

anos 70 jotur2

Veneza Expresso, ainda na livre dos anos 70, mas já renomeada Jotur. Linha “Florianópolis/Palhoça”.

………..

Vamos nos focar no Haragano. Sua marca registrada era o letreiro onde vai a linha inclinado pra frente. Sempre me chamou muita atenção.

Pois foram muito populares no sistema Expresso de Curitiba, quando esse foi implantado a década de 70 e que circularam por todos os anos 80

Sim, o chassi é obviamente de caminhão. Deve ser um Mercedes-Benz, há 99% de chances, mas não posso confirmar. 

Ribeironense4574

Na padronização, Thamco da Ribeironense vai pra Vila Aparecida, no Continente. A mesma viação tinha busos com faixa marrom pois fazia linha pro Sul da Ilha.

………………

Detalhe. Um Nimbus Haragano (talvez não seja o mesmo veículo, mas é da mesma série) da Canasvieiras nas duas pinturas livres da empresa:

Nos anos 70 (antes da padronização da CBTU ser adotada) e nos anos 90 (depois que o padrão da CBTU foi abandonado). 

Se ele teve as duas pinturas livres, só pode significar uma coisa:

Na primeira imagem ele está zerado, no fim dos anos 70. Na virada dessa década pra de 80, ele foi padronizado.

romeu e julieta

Romeu & Julieta da Trindadense. Veja muitos outros, no Rio, Porto Alegre e até na Suíça.

Pintado de branco com uma faixa laranja, que era a região da Canasvieiras, Norte da Ilha.

No meio dos anos 90, a pintura padronizada caiu – reversão da cidadania – e ele ainda recebeu a pintura – livre, de escolha da empresa – verde e branca.

A pintura em Florianópolis era livre, foi padronizada e assim ficou por mais de uma década e meia, e voltou a ser livre.

Esse bichão, esse guerreiro, passou por tudo isso. Veio, viu e venceu.

metropolitano jotur livre (1)

Próximas 2: pinturas livres atuais que irão permanecer, pois são metropolitanas. Essa é da Jotur, puxada da rede.

…………..

A frota em Florianópolis, por todo o século 20 e mesmo começo do 21, era muito velha. Muito, muito velha.

Muito comum vermos ônibus com mais de 20 anos, ainda em uso.

É o caso aqui, o veículo teve 3 padrões de pintura. Se você falar isso a um curitibano, o queixo cai da boca, tamanho espanto o cara leva.

metrop buso fpolis sc catarina santa terezinha cinza vidro preto

E agora um Santa Terezinha fotografado por mim.

Mas em Floripa, é normal. Ou ao menos foi por muitas e muitas décadas.

Nos anos 80 em Floripa ainda circulavam vários busos produzidos nos anos 60. Em Porto Alegre era igual.

Já em Curitiba e SP, inversamente, isso não acontecia.

………

Tempos passados. Hoje a frota das capitais gaúcha e catarinense é nova, como a das demais capitais.

metrop buso lona fpolis sc catarina vidro preto lisboa estrela torino marcop verde br-101

Aqui e a direita, 2 Estrela registrados por mim dentro do Ticen e em frente: esse é metropolitano. Vai pro bairro Lisboa, São José. Assim poderá continuar uni-tom verde.

E agora a pintura foi repadronizada em Floripa. A Cidade-Desterro foi re-incorporada, no tempo e no espaço.

Agora seguirá o modelo brasileiro de padronização e modernização da frota de ônibus.

………..

Como sabe, a atual Florianópolis se chamava ‘Desterro’.

Até que o ‘Marechal de Ferro’ Floriano Peixoto foi lá e abafou uma rebelião.

buso munic fpolis sc catarina vidro preto verde estrela vila aparecida flecha porta viale marcop livre verde letreiro eletrônico

Já este outro vai pra V. Aparecida (município de Fpólis). Terá que ser repintado. Enquanto vigorou pintura livre, a Estrela usou a mesma pintura nos dois modais, óbvio. Agora não poderá mais, são os últimos dias dos verdinhos no municipal.

No século 19, as coisas eram mais brutas, resolvidas no fio da espada.

Cabeças rolaram – não é modo de falar – e o Desterro se tornou a Cidade de Floriano.

Agora no novo milênio as coisas são mais sutis. Novamente, uma rebelião estava em curso.

Simbólico é que apenas Florianópolis tenha renegado o fato que o regime militar padronizou a pintura dos ônibus, como um de seus legados mais fortes.

Por duas décadas (1994-2014) teve novamente pintura livre.

Quando até mesmo o Rio de Janeiro e Manaus já haviam padronizado.

buso transição letreiro eletrônico livre padronizado padrão fpolis sc catarina vidro preto estacionamento ticen terminal central azul branco

Ticen (minha autoria). Transição: branco e para-choque azul, padronizado. Outros ainda livres. Veja a mesma cena em Ponta Grossa-PR – novamente clicada por mim – e também no Piauí e Rio Grande do Sul, nesse caso com imagens baixadas da rede.

Não mais. Florianópolis não está mais “desterrada”, foi re-incorporada, no tempo e no espaço.

Enfim, com décadas de atraso, re-adentrou o século 20. E voltou a fazer parte do Brasil, nessa dimensão também.

Deixou de ser a ‘ovelha negra’.

Os ônibus agora são azuis e brancos. Todos eles.

Deus proverá – alias já proveio.

Anúncios

Um comentário sobre “a Cidade de Floriano não está mais Desterrada

  1. Sandro disse:

    Andei muito nos ônibus com motor Fiat, o som do motor era muito bom os dois carros que a canavieiras tinha na época era revolucionários.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s