Tabela Trocada

porto-alegre

Bi-articulado de Campinas emprestado em testes a Carris de Porto Alegre. Dá pra ver claramente os guindastes do porto ao fundo.

Por Maurílio Mendes, O Mensageiro

Publicado em 19 de janeiro de 2017

Maioria das imagens baixadas da internet. Os créditos foram mantidos, e nas legendas eu dou a ligação pras fontes. As que forem de minha autoria identifico com um asterisco (*).

……….

Fiz uma postagem sobre os ônibus em testes. Acabo de ampliá-la com dezenas de novas fotos, com muitos busos brancos.

campinas

O mesmo veículo em definitivo em Campinas. Fonte da foto: sítio Tudo de Ônibus.

Também traçamos vários casos do mesmo ônibus sendo testado em diferentes partes desse imenso Brasil, confira.

E essa atual postagem também é ampliação daquela. Nosso tema de hoje é ‘Tabela Trocada’.

Pra quem não é íntimo do jargão da busologia, isso significa:

argentina rosário outras postagens: "BH, do Metrobel ao Move" e "Tabela Trocada" trol buso venda nova letreiro lona torino marcop ex- bh padrão verde vermelho faixa branca roda sem chapa

Tróleibus em Rosário, Argentina. Mas….. vai pra Venda Nova???? Tabela trocada, claro, originalmente era pra operar em BH.

Ônibus que deveriam estar cumprindo um determinado tipo de serviço, mas estão de maneira improvisada em outro.

Vamos nos focar em busos com pintura de uma cidade operando em outra. 

Seja emprestados em testes ou quando foram vendidos e o novo dono simplesmente não repintou.

Mas também aparecerão ônibus com ‘tabela trocada’ (‘Paese’, em SP) dentro da mesma cidade.

trol buso padrão venda nova lagoinha letreiro lona torino marcop era bh vermelho faixa branca sem chapa não operou 3 portas zero km fábrica

No meio dos anos 80, a capital de Minas ia re-implantar o trólei. Amplie pra ler, a linha iria dos terminais Venda Nova a Lagoinha. Nunca rodaram no Brasil.

Em todos os casos, vamos ver sempre a ‘tabela trocada’ (o ônibus em situação excepcional, emprestado ou vendido) e a ‘tabela original’ (ele na linha/cidade corretas).

………..

Veja a legenda das fotos acima:

Bi-articulado da viação Itajde Campinas-SP estreou primeiro em Porto Alegre-RS, pela Carris (placa: CUB-4651).

Na postagem sobre os busos em testes há outra foto dele no Rio Grande do Sul.

argentina rosário américa trol buso linha pintada k torino marcop era bh padrão vermelho faixa branca sem chapa árvore privado ecobus

Em Rosário mas ainda com a pintura original de Belo Horizonte. Fonte dessa e de outras fotos de tróleibus: sítio Tramz.com, especializado em transporte elétrico.

– E depois o exato mesmo veículo com seu dono definitivo, no interior paulista, a Viação Itajaí.

……….

E nas 3 fotos a seguir, até essa ao lado:

Tróleibus em Rosário, Argentina. Mas a linha vai pra Venda Nova?

É simples. Esses veículo (vide imagem acima) foram produzidos pra rodar em Belo Horizonte-MG.

Chegaram a comprar e pintar os veículos, e num pedaço da Cristiano Machado teve instalada a rede eletrificada.

recife-em-joinville

Próximas 2: Ônibus do SEI (Recife) no Terminal Central de Joinville, de partida pro Itaum. Essa e outras tomadas são oriundas do sítio Ônibus Brasil.com.

Mas não deu certo, esses ônibus elétricos vermelhos nunca rodaram no Brasil.

Após alguns anos sem uso no depósito, foram vendidos pra Argentina.

Quebraram muitos tabus lá: foram os únicos tróleis brasileiros exportados.

E ao mesmo tempo foram os únicos ônibus brasileiros que rodaram na Argentina, incluindo elétrico e a dísel.

Fiz uma radiografia completa dos tróleibus na América, onde eu conto melhor essa história com muitas fotos.

recife-em-joinville1Pro que nos interessa aqui, os tróleis foram pro país vizinho. Onde operaram a princípio sem serem repintados. Em alguns não trocaram sequer o letreiro.

…….

Acima e ao lado: o Sistema Estrutural Integrado (SEI) do Recife-PE agora tem linha até pro Itaum?SEI artic azul recife volvo torino marcop buso pernambuco faixa vertical verde vermelha amarela terminal cajueiro seco jaboatão chuva pista molhada reflexo kombi

Obviamente não. O buso foi emprestado, antes de seguir pra Pernambuco fez testes em Joinville-SC.

A direita um articulado azul do SEI ‘em casa’, em Jaboatão, Grande Recife.

Nota: esse Viale acabou sendo vendido pra Grande Curitiba.

joinvilleMas foi repintado antes de circular aqui, destino idêntico a dezenas de outros sanfonados recifenses. Portanto não configura ‘tabela trocada’, pois essa se refere ao improviso.

Se houve readequação a padronização da cidade-destino, a transação foi consolidada em definitivo.

……em-curitiba

Acima: também no Itaum, Joinville. Mas na lataria: “Piraquara”, e o ‘M’ do sistema metropolitano de Curitiba?

Esse já estava operando em Curitiba (direita) há um tempo e depois foi emprestado pro norte de Santa Catarina.

s-miguel-maUm caso diferente: geralmente os busos com pintura de uma cidade operando em outra são novos. Circulam em testes emprestados zero km, antes de irem pro seu dono definitivo.

Mas nesse caso esse bichão já estava em ação no Paraná, e foi por uns dias ajudar o estado vizinho. “De Curitiba pro mundo“, mais um caso.sao-miguel

Agora “de Resende-RJ pro mundo”, ou mais especificamente pra São Luís.

O grupo da viação São Miguel que opera nessa cidade do interior do estado do Rio também tem filiais na capital do Maranhão.

uberaba

Uberaba na padronização EMTU???

Um dia o conglomerado “trocou a tabela”:

Acima a esquerda o buso em situação emergencial em São Luís (fonte: sítio Sportbus Maranhão).

A direita em sua tabela de origem, em Resende, Rio de Janeiro, extraído da página Cia. de Ônibus.

………….

uberaba é no estado de são paulo?

então porque lá também tem emtu?????

metrop cinza verm azul marcop buso emtu santos baixada eletrônico interior litoral paulista sp placa motorista treinamento piracicabana tribus trucado 3 3º eixo

Nas próximas 4, um “Ataque dos Clones”. Padrão EMTU do governo Paulista em: 1)Santos (nesse caso um Tribus Urbano).

Certamente o caso mais clássico e conhecido (pelo menos no Sudeste Brasileiro) de tabela trocada são os busos da Piracicabana que circularam em Uberaba, Minas Gerais.

Ou deveríamos dizer Uberaba, São Paulo????

Como é sabido, perto da virada do milênio o governo de SP padronizou em azul os ônibus metropolitanos da Capital, Santos e Campinas.

Agora isso avança pelo estado, e abrange também Sorocaba, Vale do Paraíba, e quem sabe outras partes.

SP artic cinza verm azul marcop buso metrop emtu eletrônico ribeirão pires letreiro saltado saliente teto grande paulista metrop ex-ctba viação adesivada vidro para-brisas garag

2)Região Metropolitana da Capital Paulista.

Pois bem. Isso não é tabela trocada, porque é a pintura oficial dessas cidades.

É um “ataque dos clones”, tema de matéria que levanto pro ar em breve:

Quando várias cidades têm a mesma pintura, mas isso não é improviso, e sim uma decisão deliberada.

Mas Uberaba obviamente não pertence a São Paulo, e portanto não faz parte da padronização EMTU.

campinas3

3)Campinas.

A questão é que a Viação Piracicabana (grupo Constantino/Gol), que domina a Baixada Santista, também tem uma filial no Triângulo Mineiro.

E ela leva seus carros usados pra Minas Gerais, botando pra rodar sem se dar ao trabalho de repintar.

Ou ao menos fez isso por um bom tempo num passado recente. Assim é tabela trocada, pois se configura improviso – alguns diriam ‘desleixo’.

aparecida SP interior paulista metrop emtu buso busscar cinza pássaro marrom padronizada azul vermelho branco lona letreiro outra cor nome linha vale paraíba placa vidro para-brisas itinerário preço valor tarifa

4)Vale do Paraíba (*). Aparecida, julho de 2016. Como explicado, as imagens com asterisco são de minha autoria.

(Nota: flagramos na internet um micro Carolina também no interior mineiro, e igualmente com o “padrão” EMTU.

Mas esse não circula mais, é uma homenagem, “Energia nunca morre“, e não transporte urbano regular.)

………..

Não pense você que são só os ‘carros’ de tamanho normal que a Piracicabana leva pra Minas com a pintura de São Paulo.

E nem que a padronização EMTU é a única que tem o ‘privilégio’.uberaba-micro

A direita: micro rodando em Uberaba.

Mas…. com a pintura do sistema municipal de Praia Grande, na Baixada Santista.

Comprovamos abaixo:

micro-pg-2Em cena oriunda do sítio LitoralBus (de onde também vieram outras fotos), um desses micrinhos ‘em casa’:

Praia Grande, São Paulo.

……………campinas buso cmtc anhangüera anhanguera rodovia estrada p-b sp ajuda locaute 1989 frota emergência paese monob 2 vermelho jânio descrição página sítio internet comentários autor letreiro lona estádio

E já que falamos de Campinas.

A história do transporte coletivo na maior cidade do interior paulista é bastante tumultuada.

Greves, locautes, embates de empresários contra perueiros, de empresários contra a prefeitura, de perueiros contra a prefeitura, o cardápio é extenso.

Em 1989, houve um dos capítulos mais significativos desse conflito.

campinas-cmtc

Monobloco vermelho da CMTC em Campinas.

Várias empresas decretaram locaute, que é a greve de patrão.

Se recusaram a pôr os ônibus pra circular, e pra não terem que fazê-lo judicialmente retiraram a frota da cidade na calada da noite.

Um dia a situação ficou tão crítica que Campinas pediu arrego.

A prefeitura da capital mandou 100 monoblocos da CMTC pra ajudar.

sp anos década 80 paulista lona buso monob 1 vermelho jânio cmtc z/c correio z/c centrão vassoura ação logo emblema político lema propriedade povo

Mono vermelho da CMTC em casa, SP Capital.

Acima a direita o comboio na Anhangüera.

E a esquerda, já em Campinas, o secretário dessa cidade faz a vistoria, pra pôr a frota pra rodar.

O governo do estado também mandou mais 100 busões.

Na ocasião a EMTU tinha frota própria, pois era operadora, e não somente fiscalizadora como hoje.

campinas1Na mesma época (1989) uma das mais tradicionais viações campineiras, a CCTC, deixou o sistema.

A Companhia Campineira de Transporte Coletivo, apesar do nome parecido com a CMTC e CSTC, não era estatal, ao contrário das outras duas.

Ao contrário, a CCTC pertencia a Viação Cometa, que também teve um dia viações urbanas em SP Capital e Ribeirão Preto, no interior do mesmo estado. Agora nos foquemos na foto ao lado, vinda do blog Bus Camp. desenho

É a garagem da VCG (Viação Campos Gerais) em Campinas. Os busos das duas pontas vieram do espólio da CCTC. No meio, inteiro de amarelo, um buso com a pintura de Curitiba.

marechal lona buso ctba anos 80 rui barbosa guabirotuba ponto final amarelo convencional nimbus haraganoAdiciono a gravura (idêntica fonte já ligada acima) desse mesmo veículo.

E a esquerda operando em Curitiba, na Praça Rui Barbosa de saída pra Zona Leste.

Digo, eu não sei se é exatamente o mesmo carro, mas é um do mesmo lote.

testes poa - pintura bh

Ônibus de Belo Horizonte, já com a padronização ‘das Flechas’, operando em testes em Porto Alegre pela Carris.

Uma retificação ao desenho a direita: esse ônibus que foi pra Campinas não tinha 3 portas, somente 2.

E provavelmente não era motor traseiro mas dianteiro, como o que está a esquerda.

Justifico: não houveram Nimbus Haragano 3 portas em Curitiba.

Pois esse modelo é do fim dos anos 70, e a terceira porta só foi introduzida aqui (com exceção dos Expressos da Zona Oeste) em 1986.

Os Nimbus Haragano circularam na capital do Paraná em duas configurações:

azul linha placa lataria adesivada vidro buso bh lona metrobel ciferal flechas colada letreiro improviso saltado pra cima hospitais teto

‘Em casa’: Ciferal com as ‘Flechas’ em B.H. .

Expressos vermelhos, motor traseiro, 2 portas, a de saída no meio; e Convencionais amarelos, motor dianteiro, também 2 portas, a de saída no fundo.

Oras, vemos claramente na foto que ônibus ex-Curitiba tem porta nos fundos. Portanto foi um Convencional na origem (e não um ex-Expresso repassado pra Convencional).

Assim era motor dianteiro, igual ao amarelo visto na Rui Barbosa na foto acima a esquerda, isso se não for exatamente esse.

………

itajai-2999

Em Campinas, pintura curitibana dos Interbairros. N° 2999, que é reservado pros que estão em testes na Viação Itajaí.

E como esse curitibano foi parar em Campinas?

Como dizíamos acima, o fim dos anos 80 foi complicado nessa cidade paulista. Com a saída da CCTC, a coisa complicou de vez.

Assim a Viação Campos Gerais, de Ponta Grossa-PR, foi convidada a assumir algumas linhas.

Veja que os 2 busos das pontas ainda estão na pintura da CCTC, que se recusara a adotar a padronização EBTU (branco, com uma faixa indicando a região da linha).

Alguns dizem que a Campos Gerais é dos Gullin.

testes lona letreiro linha amarelo sp verde interbairros buso perus z/n santa brígida artic marcop viale ctbaGrupo que também controlam várias viações na Grande Curitiba, inclusive a finada Marechal que forneceu esse ônibus amarelo pra Campinas.

E sequer repintaram, configurando mais uma ‘tabela trocada’.

…………JR106 munic buso motor atrás traseiro ctba articulado sanfonado verde interbairros scania eletrônico torino marcop

Continuamos com a conexão SP Capital/Curitiba/Campinas.

Acima a direita (vide legenda) vimos articulado Interbairros de Curitiba em testes na maior metrópole do interior do estado de São Paulo, numerado 2999.

CMTC capital paulista lona buso sp mafersa verde interbairros z/s Ctba capital paulistaDo interior pra capital, o resto é igual:

Acima a esquerda um articulado da S. Brígida com o verde dos Interbairros de Curitiba vai pra Perus, Z/N de Sampa (fonte dessa e várias outras: Revista Portal do Ônibus).

A direita um outro sanfonado Interbairros, também Marcopolo, circulando aqui em Curitiba, esse na tabela correta.CMTC lona buso entrada frente sp convencional mafersa amarelo z/s Curitiba

Acima e ao lado:

CMTC’s verde e amarelo, que deveriam ter sido Interbairros e Convencionais aqui em Curitiba.

Não é modo de falar.

campinas anos 80 buso amélia padronizada pintura vidro preto branco faixa verde tuca caioEm 1987, a prefeitura curitibana lanço licitação pra adquirir 55 ônibus padrão (alongados, 3 portas, etc.)

A Mafersa ganhou a concorrência e produziu o material nas condições requeridas.

Mas a prefeitura de Curitiba cancelou a compra, não sei porque motivo.3 saia rosa blusa lona buso sp z/l azul viação são paulo caio amélia era ex- pintura campinas

Assim vários foram pra CMTC, que botou pra rodar sem repintar, e outros pra Vitória-ES.

………

Agora a conexão é só SP Capital/Campinas.

hibribus Fortaleza Ctba marcop verde híbrido placa chapa testes embarque invertido frente dianteira unifor campus universidade ceará nordeste volvo elétrico motor traseiro atrás vidro preto

De Curitiba a Fortaleza: Hibri-Bus curitibano estreou antes em testes na capital do Ceará.

A esquerda acima um Amélia na primeira padronização de pintura campineira:

Ônibus branco, com uma faixa colorida indicando pra que parte da cidade ele vai.

Agora segura essa bomba:

A direita um Amélia na mesma pintura. Mas circulando na Zona Leste da Capital.

hibribus hibri-bus Ctba marcop verde híbrido sem placa chapa volvo elétrico motor traseiro atrás vidro preto interbairros 1 z/c outra pintura fora padrão tribais arco escuro 2 cores tons

Hibri-Bus no Interbairros 1, que circunda a Zona Central da capital do Paraná.

Amplie e poderá ver que veio usado de Campinas, apagaram o logotipo e numeração.

Mas não repintaram pro padrão ‘Saia-&-Blusa’ paulistano então vigente. Improviso. Tabela trocada.

………

Já que estamos aqui na Capital Paulista, vamos ver uma ‘tabela trocada dentro do mesmo município.

Em 2003 foi implantado o padrão ‘Inter-Ligado’, que vigora até hoje.

buso sp i2 letreiro eletrônico z/n vidro preto azul branco inter-ligado caio metrô santanaA cidade foi dividida em 8 faixas, os busos têm a cor da região. A faixa 2 é azul escura, e fica na Zona Norte.

O consórcio responsável pelas linhas é a Sambaíba, a mesma que tem muita força em Campinas e região.

Ao lado um exemplo, a linha tem o ponto final na Estação do Metrô Santana. Prefixo 2, cor azul, Sambaíba, Z/N. Tabela normal.

tribus trucado 3 3º eixo z/s vidro preto i7 sp roxo interligado brancoA faixa 7 é roxa (ou violeta se preferir, ou ‘vinho’ como as Mulheres diriam), e fica na Zona Sul. A região do Capão Redondo, Jd. Ângela e entorno.

As linhas são do Consórcio 7, do Grupo Ruas, aquele que detêm 60% ou mais da frota paulistana.

Não é pouco, o total são 14 mil veículos portanto só as viações do Ruas (concentradas nas Zonas Sul e Leste, as mais populosas) têm perto de 8 mil ônibus.

trocado-spO grupo Ruas também é  desde os anos 90 dono da Caio – a montadora faliu, e só não fechou porque foi comprada pelo Ruas.

Logo 100% de sua frota é dessa encarroçadora, pois o conglomerado compra dele mesmo. Assim a Caio tem mercado pra lá de cativo.

A direita de costas um Apache Tribus do Consórcio 7: roxo, prefixo 7, eis a tabela normal.

Isto bem estabelecido (pros paulistanos é pleonasmo, falei pro resto do Brasil), vejamos a esquerda a tabela trocada:santo amaro lona z/s municip sp buso caio alfa faixa verde branco artic

Outro Apache da Sambaíba, e por isso com o azul da Zona Norte.

Mas emprestado pro Consórcio 7, e daí a numeração que começa com 7, e indo pro Terminal Santo Amaro, Zona Sul.

sao-paulo-em-itajai……….

Direita: também indo pro Terminal Santo Amaro e também Caio.

Um articulado Alfa, na pintura ‘Municipalizado’ dos ano 90. 

Os veículos maiores (articulados e tipo ‘padrão’ alongados‘) usavam faixa verde, os pitocos faixa vermelha.sao-paulo-em-itajai1

Pois bem. Em 1996, um articulado paulistano (branco, faixa verde) Volvo/Marcopolo foi testado em alguns lugares do Brasil antes de ficar em definitivo em SP.

Acima e ao lado (essas e outras pela página vindas da página EgonBus) o busão em Itajaí, Santa Catarina.

bauru-testesE a esquerda o mesmo veículo em Bauru, São Paulo.

Cumprindo a linha Octávio Rasi, que pelo visto é a ‘piloteira,’ a escolhida pra testar os carros novos que ainda não foram adquiridos em definitivo.

Outro detalhe: ainda pela ECCB, a famosa Empresa Circular Cidade de Bauru, que deixou muitas saudades.bauru

Paciência. Tudo muda, e a ECCB se foi.

Em seu lugar entraram outras viações como a Cidade Sem Limites e a Grande Bauru.

A direita vemos um Marcopolo da Grande Bauru, numa padronização de pintura da cidade.

cuiaba3E a esquerda:

Um buso ex-Bauru agora em Cuiabá, da Integração Transportes.

Alias a capital do Mato Grosso é famosa por absorver ônibus usados do Brasil inteiro e pôr pra circular sem repintar. cuiaba

A campeã nacional da ‘Tabela Trocada’.

Quando estive lá, no já distante ano de 2006, isso foi o que mais me chamou a atenção.

Vamos a mais exemplos, que são abundantes.

sjcA direita: Apache da Sol em Cuiabá. Ainda na padronização de São José dos Campos-SP.

Já a esquerda, o exato mesmo veículo na ‘tabela normal’, com seu antigo dono no interior paulista 

(Nota: alias vemos no buso atrás desse que em SJC ainda se usa escrever ‘Cidade’ quando a linha retorna ao Centro. cuiaba2

Décadas atrás foi assim também em SP Capital, Campinas, e quem sabe outras cidades, mas não mais a muito. Em SJC ainda é.)

……..

Tou só me aquecendo.

santos De branco e faixa azul, mais um Apache circulando em Cuiabá, pela Viação Sol. Agora com a pintura de Santos.

Mato a cobra e mostro o pau. Vemos ao lado o exato mesmo Apache.

Clicado anteriormente numa belíssima tomada na orla dessa importante cidade portuária paulista, e de brinde ainda ao pôr-do-Sol (ou talvez um nascer-do-Sol).cuiaba4

A conexão Santos/Cuiabá apenas se inicia.

A direita:

Da mesma Viação Sol, outro Apache em Cuiabá.

Ainda com a decoração visual santista

santos-2Como comprovado a esquerda, um desses bichões com a ‘tabela normal’ no Litoral Paulista.

Dessa vez não conseguimos o flagra do exato mesmo carro, até porque acima é Caio, ao lado trata-se de um Marcopolo.

Mas a pintura está aí registrada, é o que basta.cuiaba1

Pensa que é só Uberaba que tem EMTU sem pertencer ao estado de São Paulo? Pensa?

Então filma ao lado mais um da Viação Sol cuiabana.

………..

E por falar nisso voltamos pro interior paulista.

campinas2Esquerda:

Neobus da Viação Itajaí de Campinas. Número de teste tradicional, 2999

Com a pintura dos metropolitanos de Belo Horizonte.

Exemplificado a direita: metrop outra postagem: "Tabela Trocada" linha adesivada vidro buso bh laranja amarelo adesivado cidade administrativa sede governo estadual masdcarello eletrônico placa itinerário viaduto pichado pichação

Mascarello  na Grande B.H.

Abaixo um Marcopolo municipal de Belô, também laranja e amarelo.

Na capital de Minas, como em Curitiba, no SEI de Recife e muitas outras cidades, a cor do ônibus não indica pra onde ele vai.

amarelo buso bh eletrônico marcop letreiro menor lateral placa itinerário vidro hospitais transição azul flechas paese tabela trocada categoria errada 3 portasE sim a categoria da linha: expresso, alimentador, diametral, circular, radial,  inter-bairros, etc.

Não sei qual a categoria dos ônibus laranjas, sei que cada cor é uma categoria.

Mas vejam ao lado:

O buso é laranja. Mas a placa do itinerário é azul. FR071 8071 lona buso ctba frota pública volvo ciferal alvorada articulado chapa branca laranja propriedade povo provisório interbairros inter-bairros tabela trocada redentor terminal parado ponto final letreiro saliente cima

Logo, o buso é de uma categoria, mas está cumprindo linha de outra.

Mais uma ‘tabela trocada’ municipal.

A direita, um exemplo aqui de Curitiba.

interlig branco lona buso sp i3 Amarelo z/l vidro preto caio apache tribus trucado 3 3º eixo paese 2002 placa vidro itinerário letreiro reservado papel escrito mão improvisado linha colado vidro para-brisasArticulado laranja da Frota Pública da Urbs. Pela cor deveria fazer linhas do Expresso.

Por um tempo os Expressos foram laranjas, depois voltaram ao vermelho, pra quem não sabe.

Mas está fazendo linha de Interbairros, note a placa de itinerário verde atrás da porta.

sjp ex-carmo buso anos década 90 ctba livre lona marcop torino laranja sjp são josé pinhais tabela trocada ex-munic metrop terminal ponto final guadalupe quisisana padrão alongado motor atrás traseiro

Term. Guadalupe, Curitiba. Torino ex-Carmo, viação municipal, em linha intermunicipal pela Viação S. José dos Pinhais. Mudaram o n°, e o ‘Cid. de Curitiba’ por ‘Metropolitano’. Mas não tiraram o laranja dos alimentadores de Ctba. Carmo e S. José eram do mesmo dono. Na “licitação” de 2010, Carmo acabou e S. José assumiu suas linhas municipais da capital.

O ônibus que o ultrapassa, esse sim, está adequado a linhas de Interbairros.

………..

Acima: Tribus amarelo da Zona Leste de Sampa faz ‘Paese’ (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência).

Que é exatamente o jargão técnico paulistano pra ‘tabela trocada’.

Deveria estar numa linha, mas em situação emergencial está em outra.

Como ele não faz esse roteiro normalmente, na época da lona a linha não constava no letreiro.

operando expresso azul pinhais z/l ctba artic ex-recife era volvo torino marcop buso bege terminal guadalupe centrão z/c placa itinerário linha vidro para-brisas fora serviço paese tabela trocada improviso roda preta pintada ficha técnica portal página internetDaí a escrito ‘Reservado’ no local apropriado.

E você tem que saber a linha por uma placa improvisada no para-brisas.

Cara, beleza. Na época da lona era normal.

buso bh minas mg sinal esquina farol vermelho metrop linha pintada lata lateral improviso coberta fita-crepe mudada

Belo Horizonte, novembro de 2012 (*).

Mas filma isso a esquerda.

No mesmo Terminal Guadalupe (Centrão de Curitiba) falado na foto acima a direita:

Articulado vai partir pra Pinhais (na Zona Leste metropolitana). Mas você tem que saber isso por uma placa no vidro.

Já que onde deveria vir a linha está grafado ‘Fora de Operação’. Detalhe…. o letreiro é eletrônico.

buso Brasil RJ vidro preto Sto. Domingo RD carioca letreiro menor lateral linha

Santo Domingo, outubro de 2013 (*).

Não bastava simplesmente digitar a linha num teclado, como eu faço pra produzir esse texto?

Improviso na lona, vá lá, eu entendo. Agora, esse improviso no letreiro digital….

Sinceramente não pude compreender. Está registrado, cada um chegue a suas próprias conclusões.

……….

buso ex rio janeiro rj carioca assunção paraguai importado levado português letreiro niterói piratininga são lourenço san lorenzo z/l

Assunção, maio de 2013 (*).

Direita acima, aquele ônibus vermelho que só aparece parte da lateral:

Belo Horizonte, novembro de 2012 (essa é de minha autoria, por isso está asteriscada (*), como já dito):

Por falar em improviso, né?

Em Belô, e em Belém, por muitos anos a linha veio pintada na lateral ou adesivada no letreiro do veículo.

Portanto o ‘carro’ tem que ficar fixo nela, não dá pra mudar. Esse é o padrão em quase toda América Latina, ou era antes do letreiro eletrônico e das ondas de modernização.

itajai

Itajaí-SC (não confunda as fotos da Viação Itajaí de Campinas-SP com a cidade portuária catarinense, essa é o 2° caso): frota oriunda de B. Horizonte, ainda com a pintura de Minas (vide imagem de um com essa pintura em BH um pouco mais pro alto na página) na garagem da Coletivo Itajaí. No entanto, não sabemos se eles operaram assim ou foram repintados antes de ir a rua. Se receberam nova decoração conforme o padrão correto da cidade, não é tabela trocada. Numa garagem da Gde. Curitiba também foi flagrado um ex-BH, mas ele não rodou aqui como chegou, foi adequado a nosso padrão.

No Brasil porém não era assim, exceto nas capitais do Pará e de Minas. Nelas, enfatizando de novo, o carro ficava fixo na linha.

Mas e se precisasse mudar? Mete uma fita-crepe por cima da linha antiga e já era, como flagrei em B.H., em 2012.

Improviso? Tabela Trocada. Quem disse que não troca???

……….

Já que o tema é América Latina, emendamos essa (você já viu as fotos um pouco pra cima, busque pelas legendas):

Santo Domingo (Rep. Dominicana, Caribe), e Assunção (Paraguai), ambos no ano de 2013:

Busos cumprem linhas locais. 

Foram importados usados do Brasil, e sequer mexeram nos letreiros laterais que informam quais linhas eles cumpriam no Grande Rio:CMM

Respectivamente, como observado: “734- Madureira/Rio das Pedras” (municipal carioca) no Caribe, e “Piratininga” (Niterói) no Paraguai.

Direita: articulado Mega Neobus (aquele redondão que é a “re-encarnação do espírito” Monobloco) sai do T5, em Manaus  – prefixo em cor diferente porque é ‘Costa Norte Brasileira‘.

Antes de seguir pro Amazonas, essa safra fez testes em Salvador. Confira os bichões na Boa Terra, mas já na decoração manauara, com o ‘M’ de Manaus e tudo.

campo largo buso piedade neobus merced amarelo faixa branca cinza micrão 3 portas munic ctba z/oPra fechar, vamos ver mais algumas viações que operam na Grande Curitiba fazendo ‘tabela trocada’ no interior/litoral do Paraná e Santa Catarina.

Esquerda: pintura municipal de Campo Largo, subúrbio da Zona Oeste da capital do Paraná (fonte: página Ônibus in Brasil).

A viação é a Piedade, que pertence ao grupo Campo Largo.

porto união vitória buso amarelo marcop cinza ex- campo largo z/o ctba viale faixa interior paraná sc pr catarina divisa

Ônibus da Piedade em União da Vitória/PR.

Pois bem. Paraná e Santa Catarina compartilham 2 cidades-gêmeas, Rio-Mafra e ‘Porto União da Vitória‘.

Cada cidade-gêmea é composta por uma mesma cidade que se espraia por dois municípios, um em cada estado. Politicamente, estão separados.

Mas na prática formam uma e a mesma cidade em todos os outros aspectos: cultural, econômico, urbanístico, etc.

Ou seja, Rio Negro-PR e Mafra-SC formam uma única urbe, que é Rio-Mafra. Porto União-SC e União da Vitória-PR são uma e a mesma cidade, Porto União da Vitória.

porto união vitória buso amarelo marcop cinza ex- campo largo z/o ctba viale faixa interior paraná sc pr catarina divisa

Da mesma viação em Porto União/SC. Notam que as tomadas vieram do sítio IMP Ônibus.

No passado, em ambos os casos não havia divisão, sequer na esfera política. As cisões são herança da ‘Guerra do Contestado‘.

Pro que nos interessa aqui, a Campo Largo comprou as viações locais das duas cidades gêmeas, tanto ‘Rio-Mafra’ quanto ‘Porto União da Vitória’.

A divisa PR/SC agora é dela, inconteste. O que a guerra separou, o grupo Campo Largo voltou a unir, segundo alguns.

Os busos vão usados da região metropolitana da capital, e não são repintados pra operar no interior, como notam. buso rio-mafra outra postagem: "de Curitiba pro mundo" eletrônico amarelo marcop cinza ex- campo largo z/o ctba rio negro viale faixa interior paraná sc pr catarina divisa

Nas 2 fotos acima já vimos os ex-Gde. Curitiba (pintura municipal de C. Largo) dos dois lados da divisa em ‘Porto União da Vitória’

Ao lado: Mafra-SC, março de 2015 (*). Em foto clicada pessoalmente por mim, vemos mais um ex-Campo Largo, ainda na pintura original. 

buso rio-mafra outra postagem: "de Curitiba pro mundo" amarelo marcop faxinal ex-ctba negro eletrônicoMano, não apenas não re-pintaram. Não se deram o trabalho sequer de re-emplacar o veículo.

Eu tirei uma foto bem de perto, onde se lia na chapa “PR-Campo Largo”, acabei apagando sem publicar pois o espaço é limitado.

E esquerda também em Rio-Mafra um da mesma viação, dessa vez no padrão de Curitiba (*).

testes1

Próximas 2: ‘Super-Articulado’ Mercedes/Marcopolo (com 4° eixo, 23 metros e 220 pessoas, enquanto que em um sanfonado normal são 18 metros e 150 passageiros) em testes em Curitiba – amplie a foto ao lado pra ler a placa de São Bernardo do Campo (no ABC, Grande SP), sede da Mercedes. Essas do busão prateado e outras imagens vieram da página IvanBuss.

(Duas notas: 1-Até 2015 os sistemas municipal e metropolitano da capital eram o mesmo.

Mesmo após a separação da parte financeira várias linhas metropolitanas ainda usam as cores da capital.

A linha metropolitana mesmo Ctba/Campo Largo ainda é feita por ônibus amarelos, e é exatamente por isso que vemos esse na divisa PR/SC.

E 2- Sinceramente, não lembro se tirei a foto acima a esquerda em Rio Negro ou em Mafra.)

Mas não faz qualquer diferença, a maioria senão todas as linhas são inter-municipais, e portanto inter-estaduais.

Natural, pois, repetindo, Rio Negro e Mafra são uma e a mesma cidade, embora sejam 2 municípios distintos, um em cada estado.

testes

Tem portas dos dois lados. Como ele é cinza e as portas da esquerda são elevadas, poderia fazer linha de Ligeirinho. Se ele estivesse na linha Inter 2, não seria ‘Tabela Trocada’, entraria só na outra postagem, ‘Em Testes’. Mas ele está usando as portas da direita pra puxar a Inter-Bairros 2, que na tabela normal é verde. Então trocou a tabela.

Portanto o ônibus lá tem que ser ao mesmo tempo urbano e inter-estadual, assim como Foz do Iguaçu tem linha urbana e inter-nacional.

……….

Como foi bem ilustrado e explicado na matéria sobre os Ônibus Metropolitanos de Curitiba, 1992-Presente:

No começo dos anos 90 os busos inter-municipais da Grande Curitiba deixaram de ter pintura livre.

Foram padronizados em uni-color: a cidade foi dividida em várias faixas, cada uma com uma cor.

Assim pela cor você já saberia pra qual município suburbano vai aquela linha.bege graciosa lona são josé pinhais buso ctba metrop jardim ipê padrão longo busscar

Umas poucas linhas deveriam ser beges, excepcionalmente. Só que a exceção virou a regra.

Só a Viação São José dos Pinhais se manteve no esquema original e ainda é vermelha.

Todas as demais, incluso as outras empresas que também vão pra S. J. dos Pinhais, padronizaram toda sua frota em bege.

metropolitano lona buso paranaguá pgua graciosa caio apache pintura livre 3 portas roda pintada branco faixa verde emblema logo letreiro praia de leste adesivo feliz 2008 cortinas ano-novo paraná pr litoral interiorQue portanto é a cor arquétipa de ônibus metropolitano em Curitiba. Isto posto, vamos lá. A direita a tabela correta:

Pintura bege padronizada metropolitana de Curitiba, viação Graciosa em linha da Gde. Curitiba.

A Graciosa também atua no Litoral do Estado. E lá continua pintura livre.litoral

Veja a esquerda esse Apache que liga Paranaguá a outras cidades costeiras. 

Essa, por sua vez, é a tabela normal, branco e verde (cores e desenhos escolhidos pela empresa) perto do Oceano.

bege marcop buso ctba metrop br-116 terminal fazenda rio grande reunidas

Tabela correta: Reunidas Metropolitano na Gde. Curitiba. Padronizado bege com letra ‘M’.

Na maior parte do ano, fora da temporada, geralmente funciona assim mesmo.

Mas no auge do verão, quando o calor está no pico, o Litoral bomba de gente.

Aí o que acontece: a Graciosa desce parte da frota, pra ajudar por lá. E esses ‘carros’ extras trocam de tabela.

Acima a direita, Busscar da Graciosa vai pro balneário de Guaratuba. 

santa-catarina-livre

Tabela correta: Reunidas suburbano em Santa Catarina. Pintura livre.

Entretanto, bege padronizado e com o ‘M’ do sistema metropolitano da capital. Mais: escrito ‘São José dos Pinhais’ na lata.

Outro caso similar. A viação Reunidas tem sede em Santa Catarina. Mas ela opera também na Grande Curitiba.

Sua área de atuação é formada por alguns municípios bem distantes que ainda começam a se metropolizar de forma efeitiva.

santa-catarina

Tabela trocada: suburbano em SC, mas pintura do Metropolitano do PR.

Pois são tão longe que ainda são uma transição entre interior e subúrbio de metrópole.

Seja como for, observe acima a esquerda (onde aparece o terminal ao fundo) a tabela correta:

Marcopolo da Reunidas na Grande Curitiba. Bege, e com o ‘M’ de metropolitano

Como dito vemos o Terminal Fazenda Rio Grande, mas os busos da Reunidas não integram, só passam em frente mesmo.

piracicabana-sao-roque-7215

Como surgiram as R.M.’s de Sorocaba e Vale do Paraíba, a EMTU encampou várias linhas da Artesp. Mas a linha São Roque/Itapevi ainda é da Artesp (veja o adesivo do ‘S’ de Suburbano no vidro), e portanto ainda é pintura livre. E o que a Piracicabana (sempre ela!!!) fez? Botou buso com pintura EMTU fazendo linha da Artesp, apenas tiraram as faixas vermelhas e cinzas.

No entanto, a Reunidas também opera linhas suburbanas (pega estrada, mas é buso com catraca e 2 ou 3 portas) no interior do Paraná e Santa Catarina.

E ali não há padronização de pintura.

Acima a direita (vide legenda) um Marcopolo com pintura livre branco com detalhes em azul e vermelho, e o ‘Reunidas’ enorme.

Essa é a tabela correta pras linhas do interior.

Agora acima a ‘Tabela Trocada’. A linha é Três Barras/Canoinhas/SC.

Mas o buso é bege e tem a palavra ‘metropolitano’ e sua inicial ‘M’ grafados, padrão da Grande Curitiba.

O n° também tem o prefixo ’30’, estabelecido pela Comec (órgão estatal paranaense que regula o transporte metropolitano). Apenas a entrada foi invertida pra trás.kombi adapatado caseiro artesanal perua vw volkswagen verde branco alongada gancho pé-grande roda pneu 16 janelas limosine

……….

Aqui se encerra a matéria. Vamos aproveitar o embalo e pôr as ligações pras outras matérias que também foram atualizadas com várias fotos.

mercês Linha Turismo buso 1-and ctba vidro alongado adaptado maior símbolo jardineira motor atrás traseiro branco desenhos pontos turísticos praça tiradentes centrão z/c parado ponto final pessoas passageiros entrando subindo embarcando bonde bondinho ciferalGostou da Kombi Pé-Grande, com um gancho na frente e se tudo fosse pouco hiper-alongada com 16 janelas?

É trans-gênica, claro. Além dessa adicionei outras 3 Kombis (uma trucada, ou seja, Tribus), e outras 2 com reboque – que é outra Kombi cortada.

costa-rica

De Curitiba pro Mundo“, e fechando com chave de ouro: Caio ex-Curitiba na Costa Rica. Como no letreiro ainda diz “Inter-Bairros 2“, é tabela trocada. Fonte: sítio Bus-Planet (busos do mundo inteiro).

E além disso um ‘Pé-Grande Casa-Móvel’.

E essa jardineira na Linha Turismo? Atualizei a matéria contando ilustradamente a história de toda a frota que já operou e opera na Linha Turismo:

Jardineiras, ônibus 1-andar adaptado, ônibus 1-andar feito especialmente pra esse fim, e 2-andares.

Portanto desde as linhas que a precederam e geraram: Pro-Parque e Volta ao Mundo.

Que Deus Ilumine a Todos.

Ele-Ela proverá

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s